quarta-feira, maio 23, 2012

Esta é para ti, Diana, parte VIII, preparada

As frases da Diana saíram do nada, que é como quem diz Saíram sem serem esperadas. Mas saíram desse nada, e para a Diana é tudo. E para mim acabou por ser tudo. Estou preparada. Sei para onde vou. Sei o que me espera. Não tenho medo de morrer amanhã. E a lágrima saiu como entrou, também do nada. Uma lágrima de emoção. Uma lágrima de tudo. E na dela colei a minha. Como colei o meu sorriso. E ela colou o dela no meu. Dois sorrisos e duas lágrimas bonitas a percorrerem um rosto bonito e um rosto de admiração. Olho-a e digo que é Deus que estou a olhar. E a nossa linguagem mistura-se, porque nos entendemos. Porque falamos a mesma linguagem. A linguagem de Deus. A visita que demorou quase três horas de mãos dadas e afagos de parte a parte, fixou a mais pura das nossas realidades humanas. Seres frágeis que são de Deus. Sabe, padre, já me apeteceu desistir. E eu disse-lhe que não podia. Deus não queria. Mas que se entregasse nas mãos Dele. Sabe, às vezes fico cansada de estar cansada. Sofro muito. E não é por deixar de sofrer que estou em paz para partir. É porque sei o que me espera. Deus.

19 comentários:

Anónimo disse...

Oh!
Não tenho palavras.
Esta história está a fazer com que o meu dia a dia pareça feito de rosas quando comparado com a relidade da DIANA.
E já fiquei cansada, e já quis desistir da vida sem saber o que me esperaria a seguir, apenas por estar cansada.
Que grande lição de Vida.

DIANA, que posso eu dizer-te, que tu não saibas já?

MUITA FORÇA DIANA

Anónimo disse...

Bolas, este texto é por demais!
Ficamos sem palavras!

Moçambicano disse...

Olá, Caro Amigo P.e "Confessionário".
Olá a Tod@s Quant@s por aqui passam.

Embora ainda não tenha comentado, tenho estado a seguir atentamente estas "Partilhas" sobre a Diana.

Têm um sabor especial, porque - embora por vezes nos esqueçamos -, ainda estamos em Tempo de Páscoa.

Uma palavra apenas: OBRIGADO!

E um forte abraço para Tod@s, cheio de Verdadeira Esperança Pascal (e não de um "sucedâneo" qualquer).

Moçambicano

Moçambicano disse...

Apenas mais um comentário:

- Pode ser que a Diana, com o seu Testemunho, ajude a que a Igreja perceba a Riqueza que são as Mulheres - desde a Presença aos pés da Cruz e como 1.ªs Testemunhas da Ressurreição de Cristo -,nomeadamente em termos de Espiritualidade, e sem "histerias" (de parte a parte)se caminhe no sentido da "Igualdade na Diversidade" com que Jesus tratava os/as seus/suas mais Próximos/as.

Aconselho a este propósito a lerem uma Reflexão sobre Maria Madalena - a "Apóstola dos Apóstolos" (sic) -, que veio na "Além-Mar" do passado mês de Abril.

Outro abraço para Tod@s.

Moçambicano

Anónimo disse...

Os ANJOS existem mesmo!!!

Cumprimentos

Anónimo disse...

Ficamos sem palavras, sim...

Mas o certo é que só conseguimos expressar gestos de afecto com pessoas muito debelitadas porque das outras temos MEDO. Sim, medo! Ou sou eu que estou errada? Quer responder-me padre?

Confessionário disse...

ó anónimo de 23 Maio, 2012 17:22

As pessoas mais debilitadas estão mais abertas aos gestos de carinho dos outros, porque sabem que precisam deles. Temos de aprender a aceitar a nossa debilidade e que precisamos do outro.

E aconselho a que, partindo deste princípio, sejamos mais afectivos uns com os outros, porque, afinal, todos somos débeis, de uma forma ou de outra.

Joana disse...

Este ultimo texto,em linguagem moderna e atual, recordou-me a história de Clara e Francisco de Assis na era medieval.
A unica diferença é que quem morre primeiro é ele.

Lindas estas duas histórias e estas 4 vidas juntas, pois tanto na era medieval como na atual,ainda existem pessoas com as mesmas certezas em Cristo, em Deus e no Céu.

Peço eu humildemente a Deus, que me ilumine desta mesma forma e me traga as mesmas certezas que trouxe à Diana e a si pe.

Para poder compreender a alegria, o valor e sentido da vida.

Obrigada pe. por nos reforçar a fé, é por isso mesmo que os padres ainda fazem falta. Pelo menos na minha vida e no meu caminho.
Bjs :) Joana

Filha de Maria disse...

A respeito dos afectos;

Se repararmos bem, em qualquer instituição a que nos desloquemos normalmente encontramos pessoas frias, amargas e pior que tudo... frustradas com a vida e com elas próprias.

Assim sendo (e na minha humilde opinião), na igreja iremos encontrar
pessoas marcadas por essas vivências... e ninguém tem coragem de demonstrar publicamente esses afectos. Vivemos constantemente "mascarados"...

O Pe. Léo Pereira da Comunidade Bethânia (já falecido), deixou-nos um grande testemunho em relação aos afectos... acolhia os "seus filhos", com amor... durante o Sacramento da Penitência, muitos deles deitavam a cabeça no seu colo... esta era e é, uma comunidade para restaurar vidas e ele amava cada um dos seus filhos, como sendo biológicos... mulheres que haviam sido prostitutas, dependentes quimicos, alcoolicos... crianças abandonadas.

Nunca o conheci pessoalmente, mas a s suas palestras que ainda circulam no youtube, mostram bem o legado que ele nos deixou!

Amar como JESUS amou!

Desculpem-me... mas não consigo ver qualquer impureza, numas mãos que se dão na hora da dor, num abraço na hora da desolação... ou até um beijo fraterno como gesto simples e afectuoso...mas todos nós sabemos que na Igreja, há muitos a ver mal onde só há pureza!

Rosa disse...

É de lamentar muitas vezes vivermos perto das pessoas que amamos e sermos tão pouco expressivos e deixarmos passar o tempo sem dizer o que nos vai na alma,mas o ser humano é mesmo assim reservado,tímido e pouco atento aos outros ,nós deixamos escapar tantas coisas belas por entre os dedos, desde que nascemos sabemos que vamos um dia para o Pai do Céu e aqui na terra temos de construir também o Céu, porque senão somos muito pouco merecedores Dele.
A DIANA tem Deus com Ela

Confessionário disse...

Ó Joana, quem me dera ser o Francisco. Mas estou longíssimo desse exemplo de vida, de santidade e de fé...

Joana disse...

Se voce diz isso pe. que direi eu uma simples leiga.
Na sua vida tem certezas absolutas, eu apenas tenho dúvidas.
Voce fala da Verdade que conhece, eu ainda procuro essa Verdade.

O encontro com este blog, foi um pouco nessa procura, nessa busca de respostas, de reflexões que pudessem dar um sentido à minha vida.

Voce pode não ser santo, mas certamente será e é um exemplo de vida e fé para muitos.
Lembre-se que São Francisco de Assis só foi proclamado Santo depois de morrer. Em vida era considerado um mendigo e um louco para muitos.

Aliás todos os Santos da história só o são depois de mortos. Portanto continue a evangelizar e a percorrer o seu Caminho de Certezas e Verdade, quem sabe um dia não será como São Francisco de Assis.

Afinal ser pe. já é um bom começo.

Bjs Joana

Confessionário disse...

Joana, minha amiga, agradeço, mas...

Confessionário disse...

ahhh, e eu tb procuro a Verdade. Tenho certezas, mas procuro também a Verdade.

Filha de Maria disse...

Pe. Amigo;

Os Santos, são todos aqueles que nunca se cansaram de recomeçar... não foi num estalar de dedos! :))

Rosa disse...

Concordo com a Joana no comentário de 25 Maio 13:40

Vitor disse...

Caro padre, obrigado pelo blog, eu, um missionário e religioso, não sacerdote, sempre vi em suas palavras a sintonia que tu desejas encontrar com seu povo. moro em outro continente, vivia ao mato, no interio a trabalhar, agora estou numa numa função eclesiastica. Como irmão, mas atendendo muitos paroquianos, sempre tentei levar as pessoas a realidade, a simplicidade, a fé e a alegria de viver. Obrigado pelo blog!

Anónimo disse...

Graças a Deus,
Por ter posto a Diana no teu caminho,

Graças a Deus,
Por te ter posto no caminho da Diana,

Graças a Deus,
Por te ter posto a ti e à Diana, no meu caminho,

Obrigada por este momento!

Anónimo disse...

Anónimo disse...
A Dina não nasceu para ela, nem morreu para ela. Foi uma dádiva de Deus ao mundo. De um Deus que se quis fazer presente nela. Que elegeu num corpinho jovem, frágil, esgotado, sofredor, para nele se revelar. Para tornar mais perceptível a enormidade do Seu tamanho. A intimidade da Sua presença. Que a grandeza da Sua força é anímica. E ela acolheu-O no seu doloroso corpo com a enormidade daquele seu maravilhoso sorriso. Com toda a vitalidade da sua alma. Colou a vontade D’Ele à dela. Porque sabia que Deus é alegria. E, que tê-lo assim tão pertinho, é a maior alegria. Ele viveu nela. Ela viveu N’Ele. Agora, são um do outro. Deixou-nos a dádiva. Se esta menina, em todo o seu padecimento, sempre soube manter escancarada a porta do seu coração, a mim não me é permitido menos do que a deixar entreaberta. Caso a vontade me falhe, que o faça em tributo. Mais uma vez, obrigada, Dina. Irrealmente bela.

03 Maio, 2013 17:05