quarta-feira, novembro 04, 2015

Janelas e estradas [poema 78]

Vou olhar todos os dias pela tua janela
Segurar o sol na minha lua amarela
Agarrar-te para lá daquilo que sou

Mesmo quando não estou.

À noite acenderei todas as velas
Deixarei o sol habitar nelas
Saberei as estradas e as margens

Porque vais nas minhas viagens.

9 comentários:

Paulina Ramos disse...

Bom dia!

Que bonita esta mensagem de amor!

"Saberei as estradas e as margens

Porque vais nas minhas viagens."

Belo muito belo!

Anónimo disse...

Boa tarde,

Bonito, muito mesmo..
Bjs
MM

Anónimo disse...


Poema 78.

Confessionário disse...

pois era só para ver quem estava atento! lol

Anónimo disse...

Por momentos pensei que o Sr. Padre tinha iniciado uma leva de poemas em contagem decrescente, o que além de poético seria muito original. LOL

Anónimo disse...

Está-me aqui a faltar alguma coisa????

Coruja Sábia disse...

Estou de volta, depois das minhas longas férias. Larguei o celular e o computador, nada melhor do que um descanso merecido. Esplêndido poema, devo dizer estupendo. Estou batendo palmas caro amigo. Fico feliz em lhe ver alegre, tens uma escrita simples e bela. Realmente coisa de uma alma poética.

Boa sorte e que Deus lhe abençoe.

Confessionário disse...

Bemvinda Coruja, e obrigado pelas palavras!

Confessionário disse...

06 novembro, 2015 14:49

tinha-me enganado e colocado este poema como sendo o 76...