sexta-feira, maio 14, 2010

Que achaste da vinda do Papa a Portugal?

Nova sondagem. Nova reflexão. O objectivo é pensar quer nas consequências quer nas possibilidades que esta viagem trouxe ou vai trazer a Portugal. A ideia é deixar que o nosso coração se explique, que a nossa fé fale, que a nossa comunhão transpareça.
Como classificarias a viagem do Papa a Portugal?
Podes comentar aqui as tuas respostas ou as votações que forem surgindo!

36 comentários:

Teodora disse...

olá pe.

gostei muito e gostava que ele voltasse todas as semanas, se possível à quarta-feira.

de resto os adereços estavam muito bonitos, não sei quem foi o criador - pelo gasto de tecido não foi seguramente a Fátima Lopes.

o uso de bastante dourado remete-me para o universo Cavalli - O Vale do Cávado, Ave, Tâmega e Braga adoraram com toda a certeza!

do que mais gostei foi de ver que lá em cima só estavam membros da Igreja e a política cá em baixo.

Gosto sempre de ver D. José Policarpo - a rapaziada bate a bolinha baixo com este - D. António Clemente, brilhante homem -D. Marto, jenuino - D. José Saraiva, sapiente.

Maria disse...

Caro padre,
vou responder-lhe com um post que puz no meu blog sobre este assunto:
Estou positivamente impressionada com a visita do actual Papa a Portugal. Eu que não esqueci o Papa João Paulo II, começo também a admirar e a amar este Papa. Simples, humilde, tímido, transparece-lhe do rosto uma grande bondade que se sente que é natural. A sua afectividade toca-nos. Desfez toda a imagem de austeridade que tinha dele. Dono de uma vivência interior e uma enorme intelectualidade. Sensível às artes, sensível ao afecto, é impossível não gostar dele. Queira o Senhor, que ainda o tenhamos muitos anos na cátedra de S. Pedro. Creio que é grande a cruz que carrega, não nos esqueçamos de rezar por ele. Obrigada Santo Padre, pela visita e por todos os sentimentos que nos deixaste. Abençoai-nos mais uma vez antes de nos deixardes.
bjs
Maria

Ailime disse...

Sr. Pe., boa tarde!
Neste momento em que estamos a viver com crises diversas o Santo Padre foi uma bênção que o Senhor nos enviou para nos dar um testemunho do que é o verdadeiro apostolado.
Com frases curtas mas plenas de objectividade ele disse-nos tudo ó que é necessário para nos fortalecermos em Cristo e pormos em prática o que está esmorecido!
Ele que com 83 anos é um exemplo de vivacidade e acção.
Tenhamos coragem para actuar como ele nos disse.
Gostei da sua vinda e participei na celebração eucarística de Lisboa.
No dia 13 tirei um dia de férias para poder acompanhar pela TV todos os acontecimentos e fiquei com um ternura enorme por este Homem sucessor de Pedro.
Um abraço fraterno.
Ailime

Teodora disse...

Julgo que foi na canal porto.

Os homens do mar da Afurada aguardavam nos seus humildes barquinhos (pequeninos), com bandeirinhas (pequeninas)na mão, para saudarem a passagem do Papa na ponte.

O Papa passou, não parou e talvez ninguém o soube informar acerca daquela gente que estava lá em baixo à sua espera.

Percebi, pelo comentário de desalento disfarçado feito por um dos pescadores enquanto baixava os olhos, que um simples gesto do Papa fá-los-ia sentirem-se mais protegidos nos seus dias e noites de faina.

Esta gente é das que mais dá à igreja (não duvido que haja tb outros). Diariamente deslocam-se à sua igreja e rezam, limpam, zelam por ela e pelo seu pároco e na hora das honrarias ninguém se lembra deles. Pagam o restauro das suas igrejas.

Enquanto isso aquela besta, aldrabona, que não distingue leite de Coca-cola, oriundo dos confins do Inferno, atrevido ao ponto de dizer ao Papa onde este se deve sentar, é recebido pelo Papa.

Quando esta mesma besta aldrabona tem tratado a Igreja abaixo de pano do chão.

disse...

Não vou comentar o êxito da visita de Bento XVI. Cada um dirá de si e o tempo falará por todos. Tocou-me particularmente a "transfiguração" de Bento XVI. Ele que, minutos antes de pisar o solo português mostrara amargura e desalento, no final da visita era expressão viva da felicidade e esperança! Milagres do Amor que não distinguem pessoas nem estatutos! Milagres de Amor que tornam grandes os mais pequenos sem que disso eles sequer se apercebam!

Tão bom seria se cada um de nós tivesse direito a saborear o calor de um abraço amigo que acolhe em tempo de provação... E é tão fácil, meu Deus!

Pramos disse...

Olá Padre,
O que eu vi nesta visita do Papa foi o mover de uma onda de alegria, católicos e cristãos, exultantes... rendidos ao que a visita de Sua Santidade significa...
A sensação que me ficou foi a de que só pelo facto do Papa pisar solo Português, ficariamos abençoadas...
Obrigada a Deus por Jesus Cristo,
Obrigada a Jesus Cristo pela Fé,
Pelo exemplo que nos deixou e que em tudo nos fortalece.
Foi no sentir dessa Fé que o Papa foi recebido ele e qualquer outros que o venha a suceder...
Até
PR

D. R. disse...

Infelizmente, e ao contrário do que eu tinha planeado, não consegui ir ao Porto no dia 14, para demonstrar a minha fé, nestes momentos tão felizes que se viveram em Portugal.
Digo-o com uma enorme tristeza.

Mas, pelas imagens que pude ver na TV, o Papa Bento XVI revelou-se uma pessoa tão diferente do que eu pintava...
Simples, humilde, bondoso, simpático,... O seu sorriso transparecia paz.

Posso, sem sombra de dúvida, repetir o que tantas pessoas já disseram: O Papa conheceu Portugal, mas, sobretudo, Portugal conheceu o Papa.
Porque, até agora, a imagem que a maioria das pessoas tinha dele era a errada.

No entanto, saliento que, tal como uma professora afirmou aos meios de comunicação social, devemos ter em consideração que o Papa (seja ele quem for) será sempre uma imagem viva de Deus na Igreja. Por isso, devemos alegrar-nos, independentemente das características que o Papa tenha ou não. Devemos estar presentes para mostrar que somos os pedras vivas. Deverá ser sempre esse o nosso intuito: Louvar a Deus. Eu concordei. Embora confesse ser inevitável fazer-se comparações.

Agora, em jeito de conclusão, penso que o próprio Papa se sentiu muito bem neste país. Ou não o revelassem as lágrimas que, perto da hora de partida, deixou escapar no ombro de um amigo meu, português. Imagino que tivesse sido um momento de muita emoção.

E fico feliz por tudo isto. Queira Deus que o Papa Bento XVI regresse a Portugal, muitas vezes.

Anónimo disse...

Deu jeito a todos...
1. Os governantes (a quem o Papa não diz nada) tiveram o povo ocupado e mais receptivo ao novo apertar do cinto
2. O Papa conseguiu ver luz onde só parecia haver trevas
3. O povo sentiu-se abençoado e sempre gozou um dia de descanso

Mas será que podemos afirmar que a Fé dos portugueses foi confirmada? Eu penso que é tudo muito mais complexo. É sempre assim os fracos sustentam os fortes em todos os aspectos. Esperemos que tenham assegurado o Reino de Deus. Jesus prometeu e felizmente acredito.

Tozé disse...

As pessoas estão a precisar de algo positivo. A vinda do Papa foi motivo para festejar e esquecer a realidade. Bento XVI lá fez o que pode para se mostrar agradável e na situação em que a Igreja está foi o melhor paliativo. Sou cristão praticante mas não venero o Papa que só devia ser chamado "santo" no fim dos seus dias. Acho que o que disse em Portugal não acrescentou muito.
AP

Anónimo disse...

Não sei que diga. Se em cada uma daquelas pessoas estiver Deus presente então foi fantástico. Portugal pode orgulhar-se de saber que tem um rumo. Mas duvido um pouco. A idolatria não é um fenómeno de hoje sempre houve e vai continuar a existir mas que não tem nada a ver com fé autêntica.

Obrigado por nos deixar exprimir livremente o que nos vai cá dentro. É bom confrontar ideias diferentes. Gostava que entrasse mais no diálogo com as pessoas que por aqui passam mas lá terá as suas razões.

Teresa disse...

Gostei da frase que disse aos artistas:

"Façam coisas belas e sobretudo façam da vossa vida uma coisa bela"

É isto o mais importante. Se fizermos seguimos Jesus.

Anónimo disse...

As mudanças não são assim tão rápidas. Nem acredito que o Papa tenha mudado (adaptou-se às circunstâncias) nem as pessoas. As grandes concentrações mudam provisoriamente o comportamento das pessoas mas só isso. A fé ou se tem ou se vai adquirindo lentamente

Anónimo disse...

o que eu achei da visita do papa a portugal?


1º bento 16 é um dos motivos pelos quais eu ainda não deixei a igreja católica romana.

2º se os padres continuarem a comportar-se desta maneira, é o que farei, deixarei a igreja:

um padre belga de charleroi da paróquia de san lambert, permite que muçulmanos rezem ao allah, sextas-feiras à noite na igreja. e ainda por cima mandou retirar todas as imagens para não ofender os muçulmanos.

basta! agora sou eu que estou ofendido! ESTOU OFENDIDO!

queria deixar este comentário num site do vaticano mas não há um unico espaço para se deixar comentários!

o link sobre a noticia:

http://www.minutodigital.com/noticias/2010/05/17/un-sacerdote-belga-cede-su-parroquia-para-el-culto-musulman/


espero não ser censurado.

Confessionário disse...

Olá, anónimo das 17 Maio, 2010 17:19

eu vou inter-agindo sempre que é preciso e sempre que tenho tempo. Mas gosto igualmente que sejam uns e outros a dar respostas uns aos outros. Isso é Igreja.

Anónimo disse...

Cristianismo é: Amar a Deus Acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos...
O padre da paróquia da Suiça que permite que os muculnanos rezem na igreja, está apenas a amar os que têm diferentes crenças, se retirou as imagens deve ter algum motivo, quem sabe dessa forma não se convertem uns quantos ao cristianismo.
Se não vejamos o exemplo de Jesus Cristo que a todos amou de igual forma.
Se os padres continuarem a não praticar o exemplo de do Mestre aí sim vão ter templos frios despidos de humanidade.
Importante mesmo é o AMOR... na sua Forma Divina, se muitos o conhecessem na sua plenitude certamente não ficariam ofendidos com as atitudes dos outros.

A visita do Papa serviu para verificar que apesar de tantas dificuldades financeiras que o País atravessa, Portugal acolheu com toda a pompa e circuntância o Líder máximo da Igreja Católica Romana.

Anónimo disse...

Todos gostamos de ser bem acolhidos é o que se pode concluir desta visita. Se a humildade vencer a arrogância já valeu a pena.

Anónimo disse...

O padre da paróquia da Suiça que permite que os muculnanos rezem na igreja, está apenas a amar os que têm diferentes crenças, se retirou as imagens deve ter algum motivo, quem sabe dessa forma não se convertem uns quantos ao cristianismo.
Se não vejamos o exemplo de Jesus Cristo que a todos amou de igual forma.
Se os padres continuarem a não praticar o exemplo de do Mestre aí sim vão ter templos frios despidos de humanidade.
Importante mesmo é o AMOR... na sua Forma Divina, se muitos o conhecessem na sua plenitude certamente não ficariam ofendidos com as atitudes dos outros.


Pois eu acho que o padre deve estar «borrado» de medo porque como todos sabemos o islão é a religião da paz, e como o islão é religião da paz, passa-se por cima dos Católicos e tomam-se atitudes ofensivas para com os Católicos.

Cuidado com os falsos profetas (como o maomé que era pedófilo, ladrão, assassino de massas...).

Anónimo disse...

Passa-se um pouco por toda a parte e nem só na Igreja. O padre Henri Rémy fez isso com a autorização do Dean de Gilly, o que torna tudo ainda mais grave, ou seja, o disparate vem de instâncias mais altas, não se trata de um caso solitário. Uma pessoa até se pergunta se estes clérigos ainda são Católicos ou se são muçulmanos no closet. Veja-se outro exemplo:

No Reino Unido, as alunas da escola Católica de Ellesmere Port foram obrigadas a visitar uma mesquita e obrigadas a fazer a visita vestidas todas tapadas como as muçulmanas. Uma menina que se recusou a fazê-lo foi ameaçada com castigos e os pais receberam «avisos».

Se uma pessoa põe os filhos numa escola Católica é porque quer que os filhos sejam educados numa escola Católica, não é para os filhos andarem a ser islamizados nas costas de uma pessoa. Isto é uma pouca vergonha! E mais uma vez, foi feito com autorização de instâncias mais altas.
Isto não pode ser!

Anónimo disse...

"Pois eu acho que o padre deve estar «borrado» de medo porque como todos sabemos o islão é a religião da paz, e como o islão é religião da paz, passa-se por cima dos Católicos e tomam-se atitudes ofensivas para com os Católicos."

Será?

Cada um só consegue ver nas atitudes dos outros o que não é desconhecido do seu interior.

Não conheço nem a paróqui nem o padre em questão, falo apenas pelas minhas cinvicções.
Cristianismo e Medo estão em lados opostos.

Respeito no entanto o que atráz disse, pois como já referi desconheço " o cenário e os actores "

Confessionário disse...

Caros amigos
peço alguma contenção nas palavras quando falamos dos outros ou outras religiões. Expomos as nossas ideias sem precisar de ofender. Era o que faria Jesus, não?

A diferença dos cristãos é que nós amamos até os nossos inimigos (foi isso que Jesus ensinou!)

abraço amigo

Anónimo disse...

Cada um só consegue ver nas atitudes dos outros o que não é desconhecido do seu interior.


Psicologia barata.


Caros amigos
peço alguma contenção nas palavras quando falamos dos outros ou outras religiões. Expomos as nossas ideias sem precisar de ofender. Era o que faria Jesus, não?



Sr. Padre explique-me onde é que está a ofensa.

Confessionário disse...

ó amigo, está no comentário relativo a Maomé.
Como não gostámos do que um dia falaram do Papa e de Jesus, penso que nós podemos ser a diferença evitando adjectivos como alguns dos utilizados. Por isso apelei a alguma moderação.

abraço amigo

Anónimo disse...

ó amigo, está no comentário relativo a Maomé.
Como não gostámos do que um dia falaram do Papa e de Jesus, penso que nós podemos ser a diferença evitando adjectivos como alguns dos utilizados. Por isso apelei a alguma moderação.



Sr. Padre o que foi dito sobre o maomé é um facto.

Dulce disse...

Esta mensagem que enviei a uma amiga, resume basicamente o que sinto:
"Ouve lá, e não achas que ficava bem ao Vaticano distribuir a sua riqueza pelos pobres do mundo, mesmo que o Papa tivesse que usar uns chinelitos de enfiar no dedo, em vez daqueles ostensivos sapatos vermelhos?"

(não adianta pregar a estômagos vazios)
Não sei se sou ingénua, talvez seja. É o que sinto: gasta-se demasiado dinheiro com recepções que não servem para nada. E eu não gosto. Confesso que nem vi o Papa. Não tive vontade de o ver.

D. R. disse...

Só quero aqui referir que tive o prazer de conviver com muçulmanos e nenhuma diferença vi neles.

Há pessoas "más" em todas as religiões.

Não gosto de estereotipar as pessoas.

Amemos de forma igual todas as pessoas. Sem distinção de raças ou crenças.

Anónimo disse...

«Só quero aqui referir que tive o prazer de conviver com muçulmanos e nenhuma diferença vi neles.»


é só enquanto são uma minoria, quando já são em numero suficiente, é só ver o que fazem a todos os não muçulmanos nos paises islâmicos... e o que já vão fazendo pelo ocidente, enfim.


«Há pessoas "más" em todas as religiões.»

não se trata disso, trata-se dos próprios ensinamentos do maomé. genocidou tribos que não quiseram submeter-se ao seu culto, roubou, violou, matou as pessoas que não concordavam com ele e ainda «casou» com uma criança de 8 anos - já se perguntou porque é que nos países islâmicos os velhos podem casar com crianças e acontece frequentemente? o próprio maomé ensina os muçulmanos a enganar os não muçulmanos, principalmente nos negócios.

Anónimo disse...

"Ouve lá, e não achas que ficava bem ao Vaticano distribuir a sua riqueza pelos pobres do mundo, mesmo que o Papa tivesse que usar uns chinelitos de enfiar no dedo, em vez daqueles ostensivos sapatos vermelhos?"


não concordo.

Anónimo disse...

adoro os sapatos vermelhos do papa.


:)

Anónimo disse...

Há países cujo solo é riquissimo em recursos, no entanto, a população vive na maior miséria porque tudo fica nas mãos de governantes corruptos que usam a miséria para pedir ajuda internacionalmente e a meterem nos próprios bolsos.

Teodora disse...

O dinheiro dá liberdade.

Se o Vaticano não tivesse o poder que tem e que advém da sua capacidade financeira, mas não só (homens intelectualmente inteligentes, serviços secretos, estrategas económicos e políticos, verdadeiros diplomatas, homens disciplinados, focados num objectivo, reservados, discretos, astutos...), a Igreja Católica já tinha perecido há muitos séculos.

Eu sou capaz de perceber a coerência que existe na vida de pobreza e distribuição dos bens pelos pobres, mas trata-se apenas de uma visão que revela alguma juventude.

O bicho Homem gosta de espetáculo. Olhe-se para os gastos na manutenção das casas reais e presidênciais. Ninguém resmunga, porque todos gostam do lado espetacular das coisas. Vivem um sonho por horas que seja.

Actualmente com a obsessão algo psicótica que as pessoas têm pela imagem, se a Igreja descurasse o lado descurasse esse lado seria satirizada.

Não se deve substimar a atenção dos homens da Igreja relativamente à sociedade, eles sabem ler os sinais do tempo. Podemos discordar, mas à luz dos seus princípois são coerentes.

Ainda relativamente à partilha da sua riqueza, eu diria que a Igreja suporta muitos projectos de cariz social. Por vezes não damos conta deles porque não estamos atentos ou porque as situações não nos são muito próximas (felizmente). Eles também não andam por aí a anunciar os seus projectos daí nem sempre serem muito visíveis.

Só me cahteia é ver às vezes instituições ditas de caridade, tipo infantários para crianças carenciadas e depois vamos a ver quem lá anda são os filhos dos abonados e protegidos do sistema. Está certo Alberto!

Dulce disse...

Olha, Teodora, quanto à juventude, eu tenho 44 anos. Até posso perceber o que dizem, sobre a atenção à sociedade, e tal. E até sei que muitos projectos sociais são sustentados pela Igreja. Eu própria o constatei quando pretendi fazer voluntariado.
Mas mesmo assim, não gosto da ostentação. Não é que seja jovem, ou então serei sempre jovem. Dizem-me que sou uma espécie de bicho raro que pensa demasiado com a emoção.

D. R. disse...

"Ainda relativamente à partilha da sua riqueza, eu diria que a Igreja suporta muitos projectos de cariz social. Por vezes não damos conta deles porque não estamos atentos ou porque as situações não nos são muito próximas (felizmente). Eles também não andam por aí a anunciar os seus projectos daí nem sempre serem muito visíveis.

Só me cahteia é ver às vezes instituições ditas de caridade, tipo infantários para crianças carenciadas e depois vamos a ver quem lá anda são os filhos dos abonados e protegidos do sistema."

Eu concordo plenamente...*

Anónimo disse...

O Padre Anselmo Borges é que tem razão. Quantos católicos são mesmo cristãos?
Os valores do Cristianismo andam muito em baixo. Toda a ostentação que rodeou o Papa teve pouco de valores cristãos. Expulsar os sem-abrigo do Terreiro do Paço foi um acto cristão??
Tenho muitas dúvidas. A TAP comprar um serviço bordado a ouro só para servir o Papa tem lógica? Devia partir da Igreja e do Papa o exemplo.

Maria

Anónimo disse...

"Os valores do Cristianismo andam muito em baixo."

no que toca a não conseguirem perceber que o islão não é uma religião, é um culto, acho que sim.

Teodora disse...

Olá Dulce

Aos 44 apaixonamo-nos com a cabeça e não com o coração.

As mulheres e homens que amam com o coração são normalmente infelizes/sofrem.

Dulce disse...

Não percebo o que isso quer dizer, Teodora.