quinta-feira, novembro 17, 2011

Qual é o nível de confiança que depositas no teu pároco?

Com estas coisas de mudança de paróquias, revelou-se-me interessante avaliarmos o nível de confiança que temos nos pastores das nossas comunidades cristãs, isto é, os nossos párocos. A nova sondagem pretende perceber se é costume confiarmos nos nossos párocos e até que ponto existe essa confiança. A sondagem, mais do que avaliar os padres-confidentes, pretende perceber de que forma conseguimos entregar a nossa vida, a nossa fé, o nosso coração, ao pároco da nossa comunidade. Coloco a questão da seguinte forma: Qual é o nível de confiança que depositas no teu pároco?

Podem e devem justificar aqui as vossas opções e razões!
Para quem não saiba, o pároco é aquele sacerdote que está à frente de uma comunidade paroquial.

26 comentários:

Porthos disse...

Meu caro Padre...

Estás a colar dois conceitos que merecem algumas diferenças...

O pastor-confidente centrado nas pessoas será necessariamente diferente do padre vinculado aos preceitos da Santa Madre Igreja, não concordas?

Aquele abraço

Confessionário disse...

Olá, Porthos
Tem razão a tua observação. Às vezes não sei por estas coisas acertadamente. A minha ideia não é tanto perceber se o padre é de confiança, mas sim se as pessoas conseguem confiar nos padres...
Expliquei-me?!

M.M. disse...

Eu confio 100% no padre da minha paroquia. Está connosco há 6 anos... no inicio talvez tenha sido dificil habituar-nos à ideia de que teriamos um novo padre, mais velho que o anterior e com ideias diferentes das que estavamos habituados. Mas revelou-se um padre cheio de energia, sempre disponivel para ajudar, com muitos projectos para melhorar a nossa paroquia... nao podia estar mais feliz com ele! :)

Filha de Maria disse...

Eu confio! Sim, confio nos padres, confio no meu pároco. No meu caso pessoal ajudaram-me estes a superar uma grande depressão, pela fé, pela oração, por me escutarem e encaminharem para Deus!

Agredeço tudo isso a Deus, que é Pai de Misericórdia.

Beijinho fraterno (ainda não votei)

Joana disse...

Não confio a 100%, pois são seres humanos iguais a todos nós. Com as suas fraquezas, debilidades e tentações. Muitos também mentem e enganam, pregam palavras muito bonitas, mas que nem sempre correspondem às suas acções. Pessoalmente confio no meu pároco, não a 100%, mas penso que merece uns bons 90%, os restantes 10% ficam para lá do que desconheço sobre ele fora da igreja e da paróquia. Mas no geral, penso que a maioria dos padres tem uma boa classificação de confiança por parte dos seus paroquianos. Penso eu de que :)
Beijinhos
Joana

Porthos disse...

Clarinho como água :)

E sim... Também eu confiava (emprego o tempo passado por razões sobejamente conhecidas aqui do confessionário) 100% no meu padre.

A principal explicação (se é que conseguimos explicar estar coisas) é que me consegui identificar profundamente com os seus pontos de vista e ensinamentos acerca da fé e da vida.

Abraço

Anónimo disse...

Como pessoas, não confio mesmo nada, nem um pouco mesmo.Até hoje não conheci um padre que não fosse um mentiroso.Por não conseguir confiar, o padre-confidente não existe na minha vida, apenas o padre que gere uma paróquia. A única coisa que confio é no que nos ensina, parto do principio que estudaram 5 ou 6 anos num seminário que aprenderam alguma coisa!!
MJ

Anónimo disse...

Não confio, em hipótese nenhuma. São humanos, passíveis de todos os erros. Ter boa intenção não é o suficiente. Este ano, após a Semana Santa,um ex-seminarista me contava -entre gargalhadas- os pecados que os fiéis haviam confessado ao padre de uma paróquia. Esse padre contou ao seu amigo, que por sua vez, recontou a mim. Minunciosamente, as pessoas e seus pecados foram detalhados, se era mulher, homem, com filhos, a idade... Fiquei estarrecido. Depois de ouvir tudo o que me foi relatado sobre pecados ouvidos em confissões, não creio que eu vá voltar a confiar em padres. Além do mais, jamais alguém irá manter a idéia que se tem do outro, quando passar a conhecer os erros mais íntimos da outra pessoa. Muda a amizade, muda a confiança, muda tudo. Todo cuidado é pouco: Confiar desconfiando.

Rosa disse...

Eu confio e tenho muita dor, de o meu também ter mudado de Paróquia,mas estou feliz porque continua a ser sempre o mesmo dedicado,e com muita vontade de a todos levar ao caminho de Jesus Cristo.

Anónimo disse...

Muito difícil confiar. Também já ouvi muita coisa mesmo sem querer. Mas como é um sacramento que para mim é importante continuo a confessar-me. Escolho um padre completamente desconhecido ou um muito próximo e que me dê segurança. Também não tenho pecados complicados.

Anónimo disse...

Sempre o foi...mas nos tempos que vivemos, um pároco numa aldeia é um privilégio que se deve acarinhar. Como seres humanos, podem ter e têm defeitos. Mas, Deus está sempre por trás deles. Por si, nada podem, como acontece com todos nós. Com a graça d'Ele, a qualidade do instrumento de pouco conta. Eles estão no meio dos paroquianos, em nome d'Ele, para os assistir e ajudar a caminhar pelo Seu caminho...
Não sou clérigo nem religioso. Mas estou certo e convencido de que, apesar de tudo, é sempre muito bom ter um pároco na aldeia.

Anónimo disse...

Peço perdão ao padre confessionário.
Mas uma das razões porque não confio nos padres é este seu anonimato.
Não acredito na história por ser melhor para quem comenta, pois nós somos anónimos, lá por saber-mos quem é, não nos retira o á vontade de escrever anonimamente.
Acho que é mais uma forma de se proteger a si próprio e ter mais coragem na escrita dos textos e respostas. Mas isto é só a minha opinião.

Filha de Maria disse...

Caro Conf.;

Não vou votar. É que eu confio e é isso mesmo, confio apenas!

Qual a percentagem? Não sei medi-la, assim como também não sei medir a amizade, a alegria, etc

Sou péssima no calculo, eheheh

Beijinho fraterno

Anónimo disse...

Boa tarde!

È com algum agrado que passo por aqui algumas vezes.
Hoje não resisto em comentar
Confiar ou não confiar,eis a questão?
Não confio!!!!!!!!!!!
Porque são homens e como tal, não são diferentes "DOS OUTROS HOMENS"
Não confio pelo facto de não assumir muitas vezes as suas fragilidades, as suas angústias e tristezas e a até mesmo a solidão.
Não confio pelo facto de terem vergonha em assumir muitas vezes, sentimentos que lhes são negados aquando a sua entrega à vida sacerdotal.

abraço

Anónimo disse...

Os senhores padres são homens como os outros uns melhores outros piores. Mas de facto são senhores sem etiqueta na testa nem certificado de qualidade.

Anónimo disse...

Olá

Confessionario,

Confio no meu pároco, um homem com uns anitos já, que apesar da doença, não se deixa vencer pelas circunstâncias, permanecendo firme para nós.

Tem pulso forte em muitas situações dificeis. Impõe respeito na paróquia.

Confio nesse homem rude, de aspecto severo, mas que quando interpelado com docura e educação se transforma na mais dócil das criaturas.
Neste homem eu confio.

É-me dificil, confiar noutro padre que por vezes o substitui.
Foi o meu olhar que testemunhou situações às quais o meu coração reagiu menos bem.

Não votei...

Fique bem,

Anónimo disse...

Peço desculpa, mas tal como outros aqui, também eu não confio. O padre na sociedade não tem mais nem menos valor que um catequista. Que tenta transmitir uma verdade que lhe é imposta, sem aceitar a opinião dos outros. Ainda são orgulhosos, reis e senhores da verdade!!! Enquanto esta for a atitude... a confiança é como em qualque outra pessoa

vitor disse...

CONFIAR significa entregar, expor-se, dar-se, morrer por… não porque é um Padre, mas porque é meu Irmão “condição” que vai mais para além da dimensão da Fé…

Sabes Irmão Padre também, fui monge alguns tempos… depois, irmão consagrado numa missão numa Paróquia alguns anos… os caminhos cruzaram-se e acabei por entrar no MI de teologia na UCP que acabei por deixar inacabado… não venho agora aqui falar disso… apenas para te situar… olha, uma coisa sei, que um Padre é um ser humano… e isso me basta para o CAMINHO onde o meu alvo é Cristo… o Padre faz parte desse caminho… e aquele que me acolheu na Paróquia foi importante nesse caminho… mesmo com as suas humanidades todas tão barrentas como a minha, a tua e de todos…

Mas confiar… confio em Deus… nos homens… faço caminho com eles, sempre acreditando que Cristo nos abrirá o coração um ao outro e nos ajudará a caminhar juntos… Abraços Naquele que nos encontrou nos caminhos… vp

Já agora, a confiança não se vota… oferta-se ou nega-se… eu prefiro ir lado a lado, amparando-me nele e ele em mim…

Anónimo disse...

Olá confessionario, bom dia.
Peço licença para me reportar aos irmãos anônimos do dia 18/11 das 12:58 hs e 16:12h. Meus queridos(as)Eu penso que não devemos generalizar, colocar todos os padres num mesmo patamar tão negativo. Assim como em qualquer profissão ou seguimento da sociedade, existem bons profissionais, existem pessoas boas e outras nem tanto. Mas daí a dizer que todos os padres são mentirosos, acho que é um pouco pesado demais. Eu conheço e sei que a maioria dos católicos que têm alguma participaçãp em suas paróquias, também conheçem bons e até mesmos ótimos padres. Amigos, sinceros, acolhedores e principalmente merecedores da confiança do seu rebanho.Penso que um padre que quebra o sigilo da confissão, de fato não mereçe confiança e não mereçe ser padre, pois denigre a imagem da nossa igreja, mas creio que este é um caso isolado, não é a prática dos outros padres. Quanto a falhas e quedas, sabemos que os padres são seres humanos, perfeito só Jesus, no entando eu creio que alguém que abre mão da vida mundana, não o faz por acaso, pelo menos é assim com a grande maioria. Respeito a opinião de vocês, mas acho que deveriam repensar um pouco e tentar serem mais misericordiosos com estes irmãos tão especiais.

Anónimo disse...

Quando os padres deixarem de querer ser "senhores" e passarem a querer ser servos, terão toda a minha confiança.

Filha de Maria disse...

Isto da confiança, é sério e deve ser encarado como tal.

Votar na confiança é banalizá-la. Porque confio? Confio pelo que vejo, pelo que experimento.

Padre é pai! O pai, deve dar o bom exemplo, a todos os seus filhos. Não basta ao pai que dê conselhos, mas deve também ele exemplificar como se faz, e muitas vezes na dor, na cruz.

Assim sendo, eu pergunto: Os pais, são de confiança?

As respostas serão de facto variadas, assim como a própria experiencia de cada um, com o seu pai.

Haverá sempre pais extremosos; dedicados; amáveis e carinhosos, no fundo um porto de abrigo aos seus filhos e haverá sempre, pais descuidados; ásperos; maus e traidores da confiança de seus filhos!

A parte nunca poderá ser o todo! No entanto; pelo sacramento da Ordem, o padre pode abençoar, consagrar, absolver... não porque é um santo homem, mas porque é um homem que Deus escolheu para santificar, e isso significa caminho de aperfeiçoamento.

É importante lembrar, que por muito "bandido" que o padre possa ser, ele pode absolver, consagrar e abençoar, porque é pela Graça de DEUS, na pessoa de Cristo, e nunca por ele mesmo!

Amiguito confessionário, é isto que eu penso! Entende porque não voto? :)

Anónimo disse...

"...no entando eu creio que alguém que abre mão da vida mundana, não o faz por acaso, pelo menos é assim com a grande maioria."
Eu acho que esses são a minoria, mas esse campo nem me preocupa, como digo muitas vezes, nada tenho a ver com a vida sexual dos padre, tenho a minha, para me preocupar!
Não confio mesmo nada em padres!Gostava de não generalizar, mas até agora tem sido impossivel. Talvez um dia venha a conhecer! Lamento anónimo de 22 Novembro, 2011 12:24.

Anónimo disse...

Sr. padre, explique-me a nova anedota. Sinceramente não percebi a piada! bjs

Confessionário disse...

Olá, última anónima

Não tem mesmo muita piada, e se nao estiveres a par do que se passa em Portugal, menos piada tem. Mas achei que dava um arzinho de graça nesta época natalícia de 2011 em Portugal.
Ao menos, riam-se por nao ter piada...lol

Maria disse...

Olá Sr. Padre,
Eu votei porque acredito e confio 100% no meu pároco, que também é frade, não tenho razão de queixa e acho que é uma boa pessoa. Eu não faço julgamentos. Não concordo, porque quem nos julga é Deus e mesmo Ele só o faz uma vez.Claro que os padres são humanos, porém com uma missão que nos merece respeito.
Para os comentadores mais criticoa e desconfiados, que tal rezar pelos padres?...
Abraço
Maria

Anónimo disse...

Não confio! Para mim, os padres são como aqueles homens que têm vidas paralelas e receiam que se venha a descobrir o outro lado que tanto tentam esconder.