segunda-feira, novembro 10, 2008

Nem pensar

O Tiago é um miúdo esperto. Tem treze anos. Vai sempre à missa. É meu acolito. Tem um sorriso do tamanho de Deus. Enquanto segura na vela junto ao Evangelho, espreita para acompanhar a sua leitura. Penso que é um miúdo que Deus já tocou de maneira especial. Por isso penso também que poderia ser chamado de forma especial para o sacerdócio. De vez em quando insisto qualquer coisa como Bem poderias ir para padre. Davas um bom padre. Já te imaginaste meu colega? Desde pequenito que insisto. Hoje deu-me para falar de novo. A mãe estava presente. Ela ficaria contente, de certeza. Estavam mais duas pessoas na sacristia. A missa terminara, e eu insisti. Bem que podias ir para padre. Nem pensar, respondeu convicto. Um dos presentes lembrou que assim não podia casar. Todos os presentes pensámos no celibato e no casamento. Mas o Tiago acrescentou. Não tem nada a ver com isso. Então, porque não hás-de ir para padre, perguntei. Nem pensar. Já viu o que os padres passam, o que os padres têm de aturar?! Nem pensar.
Calou-me a insistência. Calou o palpite dos presentes. Calou aqueles que procuram respostas quase científicas para a falta de vocações consagradas. Falou daquilo que muitos sentem, partindo daquilo que vêm e ouvem, quando lhes é feito o convite.

42 comentários:

Olhando o Infinito disse...

"Já viu o que os padres passam, o que os padres têm de aturar?! Nem pensar."

O Tiago está a considerar só o aspecto menos bom - todos somos alvo de avaliação(criticas) pela sociedade, mas padre todos esperam a perfeição e não admitem 1único erro...é complicado, e exigente.

Creio que se Deus já O tocou, ele ainda vai a tempo de reconsiderar a sua posição e ser seu colega.

"A messe é grande e os operários são poucos"

um abraço

Anónimo disse...

GOSTO IMENSO DO SEU BLOG PADRE....
QUANTO Á MENSAGEM EU NO MEU PONTO DE VISTA NÓS SÓ PODEMOS TER VOCAÇÕES SACERDOTAIS, FUTURAMENTE SE MOSTRARMOS AOS MENINOS E JOVENS QUE HOJE TEMOS NAS NOSSAS PARÓQUIAS QUE SER SACERDOTE É UM DOM, UMA DÁDIVA DE DEUS.
TODAS AS COMUNIDADES PAROQUIAIS DEVIAM TRATAR O MELHOR POSSIVEL O PÁROCO DA SUA PARÓQUIA, COM CARINHO, AMIZADE E COMO ALGUÉM MUITO IMPORTANTE NAS NOSSAS VIDAS...MAIS UM MEMBRO DAS NOSSAS FAMILIAS... É ESTE O SENTIMENTO QUE SINTO PELO MEU PÁROCO QUE MUITO ESTIMO.
QUANTO AO CASAMENTO DOS PADRES SOU A FAVOR, POIS TODOS TÊM O DIREITO A TER UMA FAMILIA, POIS TODOS NÓS GOSTAMOS DE CHEGAR A CASA E TER ALGUÉM COM QUEM FALAR, ESQUECER O QUE SE PASSOU NO NOSSO DIA....OS OUTROS HOMENS TAMBÉM TÊM TRABALHOS QUE SE CALHAR PASSAM MAIS TEMPO FORA DE CASA DO QUE EM CASA...
TODOS GOSTAMOS DE TER UMA FAMILIA...

Anónimo disse...

O Tiago é ainda muito novo para decidir o que quer que seja.
Um dia, quando homem, vai certamente deparar-se com dificuldades ainda maiores que as dos padres. Aí então, vai lembrar-se que afinal os padres até nem têm assim tantas chatices.
Não têm renda de casa para pagar, pois existe quase sempre numa ou noutra paróquia, Casa Paroquial. Não têm Universidades dos filhos para pagar. Não têm que dar satisfações à mulher porque chegaram tarde, onde estiveram, com quem e por aí adiante.
Não o influencie, se tiver que ser padre Deus o chamará.

Céu

Anónimo disse...

Ao ler o inicio do texto pensei em mim tambem eu serei assim com apenas mais 5 anos que o Tiago.. Sinto me tao perdido padre eu nao sei o que Deus quer de mim??? :(

Como sei que Deus quer que eu seja sacerdote??? Tou tao perdido porque nao consigo ouvir o apelo de Deus...

E tao bom ler o seu blogue obrigado padre e obrigado Senhor por teres posto este HOMEM no nosso caminho...

Abraço padre que Deus o Abencoe

L!NGU@$ disse...

Que bem falou o miúdo.

gralha disse...

A mim só me entristece mesmo que essa oportunidade de escolha só seja dada aos rapazes e não às meninas...

Teodora disse...

Padre
tem de olhar para caixões abertos; visitar doentes; por vezes rezar o terço dentro de igrejas bafientas porque os paroquianos gostam pouco de ar puro; aturar virgens e falsas virgens; taradinhas e taradonas; terinhos e terinhas; gente boa e gente com a mania que é boa; gente que é gente mas que tem a mania que é aristocrata; senhoras da aristocracia de balcão, com pretensão a sangue azul; por vezes, morar em casa velhas e isoladas; não pode sorrir para uma mulher porque é suspeito (principalmente se ela nem percorre os corredores da sacristia - morrem de ciúmes!); se vestir mal, há quem tente substimá-lo; se vestir bem, está cheio de dinheiro; zeladoras que querem mandar na gestão da igreja; carismáticas que se julgam mais boas do que as boazonas; gajas quase nuas em casamnetos(esta parte não sei se lhes desagrada?!) em trajes dignos de qualquer salão erótico; tem de dar lugar a uma dona pureza qualquer, que teima em obrigar os outros a escutar o aleluia num crescendo orgástico.

Uma vergonha! O meu padre ri; eu coro (sou muito tímida); os outros ficam confusos e ela gosta mas não sei se sabe bem o que aquilo possa ser. Talvez pense que é mesmo Deus?!

A minha mãe se ouvisse bem, diria que até faz corar um galego.

Outros padres mandam para o tecto e fazem o que lhes apetece. Nem sempre é bonito de se ver. Haja ponderação.

Anónimo disse...

O que Cristo teve que "aturar",até a cruz.

Ora:(São Mateus 10,24)
O discípulo não é mais que o mestre, o servidor não é mais que o patrão.


Maria

Anónimo disse...

Coitadito do Tiago.
Está agora a começar a despertar para a vida e já estão a interferir no futuro dele.
Deixem-no viver a vida nas várias vertentes.
Faz-me lembrar a "Manhã Submersa" de Vergílio Ferreira.

Canela disse...

"Já viu o que os padres passam, o que os padres têm de aturar?! Nem pensar."

Bom, esta é a grande questão que o Tiago tem (ou parece ter), que o impede de aceitar a possibilidade de dar o seu sim ao sacerdócio.

Acredito que este adolescente, apenas só consegue entender aquilo que vê... e o que vê não lhe agrada (seja o que fôr).

É aqui que o testemunho do Pe. é importante, aquele testemunho vivido na 1ª pessoa, que o faz sentir realizado na sua vocação!

Certamente este jovem aprecia muito a sua amizade, a sua vocação e a sua postura, isso dá-lhe uma responsabilidade acrescida!

O Tiago é muito novo (não imaturo)... muita água passará.

MP disse...

O Tiago é um miudo esperto...

Maria Zete disse...

Olha Padre, as coisas só acontecem nas nossas vidas na hora determinada por Deus, se o Tiago for realmente escolhido por ELE, na hora certa ele (Tiago) sentirá esse chamado e ai então ele irá e assim como o senhor e tantos outros padres, saberá, com a força e a fé que vem do próprio Deus, superar todos os obstaculos.
grande abraço.

Confessionário disse...

Olá, amigos.

Alguns manifestam-se precupados por se fazer uma proposta deste tipo a um adolescente... como se as propostas de vida e de opções tivessem idades certas, ou como se esta idade não fosse uma idade para se lançarem propostas. Pois fiquem descansados que é apenas uma proposta e que se estas não se fizerem, nem adolescentes nem jovens se questionam da sua possível vocação sacerdotal. Ninguém o vai obrigar, muito menos eu. No entanto aprendi que constantemente se devem fazer convites destes e que assim podem nascer vocações consagradas. A minha foi um caso desses, como a de muitos que conheço.
Além disso (é discutível, mas aconteceu) eu entrei para o Seminário com menos idade do que a idade actual do Tiago.

O que mais queria destacar nesta reflexão, e muito a propósito da semana que estamos a viver, a "SEMANA DOS SEMINÁRIOS", é que, muito mais que um celibato, a vida actual que os padres levam não agrada os jovens!

Canela disse...

"...é que, muito mais que um celibato, a vida actual que os padres levam não agrada os jovens!"

Meditando mais neste excerto... não pensando na questão do celibato, e, olhando para a vida que os padres levam, o que é que os jovens afinal gostam?

Gostam de tudo aquilo, que a restante sociedade gosta; consumismo desmesurado, conforto, segurança e um nucleo familiar que lhe transmita segurança.

Olhemos para os Pe. (não que tenha muito conhecimento de causa, só apenas o que observo), maioritáriamente qualquer leigo, chega a casa no final do dia, e, encontra a familia, onde lhe é permitido ser acolhido, amado e cultivar o amor familiar (também há problemas).

O Pe. onde vive? Como vive? Onde busca o acolhimento?

O Pe. vive para Deus, com Deus e por Deus! - Por isso é que só alguns são chamados a fazê-lo, são escolhidos por Deus a serem Seus sinais, para nós leigos (que nos queixamos de tudo e todos).

Com as religiosas passa-se o mesmo, são mulheres que se entregam a Deus.

Estamos então frente a frente, com Homens e Mulheres que generosamente entregam a sua vida a Cristo... (penso eu...)

Anónimo disse...

Olhe Padre, se entrou para o Seminário ainda mais novo que o Tiago, só lhe queria perguntar o seguinte:
Com 10, 11, 12 anos já tinha consciência e responsabilidade suficiente para compreender o que era ser Padre?
Muito francamente de homem para homem, não me parece.

Um abraço

José Manuel

Confessionário disse...

OLá, José... apesar de concordar que não tinha certezas senão no coração e que, mesmo assim, muitas voltas este deu depois disso... quero dizer-te:

A semente ainda não sabe que vai ser fruto até o ser. Mas até lá, é uma semente, a semente desse fruto!

Anónimo disse...

NÓS É QUE TEMOS QUE AJUDAR OS NOSSOS PEQUENOS A CRIAR AQUELE BICHINHO DENTRO DELES.
POIS DEUS PODE TER POSTO A SEMENTE, MAS NÓS FAMILIAS E CATEQUISTAS E PAROCOS TEMOS OBRIGAÇÃO DE AJUDA-LA A CRESCER E PRODUZIR FRUTOS.

O Selvagem de Huxley disse...

Subscrevo o que já foi dito... o Tiago é um miúdo esperto!

:)





A crise de vocações... bem, eu não sei o que lhes está subjacente. Existem muitas variáveis a ter em conta. Não existe uma resposta unilateral.

Mas, se me é permitido mandar um bitaite, eu diria que o motivo está precisamente numa certa incompatibilidade cultural entre o "ofício" e o "mainstream".

A sociedade actual é materialista e hedonista.
O que é valorizado nos dias de hoje? Sucesso material! Fama! Irreverência! E Sexo qb!

Quais são so 3 votos dos religiosos?
Pobreza (quê?!)
Castidade (oh, que palavrão!)
Obediência (ao cota alemão? Tôu fora!)

De facto, a ideia de se ser padre é entregar a vida a Cristo. Mas a ideia de sucesso actualmente é entregar a vida ao Mal (isso nem é ocultado, existe uma glorificação adolescente de quase todos os pecados).

Claro que eu, ao contrário uma larga maioria, digo isto: se houve época em que o celibato (esse "bode respiratório" da nossa sociedade sexocêntrica) foi mais necessário foi agora!!! E, claro, não esqueçamos a pobreza e a obediência! O desprendimento! A total objectividade em relação ao mundo material e a plena entrega ao mundo espiritual!

Se não pedimos isso dos que nos vão guiar, como podem os nossos pastores guiar-nos? Um guia apenas conhece o caminho que ele próprio atravessa!

Peço desculpa, não vamos sacrificar a qualidade por causa da quantidade! As pessoas (incluindo algumas altas instâncias eclesiásticas) frequentemente esquecem-se disto: a Igreja não é uma empresa! A Igreja é uma dádiva de Deus aos homens!

S. Pedro não acordou um belo dia e pensou: "Já sei! Vou deixar de ser pescador para ser papa! O lugar está vago! E parece ser uma carreira porreira, pá!"

Não... Foi Jesus que o chamou e lhe deu o cargo! E fazendo-o, foi o próprio Jesus Quem criou a Igreja!

Não devemos ter pouca fé em Deus! Ele prometeu-nos que a Igreja apenas se extinguiria perto do Armaggedon! E como eu não entro em especulações escatológicas, prefiro ter Fé em vez de ceder ao peso do Mundo!

Quem conhece um pouco da História do Cristianismo sabe que já passamos por apertos semelhantes, nomeadamente no séc. XII. E nessa altura as regras para admissão no clero eram mais liberais! O que era precisamente o problema! Depois vieram os santos que renovaram a Igreja e a fizeram prosperar durante mais 2 séculos.

Deixemos o caminho aberto aos santos... esse é o segredo! Eles vêm quando as dificuldades são maiores! É Deus Quem os envia!




Claro que, nesta sociedade em que ser-se padre é uma "carreira" excluída a priori, é fundamental incutir nos jovens essa possibilidade.

Nesse sentido, o Confessionário fez bem! É preciso semear o "bichinho"! Não vão ser os pais, os media, ou a sociedade a apresentar essa vocação! Pelo contrário, eles serão os primeiros a obscurecer a validade dessa opção!

Claro que compartilho da preocupação de muitos comentadores! O Confessionário não deve forçar o Tiago! Ser-se padre não é uma "carreira" que o Tiago deva "escolher"... é uma vocação (que significa literalmente "chamamento"). O Tiago deve escolher única e simplesmente se aceita ou não o chamamento!

Portanto, e ao contrário do que diz o irmão José Manuel, não é uma questão de idade.
Samuel tinha acabado de atingir a maturidade quando Deus o chamou (o que, em círculos judaicos significa 13 anos - precisamente a idade do Tiago).
Que deveria Samuel ter dito? “Ah não, Deus! Sabes, eu sei que Tu sabes tudo e tal, mas eu ainda sou demasiado novinho!”
Deus chamou! Samuel escutou! Cá está: nasce um profeta!




Para terminar, o motivo pelo qual o Tiago é esperto...

Se eu sigo uma determinada vocação, parto do princípio que me sinto atraído para o cumprimento das funções inerentes a essa vocação.

Portanto, se eu sigo a vocação de padre, é porque eu sinto que quero ser um padre.

Mas hoje em dia, o bom padre é aquele que faz tudo... excepto ser padre.



- Ai, Sr. Padre! Eu tenho andado a fazer isto e isto e isto... que acha Sr. Padre?
- Pois é, meu filho, isso é pecado. Mas deixa lá, que eu te perdoo em nome de Cristo! E vou tentar guiar-te para que possas abandonar as trevas e possas seguir a Luz da Verdade e da Virtude!
- O QUÊ?! Como te atreves, meu padreco? Como ousas dizer que aquilo que eu gosto de fazer é pecado? Se eu acho bem, é porque é bom!!! Afinal, Deus ama-me ou não me ama? Deus ama-me, e portanto concorda comigo!!! E tu, quem és para interpretar Deus?! Tipo, és alguma autoridade investida pelo Poder Divino para guiar os leigos? NÃO!!! Tu és o meu cheerleader! Irra! E depois esta padralhada pergunta-se por que as pessoas andam a deixar a Igreja! Quando... (oh quando meu Deus!)... quando vai a Igreja perceber que os leigos apenas retornarão quando receberem a carta "Você-está-livre-da-prisão-Vai-em-paz-e-peca-à-vontade"?


O Tiago vê isto e diz: Não obrigado!

E muito bem...

Talvez os padres não sentissem tanto a falta de uma família se as paróquias se comportassem mais como uma família.



A minha solução: Confessionário mostre ao Tiago um turíbulo.
- Tiago, tás a ver isto? Esta coisa brilhante e dura? Isto serve para mandar incenso na Missa de Natal! E serve para mandar à cabeça dos que nos chateiam! Gira-se assim (como o David fez com o Golias, tás a ver?) e depois "amanda-se"! Usa-se na Missa do Galo e na missa ("envio") dos galos (na tola)!

LOL!!!

Por favor, tou só a gozar. Não faça isso, Confessionário! Antes, continue a mostrar ao Tiago (e a toda a paróquia) as diversas opções de uma vida cristã! Se Jesus estiver no meio de vós (como eu tenho a certeza que estará) então Ele providenciará.

Abraços em Cristo a todos!!!

Confessionário disse...

Ó Selvagem (mas que selvagem), se soubesses o que foi saudável ler o teu coment!!!
... não só pelo conteúdo, que me ajudou a reflectir, como sobretudo pela graça inerente aos poucos e poucos e a terminar em grandes rasgos!!! hehehe

Canela disse...

Oh Selvagem!!!!!!!!

Que ninguem nos ouve por aqui...

BOA!
GOSTEI!

A tatica dos galos... é demais... ainda estou a ... ehehehehehhe

sem palavras.... vou aconselhar a alguns Pe. que conheço... que muito transpiram para não perder a compustura... porque cá para mim, a paciencia perdem-na de certeza.

Anónimo disse...

As testemunhas de Jeová fazem uso da da mesma táctica. Lançam o isco a ver se a coisa pega.
Domingo de manhã lá me aparecem elas a bater à porta de casa com um ar ingénuo transbordando bondade que não possuem entregando-me a revista - Sentinela e A Torre de Vigia.
É comum a todas as seitas...

Os direitos da Criança são bonitos para encher a boca de floreados, na hora da verdade que se lixe o puto o que interessa é dar-lhe a volta e fazer dele mais um Funcionáriode Deus.

Anónimo disse...

Olá!

Se eu fosse o Tiago, o que diria?

E porque não! Isto até é giro(são os meus 13 anitos a falar).

E ai acontecia, o que geralmente acontece. Vão para o seminário, crescem na fé e se realmente têem vocação, ficam. Senão a têem ,saiem. Mas para isso é necessário um empurãozito. Como tudo na vida. Se não exprementar-mos não sabemos se gostamos ou não.

Eu pessoalmente NÃO tenho vocação para dedicar a minha vida completamente a Deus.(isto são os meus longos anos de mulher a falar) Não consigo, porque se calhar não fui formada para isso. Dedico muito do meu tempo a paroquia, e isencialmente aos paroquianos mas não consigo dedica-lo completamente.
Penso que os padre não têem muitos mais problemas que um simples trabalhador tenha. O problema é não terem ninguem com quem partilhar esses problemas, e as vezes isso torna-se insuportavel...

Um abraço!

alexandra

Canela disse...

Anónimo das 14H06;

Sabe o que é felicidade?
Sabe o que é realização pessoal?

Gosto de olhar para os Pe. e vêr essas caracteristicas, estampadas nos seus rostos!

A alegria, felicidade e realização pessoal, nota-se á distancia.

Quando vir um jovem Pe. e ainda por cima, bem bonito... pense nisto.

Parece-nos estranho... mas estas almas de Deus sentem-se (de uma forma ou de outra) desde muito cedo com grande gosto por tudo que diga respeito á sua real vocação.

A Paz de Cristo anónimo.

O Selvagem de Huxley disse...

Caro Confessionário:

Se eu o ajudei foi um prazer!!!

Eu também estava a precisar de me rir um pouco...

O riso é um dom de Deus! Quantos dons Deus não nos dá, tão simples e singelos e, contudo, tão grandiosos! Podemos ser ricos com tão pouco... é o que um padre deve ensinar!

S. Francisco de Salles: "Um santo triste é um triste santo"




Num assunto relacionado:

AAAAAAAAAHHHH!!!! (subo para cima da cadeira em altos berros) Um anónimo!!! AAAAAHHH!!! Um anónimo!!! E já está a desovar comments agressivos! Turibulada nele! Turibulada nele!

O Selvagem de Huxley disse...

"Os direitos da criança são muito bonitos"... ah, pois são!

http://www.agencia.ecclesia.pt/noticia_all.asp?noticiaid=66276&seccaoid=9&tipoid=105

Tenha vergonha, Confessionário!!! Tenha vergonha em querer desencaminhar o Tiago para ser um Funcionário de Deus (ugh!) como esses (ugh!) do site acima!

Turibulada! Pimba!

Anónimo disse...

Olá amigo confessionário…
Tenho seguido os posts, embora não tenha comentado…
Hoje, não pude deixar de comentar 3 coisas das quais tenho a minha opinião bem sólida! (devido a umas coisas mudei o nome/nick)
“O QUE MAIS QUERIA DESTACAR NESTA REFLEXÃO, E MUITO A PROPÓSITO DA SEMANA QUE ESTAMOS A VIVER, a "SEMANA DOS SEMINÁRIOS", É QUE, MUITO MAIS QUE UM CELIBATO, A VIDA ACTUAL QUE OS PADRES LEVAM NÃO AGRADA OS JOVENS!”
Sim, de facto é verdade que a vida de padre não agrada a muitos jovens, pelo facto de não terem um Lar, um espaço (e tempo) de amor, alguém com quem compartilhar o dia- a- dia que, por vezes é tão difícil, família por perto que os possa orientar nos momentos mais críticos, alguém com quem ter um simples gesto como estar sentado a ver televisão e opinar sobre o que se está a ver… E é tão bom chegar a casa e ter alguém com quem falar!
Mas, lá no fundo eles sabem, que para além de padres são homens, e que um dia poderão sentir que algo lhes falta, ou melhor, que alguém falta e, conscientes dos seus actos saberão que não há outra hipótese para alem destas duas, ou sair, ou continuar, resistindo----ou cedendo…
Não me venham dizer que os padres não sentem… Não falo só da parte fisíca… Mas a nível de sentimentos…Quem em toda a sua vida não gostou de alguém?
È certo que ao entrar para o seminário com 9 anos se recebe outra preparação e talvez se consiga lidar melhor com isso, até passar o assunto mais despercebido pk não foi instruído nesse tipo de amor (terreno)… mas…. Há sempre um “se” ou um “mas”.
Não digo que não há aqueles que consigam por isso de parte…de uma forma ou de outra: lutando, resistindo..fingindo que não se sente.. ou mesmo não sentindo nada!
AGORA, É CERTO, que um JOVEM, no seu verdadeiro sentido pensa nesses assuntos… vai fazendo reflexões antes de tomar uma decisão…
Afinal envolve um juramento… receber sacramentos.. enfim!!! Sabe do q falo!
Acredito, e sei, que há “bons padres” por aí…tentando/vivendo a sua vocação da melhor forma… afinal podem IR TENTANDO, transformar esse tipo de amor, deveras mais carnal, para um amor diferente, um amor capaz de chegar a tudo e todos, de auxiliar a quem mais precisa, enfim, um amor ao próximo!!!
Também há outros que não ligam a este tipo de coisas… (melhor ainda - para eles)
EM SUMA, cada um sabe da sua situação e do que é capaz de aguentar (ou não). Cada um sabe se é por isso que quer lutar. Acho um tema bastante abrangente e complexo para se fazer juízos…
Afinal uma pessoa que, por exemplo esteja no secundário e queira obter media de 19 para entrar no curso q quer também luta pr ele ao longo da vida não é mesmo? Então um jovem q opte por essa vocação sacerdotal também tem que saber pelo que luta.. se achar que o que vive para além disso vale a pena, se a vocação for maior que todos os obstáculos, então FORÇAAA!!! Ninguém tem o direito de desanimar.
ISTO SERVE TAMBÉM PARA O ANÓNIMO DE 10 DE NOVEMBRO
“SINTO ME TÃO PERDIDO PADRE EU NÃO SEI O QUE DEUS QUER DE MIM???” COMO SEI QUE DEUS QUER QUE EU SEJA SACERDOTE???”
Caro amigo, um dia saberás… não te percepites na decisão… embora em qualquer momento se possa voltar atrás… mas aí os “danos” serão muito maiores… seja porque motivo for… família, a parte social… criticas e mais criticas…
Aquela cena típica da noiva fugir no dia do casamento??!! Poderá ser alvo de criticas e vergonhoso até.. mas mais vale se decidir antes do que depois de já ter filhos, prestações, bens em comum! Não sei se me faço entender!!! Há outros caminhos, como missionários.. etc etc etc
Mas se vires que é mesmo isso que queres, vai em frente… Ninguém para além de ti sabe o que é melhor, o que queres realmente.
Se bem deve ser muito gratificante ser-se sacerdote, se se acreditar mesmo no que se diz/ na palavra que se espalha. É lindo, esperançoso ouvir um padre que sabe do que fala, q acredita no que diz, que nos mostra que tudo pode ser visto d outra perspectiva!
Aquele q.. qndo vamos a 1homilia nos faz pensar nas suas frases!
POR FIM, É LINDO SER-SE PADRE QUANDO SE TEM VOCAÇÃO!!!!
Neste caso… Sabendo que queremos enveredar pr esse caminho, só nos resta pedir força a DEUS pk, se sentirmos o seu chamamento, ele dar-nos-à força e luz para superarmos qualquer obstáculos!

E mesmo que se erre, Deus perdoou o fillho que voltou À casa do Pai!
Se aquilo que queres ser é mesmo Padre, Força… !!! De certo valerá a pena…

P.S. Ups acho q m excedi…
Um Bjinho padre


Ah, qnto à afirmação da Alexandar, q aqueles q têm vocação ficam, qnd vao p o semi. e outros saem... nao é bem assim... há motivos q os levam a fikar mas dps, qndo percebem q queriam sair ja é tarde dmais... enfim...

experiencias... opinioes.. todos as temos.. diferentes!

Bjs samantha

Anónimo disse...

Funcionários de Deus?
Gostei dessa . . .
Mas se Deus é Omni para que precisa Ele de Funcionários.
Haja quem me elucide.
Bem há jam.

Anónimo disse...

Canela:

Lembro-me com alguma ironia daquele Padre que no interior do Nordeste Transmontano (terra esquecida pelos políticos, votada ao abandono e uma das mais pobres do País) falava da sua labuta diária, tinha várias paróquias a seu cargo.
Esse documentário que passou na TVI não há assim tanto tempo, mostrava (esse Funcionário de Deus?!) com um ar burguês a passear-se entre os seus paroquianos (no seu jeep ultimo modelo da BMW), repito para que não restem dúvidas, isto passa-se no interior do Nordeste Transmontano uma das zonas mais carenciadas do País, mais própriamente em Vila-Flor.
Pergunta-me se sei identificar o rosto de felicidade e realização pessoal num Padre, eu respondo-lhe, - sei, oh se sei.

Como diria a minha mãezinha na sua imensa sabedoria que os oitenta e quatro anos de reumatismo lhe certificam
– Canela e água benta cada qual toma a que quer - .

Canela disse...

Oh anónimo das 12H18;

Lamento... nada entende.

Mistura o que o Pe. tem (jeep bmw), com o que ele sente em ser Pe.

Nada tem a vêr com isso.

Dou-lhe outro exemplo: Um Pe. com mais de 70 anos, missionário em Africa (Português), em Março ultimo foi atacado violentamente, levou 9 catanadas, e, tiraram-lhe os olhos. Hoje este Pe. o que mais deseja... o milagre de recuperar a visão, para poder voltar!!!!

Parece-lhe loucura?
E é que é mesmo, é a loucura por aquilo que gostam de fazer.

Quando somos assaltados em determinado local, ficamos traumatizados, e, fazemos de tudo para não voltarmos a passar por lá... no entanto; este homem de Deus, queria voltar...

Talvez meditando um pouco, neste tipo de testemunhos consiga entender que nós somos incapazes de entender, este tipo de vocações!

Já pensou na quantidade de Pe., fizeram o voto de viver apenas da providencia Divina?
Já pensou nos Pe. que são médicos, advogados, engenheiros, professores?

Pense como os pais destes homens, se sentiram após verem os filhos formados (quantos sacrificios?), enfiarem o "canudo" numa gaveta, e, entrarem no seminário?

Não se prenda a 1 BMW, ou outro bem qualquer...

Observe mais e veja menos!

A Paz de Cristo

Anónimo disse...

Olá!

Hoje demanha(pura coicidencia)entrou-me pela porta dentro dois padres á procura de uma jovem que se vai casar, para conversarem sobre o "SPM" ( qualquer coisa relacionada com as reuniões para os jovens que se vão casar). Pois claro que eu chamei esta minha colaboradora é lá ficaram eles durante alguns minutos á conversa.

Subi para o escritorio e durante longos minutos meditei sobre a personalidade daqueles dois padres, e dos motivos que os levaram a serem padres.
Tive de satisfazer a minha curiosidade. Não os deixei ir embora sem conversarmos um pouquinho sobre esse assunto.

e as respostas foram variadas:

* fui para o seminário quando era pequenito.
*os meus pais não tinham dinheiro para me pagarem os estudos.
*lá sempre era menhor que andar no campo.
* a vocação apareceu com o tempo.
* sim, varias vezes pensei em disistir.
*antigamente as coisas eram mais dificeis.
*agora já temos muitos meios que nos ajudam a "viver" o nosso dia a dia.
* quando precisamos de umas palavras amigas de uma pessoa do sexo femenino, já não nos parece tão tabu como á um punhado de anos atras.
* as vezes sentimos muita falta de uma palavra amiga quando chegamos a casa.
*isto é tipo um casamento.Muitas vezes aguenta-se um casamento por amor aos filhos. Nós aguentamos o casamento por amor a Deus.

Gostei esencialmente desta parte " amor a Deus"

A conversa terminou mas deixou-me a pensar durante este tempo todo... é dificil a vida de um padre...

Confessionário, nem sequer pergunto o que te levou a envergares por este caminho, posso ser curiosa em demasia...

Um abraço!

Alexandra

Confessionário disse...

Alexandrita, Alexandrita... então queres mesmo saber a principal razão pela que fui para padre?! mesmo mesmo?!

Entre outras coisas menores, a principal razão foi o AMOR DE DEUS.

Repito para reparares que não falo, de propósito, no meu Amor a Deus (que tb existe), mas no Amor DE Deus. Tira tu as conclusões. hehehe

Foi esse o verdadeiro motivo... que me apareceu, assim, de repente, num retiro vocacional que foi fundamental na minha vida e ocorreu antes de entrar em teologia. O AMOR DE DEUS.

Não perguntaste se foi fácil, pois não?! entendo... pois, fica para outra ocasião.

Anónimo disse...

Escuso de perguntar.
Eu sei que foi e é dificil.
E por mais que vocês digam que é facil. Nunca o é.
Porque para mim é viver sem sentimentos. E viver sem sentimentos é muito dificil.

Alexandra

O Selvagem de Huxley disse...

Cara Canela:

Por que está a alimentar o anónimo? Não percebe que ele não está para aí virado? Não percebe que ele não está a querer entrar num diálogo civilizado connosco, mas sim provocar-nos? Não vê que você pode dizer-lhe o que quiser, contar-lhe todas as histórias de vida, expor-lhe todos os factos, que o coração dele não se vai mover 1 nanómetro?

Você não o pode convencer!!! Ele não quer ser convencido!!! Porque ele não está minimamente aberto! Ele decidiu que a Igreja é o papão e nada o pode convencer do contrário! É dogma!

Veja só a figura dele:

Chama "seita" à maior religião do mundo, a qual congrega um sexto da população mundial.

Lança uma acusação infundada ("a de violarmos os direitos das crianças") e nem sequer menciona o documento que eu coloquei à disposição para o refutar. Pelo contrário, defende-se com uma nova acusação (cheia de demagogia e, o que é pior, baseada numa entrevista da TVI) e que não tem qualquer relação com a discussão em questão.

Pede-me que eu lhe explique a expressão "Funcionários de Deus" quando foi ele que a mencionou no primeiro lugar.

Fala do jeep bmw, mas nem se recorda que a Igreja Católica congrega uma percentagem significativa das instituições de solidariedade social em Portugal e no Mundo. Não houve aqui há tempos um estudo que demonstrava que a Igreja Católica era responsável por aproximadamente 25% das ONGs portuguesas?

Canela, diz o Mestre: Mt7:6

A única coisa que você pode fazer por esta pobre alma é rezar que Deus lhe dê graça para que ele possa ver para além do azedume que lhe ferve no coração.

Não perca o seu latim...

E sobretudo, não lhe dê mais tempo de antena. O que o anónimo quer é desviar a nossa atenção de uma discussão potencialmente enriquecedora (que o Confessionário teve a amabilidade de lavrar, apesar de ser uma pessoa tão ocupada) para nos deixar tão indispostos como ele.

Pá, eu é que não vou contribuir para isso. Eu sei que seria muito bom para a auto-estima do anónimo que eu desatasse a espumar pela boca e a condena-lo ao Inferno ou coisa que o valha! Que bálsamo não seria para ele... o alívio de ver justificada a sua angústia existencial por, pelo menos, não ser um "fanático irracional" como nós!

Mas não posso fazê-lo! Não consigo! Porque o único sentimento que este anónimo me desperta é pena! Muita pena! Que mais hei-de eu sentir por quem caminha completamente privado da luz de Deus? Eu apenas consigo imaginar o peso esmagador das trevas na sua alma!

Portanto, o que eu proponho é:
1) Deixar de lhe responder (bem como a todos os anónimos de má fé que se apresentem neste blog, por respeito ao nosso amigo Confessionário, que não tem a obrigação de os aturar)
2) Rezar por ele
3) Continuar a animar este post com a alegria de Deus e com a riqueza das nossas ideias.




Relativamente ao ponto 3):
Tive uma visão esta noite.

Um “católico-mas-que-não-concorda-com-a-Igreja-até-porque-a-Igreja-é-uma-cambada-de-velhos-retrógrados-ressabiados-machistas-homofóbicos-pedófilos-que-tem-culpa-da-Inquisição-das-Cruzadas-da-SIDA-na-África-e-da-falência-da-Lehman-Brothers” chega-se ao pé do Confessionário e diz-lhe:

“- Eu não venho à Igreja para que um padre me venha dar sermões sobre Deus”
(esta frase é uma citação de uma sitcom qualquer, mas que eu não me recordo qual)

(banda sonora do “Bom, do Mau e do Vilão”)
Confessionário olha para o católico. O católico olha para o Confessionário. O Confessionário e o católico olham-se. Os olhos olham-se nos olhos. O silêncio é gritante. Cai uma gota de suor da testa do católico. Confessionário masca uma hóstia (ainda não consagrada claro). Passa uma daquelas plantas-bolas dos westerns, uma tumbleweed ou coisa que o valha.

Então o Confessionário fala (daquela forma não sincronizada com os lábios típica dos filmes japoneses):

“- Tu és um adversário de respeito! Mas eu sou mais forte! Vou vencer! YAAAAAHHH!!!!”

Confessionário-san saca do turíbulo. Gira-o potentemente. A sua túnica assemelha-se à dos samurais. Então, Confessionário arremessa o turíbulo.

O tempo pára. O turíbulo fica suspenso no ar. As feições do Confessionário congelam, distorcidas por um grito libertador de chakra. A câmara que filma a cena roda em seu redor, num efeito tipo Matrix.

E, finalmente, o turíbulo atinge o católico, o qual é imediatamente projectado para um programa de reabilitação neo-catecumenal.

Quanto a Confessionário, vitorioso, parte rumo ao pôr do sol, montado no seu jeep bmw.

Abraços em Cristo

Anónimo disse...

O Luís era um aluno com algumas dificuldades em acompanhar os conteúdos leccionados. O Luís era e é um jovem educado, sensível, sensato, empenhado, responsável e católico como os outros colegas. Sempre gostei de o ouvir, especialmente, na auto e hetro-avaliação em Formação Cívica. Muito assertivo. Meticuloso nas palavras.

Durante dois anos lectivos a minha escola foi visitada por um padre, que nas aulas de EMRC relatava a sua experiência como padre missionário.

Todos os alunos (rapazes, claro!) foram convidados a passar o fim-de-semana no seminário a que o referido padre pertencia. O Luís foi um dos alunos que aceitou sempre o convite.

Os colegas, pontualmente, mandavam umas piadas inofensivas acerca da hipótese de ele vir a ser padre.

O Luís sempre disse que não queria ser padre. No entanto, agradava-lhe o ambiente do seminário. Eu acho que o Luís colocava a si próprio a hipótese de ser padre, embora não a verbalizasse.

O Luís concluiu o 6º ano e entrou para o seminário. Em Junho passado veia à minha escola visitar-me.

Como tinha aula, convidei-o a acompanhar-me até à minha sala de aula e aproveitar para conhecer alguns dos meus novos alunos e assim podermos conversar mais um pouco.

Chegados à sala e depois das apresentações, (alguns alunos já eram conhecidos dele)deu a conhecer o seu dia-a-dia no seminário: grupos responsáveis pela limpeza, grupos de estudo, equipas de acólitos e o que mais agradou alguns... a sala de matrecos e snooker. Dizia o Samuel: "É pá, também quero ir! Vou pedir à minha mãe!" O Luís respondeu-lhe que aquele não é o motivo mais válido para se querer frequentar o seminário. O Samuel lá concordou.

O seminário funciona numa quinta grande, com muito espaço. Também agradou a muitos e também ao Samuel. O Samuel é um aluno com idade intelectual inferior à sua e tem problemas sérios de obesidade.

Todos os dias têm que assitir à missa e rezam o terço (se a memória não me atraiçoa)e deitam-se cedo. O Samuel perguntou-lhe se dormem em quartos individuais. O Luís esclareceu que eram quartos grandes com várias camas. O Samuel arregalou os olhos e perguntou-lhe: "E também dormem as meninas nos vossos quartos?" Os outros meninos deliraram com a pergunta e pareceu-me que todos achavam viável. O Luís disse-lhes que não há meninas no seminário. Num segundo todos ficaram sem sorriso e surpreendidos. O Samuel atirou "Então as meninas que querem ser freiras vão para onde?"

Lá se explicou que as freiras não têm que frequentar o seminário...Falou-se das dificuldades económicas do seminário; parece que há pais que apesar de terem capacidade financeira para contribuir para os custos não o fazem...

Entretanto, um aluno perguntou se o Luís queria ser padre. O Luís disse que queria ser piloto. Pareceu-me mais seguro na sua resposta do que no ano anterior.

Pessoalmente acho que o Luís sabe que tem tempo para perceber por onde quer ir.

Anónimo disse...

Anónimo d dia 14 NOv as 23.32:

Sim, tem tempo
"O caminho faz-se caminhando..."

Samantha

Canela disse...

Selvagem!!!!!

Lembra-se da queda que S. Paulo deu do cavalo?

Será que valeu a pena?!

Vale sempre a pena (durante algum tempo, claro), testemunhar o Amor de Deus na nossa vida... só assim...

Acha que alguém sente falta, daquilo que não conhece?

Também não podem entender, o grande Amor que Deus tem por cada um de nós.... até mesmo dos anónimos mal intenciondados....

Selvagem... e o nosso Deus não anda á turibulada ao pessoal, somos nós... nós...

A Paz de Cristo

Anónimo disse...

"Nem pensar. Já viu o que os padres passam, o que os padres têm de aturar?! Nem pensar."

Então e o(a)s que se casam? já repararam no que têm que aturar? Agora entendo porque também já ninguém se casa.."nem pensar, nem pensar!"

Leitor atento

O Selvagem de Huxley disse...

Cara Canela:

Concordo consigo, mas lembre-se que não foi Pedro quem derrubou Paulo do cavalo... foi Cristo.

E lembre-se de S. Agostinho, o qual vivia uma vida de total devassidão. A sua mãe S. Mónica procurou convertê-lo com todos os argumentos e, tendo fracassado, pediu o conselho de S. Ambrósio (que viria a tornar-se professor de Agostinho). Que lhe disse S. Ambrósio?
"Deixe de falar tanto de Deus a Agostinho e passe a falar mais de Agostinho a Deus."

Não digo que você deixe de pregar, mas acho que você não vai conseguir muito deste anónimo. Antes de ver, ele precisa remover as escamas que ele próprio colocou diante dos seus olhos. Ele pede que nós o elucidemos, mas não está propriamente interessado nas respostas.

Mas se acha bem, então eu apoio-a e admiro a sua coragem! Continue com o bom trabalho! No entanto eu preciso de manter o meu espírito em paz esta semana por circunstâncias da minha vida estudantil! Se Deus quiser volto na 5ª! E ficarei rezando!

Abraços em Cristo

Anónimo disse...

Realmente, em geral, a religião é um "chef d`oeuvre" do estacionamento, sobre tudo do estacionamento da capacidade de pensar... Não existe absurdo algum por mais primário que seja, que não possa ser firmemente implantado na mente de qualquer um, a condição é que comece a ser inculcado desde a mais tenra idade através da constante repetição com ares muito solenes. No caso do adestramento dos homens à semelhança do que acontece com os animais só se consegue um êxito completo se se inicia desde a mais tenra idade.

Arthur Schopenhauer.

O Selvagem de Huxley disse...

"Falar de poesia parece-me sempre impossível. De um poema só se pode dizer o próprio poema. Quando muito podemos tentar - sem interpretar - reconhecer o que lá está."

Sophia de Mello Breyner Andresen.

Fa menor disse...

Quando o meu mais velho entrou para o pré-seminário, o mais novo disse "a mim é que ninguém me apanha lá!". No entanto quando chegou a altura foi por sua própria iniciativa. Pena que a ambos não passou de uma bela experiência...

Anónimo disse...

Os "Tiagos" têm que fazer opções. Normalmente são aconselhados pelos mais próximos ou outros que vêm nos pequenos "Tiagos" particular aptidão para determinada função. Nada de estranho portanto.

O importante é que a escolha parta de atitude assumida. Que seja o próprio a escolher e vislumbre prazer e realização na execução na função escolhida. Se assim não acontecer dificilmente se poderá realizar e obter prazer na vida que optou.

Todas as profissões têm espinhos (contratempos, picos críticos, stress, etc.) e do trabalho mesmo que complexo ou simple,s terá de tirar daí auto satisfação.

No caso concreto da vocação de padre: para quem está por fora pode deduzir que é uma profissão bonita (das belas homilias, etc), mas seguramente que tem alguns "fretes" complicados, como de resto, em termos gerais, todas as profissões !

Escreve um pai cujo filho ao atingir o 5º ano da licenciatura de Direito e com inteligência mais que suficiente para a concluir abandonou-a e agora está na programação publicitária da NET. Porquê perguntaram. Muito simples. No ramo para o qual se estava a preparar (Justiça-Advocacia) concluiu que justiça neste país é um embuste. No trabalho que agora tem, exige-lhe muita dedicação, mas sente-se mais realizado e deixou de ter preocupações filosóficas para esta sociedade.
Fernando Gonçalves