quinta-feira, setembro 22, 2016

José, de personagem secundária a modelo principal

Cada vez gosto mais do José, a figura secundária da cena da encarnação, aquele que não foi tido nem achado para que o Filho de Deus encarnasse, aquele que continuou no anonimato das páginas da Escritura. 
Num mundo extremamente varonil, onde a mulher ocupava um segundo plano, assistimos a uma personagem que, sendo homem, ocupa o segundo plano, o plano daqueles que não centram o olhar da nossa atenção. É aquela personagem sem a qual o filme não seria a mesma coisa, mas sobre a qual poucos ficam a falar após o fim do filme. E foi este José que aceitou este segundo plano, um plano sofrido, porque nem sempre entendia o que se passava. E quando a sua amada apareceu grávida, aparece este homem, modelo de misericórdia para as famílias e matrimónios de hoje, modelo de misericórdia porque põe em primeiro lugar aqueles que ama, Jesus e Maria.

5 comentários:

Anónimo disse...

Modelo de ternura

Helen Nascimento disse...

Que lindo Padre

Febe disse...

Ele acreditou pelo sonho...nem interrogou...nem duvidou... e com tão pouca coisa meteu-se a caminho para os salvar!

Anónimo disse...

O JOSÉ, Pai, companheiro, honesto, trabalhador, mas sereno, criatura de pura misericórdia, que todos os homens da terra estivesse herdado algo deste homem. O meu pai se chamava José, que pra mim foi um exemplo de criatura de Deus, que hoje encontra se com Ele. E faria aniversário justo esta semana dia 23 deste mês. Tinha uma sabedoria de José mesmo. O Pai de Jesus, adotivo sempre será um homem impressionável. A sua simplicidade, a bondade e a humildade em um homem admirável.

Anónimo disse...

José, por sinal o meu padrinho de batismo (algo muito criticado até pela igreja de hoje julgo eu, mas a quem agradeço todos os dias por ser o "padrinho que nunca morre"), o homem do silencio, justo, trabalhador. O padre da minha terra nesse dia falou nos trabalhadores malandros, esqueçendo-se de falar nos patrões desonestos e exploradores (mas foi mesmo esquecimento julgo eu), mas mais do que isso, vejo em Sao José um homem que sabe amar incondicionalmente, e vê no Amor um mistério que não tem explicação aos olhos da razão. Perguntamo-nos muitas vezes "como consigo amar uma pessoa tão diferente de mim? por vezes com qualidades nada abonatórias? ou até amores proibidos? porque o Amor explica-se com Amor.. só isso..
Agnostica Portuguesa