quinta-feira, dezembro 23, 2010

E o Menino fica esquecido entre as palhas de um presépio pequenino por debaixo de uma árvore grande enfeitada

Piscam as luzes. Piscam as vitrinas. Piscam os hiper-mercados. Piscam as árvores. Piscam as igrejas. Piscam as pessoas em correrias com sacos na mão. Piscam as frigideiras, as rabanadas, as filhoses. Tudo pisca à nossa volta em época de Natal. As cores misturam-se de uma maneira que não se vê durante todo o ano. As conversas são ligeiramente mais solidárias. Há sempre uma parte de nós que quer fazer algo de bom nesta altura. As prendas são disso exemplo. Apontamos no bloco de notas todas as pessoas a quem temos dever de comprar. Para não esquecer ninguém. É a época das mensagens de telemóvel. Toda a gente envia a toda a gente. Repetem-se as frases, os desejos, as brincadeiras. Há gente com pouca criatividade. Cá para mim, a TMN deve ter uns relações públicas a criar mensagens para esta altura. O açúcar esgota. O bacalhau quase esgota. O peru sai dos supermercados às toneladas. Este ano vou para a sogra. Este ano estaremos todos juntos. A irmã mais velha não pode vir. Trabalha até tarde. Todos querem sair mais cedo dos empregos. O patrão ofereceu um bolo-rei a cada um. Mais uma garrafa de vinho do Porto. Pai Natal nas varandas. Menino Jesus nas janelas. É um rebuliço que só se vê uma vez por ano. O Natal faz destas coisas.
E tudo isto porque um menino nasceu há cerca de dois mil anos. E tudo isto por causa deste Menino Deus que nos quer salvar. E tudo isto porque é mesmo Natal. No entanto, o rebuliço desta época encosta a um canto o Menino Deus. Diga-se. O rebuliço do Natal esconde o verdadeiro Natal. E o Menino fica esquecido entre as palhas de um presépio pequenino por debaixo de uma árvore grande enfeitada.
Por isso é que este ano pedi aos meus paroquianos para, no meio da azáfama da noite de Natal, pararem o rebuliço do Natal num breve minuto. E nesse instante rezarem em família, com os que estiverem ao seu lado, um Pai Nosso a agradecer a este Menino ter vindo ao mundo para salvar cada um de nós. É pouco. É apenas um Pai Nosso que dura um minuto. É apenas um minuto do verdadeiro Natal.
____________________
Este é o meu desejo de Natal para todos vós: um Natal cheio de Jesus!

19 comentários:

José María Souza Costa disse...

Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Natal agradável, harmonioso e com sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

Anónimo disse...

The European Commission produced more than three million copies of a planner for secondary schools that contains no reference to Christmas, but includes Jewish, Hindu, Sikh, and Muslim holidays.

The page for December 25 is empty.

The calendar includes Muslim Hindu, Sikh, Jewish holidays. Among others... Not to mention Europe Day and other key dates of the EU. No Christian holiday is mentioned even though Christianity is the religion of most Europeans. Johanna Touzel, spokesperson for COMECE (Commission of the Bishops' Conferences of the European Union) found the planner "unbelievable".

Anónimo disse...

CRUZ VERMELHA BRITÂNICA SUPRIME SÍMBOLOS NATALÍCIOS NOS SEUS ESTABELECIMENTOS

No Reino Unido, a Cruz Vermelha aboliu o Natal
nos seus quatrocentas e trinta postos de recolha de fundos. O seu pessoal recebeu ordens para não colocar ou remover toda a decoração natalícia - porque esta poderia ofender os muçulmanos... Até os cartões de boas festas têm de abster-se de referir o termo «Christmas» (Natal) para se ficarem por felicitações «de estação». Não podem pois exibir qualquer sinal natalício, muito menos uma árvore de Natal.

Jorge Oliveira disse...

Importa parar, meditar e olhar para O Menino. O Natal é Ele.

Feliz Natal!

Um abraço.

Anónimo disse...

Olá Conf.

Na minha igreja não existe arvore de natal,não existem decorações, não existem luzes.
Apenas existe um presepio em frente ao altar para que toda a gente o veja.
E hoje apenas lá estão alem das figuras normais, uns molhinhos de palhinhas na mangedoura para preparar a vinda do menino.
Na minha aldeia perdida no meio dos montes o natal continua a ser o nascimento do Menino Deus.

Um abraço!

Alexandra

Anónimo disse...

Amigo Confessionario não são raras as vezes em que passo por aqui e os textos publicados vão de encontro ao que penso ou sinto no momento.Foi assim também hoje. Andava eu ontem as compras de ultima hora,cansada,aborrecida e pensando para comigo que o Natal não tinha que ser assim,quando cheguei á porta de uma igreja.Estava aberta e entrei.Não estava ninguém.Um silencio absoluto.Estava frio lá dentro.Olhei para Jesus suspenso na cruz e vi Naquele rosto um abandono tão grande que já não consegui sair logo(a intencão era fazer uma breve visita ao Sacrario.As compras esperavam)e fiquei ali,sentada. Só consegui dizer a Deus:Meu Senhor e Meu Deus desculpa por o abandono a que Te votam os homens.Que absurdo comemorar um aniversário e ignorar completamente o Aniversariante.E fui ficando durante quase uma hora. Depois senti uma paz tão grande,saí,já não fiz mais compras .Creio que neste Natal Jesus nascerà verdadeiramente no meu coração.Que prenda maior se pode desejar? Santo Natal Sr.Padre.Obrigado por estar aí.Maria Ana.

Anónimo disse...

Gostei, amigo padre.

Fiquei absorta a ler e absorta a pensar.

Elsa Sequeira disse...

Feliz Natal para tiiiii!

bjts

Anónimo disse...

Gosto especialmente da frase do título. Como se diz tanto em tão poucas palavras!

Beijinhos

Joana

Maria Zete disse...

Mesmo atrazada, espero que tenhas tido um Santo Natal do Senhor. Tu tens razão, as compras, os afazeres, a correria do Natal faz com que as pessoas esqueçam o verdadeiro e único sentido do Natal. Desde já a alguns anos, não abro mão da Missa de Natal, na minha Paróquia ela se realiza das 20:00 ás 22:30 horas, os meus filhos na ansia de irem á casa dos parentes para comemorarem o Natal, me questionam porque em função da missa, vamos tarde ás festas, então eu lhes disse que estava indo de fato, viver no mais profundo sentido, o meu Natal e voltei de alma leve, feliz, pois cantei parabéns para o mais ilustre e amado aniversariante de todos os tempos. VIVA JESUS. beijos.

Anónimo disse...

According to Pakistani government officials, the suicide bomber who killed more than forty people on Christmas Day was a woman dressed in a burqa. The jihadess exploded herself in front of a UN food distribution center, in a crowd that consisted mostly of women and children.


Christians all over the world were under attack on Christmas Day, mostly by Muslims. Violent episodes occurred in Nigeria, the Philippines, Iraq, and other countries. And Christians weren’t the only religious groups targeted by Muslim bombs.

Anónimo disse...

o´ pa´, o anonimo que anda sempre a escrever coisas dos muçulmanos e que nem se da´ ao trabalho de traduzir os textos, devia deixar de ser anonimo, nao?

E´ tao estranho!! O que querera´?

Anónimo disse...

Anónimo disse...
o´ pa´, o anonimo que anda sempre a escrever coisas dos muçulmanos e que nem se da´ ao trabalho de traduzir os textos, devia deixar de ser anonimo, nao?

E´ tao estranho!! O que querera´?

28 Dezembro, 2010 14:58



Anónimo, não sabia que era preciso traduzir! Estranho são as tretas que nos andam a espetar sobre o islão e a imigração em massa (invasão) do islão na Europa!

Anónimo disse...

TROPAS TURCAS IMPEDEM CELEBRAÇÃO DO NATAL EM CHIPRE
Em Karpasia, região setentrional do Chipre
, forças militares turcas impediram a celebração cristã do Natal, pela primeira vez em trinta e seis anos de ocupação turca.
Os militares turcos chegaram mesmo a invadir o recinto da igreja de São Sinésio, em Rizokarpaso, para interromper o serviço religioso e mandar o padre tirar as suas vestes rituais, ordenando a seguir a todos os que se encontravam presentes que abandonassem o local. Quando toda a gente saiu, as portas foram seladas. Aconteceu o mesmo na igreja da Santa Trindade. O arcebispo de Chipre mostrou tristeza por esta atitude provocatória das tropas de ocupação oriundas da Ásia Menor.

Anónimo disse...

Este ano, na minha paróquia, a preparação para o Natal foi diferente! O Novo Pároco, no passado dia 23, convidou todos os paroquianos a levarem o Menino Jesus à Igreja, para ser benzido. Um simples acto mas de muito valor, porque infelizemente, na nossa sociedade o Pai Natal, ganhou uma importância tal, que muitas pessoas já nem "trazem à rua" o Menino Jesus.

Saudações
Paroquiana de Santana - Madeira

Anónimo disse...

vi uns estandartes do menino jesus nas janelas. alguém sabe onde se podem arranjar? obrigado.

Confessionário disse...

Olá, último anónimo

Penso que há à venda nas casas de artigos religiosos!

Anónimo disse...

Denying the Jihad Against Christians An Islamic jihad-martyrdom suicide bomber murdered twenty-two people and wounded eighty more at the Coptic Christian Church of the Saints in Alexandria, Egypt on New Year's Eve. Predictably enough, this mass murder has not resulted in any worldwide revulsion against Islamic jihadists, or general recognition of how Islamic supremacists and jihadists are persecuting Christians not only in Egypt, but in Iraq, Pakistan, Indonesia, Nigeria, and elsewhere also. Instead, it has brought only new and imaginative twists on the usual evasion, obfuscation, denial and finger-pointing that generally follow jihad attacks.Egyptian President Hosni Mubarak was one of the first to muddy the waters, claiming that "foreign hands… a terrorist operation that is alien to us," rather than homegrown jihadists, carried out the attack. "All of Egypt is targeted," Mubarak went on, digging deeper. "This blind terrorism does not differentiate between Copts and Muslims."Yet no mosque was targeted, and no Muslim was killed. It was a remarkable coincidence that this "blind terrorism" that did not "differentiate between Copts and Muslims" struck at a Coptic church, killing only Christians and no Muslims at all.But the facts didn't stop Barack Obama, either. Obama's statement was better than Mubarak's in that he acknowledged that "the perpetrators of this attack were clearly targeting Christian worshipers." However, he also claimed that the attack killed and injured people "from both the Christian and Muslim communities." No Muslims were actually killed or injured in the attack.what was Obama's point in going out of his way to say that Muslims were hurt also? Did that claim make the crime more heinous in his eyes?Or did he think that it would mitigate the harsh reality of the fact that believing Muslims, acting in the name of Islam, were the anonymous perpetrators that he dared not name?Others found more imaginative ways to try to mitigate that harsh reality. Lebanese Shi'ite leader Sheikh Abdel Amir Kabalan said : "This terrorist act bears the fingerprints of Zionists who keep on targeting religious sights [sic] and are working to … sow discord between Muslims and Christians." Iran's PressTV , in an unsigned editorial, struck a tone so similar as to give the impression that a set of talking points were being circulated: "The fresh plot by terrorists to target churches is an organized Zionist scenario aimed at creating a rift between Muslims and Christians." This preposterous claim has been circulating for awhile. A Saudi Sheikh, Salman al-Awda, a member of Sheikh Yusuf al-Qaradawi's International Union for Muslim Scholars, made the same assertion about other recent jihad attacks against Christians in the Middle East: "These are tools in the hands of the Zionists, Israelis, Europeans, and Orientals, with the goal of damaging Islam." Even one Middle Eastern Christian leader climbed on this bandwagon: the Melkite Greek Catholic Patriarch Gregory III Laham declared several weeks ago that Muslim persecution of Christians in the Middle East "is actually a conspiracy planned by Zionism and some Christians with Zionist orientations and it aims at undermining and giving a bad image of Islam."Mamdouh Nakhla of Egypt's Al-Kalema Human Rights Center skewered both Mubarak's claim that "foreign hands" had carried out the attack and the anti-Semitic conspiracy paranoia that pointed the finger at Israel. "The crime is local," declared Nakhla, "and those who committed it are known…The Al Mujahedeen website threatens to repeat the attack in more churches. The site has addresses of churches and even how to make a bomb. Does security not know about it? Anyone who says that it was a foreign or Israeli plot is trying to play down the crime and is trying to clear those murderers of this massacre, and I consider them their accomplices."

D. R. disse...

Maravilhoso texto. Não seria capaz de escrever texto tão sublime e que, realmente, também me assombra sempre no Natal. No meio de tantas luzes e correrias, ninguém é capaz de ver a Verdadeira Luz do Mundo. É triste.