sexta-feira, outubro 26, 2007

Reza-se como se ama

Numa das minhas paróquias reza-se todos os dias o Rosário comunitariamente. É um costume que encontrei e que alimentei. Ou deixei que alimentassem. Vale a pena rezar. O Ti Joaquim vai algumas vezes. Mas ontem estava descontente com a vida. Encontrei-o sentado no jardim. Passava a correr como já é hábito em mim. Um hábito pouco saudável e solidário. No entanto ontem estacionei junto do Ti Joaquim. Estacionou-me ele. Ó padre, queria fazer-lhe uma pergunta. E atirou logo que não estava para me fazer perder tempo. São palavras dele. Mas ressentiram-me. É um dos meus defeitos. Procurar não perder tempo. No Domingo o padre falou que devemos rezar sempre e sem desanimar, verdade ou não? Olhe que eu estava atento. Mas estar assim tantas horas a rezar porquê e para quê? Não será perder tempo também? Ele ouve-nos mesmo?
O Ti Joaquim tem idade para ser meu pai, ou quase meu avô. Olhe aquele casalito que vai além. Quem? Aqueles dois marmanjos? Sim, aquele par de namoraditos. Por acaso passavam também. Olhe como eles se gostam de olhar. Se pudessem, passavam assim o dia inteiro. Aproveitou para me dizer que isto já não era como antigamente. Insisti. Mas no seu tempo também não fazia tudo por tudo para estar com a sua Maria? Ui, padre, se fazia. Ficava à espera dela sair da fábrica. E já se perguntou porque é que perdia tanto tempo com ela? Porque é que queria estar sempre com ela? Ó padre, porque não podia passar sem ela. Mesmo às escondidas, a gente encontrava-se por aí. Nem falávamos. Mas ficávamos a olhar um para o outro. Nem sabe a falta que me tem feito! Lá está, digo eu. A oração é um diálogo entre duas pessoas que se amam e que não podem passar sem estar, desta forma, uma com a outra. Ao namoro entre nós e Deus chama-se rezar. Mais lhe digo. Reza-se como se ama. Por isso rezar, às vezes, não é mais do que abandonar-se ao Espírito. Estar ali escondido. Dizer coisas. Procurar-se. É uma questão de achar que sem falar com essa pessoa a vida não tem sentido.
Olhou-me às gargalhadas. E como quem aceitou bem o que ouviu, lá me disse: Vá lá, não perca mais tempo comigo. Se por acaso encontrar por aí o seu Amigo, dê-lhe cumprimentos meus.
Eu percebi as duas frases. Ó se percebi. É mesmo um homem sabido.

23 comentários:

elsa nyny disse...

Hoje com um pouco mais de tempo, venho, gostei do post...quanto ao rosário...ok! No entanto acho que as pessoas o rezam um pouco mecanicamente...passa mais pela boca do que propriamente pelo coração...eu gosto de rezar, mas de outra forma...eu não rezo 5 minutos ou 1/2...eu rezo o dia todo, rezo-Lhe a vida e procuro, tento, esforço-me por viver a Oração, foi sempre assim...e sabes sempre nos entendemos ás mil maravilhas!

bjtos

Anónimo disse...

Confessionário, tens-me feito tão bem, amigo. A tua linguagem é tão simples e os temas que partilhas connosco tão humanos! Para mim tem sido fantástico pois eu via (e...não vou mentir, ainda vejo)os padres como pessoas diferentes. Mas tu tens-me mostrado que as tuas fraquezas são as minhas fraquezas e que praticamente tropeçamos nas mesmas pedras.Todos caminhamos para o Pai em cima de saltos altos...
Que linda foi a tua explicação! É bom é estar apaixonado! É maravilhoso estar apaixonado por Jesus. E quem não está, não sabe as alegrias que deixa de ter.
Abraço
Filó

Anónimo disse...

ontem entrei na igreja, a meio da tarde..não rezei..não consegui..fiquei só a olhar...e apesar de não ter dito nada...e apesar de ter sido pouco tempo..saí..muito melhor porque Ele esteve a falar a comigo..

um abraço

Anónimo disse...

Bom dia!

Se me permitem, vou comentar neste post, tb o anterior, pois creio estarem em sintonia…
N votei! Teria que votar, talvez três vezes, isto pk durante a minha vida mt coisa se passou…
Desde pequena lia a Bíblia diariamente com os meus pais e irmãos. À noite, abríamos um texto ao acaso e líamos; dps cada um reflectia e partilhava, fazia a sua ressonância. Acabávamos sp a noite a rezar o Pai Nosso de mãos dadas…
Os anos foram passando, os meus irmãos casaram e foram pr as suas casas e eu continuei a fazê-lo c os meus pais e de qdo em vez lá apareciam os manos…
Nesse tempo, conheci um rapaz k nem sequer Baptizado era e, em conversa num café com amigos comuns, falávamos da Bíblia; lembro-me k estávamos a falar sobre o Salmo 23 e o rapaz fez perguntas… a partir daí, comecei a ler com ele… acabamos por começar a namorar… o Salmo 23 passou a ser o “nosso” Salmo.
De há uns anos a esta parte, mais precisamente há 6 anos, tudo mudou… deste que os meus pais e o rapaz morreram, nunca mais houve partilha, nem tão pouco peguei na Bíblia…
Mas, há uns dias atrás, n sei como, apareceu na minha mesa de cabeceira uma Bíblia (talvez deixada pelo Capelão, dps de uma conversa k tive c ele) e eu abri ao acaso e soube-me bem…
Foi com o Salmo 90, que Deus me presenteou nesse dia…
Vou procurar, a partir de agora, colocar-me na escola de Jesus, pr reaprender o sentido e a força das Palavras que nos deixou… Redizê-las, saboreá-las e deixar que elas me transformem. Vou procurar rezá-las, como se fizesse uma primeira descoberta, recebendo-as da própria boca de Jesus…
Rezar o Pai Nosso como se fosse a primeira vez, agora, não já de mãos dadas c as pessoas c quem o fazia, mas quem sabe se c outras e com vocês….
MJG

Anónimo disse...

Descupem, queria ter acabado o comentário, rezando com todos:

Pai Nosso que estais no céu
Ajuda-me a fortalecer mais a fé que um dia me deste.
Santificado seja o Teu nome
Em todos os momentos da minha vida.
Venha a nós o Vosso Reino
Onde encontrarei a Paz, o Amor e a Felicidade.
Seja feita a Tua vontade
E nunca a minha de quer morrer.
Aqui na terra, como no céu
Pois em qualquer lugar Te encontrarei.
O pão-nosso de cada dia nos dai hoje
Que eu saiba sempre dar sem esperar recompensa alguma.
Perdoai-nos as nossas ofensas
Quer na tristeza, quer na dor, na angústia, no desespero ou na alegria.
Assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido
Que eu saiba perdoar sem que ninguém peça o meu perdão.
E não nos deixeis cair na tentação, mas livra-nos do mal
Não me deixes desistir, não me deixes abandonar-Te; Ilumina sempre o meu caminho, Sê sempre o meu farol…
AMEN!
MJG

Ni disse...

"Reza-se como se ama"... Nunca tinha pensado nisso, embora as dúvidas do tempo e do silêncio sejam feitas e as respostas (não) surjam, tal como no amor.

al cardoso disse...

Ele e um homem sabido e o Padre tambem aparenta ser!

Gosto de o ler embora ultimamente tenha andado pouco "Catolico", literalmente.

Um abraco d'Algodres.

Anónimo disse...

Em silêncio REZO... porque não sei rezar.
Em silêncio AMO... porque não posso amar.

Ana Silva disse...

Participa do Movimento Rosário Permanente!

Para aderir ao Movimento, reza pelo menos uma vez por mês o Santo Rosário (Terço dos Mistérios Gozosos, Luminosos, Dolorosos e Gloriosos) de uma só vez, num dia e horário específicos, rezando em desagravo e reparação das ofensas feitas contra o Sagrado Coração de Jesus, Imaculado Coração de Maria, pela conversão dos pecadores, pelas famílias, pelos padres, Santo Padre, pelas vocações sacerdotais e religiosas, pela paz Mundial, por suas intenções particulares, pelas almas do purgatório, por todas as coisas que estão mal no mundo.

As pessoas que se comprometerem a rezar o Rosário receberão um diploma do Movimento GRATUITAMENTE, que se compõe de:

- Um cartão postal do Sagrado Coração de Jesus e Maria;
- Um folheto com a reza do terço;
- Uma novena e uma medalha de Nossa Senhora das Graças.

remetidos pelo correio.

Divulga-nos pelos teus parentes, amigos, comunidade, toda a gente que queira participar!

Convida amigos para participar do Movimento!


Para saberes mais, vai a: http://rosariopermanente.leiame.net/

nuno alexandre disse...

Num namoro, não sei bem o que é fazer mais: falar ou não falar. Talvez possamos fazer mais, falando quando não tocamos. Seja como for, é uma coisa única ouvir a voz de uma pessoa que nos ama e o que ela nos diz, porque as palavras têm a assinatura da pessoa que fala (por isso o simples dizer o nosso nome, pela pessoa que nos ama, quase que nos define). E pode-se dar tanto falando!

Além disso, Deus é Verbo e o homem é um verbo desse Verbo. Acho que a Linguagem deve talvez definir uma união mais forte entre Deus e a criatura amada (a humana) do que os comportamentos desta, uma vez que os nossos comportamentos procedem do nosso pensamento e este define o verdadeiro significado deles (e é a origem deles, quem sabe até em comunhão com Ele).

Mais ou menos como o anónimo de 27-Out 08:28, por vezes entro quando passo a pé por uma igreja. E se há lugar para rezar em presença, e nos deixarmos confessar por algumas lágrimas, é esse. E não nos esqueçamos que há pensamentos que falam mais do que mil palavras (por ex. não há oração que exprima as saudades que tenho de um falecido avô meu, nem aquelas duas ou três vezes em que pus a minha mão na barriga dele para não dizer verbalmente que gostava dele; é que ele não ouvia muito bem, nem me conhecia muito bem, mas acredito que ele sentia e bem).

um abraço

Kephas disse...

MJG

Você provavelmente salvou esse rapaz com um salmo bíblico.

Agora foi você que foi salva por um salmo bíblico.

Não me quero pôr a fazer interpretações muito místicas, mas é óbvio que você tem alguém que a ama muito a zelar por si: seja o rapaz, seja Deus.

Se você continuar a desejar morrer estará a desperdiçar esse Amor que tem nos Céus. Ainda bem que você decidiu aceitá-lo.

Pelo que li, vejo que você possui sem dúvida uma força admirável. Espero que a preserve sempre, pois tal força é também um dom raro dos Céus.

Rezei o Pai-Nosso consigo, espero que a ajude...

Cumprimentos e melhoras!

Anónimo disse...

MJG, aqui tens a minha mão. Hoje e sempre que precisares.Neste blog(e não só) há sempre uma mão amiga à nossa espera. Nesta oração lindíssima de partilha é bom sentir o pulsar do outro, do nosso irmão em Cristo. Abraço
Filó

js disse...

Mas também é bom lembrar que, tal como o amor, a oração é um processo, um caminho de descoberta, aprendizagem e aprofundamento.
Quem quiser lançar-se nesta caminhada dificilmente deixará de entrar em contacto com os escritos e a experiência de S. Teresa de Jesus. Concretamente, os ensinamentos sobre os graus de oração (poço, nora, rio, chuva) e, sobretudo, a fantástica alegoria do castelo e suas moradas.

js disse...

Sobre a oração do rosário, e respondendo ao comentário da Elsa, penso que o segredo está precisamente na sua mecanicidade, na sua fórmula repetitiva, quase mântrica, que permite o activar o estado de meditação.
Claro que meditar é bem mais do que deixar a imaginação divagar...

js disse...

E para terminar, um conselho de leitura: "Sadhana", de Tony de Mello. Para saborear as muitas formas de fazer oração.

PDivulg disse...

Amar é rezar, que difícil mostrar isso aos jovens...

Anónimo disse...

...Bem.. De vez em quando lá pego na Bíblia que tenho à cabeceira.
Mas de momento estou a ler (pela 2ª vez consecutiva) o livro "A Vida de Cristo" por J. Perez de Urbel.
Ao ler cada capítulo, estarei tambem em oração?.

Um abraço amigo padre
J

nuno alexandre disse...

pdivulg disseste uma coisa incrível: amar é rezar... de facto, o amor que sentimos é definido com o pensamento. Por exemplo, Camões sentia-o, e exprimia-o com a sua poesia. E que poesia... e que homem.

Maria João disse...

Fala-se muito de oração, mas depois não se ensina a orar. Sem oração ficamos sedentos de Cristo. Porque tudo deve ser acompanhado de oração. É ela que nos enche do espírito de Deus.

Deixo aqui uma sugestão: Oficinas de Vida e Oração. Aprende-se a orar, orando.

bjs em Cristo

Anónimo disse...

maria joão a oração não se ensina, sente-se. Do mesmo modo que não precisas que te ensinem o que deves dizer a quem amas, também deves saber o que dizer a Deus se O amas. Orar não é repetir orações pré fabricadas. A verdadeira oração é feita com o coração

Anónimo disse...

Os momentos em que me sinto em maior sintonia com Deus, são de um silêncio profundo...
Filó

Anónimo disse...

Antes de mais peço desculpa pela minha invasão neste blog... tenho visto por vezes...mas nunca tive a ousadia de deixar um comentário pois não poderia estar a opinar.

No entanto, algo me cativou neste grande texto sr padre. "Reza-se como se ama".

Em tempos amei... tentava todos os dias entregar a minha vida a Cristo, quanto mais rezava maior era a entrega e o desejo de amar profundamente. Ao ponto,de questionar seriamente o meu papel da minha comunidade e da minha vocação. Em tempos construi uma relação... como num namoro, nada mais fazia sentido se não Cristo.

No entanto, certo dia desiludi me tanto... a queda foi de tal forma que deixei totalmente de rezar...e de ama, o motivo é apenas um... o medo de Ele querer mais... e eu não conseguir retribuir aquilo que Ele me tem proposto.

A forma mais simples e a escolha que tive foi apenas uma... afastar me totalmente do Sacrário.

Porém, não deixo de estar presente (pelo menos fisicamente) na Eucaristia... não estando em graça não posso de alguma forma participar no grande banquete, tenho pena mas é uma opção...

Não amando ao jeito de Cristo, não consigo rezar.

Mais uma vez, na simplicidade de um pecador consciente dou graças por este espaço, e dou graças por ter aceite o convite que lhe foi proposto ser um apóstolo de Cristo.

Anónimo disse...

Anónimo do dia 10, 17:46. Eu acredito que a maior felicidade da vida é a certeza de sermos amados, apesar e sermos como somos. E Deus todos os dias e SEMPRE nos diz com voz doce e bondosa:" EU AMO-TE".Não tenhas medo de O amar. Ele não cobra nada! Vê como, na hora da Sua morte ele ouviu o clamor de uma fé em desespero e chegou ao Céu carregando a alma de um ladrão. Para Jesus foi suficiente o arrependimento e o pedido de misericórdia pois Ele possui a perfeita compaixão." Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim tem a vida eterna"(Jo 6.47).
Filó