sábado, maio 26, 2012

Esta é para ti, Diana, parte IX, sexta-feira santa

A Diana entrou em coma induzido na sexta-feira santa, a sexta-feira da paixão do senhor. Curiosamente, nessa sexta-feira. Passaram outras, e no sábado passado, pela tarde, recebi novo telefonema do irmão. Quando vi o número do Bruno fiquei alarmado. Curiosamente – outra vez - estava a escrever umas coisas sobre a Diana. Estava com tempo naquela tarde e tinha-lhe prometido que, como ela já não conseguia contar a sua história, eu encarregar-me-ia de o fazer. Estava, portanto, a escrever e a pensar na Diana quando o irmão me ligou. Padre, vou já para Lisboa. As coisas estão como deve imaginar. Não precisamos de dizer mais nada. E não conseguem imaginar como fiquei paralisado a escrever e a escrever. Sabia que tinha de escrever tudo. Não podia parar. Só conseguia mexer os dedos no teclado. O resto ficara parado. Saí de casa porque tinha de sair. Às dezoito horas tinha de estar numa das paróquias para celebrar a missa e fazer um baptizado. O caminho durou uns vinte minutos de desassossego. Olhei por duas vezes o relógio. O coração apertava cada vez mais. Sabia que o melhor da Diana estava para vir. Mas estava perturbado, sem fôlego. Desta vez cheguei quase em cima da hora da missa. Contei a uma paroquiana amiga que estava muito perturbado. Expliquei os motivos e disse. Tenho a sensação que a minha amiga acabou de morrer. Não sei explicar. Algo me diz que é assim. Mas ninguém me ligou. Estava já à mesa de uns amigos para meter qualquer coisa à boca antes de uma outra missa quando tocou o telefone e eu corri para ele. Era o Bruno. Padre, era só para lhe dizer aquilo que já deve saber. Não digas mais nada, Bruno. Diz-me só a que horas foi. Tudo me caiu em cima quando ele disse que deviam faltar uns dez, doze minutos para as dezoito horas. E chorei. Não foi só porque a partida de um amigo dói. Chorei, emocionado, por causa dos desígnios de Deus que são tão grandes.

Esta é para ti, Diana, parte I

N.B. Vou atribuir acrescentos aos anteriores títulos, para ajudar a percepção dos textos.

11 comentários:

Anónimo disse...

Mesmo não duvidando nem um pouco da santidade da "Diana", mesmo tendo a certeza de que ela está junto de Deus, ainda hoje recordo esse dia com emoção! A dor da separação que a morte provoca, transformada em alegria da certeza na ressurreição!

Padre, amigo, tens o dom de saber transmitir grandes partilhas em simples palavras.
A "Diana" já não pode contar a sua história, mas tu hás-de contá-la e levá-la longe.
Obrigado pela lágrima de me fizeste correr pelo rosto, que se juntou à tua, à da "Diana" e à de muitos que tiveram o privilégio de a conhecer.

LPS

Rosa disse...

Não tenho palavras...Senhor Padre Bem-haja,por tudo o que deu a Diana ...também ficou mais rico,assim como nós ao ler toda a Sua descrição.
Tenho muita fé,e certeza que a Diana está no Céu junto de Deus.

Anónimo disse...

Tenho acompanhado esta história e bem me parecia que ela já tinha este desfecho. Mas será que ainda há mais coisas a contar da Diana?

Maria disse...

Sem palavras... embora já calculasse que o desfecho desta "história" seria este. Compreendo a sua dor de amigo, Jesus também chorou. Ela agora está bem. junto de Jesus que já amava tanto aqui na terra.
Beijinho
Maria

Anónimo disse...

E vai uma lágrima com a sua, padre.
Esta história foi tão bonita.

Joana disse...

Hoje entendi a publicação de todos os textos :)
A Diana representa Jesus, como sendo cada um de nós.
Escolheu o tempo e altura certos para publicar esta história!
Fim do tempo Pascal, Pentecostes...
Foi, não foi? Eu sou uma pessoa muito inteligente.lol :)

Brincadeiras à parte, foi bom, viver esta história durante estes dias.
Espero e confio que a Diana esteja verdadeiramente na paz do Senhor. As vossas almas estavam em verdadeira sintonia pe. daí voce sentir o momento da sua morte.
Quando duas pessoas se amam verdadeiramente, à maneira de Jesus, as suas almas ficam para sempre ligadas. Como irmãos ou almas gémeas.

Pelo menos eu sempre acreditei e acredito nisso.
Que a Diana se torne o seu anjo da guarda no céu e o inspire a ajudar o próximo cada dia mais.

Bjs :)

Confessionário disse...

Se calhar ainda há mais, Joana.

Luz disse...

Boa noite.
Fiquei novamente emocionada e com o coração apertado, com esta narração.
Claro, estava sempre com receio deste desfecho.
Mas, a Diana é um anjo que foi para o céu.
A dor de perder alguém ,como a Diana é muita, mas até Jesus chorou pelo seu amigo Lázaro.

«Vede como era seu amigo!»

Anónimo disse...

Obrigada pe. Confessionário!!!

Anónimo disse...

Olá conf.
Hoje apenas isto:
Um abraço muito grande, para você, para ela e para Ele.

Alexandra

Anónimo disse...

Faz hoje um ano que igualmente perdi um primo que, sofrendo de paralisia cerebral, todos os dias me fazia lembrar que a vida era bela, mesmo no sofrimento. Só que, no final o João deixou de sorrir.. como se explica o martírio de um Santo? Onde está o meu primo?
2 meses antes perdia o meu melhor Amigo, um padre de 85 anos, que me retirou do agnosticismo e me apresentou Deus..
E eu a lutar contra mais um tumor maligno, embora não muito agressivo...
Pergunto-me por vezes qual os designios de Deus?
"Agnostica Portuguesa" do blog da Alice Moreira (brasil)