sábado, maio 31, 2014

O peitinho da menina

A menina que ia baptizar estava toda vestidinha de branco com aqueles vestidos maiores que as crianças, cheios de folhos e muito justos no pescoço. Os pais e os padrinhos estavam de fato sem gravata. A ocasião merecia vestimentas à altura que é como quem diz roupas de cerimónia. Eu já me vesti assim em ocasiões como esta. Ali estavam diante de mim e de toda a comunidade, quando chegou aquele momento em que é necessário descobrir o peito da criança para ali ser ungida. Ora, sendo um vestido justo no pescoço, ou se desaperta um ou dois botões, caso os tenha, seja na frente ou atrás, ou então há que levantar os folhos do tecido e encontrar um pedaço de peito para ungir. Muitas vezes arma-se tamanha confusão que nem queiram saber. Eu costumo pedir calma e suficiente serenidade para que o momento seja ajustado ao rito. Mais, costumo ir dando indicações aos pais sobre o que vem a seguir, para que estejam concentrados no sacramento e menos no que fazer durante o sacramento. Faço sinais com os olhos. Sim, às vezes também os pisco. Murmuro palavras e indicações. Aponto discretamente. E assim fiz no baptizado da menina para que lhe descobrissem ou destapassem o peitinho. Falei duas ou três vezes Peitinho. Não me entenderam, e o pai olhava para mim a perguntar. Apontei ao peito da criança. Nada. Apontei para o meu peito e disse Agora é aquele momento do peito. E até que enfim o pai me entendeu. Assim sendo, entregou a criança à mãe, colocou as duas mãos no primeiro botão da sua camisa sem gravata e toca de desapertar uns botões. O padre teve de intervir, não fosse o homem desapertar a camisa toda. Depois clarificou que era o peito da criança que tinha de ser descoberto. E depois nem o padre nem as gargalhadas resistiram mais. Além desse desfecho burlesco, este padre que aqui está a escrever aprendeu uma grande lição. Que tinha de ser mais claro, não fosse algum dia alguma mãe lembrar-se de fazer o mesmo.

13 comentários:

Melissa disse...

Muito engraçado :)

Anónimo disse...

Realmente Padre... o melhor é ser direto :)

Anónimo disse...

eheheh----ela a cada uma...

SIRF disse...

E mais uma vez....gargalhadas! Então mas esses pais não conheciam o ritual? Admiração! :-?
Por aqui o meu pequeno pirata foi baptizado no ano passado e o senhor padre faz uma sessão prévia para falar um pouco sobre o ritual, deveres e obrigações dos padrinhos entre outras coisas, onde estiveram presentes os pais e padrinhos. No nosso caso o piratinha também esteve...a dormir mas também esteve. Afinal de contas a festa era dele e há que estar presente seeeempre. Gostei muito!
Aquando do casamento, na minha paróquia não havia (e ainda não há!) os cursos de preparação para o casamento, e eu acho que são tão importantes. Isto só para frisar que acho extremamente importante as pessoas saberem o que estão a fazer. Não irem só pela festa! Mas pronto! Isto sou eu! Miúda de 32anos!

Anónimo disse...

Boa tarde!
:) :) :)

Era um casamento, o vestido caicai realçava a elegância da noiva.
Ao levantar-se o vestido ficou preso e em vez de subir com o corpo ficou para baixo, deixando-a com os voluptuosos peitos descobertos.
O padre deve ter ficado surpreendido mas não o demonstrou e disse apenas "alguém ajude a noiva a vestir-se"...
Depois de terminada a cerimónia resolvem brincar com o padre e dizendo "Ah! pois mas o sr padre olhou, não fechou os olhos." Ao que o padre responde com um ar descontraído e maroto, "pois verdade que não fechei os olhos mas quem os fecharia assim de repente".
Padre, prepare-se pois "hoje em dia" tudo pode acontecer nas cerimónias da igreja.

:)


Anónimo disse...

Fantástico :)

Ruth Bassi disse...

Padre, não achas que seria útil, o serem abordados e explicados os vários passos da cerimónia, nas reuniões preparatórias para o Baptismo? É preciso não esquecer que, muitas vezes , se trata apenas duma ocorrência social sem conotação religiosa...
Um abraço
Ruth

Ruth Bassi disse...

Padre, não achas que seria útil, o serem abordados e explicados os vários passos da cerimónia, nas reuniões preparatórias para o Baptismo? É preciso não esquecer que, muitas vezes , se trata apenas duma ocorrência social sem conotação religiosa...
Um abraço
Ruth

Confessionário disse...

Ruth e SIRf, eu faço sempre essa preparação e bem clarinha, digo eu.
Mas mesmo assim, vão acontecendo coisas!

Quando não fazem comigo, exijo que tenham feito e apresentem declaração. este foi um desses casos...

JS disse...

Bem, não seria totalmente descabido que o pai da criança recebesse aquela unção.

É certo que não está prevista a sua realização após o Baptismo. Trata-se de um rito preparatório. Mas não se lhe atribui um efeito ex opere operato. O combate contra o mal e a adesão corpore et mente ao bem terão de passar pela vontade consciente e livre do ungido, que se manifesta precisamente no estado de vida adulta.
A dita unção assinala e remete para a ascese, que, na iniciação do adulto, acontece essencialmente no catecumenado. Mas, tratando-se do baptismo de crianças, há de facto um desfasamento.

E o baptizado de um filho é um excelente momento para (mais do que a recordação ou renovação) a reassumpção das promessas baptismais, como fundamento e motor da missão que se propõe desempenhar. Aliás, grande parte do ritual do Baptismo de uma criança se dirige e se destina aos pais e padrinhos, inquirindo sobre as suas disposições, convidando-os à escuta da Palavra e à oração também por si mesmos, ordenando que professem a sua fé, instando a que ajudem a criança a conservar a dignidade cristã pela palavra e pelo exemplo e a que velem pela luz de Cristo nela acesa, solicitando que recitem, também em nome da criança, o Pai-nosso e implorando de Deus para eles uma especial bênção.
No meio de tanta coisa, a dita unção até encontraria o seu lugar...

JS disse...

Mas não deve ser muito fácil entender o sentido desta unção. E no caso de proximidade no tempo com a outra, pós-baptismal, ainda mais difícil será a compreensão.

Havia um senhor padre que, quando lhe dava para a brincadeira, chegado a esse momento, anunciava com voz grave: "Vamos fazer agora o exorcismo da criança". Contava ele que era um regalo ver a cara das pessoas, entre o espanto e o choque.
Pois se até os abrenúncios são feitos tantas vezes com sorrisos nervosos...

Curiosamente, se em público se estranha esse tipo de oração, que evoca Satanás e as forças demoníacas, em privado são cada vez mais as pessoas a procurá-la junto dos sacerdotes, ou de quem possa ajudá-las. Chamam-lhe "oração de libertação".

JS disse...

E, reflectindo um pouco no assunto, penso que este rito (oração/unção) de exorcismo até será a melhor resposta da Igreja para aqueles que acreditam ter o corpo aberto e buscam um ritual de fechamento. Perante a prática milenar da Igreja, as chaves, banhos e simpatias deixam muito a desejar.

Talvez valha a pena lembrar que antigamente, em algumas famílias litúrgicas, era o mesmo óleo que era usado para os enfermos que servia para os catecúmenos. Havia uma só oração de bênção sobre o óleo, a pensar nas duas finalidades. Realidades distintas, mas conexas...

A. disse...

Fiquei um pouco arreliada quando o pároco da minha paróquia ligou ao meu marido a avisar que teríamos que fazer uma reunião com ele juntamente com os padrinhos. Ainda por cima às 9 da noite da sexta-feira anterior ao dia do batismo! Os padrinhos não poderiam estar presentes pelo que fomos os dois sem perceber bem o objetivo, pois da mais velha não nos tinham dito nada,(foi uma cerimónia simples e rápida). Estivemos mais de 2h a conversar com o Sr. Padre, talvez 1.30 a falar de tudo e mais alguma coisa e só no final é que percebemos que iriamos fazer uma espécie de ensaio! Confesso que saí de lá muito contente, pois se não tivesse feito a reunião certamente iria meter os pés pelas mãos pois não saberia como agir!