segunda-feira, fevereiro 15, 2016

A caipirinha

Estava diante do Santíssimo com um colega ao lado. Outro sacerdote. Outro cristão. Outra forma talvez de viver a fé. Ele ajoelhara-se para falar ou escutar o Senhor. Eu colocara uma perna em cima da outra, traçadas, esticado para trás, confortavelmente em posição habitual em mim. Em tom de brincadeira, o colega levantou o rosto, olhou para mim de alto a baixo medindo a posição em que me colocara diante do Senhor, e insinuando que aparentava estar num bar, disse. Queres que te vá buscar uma caipirinha? 
Baseado na chamada oração corporal, e em toda a demonstração orante que o nosso corpo faz, tem razão o meu colega. Tratava-se de estar diante do inefável, do Deus que se ama com respeito. Mas eu só estava a falar com um amigo, o Senhor, e com os amigos eu falo assim.

9 comentários:

Anónimo disse...

um dia também gostava de tomar uma caipirinha com Ele, e dizer-lhe umas coisas!

Anónimo disse...

Essa "outra forma de viver a fé" é muitas vezes a causa de as nossas igrejas estarem ás moscas e os jovens não aparecerem por lá.
Não quero com isto dizer que deva ser tudo uma "bandalheira" e que cada um faça o que lhe der na real gana, sem ter em conta o respeito que a Deus é devido.
Mas quando se tem um amigo não creio que o modo de lhe falar seja o faltar-lhe ao respeito.
Bem pelo contrário. Se realmente é um verdadeiro amigo, isso só por si impele-nos a fazer tudo para não o desgostar.
Creio que ver em Deus um amigo não nos deve" pôr" na sua presença rígidos e hirtos.
E como a conversa é como as cerejas, veio-me á lembrança um sacerdote ,até bastante novo, que dizia há uns dias num grupo de pessoas onde eu estava, que era terminantemente contra a comunhão na mão. Que por ele, tal prática devia ser abolida e toda gente devia comungar na boca.
Eu dei comigo a pensar, se me fosse dado estar fisicamente frente a frente com Jesus, eu conseguia lá dar-lhe só um beijinho muito tímido e respeitoso?
Não. Eu corria era prós seus braços e abraçava-O com quanta força tinha.
Por isso quando comungo quero-O nas minhas mãos, na minha boca , no meu coração!
Mas pronto, também é outra maneira de viver a fé.
Maria Ana

Anónimo disse...

Quando estamos com um amigo até podemos andar ás cambalhotas com ele. Depende do amigo!!!
Agora com o Senhor?... Amigo sim, mas respeito. Pernas cruzadas como se estivesse no bar?. No meu fraco entender penso que devias cruzar não as pernas, mas o coração com o coração de Deus.
Penso que és muito jovem padre. enrola-te na misericórdia de Deus.
Aí encontrarás a fé e a força que precisas para a tua vida.

Anónimo disse...

Defato Deus tem de ter muita paciência com os Seus padres.
Um pernas traçadas, outro mirando o colega para oferecer uma caipirinha! Eu dou-me com
esta. Onde está a fé e a oração destes homens de Deus?
Que a Sua misericórdia os acompanhe.

Confessionário disse...

17 fevereiro, 2016 15:34 e 17 fevereiro, 2016 15:53

Imagino que possais ser a mesma pessoa, pela forma de redigir...
Queria apenas dizer que me ri com boa vontade ao ler esses dois comentários. Não é que tenham ou não razão. A opinião é válida!
O que me impulsionou a rir foi a forma como a palavra "misericórdia" (que agora pelos vistos está na moda) foi utilizada.
Assim sendo, eu tb vou desejar misericórdia do Senhor para quem parece não ter misericórdia!

Anónimo disse...

Sr padre, os seus textos fazem me pensar... Ainda à dias, ao entrar na igreja para adoração do santíssimo, e ver o padre da minha paróquia sentado, em vez de estar de joelhos fiquei espantada. Pensei que a culpa era dos 29 anos dele. Afinal ele apenas estava a falar com o Amigo. Bjs.

Anónimo disse...

Amigo anónimo de 17/02/2016, 15h53, concordo consigo, Deus tem que ter muita paciência com os seus padres... Estando três presentes, o bonito seria o Colega do Sr. Padre ter oferecido uma rodada.

Anónimo disse...

Ler os comentários que se seguem ao meu (16 fevereiro,2016 16:35) obriga-me a deixar o seguinte testemunho.
Numa paróquia vizinha, durante dezenas de anos não houve vocações, nem um único jovem foi para o seminário.
Veio substituir o padre anterior que faleceu, um padre jovem com uma alegria contagiante que deu a conhecer uma outra face de Deus, a do bom humor e da alegria.
E nunca me pareceu que essa sua maneira de ser ofendesse a Deus.
Não acredito em coincidências! O que é certo é que depois de ele vir um jovem entrou para o seminário e hoje já é padre e um outro está a caminho disso.
O Espirito Santo sopra onde e como quer.
Mas reitero a minha opinião, maneiras de pensar como as que li (que no entanto nos devem merecer todo o respeito) podem ou não deixar-nos tristes mas deixam certamente as igrejas vazias.
Maria Ana

Unknown disse...

Opá, adoro o seu blog! Estou a explorá-lo, post a post e cada vez estou mais encantada!

Concordo consigo. Posso ter o maior dos respeitos pelo Deus que adoro no Santíssimo, mesmo estando sentada, de pernas cruzadas e com o corpo ligeiramente para trás e o inverso também é verdadeiro: posso estar prostrada, ajoelhada e até com cara de recolhimento e não sentir intimamente respeito, ou ligação. Penso que o segredo será o de ter respeito sempre e colocarmo-nos "corporalmente" como nos for mais favorável, de modo a potenciar ao máximo essa atitude respeitosa.
Um beijinho,