quarta-feira, outubro 24, 2012

A que objectos de escritório associas mais a figura de Jesus?

Continuando a ideia que propus na anterior sondagem, com o objectivo de reflectir sobre a forma como vemos, pensamos e sentimos Deus, sugiro desta vez que pensemos na figura de Jesus partindo de objectos de um escritório. Pode parecer uma proposta estranha, quase inadequada. Porém, pessoalmente, gosto de procurar o mais além, aquilo que possa parecer absurdo, para encontrar um sentido e uma busca maior, mais profunda e muito pouco absurda. Assim, desta vez, olhei à minha volta, ou melhor, à volta da minha secretária, e procurei objectos para reflectir qual ou quais associaria à figura de Jesus. Já sabem que esta sondagem, como a anterior, terá mais sentido se justificarem a vossa escolha. Por isso, proponho que o façam nos comentários.
A pergunta é: A que objectos de escritório associas mais a figura de Jesus?

26 comentários:

Anónimo disse...

Trabalho num escritório.
O objecto ao qual mais associo a figura de Jesus Cristo é o papel.
É no papel que escrevemos, é no papel que fica impressa a mensagem.
O papel simboliza o nosso coração, é no nosso coração que está Jesus.

Anónimo disse...

Pensei na CADEIRA, é como se estivesses ao colo do Pai… em cada gesto doado na tua missão e no teu trabalho pelo Amor, Ele embala-te a vida, apertando-te mais perto do seu coração, beijando-te o rosto de Filho…

Agora vê lá, não caias da cadeira… já vi miúdos traquinas a tentar soltar-se do colo dos pais e dá-me cá uma aflição… o que vale, é que eles estão sempre atentos como o Pai está também no momento das nossas quedas…

Que Ele te embale sempre o coração… sim que Ele te embale e abrace fortemente….

Adalberto Macedo disse...

O “Razão” – gostava de conferir a minha conta corrente :))
Abraços.

Joana disse...

Sondagem interessante...

É dificil escolher apenas uma opção, a sondagem da cor era mais fácil.

Pensei em responder candeeiro, mas achei demasiado óbvio associar Jesus à Luz e iluminação do caminho.

Depois pensei em borracha, porque Ele apaga e perdoa os erros da nossa vida.

Pensei ainda em cadeira, porque é nela que descansamos.

Mas finalmente optei por afia, porque ela renova a ponta do lápis, quando esta se encontra gasta e dá-lhe vida quando esta se parte "morre".

Acho que Jesus é um pouco assim, quando estamos gastos, cansados, sem forças para continuar a viver "escrever" a nossa vida, Ele renova-nos "afiando-nos" e dando-nos a força necessária, para recomeçarmos com mais entusiasmo.
Quando chegamos ao nosso limite e fim de vida "quando a ponta do lápis se parte", Ele ressuscita-nos, oferecendo-nos uma nova vida.

Bjinhos :)

Porthos disse...

Meu caro:

Usando uma velha máxima do marketing que diz que quando a minha ferramenta é o martelo, todos os meus problemas são pregar pregos, eu diria que associo Jesus ao computador.

Isto porque o computador é cada vez mais o suporte de todas as nossas tarefas de pendor mais administrativo e outras: escrever, fazer contas, falar com os outros, fazer compras, desenhar, refletir, guardar, brincar, entreter, etc.. como Jesus deveria ser também o suporte do nosso dia-a-dia.

E qual é o objeto que tu Lhe associas?

Confessionário disse...

OLá, Porthos, tenho esatdo a pensar e ainda nao sei bem! Depois digo

joaquim disse...

Para mim é a caneta, que é assim como uma extensão das minhas meditações e orações, à qual poderia juntar o papel.

Sabes porquê, não sabes?

Confessionário disse...

Sei, amigo Joaquim, sei...

maria disse...

o blogger já está a ficar para trás em relação ao facebook: queria pôr um like no Adalberto. :)

Mas a vantagem da nossa conta corrente com Deus é que não existe "demonstração de resultados". Existe é a conferência de saldos da nossa parte. Recebemos 5 de graça, de graça devemos dar (o mais que podermos). :)

Ana Melo disse...

Joana, está bonito o teu comentário.


Bom! Vocês desculpem-me, mas é que eu acho que Deus está sempre comigo, portanto, tento a todo momento, que os meus gestos, a minha direcção e o meu olhar, não se desviem muito Dele, mesmo me sabendo uma fé pouco culta.

É nelas que mando sentar os mais apressados e também os que entram sem pressa, e nelas que trabalho, e muitas vezes me disponho a ouvir os que querem partilhar qualquer coisa (mesmo que isto me obrigue a prolongar o trabalho, vezes demais, até tarde). Mas não faz mal depois das 19, mesmo que continuem a entrar, eu desligo a TSF, e ponho num dos computadores os vídeos do Padre Rui Santiago.

É nelas, que clientes antigos ou mais recentes, vão sendo bem recebidos, com jeitos já muito treinados.

E nelas que ouço muitas vezes alguns clientes “mais velhos” a queixarem-se, que a “operação” está a demorar muito -os médicos e os medicamentos foram tornados deuses!-

È nelas que os clientes mais velhotes me dizem para eu aproveitar a vida, e a quem eu logo pergunto? o que é aproveitar a vida? Mas não me sabem responder, a memória leva-os lá para trás! para os bailes e namoros da juventude , ou para alguma traiçãozita ao casamento. Muito raramente o casamento e os filhos não são sinónimo de “grandes” descrições de felicidade.

É nelas que me apercebo de casamentos desfeitos, gente da minha idade, mulheres e homens, que estão a perdoar às novas relações coisas que não quiseram, (ou não foram “deixados” pelos julgamentos dos mais próximos) perdoar ao marido ou a mulher, pai ou mãe dos filhos.

É nelas que recuso desde sempre, os convites para almoços ou jantares (não sei do que tanto se fala nessas horas! como não sou de ferias, viagens, excursões ou noitadas de copos fica pouco para falar).

É nelas que me apercebo, que são desejadas muitas mudanças no país, e nas vidas que criamos nos últimos 30 anos! mas só! aceitamos essas mudanças nas vidas dos outros!! “a mim não”.

É nelas que me apercebo, das queixam dos pais sobre os filhos, e dos filhos sobre os pais. (quando crianças é só beijos e abraços, depois mais adultos é quase sempre e só mão estendida a pedir dinheiro e coisas! - também! a humildade dos mais velhos se perdeu com as reformas altas!)

É nelas que me apercebo que os negócios vão péssimos, mas estamos vivos temos de ir levando.

É nelas, que se sentam os meus sobrinhos e afilhados, quando raramente (já está tudo grande) passam para dar um olá, e para que eu veja como são/estão bonitos.

Confessionário disse...

Olá, Maria

De facto o blogger esta a atrasar-se em relação ao facebook. Já pensei, inclusive, colocar estas minhas coisas por lá. Mas tb não quero desvirtuar este espaço e criar outro que só viesse multiplicar as coisas... Até ver fica assim! Mas tenho pensado nisso, tenho. Esses likes davam jeito, quer ao post quer sobretudo aos coments, além de que a pessoa ia mantendo-se a par do diálogo/debate de forma fácil... enfim

Joana disse...

Obrigada Ana Melo!!

Mas por vezes, sinto que devia viver mais as coisas que escrevo sobre fé e Jesus.
Sou do tipo de falar/escrever muito, mas na prática ainda faço muito pouco. Pois devia confiar a "ponta do lápis" mais vezes nas mãos da "Afia".
Mas infelizmente, muitas dessas vezes, não confio totalmente.

O seu comentário também está muito bom...
Bjs, fique bem :)

Ana Paula disse...

Oi?!
E todas as coisas não seriam importantes?
Cada objeto não tem seu valor? Sua utilidade?
Pensei, pensei e não consegui associar um único objeto a figura de Jesus. É tudo. Se faltar a caneta? Se faltar a cadeira? Se faltar o computador? Se faltar...?
Porém há algo que não pode faltar. O humano.
Quando esqueço qualquer coisa para executar minhas ações, peço emprestado. Mas se eu não estiver lá, nada funciona! Nada terá importância! Nada será útil.
Ou seja, nós somos a figura de Jesus!
Abraço.

Filha de Maria disse...

Não associo JESUS, a nenhum objecto... desculpe... é que em nada mesmo "O consigo ver representado."

Diria antes que O sinto, quando no escritório em silêncio me encontro, e LHE entrego as minhas dores, a minha "cruz" e que muitas vezes LHE digo "não posso mais"... e não raras são as vezes em que as lágrimas saltam do seu lugar, e quase sempre também chega alguém e por esse alguém (seja ele quem for), mostro um sorriso rasgado!

Acho que não me enquadro nesta questão! :(

Ruth Bassi disse...

Padre,
É-me, de facto, muito difícil associar objectos de escritório à figura de Jesus. Porém, haverá sempre maneira de associar algo a Ele, ainda que de forma residual.Olhando ao redor, parece-me, no meu caso, haver uma maior associação no caso dos Códigos que tenho de consultar de forma permanente, pois penso que essa deveria ser também a atitude perante a Bíblia para a compreendermos e cumprirmos melhor.
Confesso que estou mais intrinsecamente ligada aos Códigos do que à Bíblia; será que a tua sondagem me vai levar a uma leitura mais assídua da Bíblia e a uma prática mais consciente? Assim gostaria que fosse.
Beijinho
Ruth

IsaMaria disse...

Jamais pensei associar o que quer que seja da minha sala de trabalho a Jesus. Se tenho dificuldade de O entender na minha vida, do porque é que ele me deu tamanha cruz, como lembrar-me de tal coisa? Sinceramente não escolho nada pois ainda mal o vejo na minha cruz. Ela é tão pesada, que me pergunto se Ele está por aqui a deitar-me a sua mão. Que mal lhe fiz para não merecer a sua mão, tal como tantos de nós em pleno sofrimento? Não faço mal nem a uma mosca e vejo tanta maldade ao meu lado. Por isso a vista turva-se-me para ver o Seu caminho, o Seu rosto, e sentir a Sua presença.

www.tretasnofeminino.blogspot.com

Rosa disse...

Pensei na luz porque Deus é luz.

Filha de Maria disse...

À Isa Maria;

Não sei se isto a ajuda... mas pense num naufrago em plena praia, num dia de verão.

O nadador salvador sai disparado, em auxilio do naufrago, tenta chegar-lhe... mas este esbraceja e põe em risco a vida de quem o que auxiliar. O nadador salvador acaba por colocá-lo inconsciente, para que o salvamento se concretize em segurança.

Talvez o exemplo, seja "humano" demais, mas connosco e com Deus é o mesmo... enquanto nos desesperamos, na dor, no sofrimento... Ele tenta falar-nos ao coração, conduzir-nos... mas teimamos em não nos calar e então não LHE damos oportunidade!

O Pai Celeste, não dá sofrimento, dor... mas permite-o. Somos cada um de nós, um filho único e irrepetível para este Pai de Amor.

Comigo foi assim... cansada de "bracejar" para me manter à tona... fui ao fundo e foi ai que me calei e dei a oportunidade a que Ele me falasse.

Os problemas continuam lá, mas agora sinto Este Pai de Amor comigo... não estou só, e isso dá-me força.

A Paz de Cristo

Confessionário disse...

Olá, não sei se t~em reparado ou se só se passa no meu computador, mas estão sempre a desparecer os votos e nem na última sondagem aparecem os resultados! Não sei que se passa.

Anónimo disse...

Associações muito interessantes e válidas. Jesus junto de nós no dia a dia...

Obrigada, Confessionário. É disto que precisamos!

Anónimo disse...

A sugestão do facebook é bem interessante. Pense na hipótese:)

Ana Melo disse...

Tem razão Padre! essas sondagens estão com problemas!
Bj

Ruth Bassi disse...

Pois e,Padre, comigo esta a acontecer o mesmo relativamente as sondagens.
Ruth

Confessionário disse...

Agora parece que ja está bem, mas devem faltar muitas votações! Enfim...

Adalberto Macedo disse...

Comentário do dia 24 - 22.07
Olá Maria.
Ainda não tinha passado por aqui e lido o teu “comente”! Achei o tema desinteressante (não dava luta); afinal enganei-me. É que não se recebe um like todos os dias :))
Escolhi o Razão para poder fazer o Balanço e, eventual Reconciliação! Não tenho muita Fé no escriturário. Quanto à gratuidade é uma palavra demasiado CARA no nosso léxico.
Abraço e um like também de volta.

Confessionário disse...

Mesmo que com alguma dúvida entre o papel, a caneta, o computador, o dossier e o marcador, decidi escolher o marcador, pois gostava que ele me marcasse inteiramente, que marcasse cada hora ou situação ou espaço da minha vida.