quarta-feira, dezembro 06, 2006

O padre é o “tem de”

Vem um e tem de fazer o baptizado neste dia. Outro, tem de aceitar o meu filho para o crisma. E tem de perdoar as faltas à catequese. E tem de fazer igual ao seu colega. Vem um emigrante e tem de fazer nesta data. Não importa se quer ir para férias. E tem de passar ali com a procissão. E tem de aceitar este padrinho. Tem de ser compreensivo para a noiva se esta chegar atrasada. Tem de fazer um casamento à maneira.
Tem de passar pelo lar. Tem de marcar confissões assim, porque esqueço-me de vir antes da missa. Tem de estar atento aos jovens. Eles estão a afastar-se. Tem de ir buscar o morto a casa. E tem de estar a pé às 8.00 porque tem de estar disponível para um que se lembrou de tratar um assunto a essa hora. Ou então tem de estar sempre em casa para o caso de alguém se lembrar de lá ir. Tem de ter cuidado com quem anda. Tem de ter cuidado com as mulheres. Tem de ouvir os desaforos de quem não gostou de alguma coisa. Tem de ser agradável a celebrar a eucaristia. Não interessa se está cansado ou doente ou triste. Tem de ser simpático. Tem de ser aberto, acolhedor. Tem de estar sempre bem-disposto. Tem de preparar a homilia. E tem de reflectir mais. Havia de ler mais. Tem de organizar o programa da paróquia. Se não tiver uma gata, tem de viver sozinho. Tem de viver com o que lhe dão. E tem de declarar o IRS para ser igual aos outros. Tem de tratar dos bens da paróquia. Já estarão registados? Tem de ir às finanças. Tem de entregar a acta de casamento. E tem de enviar os extractos e informar o pároco do baptismo. Tem de registar o óbito. E o baptismo. Tem de nomear novo Conselho Económico. Tem de encontrar as pessoas ideais. Tem de fazer esta e aquela reunião. Tem de estar sempre solícito na reunião. Não pode irritar-se. Tem de ir às compras lá para casa. Tem de tratar do carro. Pneus novos de tanto andar.
Vem um amigo e tens de estar mais connosco. Vem um pretenso amigo e diz que tens de ser compreensivo. Vem um que diz o que quer e tens de ouvir e calar. Tens de aceitar. Tens de compreender tudo. Vem um que diz mentiras a teu respeito e tens de continuar a sorrir. Vem o meu pai e diz que tens de rezar mais. Vem a minha família e diz que tenho de os visitar. Vem o bispo e diz que tens de aceitar mais esta paróquia. E tens de compreender e fazer compreender os teus paroquianos. Não pode haver missas em todas. E tens de estar uma tarde com eles. E tens de levar gente ao simpósio. E tens de convencer os ministros-extraordinários. Tens de apostar na formação. Tens de arranjar mais catequistas. Tens de conversar com uma por causa de uma mãe. E conversar com uma mãe por causa de um catequista. Tens de ir mais vezes ao café para estar com as pessoas. Tens de ir ao retiro do clero. Há uns cursitos a propósito em Madrid. Tinhas de ir! E tens de fazer isto e aquilo. E ainda tens uma tese para fazer.
Tanto “tem de” que vem de fora, do exterior. Do que os outros querem. Exigem. Se ao menos ainda viessem do interior. Daquilo que eu quero. Daquilo que eu me exijo.
Vem ainda Deus e diz: tens de ser bom e tens de amar.
E eu só já tenho palavras para dizer Tenho de descansar para ser bom e amar!

34 comentários:

(membro do) Chama disse...

Todos exigem de nós aquilo que sabem que tem de fazer ..mas que não fazem ..por falta de coragem, de Fé ...*

http://chama-gj.blogspot.com

Um beijo em Cristo!..*

palheirense disse...

É nestes estados de alma que mais se deve sentir a falta em casa de um hombro amigo com quem compartilhar.
Abraço de solidariedade.

Maria João disse...

Pois...

Lá está, os leigos são essenciais numa paróquia. É preciso incentivar as pessoas a fazerem pela sua paróquia e incutir-lhes que o padre não tem de fazer tudo. O padre é um homem, um ser humano, com limitações como qualquer um. Também tem direito a descansar.


Força, confessionário. Deus está contigo. Vou rezar por ti.

beijos em Cristo

João Moutinho disse...

Tenho alguns amigos padres.
Deu para reparar a forma algo cruel com que muitas vezes são observados.
Há sempre a culpa de "ter cão e não ter cão".
O celibato obriga-vos a uma disponibilidade permanente.
Não sou católico romano, sou Bahá'í. Mas tenho uma grande consideração por quem enveredou pelo sacerdócio.

Andante disse...

Porra! Tantos "tens"!
Esquece lá alguns e põe paroquianos a trabalhar.
Aqui vai-se fazendo e vão-se estendendo dedos acusadores ao pároco porque não está presente quando cada um quer...
A paróquia não pára quando ele não está, mas ainda é padre-dependente.
Se os leigos acham que merecem mais, por que motivo não fazem mais?
Foi, hoje, preencher a ficha de catequista à secretaria paroquial e vim de lá a pensar: "Não haverá mais gente para distribuir o trabalho?"
-leitora, catequista, animadora do grupo de jovens, pastoral do Baptismo...
Não quero mais nada, pois ainda tenho a escola e a família. Todas as actividades são importantes.
Penso que o padre coordena e não "tem de". O padre é apenas homem ordenado, não é JC.

Beijos peregrinos

Anónimo disse...

Vem o filho mais velho e quer contar e desabafar as peripécias da escola, quer conselhos para isto e para aquilo, quer ajuda para um trabalho que nem sabe como vai começar e apresentar. Vem a mais nova e quer miminho e quer ajuda nos trabalhos de casa e tem uma dor aqui e é preciso ir ao médico.
E chega o marido e quer atenção e falar das coisas que o preocupam e dos colegas que são impossiveis.
Mãe, tenho fome, faz-me umas torradinhas.... eu também quero...diz o outro!
É preciso não esquecer tomar o medicamento às horas certas.
É preciso de fazer o jantar, por roupa a lavar, dar um jeito à casa que os miudos não param... pensar no que vamos comer amanhã...passar a ferro, dar de comer ao cão, ao gato que é um ladrão, às galinhas e aos peixes...
E é preciso dar banho à mais nova e chamar mil vezes o mais velho para ir tomar banho.
Vamos jantar! Mas eu não gosto disto! E eu não gosto daquilo! Toca a comer!
Meninos está na hora de dormir! Lê-me uma história mãe! Vai lavar os dentes...!
É preciso ir trabalhar e aturar quem se quer e não se quer. É preciso ir às finanças, ir pagar a luz, ir pagar a água, pagar o telefone a internet, etc.
É preciso preparar o próximo encontro de catequese, é preciso pesquisar para encontrar alguma coisa diferente que os anime e os motive mais para o encontro. É preciso de rezar mais para que o Espirito Santo me ilumine, é preciso de rezar pelos meus e pelos outros que também precisam e me pediram...
É preciso acordar a horas para ver se desta vez os miudos chegam a horas à escola e eu ao trabalho.
O marido vai trabalhar, 15 dias fora?! Ok, tem que ser, eu aguento, já estou habituada ... é a vida de pescador...
E é preciso dar um apoio a este e àquele amigo que anda mais em baixo e cheio de problemas... e é preciso telefonar a metade da familia para dizer que está tudo bem... e voces como estão?
É preciso.... é preciso....isto tudo e muito mais.....sempre com muita paciência e amor, quer faça chuva, quer faça sol, quer estejas bem disposto, quer estejas mal disposto, quer estejas cheia de força quer estejas doente!
Padre.... é a vida....força para ti.... e já agora... TEMOS DE dar graças a Deus porque ainda podemos e temos saude para tudo isto e muito mais!

Anónimo disse...

Por acaso, alguém já lembrou os senhores bispos que eles têm de compreender e aceitar mais os padres das suas dioceses!

teodora

Confessionário disse...

Penúltima anónima, tens razão e, como tal, concordo obviamente contigo. Mas há um pormenor: estes têm de vêm de fora, não têm geralmente sentido algum, não têm ligação afectiva...

Luis Carlos disse...

Olá,

Um padre católico é um funcionário de uma multinacional. Assim como eu sou empregado numa empresa multinacional, e devo dar satisfações ao patrão e aos clientes da empresa, sempre com um sorriso na cara.

O padre católico é para isto mesmo, ou então deixe de ser padre e passe a ser Ser Humano.

Ainda por cima acredita num deus que exige de si amor e bondade, quando o seu filho se sente cansado da exigência humana. Podia ter-lhe dito "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coraçäo; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve." Mt 11, 28-30

Desejo-lhe descanso, muito descanso. Pare, escute e olhe.

Um abraço de um irmão em humanidade,
Luís Carlos

Confessionário disse...

Luís Carlos, não podemos ser apenas funcionários. Nunca. Temos de agir, mas não nesses termos. O problema está exactamente naaquilo que as pessoas querem de nós e o que deviam querer...

Paula disse...

Pois..exige tudo e mais alguma coisa dos padres.

Delegar responsabilidades pelos leigos..mas quem..quem será pessoa ideal que e fará trabalho a pensar em Deus e não seja pressionada por forças externas e outros interesses...

Porque se leigo não fizer bom trabalho...culpa é do padre pois não o soube controlar..

Emfim, é tarefa dificil!!

Força..Deus está consigo :-)

Manuel disse...

Olá!

... e tens de ter mais paciência! É assim a vida... "a smile on your face and don't worry... be happy...!

JP disse...

Oh xôr abade,

A parte do ter de descansar também vem de fora? :)

Já agora, não se esqueça: também tem de ser feliz :)

Um abraço

Anónimo disse...

Padre...até compreendo que estejas cansado...mas acho que exagerou um pouco nos “tens que”... eu também trabalho e muitos desses “tens que” os engulo... o sorrir em vez de chorar, o calar em vez de gritar, o fazer o que não me compete ...mas tem que ser porque são ordens do chefe... e fazer rápido se faz favor porque tenho pressa...
Até lhe dava toda a razão neste seu post se não tivesse exagerado nos “tens que”, acho que não deveriam de estar aí, e passo a citar: “Tem de passar pelo lar. Tem de ouvir os desaforos de quem não gostou de alguma coisa. Tem de ser agradável a celebrar a eucaristia. Não interessa se está cansado ou doente ou triste. Tem de ser simpático. Tem de ser aberto, acolhedor. Tem de preparar a homilia. E tem de reflectir mais. Havia de ler mais. Tem de organizar o programa da paróquia. Se não tiver uma gata, tem de viver sozinho. E tem de declarar o IRS para ser igual aos outros. Tem de tratar dos bens da paróquia. Já estarão registados? Tem de ir às finanças. Tem de entregar a acta de casamento. E tem de enviar os extractos e informar o pároco do baptismo. Tem de registar o óbito. E o baptismo. Tem de nomear novo Conselho Económico. Tem de fazer esta e aquela reunião. Tem de estar sempre solícito na reunião. Não pode irritar-se. Tem de ir às compras lá para casa. Tem de tratar do carro. Pneus novos de tanto andar.
Vem um amigo e tens de estar mais connosco. Vem um pretenso amigo e diz que tens de ser compreensivo. Vem um que diz o que quer e tens de ouvir e calar. Vem o meu pai e diz que tens de rezar mais. Vem a minha família e diz que tenho de os visitar. Vem o bispo e diz que tens de aceitar mais esta paróquia. E tens de compreender e fazer compreender os teus paroquianos. Tens de ir ao retiro do clero.”
... e mais uma vez digo padre ... é a vida....
Mas querido padre, quero deixar-lhe um grande beijinho e dizer-lhe que gosto muito de passar por aqui; mesmo não o conhecendo, acho que é boa pessoa... força e animo e muitos, muitos, muitos beijinhos! (cuidado com as mulheres, ah, ah, ah)

mafaoli disse...

"tem de"
Acontece isto em quase todas as paróquias. Todos os grupos e paroquianos querem ter o exclusivo do senhor padre. O que acontece é que "tem" que se desdobrar em mil.
Pensam que o padre é de elástico e qualquer dia o elástico parte.
Estou a brincar, mas é um pouco assim. Mas na verdade é que padre ou qualquer outra pessoa tem quer ter tempo para si e saber dizer de vez em quando NÃO. Porque Deus quer que saibamos ser bons e amar e não se importa que digamos "NÃO posso" de vez em quando.
Força e boa disposição.
Um abraço.

elsa nyny disse...

Amigo!!1

Mas, que canseira!
Esta gente é assim tão exigente!
Sabes o que te digo...faz tudo o que puderes...mas sê sempre, sempre igual a ti próprio, e não te rales se te apontam um dedo...quem aponta fica com três pontados para si!!

Beijinhos!!!

:))

NaSacris disse...

O padre é pau para toda a colher. Tem que estar preparado/ programado para agradar, em partes iguais, a gregos e a troianos e em todo o tempo e lugar.
Mas com relação ao que disses-te ao Luis Carlos, claro que não somos meros funcionários. Ainda que em termos práticos nos convinha de vez em quando. Um empregado, um funcionário sabe que, ao fim do dia, quando deixa a empresa onde trabalha e volta para casa, assume outro papel e não é importunado fora do seu horário de trabalho (normalmente, claro). Já o padre parece que nem sequer tem direito a um minimo de tempo para si mesmo, até mesmo de privacidade, sem a sensação de se sentir culpado por não ter que corresponder a esse tal de "tens que".
Depois queixam-se que os padres andas estressados! Pudera!
Uff... desabafei!
Abraço

Dulce disse...

Sorry, mas de tudo isto o que mais retive foi "declarar o IRS". E acho que sim.

Daniela disse...

Faça apenas o que achar que TEM de fazer... o que a sua consciencia mandar... o que conseguir... o senhor é padre, não é um super-herói :)

descanse, sorria e ame... :P seja feliz!! :)

/me disse...

Fogo, fiquei cansado só de ler...

Coragem!

Anónimo disse...

Aqui na minha paróquia, se fossem todos assim, bem que podiam “criar cogumelos “ de tanto esperar que o padre fizesse isto e aquilo. Se calhar dizem-te tantos “tens que”, por verem que és amigo e por perceberem que és um padre que se preocupa. Isto leva muitas vezes a exigir mais e mais ... já diz o ditado: “damos um dedo e querem logo o braço”. Aprende a dizer NÃO.

Miguinhos...força e beijinhos

Maria João

Someone disse...

Padre...
Nem imagina como o compreendo...
Hoje sinto-me assim... precisamente...
Não sou "padre" e as pessoas não exigem de mim "Obras", ou seja, algo material, concreto…
De mim exigem, para além do sorriso incondicional na cara, compreensão, amizade...
Sou estudante… tenho amigos, tenho colegas (faço esta distinção pk nem spe os colegas são amigos nem os amigos são colegas), tenho familia...
Chego as escola e os professores kerem os alunos sempre bem dispostos e a par da matéria, independentemente das outras disciplinas...
Os colegas exigem sempre os cadernos em dia para copiar a matéria k não passaram e kerem explicações da matéria k nao perceberam para o teste k vão ter no dia seguinte, independentemente de sabermos ou nao a materia...
Os amigos kerem k os vejamos sempre k passamos por eles, ficam zangados se um dia eles estão tristes e não reparamos nisso, é inadmissível k alguma vez lhe respondamos mal, independente do modo como anda a nossa relação com os outros, do nosso estado de espírito...
Os pais kerem sempre boas notas, alegando o futuro k desejam para nos, kerem k todos os dias lhe demos um carinho de manha e à noite, k perguntemos como correu o trabalho e se precisam de ajuda para alguma coisa, independentemente do facto de saberem como estamos com os nossos amigos, na escola…
E é mais a avó k está sozinha e a visitamos poucas vezes, o irmão k está de mau humor pk se xateou com a namorada…
E no meio disto tudo está Ele… k nca nos abandona e nos da força para aguentarmos tudo isso… Mas por vezes não chega…
Onde é k estão as pessoas k nos perguntam se está tudo bem, k têm sempre um sorriso na cara para nós, k não sofrem…
Depois é akela história de “dar sem receber”, há kem diga k se é muito mais feliz assim… E é verdade! É 1 sensação única sentir k fixemos alguém feliz… Mas também temos k receber, por vezes, para podermos dar completamente… precisamos de sentir k somos importantes para alguém!!! Eu sei k sou.. mas não o sinto.. e isso dói muito…
E sei k como eu há muita gente..
Apesar de todos sermos filhos de Deus, o “verdadeiro Deus” só Ele mesmo…
Desculpe o desabafo…
Beijinho

Confessionário disse...

Força também para ti, Someone. Se precisares, diz algo por email...

melinha disse...

pois é...cada vez mais os padres sao mal compreendidos. pensam k é uma profissao facil mas servir a Deus e ao proximo é talvez uma das mais dificeis tarefas da vida e por isso as pessoas se estao a afastar desse caminho.
tenhamos fé...
bom feriado e bom fim de semana!
bjinhos

Anónimo disse...

Bem q surpresa
fui ao site dos Missionários do Preciossissimo Sangue, vi este link e cliquei,:), q surpresa! Verdadeiramente agradável, digo desde já, questões abertas, bem...O Padre é um homem, ouviram bem? Um homem c/ cansaço, angústias, tristezas, alegrias, boas e más disposições, e se nós Igreja (pois nós somos a Igreja) nos dessemos mais, não exigissemos tanto e cumprissemos a nossa parte?, não Vos parece bem?
Temos q dar para tb receber, não axam? ou só devemos receber? Deve ser por estas questões não terem respostas bem definidas que a nossa sociedade, de q fazemos parte está assim...egoísta, pq somos , nós somos egoístas .... Nós todos somos esta Igreja, o Padre é o "veículo" para chegarmos até ao Bom Pai...
Não se esqueçam o Padre é um Homem, como nós .....

Maria disse...

Ao desconcerto do Mundo

Os bons vi sempre passar
No Mundo graves tormentos;
E pera mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado.
Assim que, só pera mim,
Anda o Mundo concertado.

Luís de Camões

Já vi essas cenas do "tem de" com o meu padrinho... É cá cada cena! O padre "tem de"...faltou-lhe uma ou outra mas está lá quase quase tudo!

Um excelente fim de semana!

Ver para crer disse...

É isso mesmo!
E tens de fazer mais postas porque escreves bem.
Um abraço.

joaquim disse...

Na estampa da Ordenação Sacerdotal do Padre António Fernandes, Monge Beneditino, (já falecido), meu conselheiro espiritual e muito particular amigo, está esta frase, que não sei a quem pertence:

"Ai sabei amigos meus, ser padre é isto somente, não ser de si nem dos seus, para ser de toda a gente.»

Abraço em Cristo

hadassah disse...

É verdade que muitos de nós temos muitos "tens de" ... realço aqui o papel das mulheres que são mães e que trabalham...

Mas de facto, no caso do padre deve ser duro, ter todos os olhos voltados para ele, que o controlam, que o exigem, de pessoas que afectivamente não lhe dizem e que não lhe dão nada mas que cobram tudo ...

O ser humano é interesseiro em relação ao outro ... tem dificuldades em amar o outro como a si próprio... foi no entanto esse o maior mandamento que Deus nos deixou.

Tal como com o padre, já em relação a Deus fazemos o mesmo... muitos de nós não o Ama-mos pelo que Ele É mas pelo que ele faz ou pode vir a fazer ,,, puro interesse.

Anónimo disse...

Com um pouquinho de tempo ainda encontrava mais uns tantos... E cada um que o lê, aqui, encontra outros tantos em relação a si próprio, acredite: são as mães, são os alunos, são os médicos, são os professores,... Tento, diariamente, libertar-me deles, um a um. Como? Olhando-os de uma forma mais positiva. Encarando-os como uma forma de partilha daquilo que sou capaz. Vou tentando e vou conseguindo. Uma colega e amiga desabafa, frequentemente, comigo os "tens que..." dela. Quando lhe sugiro que mude a perspectiva de olhar as coisas responde-me, invariavelmente: "tu és calma e eu não..." Qual calma? Puro engano! É exercício, é treino!
Aceita, também, a sugestão Padre?
É que os seus paroquianos e nós, por aqui, não passamos sem lhe dizer: "tens que nos ajudar a preparar o Natal!"
Um abraço amigo

Anónimo disse...

...e tens de te permitir falhar contigo e com os outros e não fazer nada disso que "tens que"...

Anónimo disse...

Da minha parte, só posso dar graças a si e a Deus, por nos ter cruzado no caminho.
E peço-lhe perdão a si, por ter sobrecarregado a sua cruz demasiadas vezes, com o peso da minha, que quase o levou à exaustão.
Com os meus olhos de egoísmo, não consegui "ver" o mal que lhe estava a causar, pois só pensava em mim e nos meus problemas, esquecendo-me sempre que você também teria os seus.

Obrigada por tudo padre!
E da minha parte já não "tem de" fazer mais nada, sinto que fez tudo o que eu precisava, para voltar a amar e olhar para lá do meu umbigo.

Bjinhos e continue a distribuir essa Luz por todos os que se encontram na sombra, como eu.

Joana ;)

Confessionário disse...

Obrigada, Joana...

Sempre ao dispor!

"Sou um servo inútil. Fiz o que tinha de fazer!"

Anónimo disse...

Não, não foi um servo inútil, muito pelo contrário, eu é que fui uma inútil.