terça-feira, junho 03, 2014

Fuga de Deus [poema 14]

Apetece-me fugir de Ti
Mas estás em todo o lado

Apetece-me fechar os olhos para Te não ver
Mas estás para além do olhar

Apetece-me dizer que não existes
Mas sem Ti decerto não existiria eu
Nem os meus apetites

23 comentários:

Anónimo disse...

Amigo,

o teu poema parece carregar muita ansiedade e desassossego... Seja lá o que for que provoca estes sentimentos ,oro para que percebas os Seus sinais. Procura no teu coração, melhor conselheiro que a razão... Porque o nosso coração está em Deus.

bjinho,

Anónimo disse...

Boa noite,.
intetessante, profundo e que faz pensar, lindo.

Anónimo disse...

O teu poema fez-me recordar estes dados partilhados no DN… sente-se no ar as tuas palavras… não digo que espero estar enganado, apenas digo: seja qual for o caminho, que encontres o teu lugar e as fontes da Esperança onde possas matar a sede, “lugares” onde só Deus te pode guiar. Oro.

“Aumenta número de padres que deixa igreja para casar”

“Os padres que deixam o sacerdócio para casar está aumentar em Portugal, ultrapassando já os 400, segundo o movimento Associação Fraternitas, que está preocupado com o abandono repentino e o corte definitivo com a Igreja de alguns sacerdotes.” …..
"Temos assistido nos últimos tempos a um fenómeno que nos preocupa que é o da autodispensa: sacerdotes jovens e outros menos jovens que simplesmente abandonam o ministério e não querem fazer qualquer processo a pedir a dispensa", adiantou.
Destacou ainda que, quando confrontados com a reconciliação da vida na Igreja, estes padres respondem com "um 'não' taxativo". In DN

PR disse...

Bom dia,
"Procura no teu coração, melhor conselheiro que a razão..."
Magnifica esta afirmação.
Costumo dizer que o que é feito a partir de um "coração saudável" está sempre bem feito, está para além do bem e do mal, por muito radical que possa parecer.
Confessionário, o teu coração parece-me um coração saudável, utiliza-o.
"Apetece-me fechar os olhos para Te não ver
Mas estás para além do olhar"
Não tenhas medo de fechar os olhos da razão n'Ele, passarás a ver através D'Ele já não serás tu que amas, mas ELE que ama através de ti, será o olhar D'ELE que vê através de TI.
Peço desculpa por não me conseguir explicar melhor mas falo-te desta forma pois vivo isso no meu dia a dia, onde não tenho nem medo nem vergonha de assumir que amo de uma forma diferente, que amo para além do que o mundo está habituado a chamar amor.
É este amor que me mantém viva (literalmente) não que eu tenha atentado contra a própria vida, mas por as circunstâncias que me rodeiam às vezes me colocam nesse limite não dependendo de mim a resolução das mesmas mas também não permito que me "vençam"...
Sinto que não sou mais eu que vivo mas é essa força que vive em mim e que faz com que eu me levante todos os dias e a reverencie... A essa força/plenitude, eu chamo DEUS, mas há quem lhe chame outras coisas menos boas.
Os teus apetites são fruto do que és logo não os menosprezes não os ignores trata-os com a dignidade que eles merecem que não estarás a ser desobediente a Deus antes pelo contrario.
Permite-me que te deixe um forte e terno abraço.
Permite-me também partilhar o teu sentir amigo.
PR


Ruth Bassi disse...

Padre,
Embora o teu poema seja belo, transmite algo de incerto que te preocupa e provoca algum sobressalto. Penso que necessitas
de algum exercício de introspecção que te leve a encontrar o motivo dessa angústia que te assalta e que não está resolvida. Nem sempre é fácil, porque estamos a ver a solução mas não a queremos... ou,
se calhar, queremos e não temos coragem.
Que o Espírito Santo te ilumine.
Beijinho
Ruth

Ruth Bassi disse...

Padre,
Embora o teu poema seja belo, transmite algo de incerto que te preocupa e provoca algum sobressalto. Penso que necessitas
de algum exercício de introspecção que te leve a encontrar o motivo dessa angústia que te assalta e que não está resolvida.Nem sempre é fácil, porque estamos a ver a solução mas não a queremos... ou,
se calhar, queremos e não temos coragem.
Que este Pentecostes te ilumine.
Beijinho
Ruth

Confessionário disse...

Nunca vos apeteceu fugir de Deus?!

Vale mais apetecer fugir-lhe, apetecer ignorá-lo, apetecer fingir que não existe, do que pura e simplesmente virar-Lhe costas, que é o que fazemso tantas vezes!

PR disse...

Confessionário,

Sim já me apeteceu fugir de Deus.
Acontece com alguma frequência.
Apetece-me fugir para um lugar onde Ele não esteja.

Um lugar neutro onde até mesmo a sua aceitação constante (os braços abertos de Deus) não exista.

Por vezes não sei o que fazer para fugir desse olhar que Ele nos dirige.

Penso também que fugir de Deus é fugir da vida.

Apetece-me fugir de algumas pessoas que me tentam aprisionar constantemente.

É fácil dar palpites especialmente na vida dos outros, mas tente recordar ao longo do dia que até os momentos menos bons passam.

E que a cada dia somos o resultado de um outro que já passou.

Faça a experiência da meditação (conduzir a mente até um lugar neutro) e deixe-se ficar por lá algum tempo.

Reconforta

Anónimo disse...


Por acaso nunca me apeteceu fugir de Deus, ele é que tem o hábito de andar sempre a fugir-me... E o senhor padre como é que foge de Deus, de frente para ele e de olhos fechados?

Anónimo disse...


É preciso tirar um curso para compreender o estado da sua relação com Deus que parece estar assim um pouco para o disfuncional... umas vezes ama tanto Deus que nem sabe quanto... outras está a lutar com Deus... outras está a fugir de Deus... A mim apetece-me dizer:

Ó homem decida-se!!! Que mal é que lhe fez Deus????

Anónimo disse...

Conf.,

agora fiquei mais descansada... o teu poema afinal não carrega assim tanta ansiedade... Apenas te apetece fingir que ele não existe. Acontece a todos é normal, nada de grave se passa (isto parece um pouco o jogo do toca e foge). Já agora explicas-me a diferença entre fingir que Ele não existe e virar-Lhe as costas?
A sociologia parece-me ser de facto uma paixão tua.

Confessionário disse...

05 Junho, 2014 22:37,

Fingir que Ele não existe, é fazer de conta (é mais parecido com a indiferença); virar-lhe as costas, e saber que Ele está lá, mas eu não quero nada com ele e viro-lhe as costas.

Mas já agora pergunto eu: porque dizes que a sociologia parece uma paixão minha?

Confessionário disse...

05 Junho, 2014 20:01~

Já estou decidido há muito

Confessionário disse...

05 Junho, 2014 19:37

Não consigo fugir Dele!... mesmo quando apetece, porque para qualquer lado que me vire para fugir, Ele está lá!

Sonia disse...

O melhor é fazer uma oração de intersecção a alguém a quem se refere este poema.

E aguardar .

Haja fé.

Anónimo disse...

Porquê sociologia? deixa ver se eu me consigo explicar... Não conheço toda a "matéria" que tens aqui... e o que conheço sinceramente gosto! Mas às vezes parece que lanças o "fogo" com sentimentos, histórias reais ou talvez hipotéticas com personagens reais ou não, à espera de reacções. Obtidas as reacções rematas da forma mais conveniente. Repara que o teu poema é de tal forma forte que todos os comentários indicam que os leitores, pelo menos aqueles que o comentaram, o interpretaram da mesma forma: estás com algum tipo de dúvida concreta e profunda. Obtidos os comentários rematas em jeito de conclusão abstracta. Não é a primeira vez que te vejo fazer isto. Tenho a sensação que estamos a ser "estudados". Esta sensação aliada ao teu gosto pelas sondagens, faz-me pensar na sociologia... Até pode ser a sociologia de Deus :-). Evidente que esta é uma análise muito terra à terra e apenas justifica o porquê da Sociologia. Gosto deste blog, seria ofensivo a todos os que comentam com tamanha profundidade e muitas vezes sabedoria dizer que este blog se resume à análise que fiz acima. Repito, esta análise só justifica o porquê de eu achar que tens uma paixão pela sociologia o que também não surpreende num padre. Nem tão pouco quero sugerir, que pelo menos de forma consciente, existe uma certa premeditação nos textos, poemas que lanças. Mas o facto é que não consigo, em determinados posts deixar de ter essa sensação...

bjinho

Anónimo disse...

Deixa-me acrescentar ainda à conversa da sociologia... Apetecer fugir-Lhe fazer de conta, na minha opinião leiga é no fundo o mesmo que ser capaz de Lhe virar as costas...
E isso eu sei que não és capaz e muito menos o quererás fazer... Não será de ti que queres fugir?

Confessionário disse...

06 Junho, 2014 00:03

gostei de aprender mais uma coisa de mim... mas deixa-me dizer que mais que procurar uma sociologia, se calhar, procura uma humanidade ou humanismo, como lhe quiserem chamar.
Gostei muito da tua observação. Não que eu queira usar os meus leitores... mas ajudá-los a reflectir naquilo que é tb para mim uma reflexão constante!

PR disse...

"para qualquer lado que me vire para fugir, Ele está lá!"
Ele está lá porque tu estás lá, repara que ele está onde tu estiveres.
"mas ajudá-los a reflectir"
Há algum tempo, (muito mesmo) que me apercebi disso, e posso afirmar na 1ª pessoa que foi a partir daqui que eu comecei a reflectir, meditar e a concluir acerca de "Quem és TU e quem sou eu" afinal.
Só lamento a incapacidade de me expressar de uma forma que todos pudessem perceber.
Mas acho que com a idade que tenho e a falta de formação não chegarei lá.

Anónimo disse...

Bom dia,

ainda bem que me consegui fazer entender na questão da sociologia...:-). Nada é perfeito e sensações à parte, no fundo dou-te uma ideia daquilo que fazes aqui representa para mim. A amizade é um bem precioso e inerente à qualquer forma de amar. Mas amizade requer tempo, requer dedicação. Nos dias de hoje, com a vida desenfreada com que todos vivemos não há tempo para isso...e poucos são os que param para pensar... Sou capaz de passar horas com os bons amigos a conversar e trocar impressões. Ensinamos e aprendemos e pelo meio ainda damos umas boas gargalhadas :-). Tu e o teu blog são isso : um bom amigo :-). Disponibilzas o teu tempo, na minha opinião, àquilo que esperamos encontrar num padre,
num pastor. Não só dás como tens a humildade de receber...

SL

Anónimo disse...

Caro Padre,
Deixa-me dizer-te que Deus está a ser muito desagradável contigo nessa coisa de não te deixar fugir para onde bem entendes. Sempre O achei um indivíduo muito prepotente e possessivo, mas esta agora está a ser demais. Depois de tantos anos de abnegado serviço à Sua causa, merecias outra atitude da parte Dele. Embora não sendo especialista, acho que Deus está a adoptar para contigo um comportamento claramente inconstitucional, atentatório dos teus direitos, liberdades e garantias individuais… pode ser um caso de assédio no trabalho… ou até mesmo de violência doméstica… sei lá! Já há mecanismos de apoio às vítimas. Podes intentar uma providência cautelar que o impeça de se aproximar de ti para aí … uns trezentos e cinquenta metros? Sentá-lo no banco dos réus, colocá-lo atrás das grades... Nesta angústia é que não podes permanecer. Não vale a pena fechar os olhos, nem fingir que Ele não existe. Tens é de perder o medo e enfrenta-Lo. Pelo menos já quebraste o silêncio, o que é um passo muito importante. Agora é só seguir em frente com a decisão, o que sei ser-te fácil porque és um homem há muito decidido. Pode ser que Ele se assuste com o correctivo e te deixe seguir com a tua própria vida em paz, sem aparecer em todo o lado para onde te vires (Que lapa!). Bem, se for assim, pode ser até que te deixe de apoquentar e não precises de fugir D’Ele. Só tenho pena é que sem Ele percas o apetite.
Beijinhos

Anónimo disse...

Tu e o teu blog são isso : um bom amigo :-). Disponibilizas o teu tempo, na minha opinião, àquilo que esperamos encontrar num padre,
num pastor. Não só dás como tens a humildade de receber...
Desculpa utilizar as tuas palavras (SL), mas concordo em absoluto, só que ás vezes não me surgem as palavras para expressar o que penso.
"Um bom amigo" é isso, e são tão difíceis de encontrar...
Obrigada (aos dois)

Anónimo disse...


Peço desculpa pelo meu comentário de 06-06-2014, 13:24. É parvo. Às vezes apetece-me fugir para... a adolescência!
Ah, pois!