terça-feira, outubro 10, 2017

morrer a meio tempo [poema 159]

Não tenho medo de morrer...

Mas tenho medo de morrer a meio tempo
Prédio erguido com tijolos sem massa
Floresta de árvores sem fruto
Flor sem perfume ou cor de traça
Laranja cortada em pedaços sem sumo
Fogo de fumo, sem brasas
Fonte de águas impróprias para viver
E ser apenas um ser para morrer...

5 comentários:

Anónimo disse...

Sim, bem pensado, esses sentidos dando asas aos pensamentos, como ser. A vida em meio tempo.

Anónimo disse...


Morrer a meio tempo ou andar meio morta. algo que também me aflige... E infelizmente ninguém está imune.

SL

Anónimo disse...

A maioria das vezes vivemos a meio tempo!

Anónimo disse...

a morte nao me aflige....
pode a minha alma nao merecer estar junto de DEUS..
pois sao as diversas vezes que o desagrado..
o que me aflige é viver morrendo cada dia e nao saborear o gosto da graça que Deus me oferece em cada amanhecer..
tenho pena deste corpo fragilizado...
nao temo a morte pous ela me libertará...
amo o senhor ao meu jeito turbulento de ser! sou revoltada,sim!
estou aprender a perdoar sem rancor...
um processo longo...
so alguem muito "grande" me consegue aceitar e entender...
Que se faça a vontade de DEUS em mim
que eu saiba ser instrumento dele
que eu saiba dizer SIM...
a morte,ai a morte! penso que ate ela tem mêdo de mim!
c.c

Anónimo disse...

muito bem pensado,por acaso não tenho medo de morrer,
mas se calhar morremos mesmo a meio tempo.
Não o tempo, tempo, mas o que fazemos no tempo, muitas vezes é mesmo só a meio tempo.
Bj