sábado, junho 02, 2018

Os óculos da paróquia

Tenho ao meu encargo uma paróquia pequenita, onde são poucos os que sabem e conseguem ler as leituras na Eucaristia. O senhor Jacinto é um deles. Mas no passado Sábado, quando chegou a hora de ler a primeira leitura, e porque se esquecera dos seus óculos, enquanto se dirigia ao ambão, ia perguntando ao resto do pessoal, em alta voz, se alguém tinha uns óculos que lhe emprestasse. E não é que havia! Levantou-se a senhora Capitolina, tirou os óculos que o seu nariz e orelhas seguravam, e entregou-lhos junto ao ambão. Já estão a imaginar como me ria tapando a boca para não se escutarem as gargalhadas. Ninguém se descoseu ou achou estranho. E na hora o senhor jacinto começou a leitura sem qualquer problema. Da mesma forma a concluiu e, distraído, já ia para o seu lugar quando a senhora Capitolina foi ao seu encalço, a meio da coxia, para lhe pedir os óculos, dado que agora era ela que tinha de ler a segunda leitura. Mais difícil foi aguentar por detrás da mão tanta vontade de rir. E como se não bastasse, quando chegámos, depois da homilia, à Oração dos Fieis, e o senhor Jacinto se dirigiu, de novo, ao ambão, para fazer a referida leitura das preces, já a Capitolina, sem que lhos pedisse, saíra do seu lugar para lhe emprestar os óculos.
Por este andar, no próximo dia que lá voltar, sou bem capaz de ter de pedir à senhora Capitolina que também mos empreste para ler o Evangelho. Óculos destes não é em todas as paróquias que existem!

11 comentários:

Silvia Lourenço disse...

Se tu soubesses a falta que esses óculos, me fizeram na passada Quinta feira! lol.
Faltou me uma D. Capitolina... Mas se calhar também precisava de uns olhos como os do Sr. Jacinto...

SL

Ailime disse...

:))Deve ter sido hilariante!
Leio-o muitas vezes em silêncio e sou sua seguidora há bastantes anos, mas hoje não resisti a deixar o meu sorriso.
Abençoados óculos!
Ailime

Anónimo disse...

Nunca comentei mas hoje é o dia!
Obrigada por esta partilha. Tantas vezes, ao lê-lo revejo momentos da minha comunidade, da qual estou afastada por razões profissionais.
Tantas vezes me inquieto e questiono a minha fé e encontro alguma paz e serenidade no conteúdo e forma do que e como escreve... Obrigada!

Confessionário disse...

02 junho, 2018 22:07
Imensamente grato

Anónimo disse...


Como o conheço um pouco faço ideia o quanto se terá vencido
para não dar uma gargalhada valente que abalaria toda a Igreja.
De fato a simplicidade do Sr. Jacinto deve ter ecoado até
céu!!!

Continue com estas anedotas que tb. eu posso beneficiar.

Obrigado.
Ab.

Anónimo disse...

Imagino o tanto de coisa que o senhor ve durante suas celebrações, já que tem a visão inteira da igreja.Deve ter que se concentrar muito, em situações como essa, por exemplo.
Penso tbém as coisas horripilantes que deve ouvir no confessionário....kkk...
Mas nesse caso, que bom que D. Capitolina foi solidária!!!

Cassi.

Anónimo disse...

Olha que ideia foi dar....eu que tantas vezes deixo de ler poque me esqueço sempre dos óculos, afinal nao há desculpas!

Gui disse...

Pois... Assim não há em todas as igrejas mas na minha terrinha, quando gente nova teve responsabilidades lembrou-se de arrumar algumas tralhas (algumas até arrumadinhas no caixote do lixo. Ficaram, entre outras coisas alguns pares de óculos para lá de velhos, numa caixa na sala de espera para também desandarem para o lixo. Pouco tempo passado e já me perguntavam pelos óculos, que se tinham esquecido dos óculos e agora não encontravam uns que estavam na gaveta.
Com o tempo apercebi-me que aquele "banco de óculos" perdidos era usado ocasionalmente por várias das velhotas.

Anónimo disse...

que risada...

Anónimo disse...

muito bem, isto sim é uma partilha, e pô-la em prática na hora certa.!!
bj

vp disse...

sim, que risada tb por aqui, obrigado.