quinta-feira, outubro 21, 2010

As desavenças entre a Senhora de Fátima e a Imaculada

Trazia o avental à cintura. Entrara pela porta lateral, porque estava entreaberta. Cuido que se estivesse aberta, não entraria, pois o mistério da porta aberta não se compara com o mistério da porta entreaberta. Entrou, disse Bom dia, viu e retorquiu. Olhe que Nossa Senhora de Fátima não pode ficar ao lado da Imaculada Conceição.
A capela tinha estado em obras e tínhamos decidido recompor algumas das coisas, nomeadamente a posição e localização das imagens. As obras são sempre ocasião para recompor coisas.
Intrigado e, digamos, aborrecido pela intromissão de quem só tem opiniões para dar mas não para fazer, perguntei. Porquê, senhora Ascensão? Ao que me respondeu Porque elas não podem uma com a outra. Não se dão bem. Se dissesse que não ficam esteticamente bem uma ao lado da outra, até poderia aceitar. Mas que não se dão bem!
O senhor João, que estava ao meu lado, e por seu lado, soltou-se, no meio de uma gargalhada, Então o padre não sabia que a Nossa Senhora de Fátima não quer nada com as outras, porque ela é portuguesa e as outras não? E contou-me que as desavenças eram antigas e não se resumiam a estas duas, mas a uma série de nossas senhoras. Ao raciocínio acrescentei aquela de que a Senhora do O não podia estar ao lado da Senhora do Ai porque ainda estavam uma série de letras do alfabeto no meio. Rimos despregadamente.
A senhora Ascensão não entendia. Por isso acrescentou. Olhe que já no tempo de minha avó já diziam que colocando uma ao lado da outra, alguma poderia cair do trono e era certo e garantido um ano de desgraças.
Não coube mais em mim, e entendi donde vinham as desavenças antigas. Vinham da cabeça de alguns cristãos que mais nada sabem do que viver a fé com superstição.
Expliquei-lhe que eram a mesma e que por isso não se iam zangar consigo próprias. Mas ela não entendeu e saiu deixando a porta aberta. Quando estamos zangados, ou batemos a porta ou a deixamos aberta. Nunca a deixamos como estava.
É por estas e por outras que não deveríamos dar tantos nomes a Nossa Senhora.

16 comentários:

Canela disse...

Pe. "A porta ficou aberta".

Tenha paciência... atravesse a "ombreira" e explique com muita calma... ela entenderá. Ajude-a a ver a fé sem superstições, é importante.

Deu para roubar um sorriso!

Avozinha disse...

Vantagem ser evangélica!

Anónimo disse...

Por vezes erramos porque não sabemos dizer ou fazer melhor.Se nos encontramos no Presente com alguém ele nunca vem só, traz sempre tanto das coisas e das pessoas que encontrou no seu caminho. É no Presente que posso ajudar a construir ou reconstruir ideias e acções,sem julgar. As verdades são feitas pelas pessoas e as pessoas de verdade.

Maria

Anónimo disse...

Este tema é dos tais...que não devem ser trazidos para aqui. Só provocam perda de tempo, não curam e obscurecem.
O remédio está na elevação cultural e essa apreende-se por metodologias diferentes. Assim, é chocalhar...

Anónimo disse...

Acho importante partilhar aqui este ocorrido.Traz a tona uma questão importante.Confusões deste tipo são muito mais frequentes do que se imagina. O fato é lamentável, mas não deixa de ser mesmo muito engraçado.

Fernando Gonçalves disse...

Desavenças entre imagens diferentes que reportam ao culto à mesma Pessoa ?!!

Possivelmente o que estas pessoas não devem saber é que o culto a Nª. Senhora, através destas imagens, referem-se a datas e lugares diferentes.

Em síntese:

“Deve-se ao rei D. João IV o facto de Nossa Senhora da Conceição ter sido proclamada Padroeira de Portugal, por proposta sua, durante as Cortes reunidas em Lisboa desde 28 de Dezembro de 1645 até 16 de Março de 1646, afirmando o soberano «que a Virgem Maria foi concebida sem pecado original» e comprometendo-se a doar em seu nome, em nome de seu filho e dos seus sucessores à Santa Casa da Conceição, em Vila Viçosa, «cinquenta cruzados de oiro em cada ano», como sinal de tributo e vassalagem, a dar continuidade à devoção de D. Afonso Henriques, que tomara a Senhora por advogada pessoal e de seus sucessores.” Do livro “Festas e Tradições Portuguesas”, Vol.VIII, Ed. Círculo de Leitores.

Já a Nª. Sª. de Fátima prende-se com as aparições da N^ª. Senhora a 13 de Maio de 1917 a três pastorinhos. na Cova da Iria, freguesia de Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém, hoje diocese de Leiria-Fátima.

Para tais certezas nas ditas desavenças entre imagens, ou é ignorância a falar ou são resquícios de paganismo que ainda alimenta alguns pobres de espírito.

Anónimo disse...

Numa visita a uma Igreja em França, contaram-me que o Pároco tinha pedido à comunidade Portuguesa local para a imagem de Nossa Senhora de Lurdes ficar ao lado da imagem de Nossa Senhora de Fátima. É que "os nossos" enchiam a Senhora de Fátima de flores, enquanto a pobre Senhora de Lurdes estava "às moscas". A comunidade aceitou o pedido sem quaisquer preconceitos nacionais, e não havia histórias de desavenças entre as duas Senhoras.

Para mim haver diferentes nomes é apenas sinónimo de reconhecimento que está em diferentes locais e diferentes circunstâncias da nossa vida. É natural que as experiências de cada pessoa resultem em maior devoção a uma ou outra faceta de Nossa Senhora, mas é pena que a superstição desvirtue o carinho pela sua "polivalência".

Clara

Aborto Não PT Não disse...

"Se algum padre ou algum bispo pretende ser prudente e guardar o silêncio, eu não guardarei, porque não quero entrar para história como os bispos que covardemente não levantaram a voz quando Hitler começou a governar a Alemanha em 1933." (Pe. Paulo Ricardo, sobre o PNDH-3)

"Porque se a gente se calar, as pedras vão falar. E vai ser ... uma vergonha muito grande se as pedras falarem porque os cristãos não se pronunciam." (Padre José Augusto, sobre o PT na Canção Nova)

"Não podemos nos calar!" (Dom Aldo Pagotto, sobre a Cultura de Morte no governo)

Muitos padres e pastores ergueram corajosamente sua voz para denunciar a Cultura de Morte do governo. Vamos também nós fazer o que estiver ao nosso alcance!

O site * www ponto ABORTOnaoPTnao ponto com * é uma FERRAMENTA que nos ajuda a deixar descoberta a Verdade sobre como o atual governo está tentando implantar a Cultura de Morte no Brasil. O site tem um histórico de notícias, é simples de acessar e fácil de divulgar!

Ajude a divulgar escrevendo uma postagem no seu blog e enviando e-mails para seus amigos! Mostrar a Verdade sobre o que o atual governo está fazendo em relação ao aborto é um ato de Amor com os brasileiros e patriotismo.

Alguns "fatos", não "boatos", a serem conferidos no site:

* UM DIA DEPOIS do primeiro turno, Ministério da Saúde continua projeto: "Estudo e Pesquisa - DESPENALIZAR o Aborto no Brasil"
* Como pré-candidata, Dilma ALTERA radicalmente discurso sobre aborto e fé
* Dilma diz que é um absurdo que não haja a DESCRIMINALIZAÇÃO do aborto no Brasil
* Dilma defende "atendimento PÚBLICO para quem estiver em condições de fazer o aborto ou querendo fazer o aborto"
* Igreja chama Lula de "novo Herodes" devido a DECRETO pela legalização do aborto
* Ministério da Saúde financia filme pró-aborto
* PT PUNE deputados por serem contra o aborto

"Aquele que conhece a Verdade e não a proclama é um covarde miserável e não um cristão." - São Pio V

Anónimo disse...

Eu acho que aquilo que está em causa nesta história é a fé supersticiosa em que vivemos e que nos faz confundir tudo, até a pessoa de Nossa Senhora.

Se as pessoas tivessem uma fé menos supersticiosa, estas desavenças nao existiam. Aliás, eu penso que até nem são muito comuns. Mas a superstição é.

Anónimo disse...

Nunca vi disto... mas é engraçado ver como as pessoas adoram o Senhor Bom Jesus, por ex, e não ligam nada ao Senhor que está no sacrário!

Anónimo disse...

Isso faz muita confusão mas meninos/as catequese.. explicar que Senhora Fátima é mesma que Nossa Senhora mãe de Jesus..

para eles são pessoas diferentes..

mas tem uma certa graça..

Artur

Anónimo disse...

Qualquer dia vamos estar a discorrer aqui sobre se devem ou não calar-se os sinos dos campanários...

JS disse...

Caro Confessionário:

Como saberás, muitos dos excessos do marianismo se devem a uma deficiente pneumatologia: muitos dos atributos referidos a Maria não são mais do que dons e frutos do Espírito.

Todavia, não sei se estarás ciente de algo mais profundo por detrás do risível da historieta. A verdade é que as imagens caem dos altares; e será (quase) sempre preferível atribuír o precalço a algo sobrenatural do que suspeitar de uma mais bem real mão de carne e osso.

Há que reconhecer que muitas das invocações marianas têm uma história e tradição próprias, com características e dimensões distintas, defendidas e promovidas pelos seus próprios devotos e que entram com frequência em competição/rivalidade no espaço do culto cristão. Algo que não é exclusivo do marianismo, nem do cristianismo, nem do sistema religioso em geral.

Concretamente, o actual estado de coisas quase que nos faz esquecer que a devoção à Senhora de Fátima ainda é recente, e que teve de conquistar a pulso lugar no coração dos devotos de Maria, destronando pelo caminho outras devoções marianas que até há pouco reinavam no panorama cultual. E que se em muitos corações e comunidades a coisa se deu de forma pacífica, noutros casos não terá sido bem assim.

Escusado será lembrar o significado da devoção à Senhora da Conceição em Portugal, e como ela recebeu novo ímpeto com a proclamação do dogma, e sua "confirmação" com as aparições de Lourdes. No início do século XX, a novena da Imaculada era a grande manifestação da oração devocional mariana, coroada com a celebração do Dia da Mãe. A nível de locais de referência, havia o tradicional templo de Vila Viçosa, a que se juntava a nova alternativa do santuário do Sameiro, a norte.

Eis então que se surgiu a devoção à Senhora de Fátima. O sucesso foi rápido, já que esta se colou a outras devoções populares: a Senhora de Fátima é afinal a Senhora do Rosário; na aparição de Outubro, também aparece a Sagrada Família, a Senhora do Carmo e a Senhora das Dores; e em Pontevedra revela-se, não como a Senhora da Imaculada Conceição, mas como algo parecido - a Senhora do Imaculado Coração.

Resumindo: hoje, a hegemonia da devoção fatimista é um facto; mas há ainda resquícios de confronto e rivalidade. Pensar que se trata apenas de superstição ou de fé pouco esclarecida é ver mal a coisa. E o resultado fica à vista: da zanga entre as duas Senhoras se passa à zanga entre uma senhora e o seu padre mais o companheiro de gargalhada.

JS

Anónimo disse...

Eu acho que esta reflexão não é menor, caro anónimo das 20:47 do dia 25. As questões marianas, como falou o JS, são muito pertinentes.
Os protestantes, por exemplo, nem querem saber de imagens nem endeusam Maria como nós!

Porque é que nós a endeusamos, e ainda temos esta necessidade de lhe chamar muitos nomes?!
Nao chegava ter-lhe muito carinho e devoção?!

Bunny disse...

Os menos esclarecidos dizem que a Igreja tem Sras de tudo e mais alguma coisa...uma vez expliquei que era sempre a mesma..Maria, venerada sobre varios nomes conforme a região, a tradição ou o costume....
Aqui tambem chegaram à conlcusao que na procissao nao era necessario sair as duas imagens já que era a «mesma santa»...

Eu... disse...

"Elas não se dão..."

Grande novidade para a minha cabeça que nao consegue mentalizar se que seja possivel duas santas terem rivalidades..por algum motivo sao Santas não é???

Mas há algo que concordo dito no texto do padre, não deveriam dar 2 nomes diferntes a uma Santa...se ja e confuso para adultos...já imaginou para crianças??

=(