domingo, novembro 24, 2013

Porque é que Deus precisa dos padres?

Hoje, no meio das desventuras das minhas meditações, onde sempre encontro alguma lenha para me queimar, veio a mim a pergunta Porque é que Deus precisa dos padres? Já sabia que a Igreja precisa de padres. Só que mais não seja para ela se fazer instituição. Só que mais não seja como mediadores entre Deus e os homens, sobretudo nos sacramentos que Deus nos deixou. Mas porque cargas de água há-de Deus querer os padres? Para já Ele não precisa deles, pois Deus não precisa coisa alguma. Nós é que O precisamos. Por isso estou convencido que Deus não precisa dos padres. A prova está que há muitos lugares do mundo que não têm padres, ou têm muito poucos. Então porque haveremos de existir? Pela pura razão de que os homens podem precisar de guias sumamente espirituais ou pastores? E como não estava satisfeito com as minhas respostas e, por sinal, de novo inquieto, achei que alguém me poderia consolar com a resposta. Estando em ou de Retiro com outros colegas padres, andei de um a um, ou procurando-os em vários ocasiões propícias, com a mesma questão que me surgira. Os mais doutos usaram palavras que me escaparam ainda antes de as ouvir. Os mais próximos tentaram sossegar-me com palavras de incentivo ou com as mesmas respostas óbvias da circunstância, do tipo, Deus não precisa de nós, mas somos mediadores. Ele precisa de discípulos e nós somo-lo por excelência da consagração inteira. Ele não precisa de nós, mas quer-nos como instrumentos Seus. Uma coisa eles concordaram na globalidade comigo: Deus não precisa dos padres. Mas se Deus não precisa dos padres, porque os quer, porque os chama, porque os envia? Houve um colega, daqueles que têm amizade suficiente para o fazer, que me disse Acho que precisas de ir ao Sacrário fazer-Lhe essa pergunta. E então, quando a noite já trouxera o silêncio à casa onde nos encontramos, fui à Capela, de mansinho, visitar o Senhor no Sacrário. Estava apenas alumiado. Mal se via, mas sentia-se. Fiz a pergunta umas três vezes sem resposta. Não estava com paciência para esperar e por isso fui mais directo ao assunto. Porque precisaste de mim, Senhor? Esperei. Esperei mais um bocado. Um bom bocado. Acho que procurei a resposta em mim, porque não ouvi nada de especial. Voltei ao meu quarto. Sentei-me a escrever, e aqui estou eu a desenhar letras e palavras, a ver se elas se escrevem por si e não por mim. Às vezes começo a escrever sem saber bem onde o texto me vai levar e leva-me sempre a algum lado. Por isso já disse que era a escrever que eu meditava e mais me encontrava com o Senhor. Mas hoje estou para aqui a escrever e a inventar mais coisas para escrever, e fico com a sensação que só o tempo me dará a resposta. O tempo de Deus, é claro. E hoje termino com reticências. Pode ser que elas não se fechem como, se calhar, eu estou fechado em mim…

36 comentários:

Anónimo disse...

É difícil dar uma resposta que não caia na banalidade ou no politicamente correcto (seja este ou não o da instituição católica).
Eu diria que Deus precisa de todos, sejam eles padres ou não, todos são Seus instrumentos. E por vezes, Ele opta por diferentes caminhos em diferentes regiões da Terra. E aqui na Europa Ele optou pelos Padres e pela Igreja Católica... Para alguns somos apenas uma das faces de Deus. E porque não?

Anónimo disse...

Bom dia!
Uma questão e "pêras".
Se Deus precisa de Padres não sei muito bem.
Sei, a partir da minha experiência, que Deus precisa de seres humanos capazes de ajudar desinteressadamente os outros, capaz de amar sem condições.
Seres humanos capazes de amar, de ouvir sem julgar.
Capazes de se aproximar de alguém que chora durante a Eucaristia e de lhe dizer que está disponível para ouvir se algum dia resolver falar.
Num mundo onde tudo é feito para não durar também os padres serão preparados para não se envolverem demasiado na vida dos paroquianos, ainda que muitas vezes essa vida seja marcada pela violência e pelo sofrimento.
Sei que há padres e PADRES, só não sei por onde andam os da segunda categoria pois precisava tanto de um nesta fase da vida.
PR

Anónimo disse...

Bom dia,
"Deus não precisa de padres".
Fiquei um pouco baralhada com esta "afirmação", pois eu sempre pensei, e continuo a pensar que os padres são os mensageiros de Deus na terra. Como eu acho óbvio um "Chefe" tem que ter os seus colaboradores para o ajudarem no seu trabalho. Então não será que os padres são os "colaboradores" de Deus na terra para o ajudarem na sua missão?
Fica a pergunta...
MM

Anónimo disse...

"Acho que procurei a resposta em mim, porque não ouvi nada de especial."
Padre, não terá ouvido realmente Deus? Quando se tem Deus em nós, então a resposta está dentro de nós.
abraço

Débora Fernandes disse...

Querido sacerdote sou uma humilde leiga, serva e fiel a Santa Igreja Católica e nesta caminhada seguindo o evangelho, anunciando a boa nova, tentando retribuir um pouco o sacrifício da cruz feitos por todos nós, sinceramente não sei porque DEUS precisa dos padres, sei responder porque EU preciso dos padres. Para mim como acredito que para todo cristão católico que tenta VIVER e SERVIR como nosso Jesus nos ensinou, tento em frente uma humanidade escravizada no ter e no ser se torna humanamente impossível viver e praticar o evangelho sem os sacramentos. Em minha caminhada o meu encontro pessoal com Jesus através EUCARISTIA é o que me fortalece a cada dia, o que me faz cada dia mais buscar a ter não só o coração semelhante ao DELE mas todo o meu ser, o meu olhar, o meu tocar, o meu sentir... A confissão é o momento em que sinto ELE retirando e limpando o meu coração de toda impureza e lixo que me contamina e me afasta de viver como ELE, quando sinto as mãos dos sacerdote sobre minha cabeça me abençoando depois de uma sincera confissão sinto o amor de DEUS me impulsionando para seguir minha caminhada. Não pode esclarecer suas dúvidas, mesmo porque seria pretensão minha ter com meu conhecimento humano, miserável e pecador o entendimento dos mistérios de DEUS para a humanidade. Acredito abençoado sacerdote que para acalentar esse vosso coração na busca de tantas respostas o primeiro passo é buscar através do exemplo de Nossa MÃEZINHA do CÉU que com o seu silêncio e humildade soube fielmente ouvir a vontade de DEUS na sua vida, e hoje no CÉU não se cansa de a interceder por nós, consagre ao seu coração imaculado cada uma destas dúvidas e não se deixe ser levado pelas duvidas que o inimigo tem plantado sobre a nossa igreja. NÃO PERTURBES VOSSO CORAÇÃO e Continue firme pois no final acontecera o triunfo do Coração Imaculado de Maria, aquela que tem os sacerdotes como seus filhos prediletos. Abraço Fraterno!

Bruno disse...

Tal como já foi dito, não sei se Deus precisa dos padres, ou se somos apenas nós que deles precisamos (ou se, sendo nós Filhos de Deus, as duas acabam por ser maneiras diferentes de dizer o mesmo). E, correndo o risco de parecer "ingrato", precisamos dos padres para nos lembrarmos. Para nos lembrarmos que Cristo não é uma simples memória de alguém que viveu há 2000 anos, mas alguém que ainda está no meio de nós. Porque, da mesma maneira que foi necessário Ele fazer-se homem para percebermos como está próximo de nós, também é necessário haver quem o "continue" para não nos esquecermos disso (para dar um exemplo estranho, apesar de todos sabermos que ocorreu a I guerra mundial e que foram tempos difíceis, já pouca gente se lembra das dificuldades dessa altura por hoje existirem menos, mesmo tendo sido há menos de 100 anos). E se é verdade que também há muitos leigos que vivem Jesus no seu dia a dia... não é a olhar para alguém que gosta de ir dar uns passeios de bicicleta ao fim de semana com os amigos, que ficamos com ideia da preparação que é necessária para fazer a volta a Espanha/Itália/França, apesar de percebermos que movimentos temos de fazer para pedalar (não sei se foi a melhor comparação, mas espero ter-me feito entender).

Filha de Maria disse...

Porque as mães, necessitam da ajuda dos seus pequenos filhos?

Não precisam! Contudo, agrada-lhes a companhia dos seus pequenos filhos nessas tarefas e ao mesmo tempo, preparam-nos para a vida a sério!

Medite nisso.

Anónimo disse...

Bom dia,
"Quando se tem Deus em nós, então a resposta está dentro de nós".
Esta frase , escrita por um "Anónimo" parece-me que responde muito bem á pergunta que o sr. Padre fez.
Cada vez que leio mais um texto escrito pelo sr. Padre, mais me convenço que Deus o escolheu por algum motivo. Porque essas "duvidas", o ter sempre alguma pergunta para a qual acha que não tem resposta, tem que ser de uma pessoa que Deus escolheu, pois conhecia os seus dons, e de uma maneira ou outra o sr. Padre poe esses dons a render das mais diversas formas.
Ja pensou se não houvesse padres, como seria?
Quem nos orientaria nesta nossa vida e neste mundo de hoje,pois é n'Ele (através dos Srs. Padres)que nos apoiamos e tentamos buscar alguma coragem. Eu já pensei várias vezes, como será o mundo daquelas pessoas que não têm fé.
Eu agradeço a Deus por me ter permitido fazer parte dos d'Ele.
Sr. Padre, continue com essas dúvidas, que também nos fazem a nós refletir e pensar.
Obrigada
MM

Anónimo disse...

Deus precisa dos padres, mas eles precisam mais de Deus. As pessoas precisam dos padres, mas a maioria precisa mais de si próprio. PR - só não sei por onde andam os da segunda categoria pois precisava tanto de um nesta fase da vida. Porque é que será que este padre está à mão e não vê as pessoas? É o que me leva a pensar...

Anónimo disse...

Crio que Deus quer pessoas cujo objectivo seja amar. Deus quer pessoas que se queiram entrosar com Ele, disponíveis, atentas, abertas a Ele. A maioria das pessoas têm outras opções, outras prioridades, é preciso discípulos, é preciso apóstolos, é preciso mentes direccionadas para Deus, acções. Todos é certo, o podem ser, mas poucos o querem ser. Precisa do Sim tal como foi dado pela Santíssima Virgem. Deus que tem tudo precisa de Nós contudo: “nada sem nós”. Deus precisa de quem queira quere-l’O. Todos podem, mas poucos querem. O Senhor padre quis, mas sabe porque quis? Talvez por isso muitos são chamados, mas poucos escolhidos. Ou muitos são chamados, mas poucos dizem Sim. E uma vez que Lhe disse Sim, ele fê-lo Padre. Ele precisa de Si, para AMAR!

Anónimo disse...

Será que os padres são mesmo necessários?! Olha que eu nao sei responder.

Anónimo disse...

Desculpem lá.... oh Sr padre por amor de Deus, quando Deus não quiser os padres acaba com eles sim? Pode ser? Mas agora querem descortinar todos os motivos de Deus e porque Ele quer ou deixa de querer? Que o Padre tenha algumas crises de dúvida ainda entendo... mas agora deixe a dúvida e arrume a sua casa sim?

Anónimo disse...

Não sei como é que o comentário de 27 Novembro, 2013 11:40 saiu. De facto ao perceber que transparecia acima de tudo irritação cancelei-o. Mas apareceu. ok

Confessionário disse...

Não tem mal. Era o que pensavas no momento. Eu só acho é que ainda há muita gente que pensa que os padres têm de ser perfeitos. Mas não são. E ainda bem que não, pois seriam intragáveis. Já dizia S. Paulo: na fraqueza me fiz forte!
Além disso, há uma diferença do tamanho do mundo, para não dizer de Deus, entre o querer ir mais longe na nossa meditação e o conformar-se com dados, factos e teologias estáticas. A conversão é algo contínuo - para os padres também.

tb escrevi sem pensar... mas sem irritação...lol
aliás, acho que este assunto merece um post... lol

Anónimo disse...

Se Deus precisa de Padres não sei muito bem.
Mas hoje sei que sou eu quem precisa de um PADRE.
As forças estão a faltar de novo e as lágrimas querem fazer a sua aparição.
Estou com medo de mim pois hoje olhei para a ponte que cruzo todos os dias a caminho do trabalho e não me apeteceu atravessá-la.
Hoje quis misturar-me com o vento e a chuva... quis muito e estou com medo deste mau querer.
Hoje precisava que o tal PADRE me escutasse me segurasse nas mão e de joelhos rezasse comigo.
PR

Confessionário disse...

PR, agarra na mão de Deus, que ela está a teu lado!

Anónimo disse...

"PR, agarra na mão de Deus, que ela está a teu lado!"
Desculpe mas a expressão "ela ao teu lado" é tão vaga.
Olho em redor vejo pessoas muito atarefadas com os seus afazeres, tal como eu parecerei nos meus... o meu interior parece-me vazio de Deus, vazio de vida.
E na minha ideia o tal PADRE que eu referi poderia segurar-me efectivamente nas mãos, poderia não se ajoelhar comigo, poderia nem ser Padre mas seria um ser humano, e nem precisaria de me dizer muita coisa, poderia ficar ao meu lado em sintonia e poderia permanecer o tempo todo em silêncio.
Sei que foi boa a sua intenção.
Obrigada
PR

Anónimo disse...

PR, se você precisa efectivamente de alguém mande-me um mail, não sou padre, mas estou pronta a ajudar. BJ confissoesajesus@gmail.com
Não pode dizer que está só.

Anónimo disse...

Cara amiga, é um erro passarmos o tempo a esperar dos padres. É até uma ilusão, pode acreditar. Mas tenho uma alegria para si, há pessoas comuns e banais que podem mostrar-lhe mais Deus que o aspirado padre. Conheço dezenas e creia que apesar de tudo ajudei-os mais do que eles a mim até ao dia de hoje. Bj

Anónimo disse...

PR;

E porque não entra na Igreja, e pede colo a N. Senhora e JESUS?

Eles amam sem medida, Creia nisso!

HD disse...

Caro Confessionário

Os padres não são perfeitos.
Mas devem procurar ser cada vez mais santos…

E esse caminho é feito cruzando a vida de milhares de pessoas e fazendo a diferença no coração delas, num dado momento.

Deus quer que sejas o pretexto, para a mudança de vida de terceiros…
Mais do que palavras, um padre é pastor, tal como o nosso Papa Francisco um homem de gestos concretos…!!

Gestos concretos de mudança, de intervenção na vida dos outros , guiados por Deus …!
Um padre é alguém com uma missão de ajudar a brotar “vida nova”…
Se se fica pelos ritos ocos e vazios, com mais ou menos incenso, mais ou menos cabeção, mas descuida as suas ovelhas e não se deixa impregnar pelo cheiro delas, para que serve?

Deixa de ser pastor e passa a “sacerdote do templo” fechado e cego na sua zona de conforto…e Deus precisa desta gente?

Se calhar destes não precisa.

Deus precisa de ti, quando te mostra vidas de gente á tua volta …e te impele a “esbarrares” com eles!
O padre é o pastor que não se esquece de quem está perdido, de quem está nas periferias, que escuta e perdoa, para ajudar a levantar sem cessar…

E tu não imaginas quantos necessitam destes padres pastores, nos tempos que correm!
Deus precisa dos Padres pois através deles surge “vida nova” nas ovelhas tresmalhadas da Vida.

Caso ainda não tenhas visto, vê este pequeno vídeo, e reza a tua vida com ELE, com este mote:
http://www.youtube.com/watch?v=Klx8UBMRrMA

Bom Caminho!
HDias

Anónimo disse...

Deus não precisa de padres. Os padres é que precisam de Deus.

Anónimo disse...

Bom dia!
"se você precisa efectivamente de alguém mande-me um mail,", não gostei da expressão, não está nas mãos de quem não me conhece definir se eu preciso efectivamente ou não.
As coisas não funcionarão dessa forma.
Já tive um dissabor nesse sentido.
Um "amigo" um sacerdote anónimo que deixou de o ser, se bem que também neste aspecto a responsável fui eu.
Confissões a Jesus, terá sido boa a sua intenção de ajudar, mas não é isso que eu pretendo.
A ajuda que me faz falta é mesmo a de alguém que conheça o meu viver e o meu agir, para que estando do lado de fora melhor possa ajuizar.
Não espero nada dos padres em particular nada mesmo.
Gostava de me cruzar com um PADRE, que independentemente do sexo e de ser padre ou não, me ouvisse, me ajudasse a ser mais forte.

"E porque não entra na Igreja, e pede colo a N. Senhora e JESUS?"
Não são poucas as vezes que em silêncio me ajoelho diante do "sacrário" dentro da igreja e mesmo fora, "nua" de hipocrisias aberta a essa ajuda.
Quantas foram as vezes que subi a montanha descalça e olhando o mar calmo ou sereno me ajoelhei perante Ele.

Ele sempre permanece calado.

Desta vez estou convicta que o problema sou eu... tenho o péssimo hábito de querer ver Deus nas plantas, nos animais... vejo-O também quando olho o oceano, vejo-O ainda quando olho o céu, e de igual forma quando me aproximo de alguém a quem convido para tomar um banho e almoçar em minha casa.
Dificilmente esquecerei esses olhares surpresos e agradecidos por algo que não deveria poder ser motivo de agradecimento.
O mal estará em mim por que tenho uma forma peculiar de ver Deus, Um Deus diferente do que me ensinaram a ver especialmente na infância...
E quando toco numa flor acredito que é n'Ele que estou a tocar, tal como quando "falo" na forma verbal ou gestual, com o cãozito que tenho lá em casa, acredito que Ele está ali também para me ouvir.
É muito difícil para mim traduzir por palavras a forma como eu O vejo, e certamente é diferente da forma como ELE é (se bem que também estou convicta que sendo Ele a representação de tudo o que existe não terá forma alguma apenas permanece em cada "coisa"...
Gostava e precisava encontrar alguém que me ajudasse a perceber onde termina a loucura e onde começa a verdade... onde termina a poesia e onde começa a realidade... é que aparentemente serei uma pessoa normal.

PR

Anónimo disse...

Cara PR se não gostou da expressão foi devido à sua interpretação e não à minha intenção, de facto das melhores. De há alguns meses tenho verificado os seus comentários e alguns desabafos que retratam parte da sua vida e creio que lhe poderia ter-lhe sido útil. Uma vez que o seu desejo é "Gostava de me cruzar com um PADRE, que independentemente do sexo e de ser padre ou não, me ouvisse, me ajudasse a ser mais forte" resta-me respeitar, mas garanto-lhe que todos padres são do sexo masculino, e que um psicólogo(a) me parece que lhe seria muito mais útil (com todo o respeito por si, pelos padres e pelos psicólogos). Tudo de bom para si.

Anónimo disse...

"Porque é que será que este padre está à mão e não vê as pessoas? É o que me leva a pensar...". Desculpe! Desculpe.

JS disse...

Deus precisa dos padres? Uma questão que surge do fundo do coração de um sacerdote, e que, para além da busca permanente da identidade, traduz essa necessidade primária de reconhecimento e de medo à irrelevância, ligados ao instinto de sobrevivência. A questão é, pois, comum a todas as pessoas, seja colocada num plano de fé ou num plano meramente humano, seja de forma intermitente ou com especial acuidade, seja de modo generalista ou implicando o próprio sujeito. O Estado precisa dos professores? As crianças precisam dos pais? O meu marido precisa de mim?...

Pode-se dizer que a Igreja precisa dos padres, tendo em conta as representações, mediações e estruturas em que foi alicerçando o seu nascimento e crescimento. Aliás, a figura do padre/sacerdote é uma constante de todas as religiões e civilizações, mesmo que cada uma defenda as suas especificidades. O próprio Cristianismo acaba por a aplicar quer ao fundador Jesus Cristo (sumo e eterno sacerdote), quer a todos os seus discípulos (povo sacerdotal). Todavia, a sua importância é sempre relativizável, dependendo das circunstâncias e das consequentes adaptações a que as estruturas se submetem – veja-se o caso de África ou da própria Europa actual.

Deus, precisando da Igreja como prolongamento e continuidade da Sua acção salvífica no mundo, precisa também dos padres. Não para Si Mesmo, mas em favor dos Seus filhos (todavia, sendo para os Seus filhos, acaba por ser em favor de Si Mesmo. Sendo que este precisar é também um querer precisar, onde a dependência se conjuga com a liberdade do poder não precisar (ou do não ser preciso).

E talvez valha a pena insistir nestoutro ponto: tal como os filhos precisam de pais que sejam progressivamente menos precisos (porque vão conseguindo que os filhos sejam cada vez mais autónomos e independentes), também Deus e a Igreja precisam de padres que sejam cada vez menos precisos. Acho que deveria ser motivo de orgulho e enorme satisfação um padre ouvir: «Já não precisamos de si». O problema é que queremos ser precisos…

Confessionário disse...

JS, gostei muito da tua exposição...
Fez-me pensar de uma forma que, apesar de algo obvia, ainda nao tinha pensado: essa de que Deus, precisando da Igreja, tb precisa dos padres, embora não para Si, mas em favor dos Seus Filhos... Muito bom.

E mais ainda aquela frase final: "O problema é que queremos ser precisos"...

Anónimo disse...

Também gostei muito da sua exposição JS, mas com ela surgiu-me uma dúvida. Quando diz:” sendo para os Seus filhos, acaba por ser em favor de Si Mesmo”. Tenho para mim a ideia que a finalidade última de Deus é sempre o outro, ou seja nada é em favor d’Ele embora o pudesse ser, mas não se fechando em Si mesmo, a Sua existência sendo o Amor é precisamente a dádiva. Há quem diga que Deus em última instância é “egoísta”, por achar que por fim, tudo é para Ele, no entanto eu acho que nada é para Ele. É verdade que o precisar é um querer precisar, onde a dependência se conjuga com a liberdade do poder não precisar (ou do não ser preciso), mas agora pergunto-me será que efectivamente Deus não precisa de nós. Ele não precisa para a sua existência etc etc, mas não precisa Ele para a Sua obra? A minha interrogação é a respeito da frase “sendo para os Seus filhos, acaba por ser em favor de Si Mesmo”. É esta a postura teológica em que se acredita a respeito de Deus pergunto-me?

Anónimo disse...

"De há alguns meses tenho verificado os seus comentários e alguns desabafos que retratam parte da sua vida"
Verdade... deixo de o fazer a partir deste preciso momento.
"um psicólogo(a) me parece que lhe seria muito mais útil "
Pareceu-lhe errado.
"padres são do sexo masculino"
Ao usar o termo PADRE, referia-me a alguém masculino ou feminino que pudesse ajuizar acerca das "minhas" coisas pessoais de FÉ.
Resta-me pedir desculpa e agradecer ao padre autor deste blog, se com os "meus relatos/desabafos" me tornei inconveniente.
Terminei mesmo por aqui.
PR

Confessionário disse...

PR, não me pareceu que foste inconveniente!

Sabes, a gente quando escreve publicamente corre sempre riscos de ser mal interpretado ou de haver quem use mal, ou simplesmente de forma errada, o que escrevemos. Mas será isso motivo para deixarmos de escrever o que nos vai na alma, sobretudo quando isso nos ajuda a sermos "Mais"?

No caso em concreto, são só umas trocas de palavras de quem me parece tb interessado em estender a mão...

Deixo todos à vontade e em liberdade!

Anónimo disse...

Cara PR, mostra-se uma pessoa excessivamente sensível a palavras que a meu ver, não merecem, essa dimensão de resposta (o que não é uma qualidade, mas uma fragilidade) Todos estamos sujeitos a ler comentários mais ou menos concordantes com o nosso pensar e sentir, temos é que saber lidar da melhor forma com eles. Se a sua forma de lidar é não escrever mais a PR saberá se é a melhor opção.
Não me pareceu errado que um psicólogo lhe seria favorável, mas compreendo sinceramente que o tenha entendido de forma depreciativa, embora a grande maioria das pessoas ao longo da vida cheguem a precisar pontualmente de suporte psicológico, tal como precisa de um clínico geral, penaliza-se devido ao estigma. Eu já precisei de um psicólogo em alturas difíceis da vida, e com as dificuldades da vida actual são centenas aqueles que necessitam e poucos os que podem ter esse privilégio
Para mim a sua frase: “Gostava de me cruzar com um PADRE, que independentemente do sexo e de ser padre ou não, me ouvisse, me ajudasse a ser mais forte, diz muito mais do seu inconsciente do que a explicação do seu consciente. Mas as minhas palavras só valem o peso que lhes der, então porque se perturba dessa maneira desproporcional, precisamente se nem com elas concorda? Muitos podem opinar sobre o que se escreve, só alguma estabilidade interior pode filtrar o que é bom para nós. Por vezes não sabemos o que é bom para nós, mas todos temos o nosso tempo.
Tenho pena não a ter podido ajudar, ou ser sua amiga, mas vejo que está demasiado focada numa direcção. Sabe que não há só um caminho para ser ajudada a ser mais forte, há muitos caminhos como aqueles que levam a uma só porta.

Anónimo disse...

Sr padre no caso da amiga PR não creio ter interpretado mal, portanto isso não é realmente motivo para que PR deixe de escrever. Deixe-me dizer-lhe uma coisa importante (não me preocupa que também não concorde, como sabe somos os dois muito teimosos(?)). Não é a primeira vez que a PR inconscientemente tende à manipulação emocional, e o Sr padre reforça esse comportamento, isso parece-lhe favorável?
(se não quiser não publique, vc é que sabe, não vá ferir de novo a senhora, contudo tinha de lhe dizer o que acho)

Anónimo disse...


A senhora, não ficou ferida, mas não gostou da sua afirmação.
Fere-me quem eu amo não as palavras de quem não me conhece, nem lida comigo no dia a dia.

O confessionário tem razão quando escreve,
"Sabes, a gente quando escreve publicamente corre sempre riscos de ser mal interpretado ou de haver quem use mal, ou simplesmente de forma errada, o que escrevemos. Mas será isso motivo para deixarmos de escrever o que nos vai na alma,... "
Neste momento acho que sim.

Anónimo disse...

PR (ou Anónima 11 Dezembro, 2013 10:33) amiga vejo que tem um longo caminho pela frente a vários níveis... quer goste ou não... Apesar de tudo pensei-a muito melhor do que está, mas não seria porque não gosta que deixaria de escrever o que achei necessário.

Anónimo disse...

PR sinto-me triste. Sei que é uma pessoa boa. Que é uma pessoa sensível. Gosto muito de ler o que vem escrevendo ao longo dos tempos pois identifiquei-me com a sua sensibilidade. Concordei até várias vezes consigo. Não deixe que o secundário tome um peso desmedido sff. Veja atribuiu ao “ senhora” uma conotação negativa, mas não a tinha. Não permita, pela sua generosidade, sinto que é grande, que por um mero ferimento feito por mim, prive as pessoas das suas palavras que são tão belas… eu só queria ter-me aproximado de si. Estou confiante que vai repensar isso … Eu queria ter-lhe dado as forças que estavam a faltar, de a ter ajudado a parar as lágrimas, de lhe ter dado motivação para atravessar, mas não consegui que me visse, e estou ciente que sente que um sacerdote a pode ajudar mais do que eu. PR perdoe-me o sofrimento, sinto-o parvamente como sendo necessário, mas PR estou certa que temos capacidade para repensar e aprender com este inconveniente o que acha?

Anónimo disse...

"PR sinto-me triste."
Também eu estou triste e choro.
"Sei que é uma pessoa boa."
Não sou uma pessoa boa, se assim o fosse não precisaria deste espaço para falar do que me fere, teria alguém a quem eu pudesse ver disposto a escutar-me.
"atribuiu ao “ senhora” uma conotação negativa,"
Não lhe atribui uma conotação negativa, expliquei-me mal, é que na verdade sinto-me uma senhora no sentido mais amplo da palavra.
"PR perdoe-me o sofrimento"
Não há nada a perdoar, estou em sofrimento mas nada tem a ver com as suas palavras.
Provavelmente elas serviram apenas para ver a figura ridícula que tenho vindo a transmitir.
"estou certa que temos capacidade para repensar e aprender com este inconveniente "
Certamente que sim.
Aprendi que ao expor o que se passa no intimo do nosso ser corremos o risco de ser interpretados de milhentas formas, tantas quanto os leitores.

"amiga"
Não somos amigos.
"vejo que tem um longo caminho pela frente a vários níveis... quer goste ou não... Apesar de tudo pensei-a muito melhor"
LAMENTÁVEL MAS VERDADEIRO.