quarta-feira, fevereiro 28, 2018

vaso de barro [poema 173]

No meu vaso há uma terra húmida
Não sei porque não seca por dentro
Tem pedras polidas que não são montanhas
Tem sementes que não podem ser árvores
Tem matérias que não sei onde são

E as águas vieram, famintas
Por entre as ranhuras do barro
Amarelecido pelo tempo
queimado, gasto com terra
húmida

É velho este vaso, está partido,
Mas tem terra húmida,
pedras, sementes e outras coisas,
É um vaso que espera.
Espera o coração da viagem

8 comentários:

Anónimo disse...

Nas Mãos do Oleiro

E se eu te fizer viver aquilo que você cantou?
E se a resposta for um não, pra o sim que você tanto esperou?
E se eu prosperar quem em ruínas te deixou?
E abençoar quem sem motivos te desprezou?
Qual será a sua reação? E se eu sondar esse teu coração? Será que você canta e me adora ou desiste e chora? Quem você é diante dessa situação?
É que eu te ouvi cantar pra mim dizendo assim
Quebra a minha vida e me faça de novo
Eu quero ser, eu quero ser Senhor, um vaso novo

Você pode até quebrar, mas tem que ser nas mãos do oleiro
E Eu sou esse oleiro que é fiel justo e verdadeiro
E você é apenas vaso, Eu estou te moldando
Para ser cheio e usado, usado, usado
Porque Eu abato e exalto quem eu quero
Mas só faço conhecer meu coração
Aquele filho amado e sincero
Que entende que Eu não preciso de ninguém
Pra concordar ou discordar de mim
Eu sou Deus e sempre sei agir

Gil António disse...

Boa tarde. Visitando, lendo e elogiando o seu bonito blogue.
Imagens, poemas e prosas, fantásticas,
.
Meu blogue: http://brincandocomaspalavrass.blogspot.pt/
.
Deixando cumprimentos poéticos
Votos de um feliz fim-de-semana.

Anónimo disse...

A felicidade não é uma estação onde chegamos, mas uma maneira de viajar.

Anónimo disse...

...É um vaso que espera.
Espera o coração da viagem..............

Anónimo disse...

Podemos viajar por todo o mundo em busca do que é belo, mas se já não o trouxermos conosco, nunca o encontraremos.

Ralph Waldo Emerson

Anónimo disse...

Penso que este poema é de mais sublime espiritual.
duma espiritualidade tão alta que nem qualquer pessoa
pode atingir.
Deus pode moldar esse vaso, como o oleiro...
Pode deixar entrar novas pedras húmidas
ou secas. Pode mudar o teu coração.
o teu sentimento a tua ação.
neste vaso cheio de tudo
está Deus lá no fundo. A olhar o teu vaso
que mesmo vazio, está cheio. Está cheio
do teu amor do teu Senhor...

Gil António disse...

Visitando, lendo, gostando do espaço que considero muito bonito e acolhedor, prometendo voltar. Gostei muito dos seus textos e dos seus poemas.
.
* Chuva que acalma CORAÇÕES … secos pela desventura *
.
Cumprimentos poéticos
Votos de um dia feliz

ROBSON PENSADOR disse...

Amei os poemas do seu blog ,
está de parabéns ! Quero convida-lo a
conhecer um pouco do meu trabalho.
Esse é meu blog: www.robsonpensador.blog.br