quarta-feira, abril 11, 2012

O padre Tiago diz que anda cansado

Quero chamar-lhe Tiago. Porque em Grego é uma dádiva de Deus. O padre Tiago diz que anda cansado. Chega a casa e só lhe apetece ver televisão. Ou ouvir televisão. Diz que gosta de ouvir diálogos. E se for para a cama cedo ainda tem muita conversa a por em dia com os seus pensamentos. Não gosta destas conversas. O Padre Joaquim e o padre José e o padre Mário estão doentes. Escolhi os nomes ao acaso. Fala-se de uma depressão. Ou quase depressão. São novos. Bastante novos. Têm menos que dez anos de padre. O padre Tiago tem doze. Como ele, outros se manifestam cansados de andar de um lado para o outro. Cinco, seis, sete e mais paróquias. Embora pequenas, multiplicam-se os esforços. Vale mais um esforço grande do que muitos pequenos. Não aparecem às reuniões diocesanas ou outras. Estão cansados deste formato funcional de ser padre. Desta forma ocidental de viver em Igreja à volta de várias paróquias que têm fé à custa de sacramentos desvirtuados da sua essência e colados à sociedade laica. Estava a conversar com o padre Tiago e falávamos de padres novos que não estão a ser felizes. Nisso da felicidade, os padres mais velhos dão passos mais largos. E não se sabe, ou até sabe, porquê. O que precisavam estes padres que andam cansados, doentes, saturados? Perguntou o Tiago. Exigimos tantas coisas aos padres, e deveríamos apenas dizer aquilo que dizemos aos cristãos. Que sejam felizes. O que interessava é que os padres fossem felizes.

22 comentários:

Anónimo disse...

Olá!
Tiago, é uma dádiva de Deus.
O meu filho chama-se Tiago e é de fato uma dádiva de Deus.
Mas o Tiago que é acólito não quer ir à missa, porque acha que o padre é muito "rabugento" está sempre a resmungar, repreende os acólitos lá mesmo no altar, ele que tem nove anos fica com medo de que algo corra menos bem e o sr padre ralhe com ele.
O Sr Padre não é feliz, tem duas paróquias a seu cargo.
Mas se apesar da idade da doença e da rabugice ele desistisse como fariam as pessoas para assistir a uma missa?
Os padres deveriam ser felizes tal como todas as pessoas, deveriam poder amar e ser amados livremente, sentir na pele o que muitas vezes apenas lhes é permitido vislumbrar na magia de um olhar.
Seriamos todos muito mais felizes se tivéssemos padres felizes e realizados como pessoas e como sacerdotes.
Confessionário, este post fez com que as lágrimas caissem, queria mesmo que todos os padres fossem felizes os que conheço pessoalmente e aqueles que conheço apenas com o coração, mas que são verdadeiros amigos, só não os consigo ver, mas sinto-os como atrás disse com o coração.
Deixo-lhe aqui um link de um dos videos que mais me tocou nestes últimos tempos.

Sacerdote, regalo de Dios para el mundo - YouTube

Patrício disse...

Fazer um Padre feliz...
Anónimo, acho que está a reduzir a "coisa"...
Se calhar correm demais, e não vêem a paisagem em condições!

Peregrino disse...

Os Padres FELIZES são aqueles que… ainda nada têm… ainda nada possuem… ainda nada sabem… ainda não conseguem suster as lágrimas… aqueles que não aceitam reescrever a justiça dos homens… aqueles que calam para que Jesus fale a todos…

Esses, já são felizes porque são BEM-AVENTURADOS… e são-no porque descobriram há muito que a PRIMEIRA VOCAÇÃO a que foram chamados foi a serem FELIZES

“… bem conhecidos; por agonizantes e, no entanto, eis-nos com vida; por condenados e, no entanto, livres da morte; por tristes, nós que estamos sempre alegres; por pobres, nós que enriquecemos a muitos; por nada tendo e, no entanto, tudo possuindo.”2Cor 6,9-10.

Abraços fortes Irmão Padre...

Anónimo disse...

"Quero ser feliz" frase que muitas pessoas dizem e que não mudam do verbo querer para o ser.
Adoro os post que são publicados, porque com exemplos simples, como Jesus também usava, chama atenção para problemas tão sérios e tão complexos.
Amar os outros como a nós mesmos...a felicidade dos outros depende tanto dos que estão à sua volta.
Que o Padre Tiago encontre pessoas que o ajudem a ser feliz. Que todos nós encontremos pessoas que nos ajudem a sermos felizes

Filha de Maria disse...

Então todos os Padres são "Tiago", porque todos são dádivas de Deus.

Um dia disse para quem me quis ouvir; quero ser feliz... tenho o direito a ser feliz... quase me perdi nesta busca, que cada vez me parecia estar mais longe.

Um dia... muito triste e chorosa entrei na Igreja e falei com um "Tiago", que me ouviu até ao fim... ajudou-me a abrir o coração a Deus, deixei-O entrar na minha vida e nunca mais busquei a felicidade, porque ela reluzia no meu coração!

Nunca serei padre, por motivos obvios, mas na minha vocação também há muitos momentos esgotantes, de tristeza até e por vezes de um quase desespero... mas quando assim é, não acendo a televisão, calo-me e esforço-me por calar o meu coração atribulado... entrego a JESUS, e vou entregando, entregando... e um dia reparo que já entreguei de vez ( por vezes entregamos com uma mão e puxamos com a outra).

Não sei... mas acho que por vezes, todos nós necessitamos que nos ajudem a ver melhor...

O "seu" Tiago, tem que perceber o que Deus lhe está pedir nesta hora, onde realmente o quer... (acho eu)

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Senhor Padre,

Penso que o problema não está na forma como a Igreja está organizada, mas antes na verdade da vocação.

E a vocação é válida para todas as profissões, quando gostamos do que fazemos nada nos cansa. Eu tenho 55 anos trabalho mais de 12 horas diárias, só tenho um dia de folga, mas não me canso porque gosto do que faço.

Um Padre ( imagino ) além da vocação teve o chamamento de Deus, e Deus nunca nos dá uma Cruz que não consigamos carregar.

O meu Conselho aos Padres mais novos e que se sentem cansados é que rezem mais, acho que hoje em dia os Padres rezam pouco e passam mais a vida em tarefas administrativas que nada têm a ver com a sua vocação.

Arranjem leigos voluntários nas Paróquias para essas tarefas, e rezem, celebrem, confessem, enfim façam o que um Padre deve fazer.

Eu por mim prometo rezar mais pelos Padres todos para que Deus lhes dê força e saúde para levaram a cabo a sua dificil missão.

Carla Isabel disse...

Queremos todos ser felizes!

Acho que o mundo esta em mudança, acho que a religião devia acompanhar esta mudança...há coisas na igreja que nao se compreendem , eu nao compreendo.
Acredito em Deus sou catolica criada por catolicos praticantes e acho que vocês padres tem realmente uma grande carga...
Já agora e porque nao se podem casar? E partilhar o vosso dia. Porque hão-de muitos padres ter relações escondidas? Caramba são humanos! Acho que essa seria uma das mudanças positivas...
A vossa missão é uma dádiva, espalhar o bem ...e pelo bem.

Anónimo disse...

Como vos compreendo. Os padres diocesanos têm uma vida que ou é infeliz ou falsa. Ninguém pode viver isolado e descontextualizado. Organizem-se as comunidades em função das necessidades, estabeleçam-se prioridades. E vivam mas vivam felizes. Caso contrário não chegam a lado nenhum e é frustação em cima de frustação. E só com oração não se vai lá. Ou se mudam as mentalidades ou fechem portas que vale mais. É um sacrifício que não dá frutos. Os bispos sabem disto mas querem é manter o status quo.
Coragem! Precisamos da vossa coragem e da vossa entrega entusiasta:)

rosa disse...

Realmente é um blogue,que sempre nos mostra algo diferente e pertinente.
Os Padres como eu tenho vindo a dizer são humanos,a diferença é que são consagrados,para serem Cristo na terra,só que fazem muita coisa,e se preocupam com muitas situações até de foro económico,é para ajudar alguém,é para a sobrevivência da Paróquia,são monte de coisas daí a sensação do cansaço por não se dedicarem mais ás coisas de Deus.

Patrício disse...

Porque é que tenho a sensação que as pessoas acham que os padres só seriam realmente felizes se casassem?
Até parece que é a única forma de felicidade... Reduz-se muito esta questão...

Filha de Maria disse...

Em relação ao comentário do Patrício;

Desculpem mas... o casamento por si só, não dá felicidade a ninguém!

Partilhar a vida, as dificuldades, feitios e defeitos... nem sempre é fácil! Também aqui, no matrimónio se atravessam muitos "desertos".

Anónimo disse...

Patrício e Filha d Maria,

Mas quem disse que os padres seriam felizes se casassem?

A questão não é o casamento mas a psossibilidade de viverem livremente as opcões que o seu coração, morada do Espirito Santo, lhes indicar.

Tenho a certeza que a maior parte dos padres não casaria ainda que o pudesse fazer livremente.

Rosa disse...

Também penso como o anónimo,10:20,,importa é viverem o que lhes vai no coração e na alma,e ainda não falei com nenhum que o casamento fosse importante,pelo contrário o coração Deles ama muito mais que o nosso ,é abrangente. Os Padres um estudo feito à pouco tempo eram considerados as pessoas mais felizes.

Filha de Maria disse...

Ninguém o disse anónimo!E eu também não o disse. Creio que o Padre, escolhe ser padre de forma livre... e se o "Tiago" anda cansado e triste... isso existe em todas as vocações!

Em todas as vocações, há desertos... mas também há Óasis! Mas a fé é essencial, para não cair no desespero.

Eu penso assim...

Joana disse...

Como eu compreendo o Tiago!!
Penso que actualmente esse mal(cansaço), não afecta só os padres, afecta-nos a todos em geral...
Andamos todos saturados, talvez porque nos preocupamos tanto com as coisas do Mundo, que esquecemos as coisas de Deus (culpada).

Há dias ao ver uma reportagem na RTP, sobre os (princípes do nada), um programa gravado em África e apresentado pela Catarina Furtado, senti-me pequena e mesquinha.
Pois ao ver a alegria nos olhos daquelas gentes sem terem nada, por minutos fez-me esquecer os meus muitos caprichos, pois falamos de "barriga cheia" e mesmo assim, não conseguimos alcançar a felicidade...

Afinal o que nos falta para sermos felizes? O que falta ao Tiago?

Não sei, mas é um caminho que todos temos de percorrer sozinhos, olhar para dentro de cada um de nós e pensar " O que realmente preciso para ser feliz?"

Será que o Tiago está a fazer o que realmente quer e gosta e para o qual foi chamado?
Se sim, então o cansaço brevemente passará.

Deus sabe como testar a fidelidade dos nossos corações!

Bjs Joana :)

Anónimo disse...

"Sabe as coisas mais simples? Tipo tomar banho de chuva, um abraço apertado, uma amizade verdadeira, um olhar diferente, palavras sinceras, olhar pro céu, contar as estrelas, ouvir música alta. Então, é NISSO que eu reparo, e é DISSO que eu gosto para ser feliz!"
(Cris Carvalho)

Anónimo disse...

A cada um que se ve realizado na sua profissão, pede-se que seja feliz.
Muitos não o são, mas teem que ganhar a vida...
A profissão de padre é mais que um trabalho é um modo de vida embora exista alguns mais novos que nem isso compreendem.
Ser padre deve ser - ser feliz.
Isto devia dizer-lhe algo, não??

Anónimo disse...

Anónimo
Boa tarde Tiago será que também tu andas cansado e desanimado na tua grande e nobre missão? Deus te livre disso. Se andas cansado descansajunto do Senhor. deita a tua cabeça no seu regaço e diz-lhe:Senhor hoje quero estar junto de Ti para recompor as minhas energias, para me dar com novo entusiasmo e falar de Ti com toda a alegria do meu coração.Conversa muitas vezes com Ele. Faz intimidade entre ti e Ele.Não é isto o que falta aos padres novos?
Muita atividade e pouca interioridade.Para ti Tiago e todos os padres novos que pensam que nao são felizes e que convivem contigo diz-lhe:Vamos anuncir a alegria da ressusrreição.Vamos recomeçar de novo com uma vida de mais oração e de mais entrega e a alegria e felicidade baterá á vossa porta e ficará para sempre.

Anónimo disse...

E caso não tomem medidas, alem de "Tiagos" cansados, infelizes..., passam a ser desnecessários. Os já poucos que acorrem às igrejas são idosos, o tempo deles vai chegando..., e na maioria são também surdos. Acredito que nenhum dos "Tiagos" se sente realizado na sua missão, a pregar aos bancos da igreja. Estes são os unicos que se mantém fieis nos seus lugares. Concordo e subscrevo tudo o que o Anonimo das 14:31 disse. REPENSEM NO E O QUE PRETENDEM QUE SEJA A IGREJA. CONTINUAR COMO ESTÁ - BREVE FECHAM AS PORTAS. E já agora, os padres será que têm direito a subsidio de desemprego ? Vá lá, levem Cristo pra rua, pra junto dos jovens, da população. Mostrem que Jesus ainda é o caminho para muitas das dificuldades de todos. E não é apenas uma questão de tempo na igreja, mas sim de organização do mesmo!

Anónimo disse...

Boa tarde,

Desculpem se venho atrasada para a "discussão".

Gostaria de felicitar o "confessionário" pelas maravilhosas vivências de amor e gratidão....

Nasci no seio de uma familia católica.Sou católica praticante e membro participativo num organismo religioso.Sou casada com dois filhos.Um casamento igual a tantos casamentos, momentos felizes outros menos.Momentos de grande partilha e momentos de grande solidão.
Alguém escreveu:O que falta ao Tiago??;O que realmente preciso para ser feliz??.
Perguntas com muito sentido, carregadas de uma forte vontade de SER/TER.
Os conceitos que hoje assumimos como nossos foram-nos transmitidos de geração em geração.
A nossa sociedade mostra sinais de falência moral em todas as instituições.
Não creio que o homem deva viver só.
Não creio que um sacerdote não deva partilhar com a esposa e os filhos, momentos de grande alegria e tristeza.
O AMOR, falo realmente num AMOR, verdadeiro sentimento entre um homem e uma mulher.
Riscos? todos nós temos...
Falta de tempo? todos nós temos...
Acho que os motivos apresentados pela igreja quanto ao celibato são infundados e retrogadas...
Sou casada com um politico.Vivo com duas filhas a 200Km do marido/pai.Sou surpreendida com mensagens/telefonemas,e-mails de
viagens, reuniões... imprevistas.
Não é a distância nem o tempo, que faz com que os sentimentos se anulem, pelo contrário,basta no reencontro um olhar, um sorriso, um abraço para não me sentir só, para não nos sentir-mos sós.
Assim gostaria que todos os sacerdotes pudessem partilhar com a esposa e os filhos o seu dia de cansaço!!!

Cumprimentos

HD disse...

Os Padres Tiagos cansados…
Há que ter um ponto assente , que ser Padre ( pastor ) não é ter uma profissão.
È uma vocação, um querer viver Feliz dando-se ao próximo.
Antigamente creio que seria mais fácil ser Padre.
Maior numero de Padres, menos trabalho, desafios paroquiais mais á medida das exigências do tempo, a reverencia, o aceitar a Doutrina de forma cega, a maioria sem problemas financeiros…era o tempo da Cristandade.
Hoje um menor numero de Padres, uma péssima divisão de padres em algumas dioceses, onde alguns têm 3 e 4 paróquias sozinhos e outros são coadjutores e pouco ou nada fazem, entretidos em burocracias sacras. Os tempos mudaram, as comunidades são muitíssimo mais exigentes, os desafios que se colocam difíceis, falta tempo para ouvir, para estar, vive-se uma banalização dos sacramentos em determinadas paróquias…Há muitos padres que o seu Bispo nunca sabe se estão doentes, se precisam de algum apoio, há quem passe dificuldades financeiras sérias e ninguém sabe de nada pois são poucos os que se preocupam...O Voluntariado diminui, os jovens desaparecem, muitos fartam-se de semear , semear e não vêm frutos…
Por vezes quando finalmente as coisas se equilibram começa a paroquia a ter um sentido de comunidade, o Padre se sente mais Pastor e menos gestor, chega-lhe a noticia caída do ar, , vais ter que mudar de paróquia…
A Igreja por vezes é madrasta no reconhecimento daqueles que se dão infinitamente…nem sempre os colegas Padres fazem comunhão fraterna , apoiando-se uns aos outros…Basta ver como muitos Padres Diocesanos reajem mal ao viver comunitariamente.
Admiram-se das depressões e tristeza, mas o Padre enfrenta desafios no domínio da Afectividade que tem que enfrentar sozinho e com a ajuda de Deus Pai…Há casos onde Padres mais velhos (alguns bem instalados no Paço episcopal) que faziam acompanhamento Espiritual a Padres mais novos, nada tinham de fraterno e portavam-se mais como Generais numa batalha a enviar os soldados a pontapé no traseiro…para trincheira….só faltando chamar-lhes cobardes….
Veja-se a diferença com as comunidades religiosas: cuidam-se uns dos outros com maior afecto e estima, comparada com a indiferença do dia a dia que muitos Padres Diocesanos sofrem por viverem sozinhos…
Nem sempre o Seminário faz um bom discernimento de quem são os mais capazes…por vezes nota-se que a aflição das diminuição de vocações, leva a baixar o padrão de qualidade dos candidatos …e tudo isto influi na gama de sacerdotes muito frágeis que vamos vendo por ai….
Os padres Tiagos andam cansados, alguns á beira da exaustão, outros cheios de solidão...não é de admirar quando se sentem crucificados com tanto trabalho e abandonados, por uma Igreja que devia ser mais Mâe.
A oração é Fonte de Esperança mas por alguma razão os cristãos apostam essencialmente na vida comunitária para viver com o Ressuscitado.
A solução para além da eventualidade de poderem vir a casar, será também para os celibatários viverem comunitariamente .
Mas felizmente o Espirito Santo não anda distraído, e não abandona os Padres Tiagos ….
HDias

Luz disse...

Boa tarde.
Só agora me lembrei de um livro que li,(e gostei) o verão passado, que retrata os problemas de alguns sacerdotes.
"Padre Motard" José Fernando Lambelho.
Um bom fim de semana.