sexta-feira, dezembro 19, 2008

sondagem_ “Como classificas de uma forma geral as homilias que tens ouvido?”

Passados que vão quase dois meses da última sondagem e 583 votos, chegou a hora de avaliar a sondagem que estava no lado esquerdo, no sidebar. A questão era:
“Como classificas de uma forma geral as homilias que tens ouvido?”

E os resultados são:
1. Medíocres _44%
2. Péssimas _22%
3. Óptimas _13%
4. Boas _11%
5. Razoáveis _ 9%
______________________
pequenas considerações:
Hoje não faço grandes considerações. Cada um as fará como entender.
  1. Apenas faço a constatação de que em Portugal ou nos países onde estão os “meus penitentes” não há homilias razoáveis. Ou são acima do bom ou acima do mau.
  2. Também não quero esquecer que uma homilia será sempre boa ou má dependendo da pessoa que a ouve, daquilo que precisa ouvir e da interpretação que fizer daquilo que ouve.
  3. E ainda realço que 66 % das respostas evidenciam homilias abaixo do razoável e 24 % acima do razoável, o que significa que acima do razoável é quase um terço do abaixo do razoável.

Hoje surge nova sondagem, a pensar no ano 2009, um ano que se aparenta difícil. Talvez seja oportuno tentarmos descobrir o que para nós seria mais necessário. Por isso desta vez não surge uma pergunta, mas a oportunidade de fazer um pedido.

Pede um desejo para 2009

18 comentários:

Nelson Rodrigues disse...

Quere parecer-me que uma boa homilia é aquele que consegue ir ao coração de todos. (ATENÇÃO: "consegue ir", não necessáriamente tem que "ir" ao coração de todos - PORQUÊ? porque a outra parte depende do receptor....) Uma boa votação seria, como é o fiel na escuta do padre????

Teodora disse...

Que alguém atire os seus sapatos ao menino doirado, mas que lhe acerte em cheio.

Nuno =] disse...

A consideração 2. não descreve 'homilia' mas sim forma uma descrição de um sub-tipo do tipo 'fiel' (este tipo é o destinatário dinâmico da homilia, o que significa que uma classificação real de homilia não pode não co-classificar o sacerdote e o fiel e a homilia [esta por sua vez, se é, é portanto classificada pelo tipo 'homilia' aliás preciamente pelo qual se pode inteligi-la como aquilo que ela é em vez de como um "reflexo" do sujeito que se projecta na forma deste] e que portanto esse sub-tipo não é verdadeiramente relativo ao tipo 'homilia', o que por sua vez mostra que aquilo que a consideração 2. descreve é como dizer que os sermões do Padre António Vieira não são aqueles mesmos que são, ou seja, que pode ser real ou veraz qualquer outra classificação ou descrição ou definição de uma homilia que não seja a mesma da homilia e de que esta é forma ou instância). Uma homilia é como uma encíclica: não pode ser a menos que seja uma relação dinâmica entre a origem suma da homilia e os indivíduos.

Uma notinha: não votei nessa sondagem (aliás nem tenho o costume de o fazer), porque não "tenho ouvido" homilias; daí que estou em óptima posição para não fazer estatística de valor sobre coisas que escapam totalmente a tais processos; e mais: as que ouvi e que me lembro, são mais 'homilia' do que poderiam ser feitas tal (e mais ainda: para mim, se duas homilias não são as duas igualmente 'homilia' i.e. se eu as caracterizar como sendo distintamente 'homilia', ou eu não sei o que é 'homilia' ou nehuma delas é realmente 'homilia').

Por tudo isto, posso dizer que a consideração 2. é a expressão da "omissão" dinâmica de uma verdade pelo sujeito da expressão.
Claro que tal tipo de expressão é mais relativo à realidade do que à verdade; afinal de contas 'verdade' não nasce de realidade (nasce sim tipos como o descrito na consideração); e não podemos pretender que a realidade de alguma coisa substitui a verdade, quando nem sequer pode representá-la de forma nenhuma (o porquê deste não poder tanto pode ser posto numa frase como em mil).

^^

Nuno =] disse...

mmm... achei interessante a contribuição da Teodora; a razão é esta:

os votos (natalícios, e já estou a imaginar que não há Menino Jesus no presépio da Teodora, ou para todos os efeitos em qualquer um pelo qual passe, muito desinteressadamente, a Teodora hehe) da Teodora parecem estar algo desfasados; Ele de facto foi atingido em cheio; só não foi é no Espírito; e aqui, não chegam sapatos nem pedras nem lanças... É que se Ele Se fez carne para ser consumido, muito mais se fez Espírito para ser conhecido.

^^

Nuno =] disse...

(qualquer associação entre 'Teodora' e 'Carmelita Descalça' é pura coincidência)

hehe

(a mim interessa-me mais a asosciação entre 'Carmelita Descalça' e 'Cinderela' ^^)

[fim de contribuição. a sério.]

Anónimo disse...

Sinceramente! ninguém comenta o resultado desta sondagem?!

Não vos apetece questionar a "qualidade" dos oradores no pulpito para que resultados como estes sejam tão expressivos?!

Teodora disse...

Eu não comento sondagens, confio inteiramente nas leituras do nosso menino doirado.

Ele sim, faz homilias de qualidade e não quero embaciar a sua película doirada.

marazul disse...

Sr. Padre
Posso pedir 3 desejos...!?

Confessionário disse...

marazul, podes... e que te aconteçam...

Alma peregrina disse...

Bem, eu poderia comentar, mas como avisei desde o princípio, esta sondagem é muito pouco informativa a priori...

Quando 44% dos votos afirmam que as homílias são medíocres, o que querem dizer?

Pode ser que o orador não tenha "jeito"... existem muitos padres que não têm capacidade de comunicar. Até aconteceu com S. Paulo que, por muito brilhante que fosse como teólogo, dava homílias que até faziam rapazes cair da janela com sono...

Pode ser que a própria homília tenha pouco conteúdo, tenha uma duração inadequada, não tenha aplicação prática na vida dos fiéis, etc...

E também pode ser que, sendo a homília excelente, não caia em solo fértil (i.e. o indivíduo que votou em "medíocre" não está a votar na homília per se, mas está a votar na doutrina, que não lhe agrada).

E pode ser que muitas pessoas tenham votado na mesma opção por motivos muito diversos. Pode ser que muitas pessoas tenham votado mais do que uma vez, enviesando os resultados. Pode ser que as pessoas não-católicas que têm visitado este blog tenham votado também. Enfim, a única coisa que sei é que esta sondagem é muito pouco informativa (e eu informei o Confessionário do facto, logo no princípio).

Uma forma mais coerente de captar a raiz do problema era fazer uma sondagem acerca da percepção que as pessoas têm dos padres em geral (tal como foi feito para os cristãos em geral numa sondagem anterior). Ou então efectuar uma nova sondagem, em que a pergunta fosse: "Como será possível melhorar as homílias?"

Agora assim, não é possível trabalhar...

UM SANTO NATAL A TODOS!!!

P.S. Desejei mais fé... talvez devesse ter votado "mais amor", mas tinha medo que essa opção fosse confundida com o amor corriqueiro (daquele que surge nos horóscopos, tal como a "saúde" e o "dinheiro", que também são opções desta sondagem)... o "amor" que eu desejava era o amor verdadeiro, o ágape, o qual nasce da fé e comunhão em Deus... daí a minha escolha.

Alma peregrina disse...

PS2: A propósito, sinto pena de o debate sobre a natureza do Céu já ter terminado porque eu fui repescar um conto que escrevi sobre o assunto e publiquei no meu blog. Foi um pouco tarde, mas, para quem quiser...

http://cronicasdeumaperegrinacao.blogspot.com/

Anónimo disse...

Parabéns pelo terceiro aniversário!

22 de Dezembro de 2005
22 de Dezembro de 2008

Para o próximo ano, peço mais textos no teu blog!

Abraço
Tomás

Maria João disse...

Não te esqueças que o Natal, ou seja o nascimento de Jesus acontece todos os dias. Abre-Lhe a porta!

beijos em Cristo e Maria

Canela disse...

Venho aqui desejar um Santo e Feliz natal.

Anónimo disse...

Pois é... há homilias que nos enchem e outras que mal nos tocam. Esta diferença decorre, muitas vezes, da forma como foi preparada. Em regra, a mensagem surge quando o celebrante trabalha a Palavra de Deus e escolhe as palavras certas para A comunicar. Mas a qualidade atribuída às homilias também pode ser explicada através das sensibilidades e expectativas diferenciadas de quem ouve. Como qualquer classificação, também esta é redutora e subjectiva. As homilias que ouço nem sempre me conseguem cativar. Nem são quentes nem são frias, são assim, mornas... Boas para adormecer a meio. Que me perdoem os Srs Padres (alguns e às vezes:))))
Deixo aqui uma sugestão: em cada Domingo na RR (10h) D. Manuel Clemente dá uma ajuda a quem quer interiorizar a mensagem. Não substitui a Eucarístia mas ajuda a vivê-la com maior sentido e profundidade. O discurso e a postura deste senhor engrandecem, de facto, a Igreja. Experimentem...
Um abraço

Confessionário disse...

Obrigado, Tomás

De qualquer forma tenho de referir que o "Confessionário" começou a ser reelaborado (no template) no dia 22 de 2005, mas só foi dado à luz no dia 25. Porque sim. Porque tinha de ser dia 25.

CRM disse...

O problema da esmagadora maioria das homilias que, na realidade, primam pela mediocridade reside no facto de não conseguirem ligar o geral e mais abstracto da palavra biblíca às circunstâncias do dia a dia.
Por outras palavras, usam e abusam de generalidades, recorrendo a princípios gerais de comportamento sem os concretizar 1º em normas de conduta, em termos qualitativos, e depois em normas de conduta, em termos quantitativos (isto é, quando, onde, quantas vezes, de que modo).
De que me serve uma homília que me faça sair muito consolado da Igreja se depois não me ajuda a estabelecer metas concretas para o meu dia a dia ?
Já agora 2 exemplos de excelentes pregradores de homílias: Pe. João Seabra e Pe. Feytor Pintor, entre outros
Santo Natal !

Anónimo disse...

Absolutely with you it agree. I think, what is it excellent idea.