terça-feira, junho 10, 2008

Como se avalia um padre?

As pessoas falam mal daquele, do outro e daqueloutro padre. Dizem bem deste, do outro e deste outro, pelo menos neste momento. Noutros momentos esquecerão o bem que haviam dito. Geralmente dizem melhor do outro que deste, pelo menos enquanto este estiver por perto. Quando este partir, ou para longe ou para sempre, era um bom padre. Usa-se mais o era que o é, o passado que o presente, para dizer bem de um padre.
Têm tendência a dizer bem dum padre novo, mas enquanto celebra de forma mais alegre ou aberta. Porque se acaso ousa dizer não posso, já não é assim tão bom. Se diz amén a tudo, não tem personalidade, é fraco. Precisamos um mais forte. Se alterar algum hábito, tira-nos a fé. Se apresentar ideia novas, qualquer dia os santos caem do altar. Se entrar num café é dos nossos. Se entrar habitualmente, deixa de ser nosso para ser como os outros. Se fala com as pessoas é simpático, mas anda mal acompanhado. Se passa muito tempo em casa, não faz nada. E se vai à Igreja menos vezes que o padre antigo, só cá está para levar o dinheiro.
Os padres velhos são geralmente bons padres no sentido mais solidário que existe. Uns pobres padres. Já não fazem nada. Estragam tudo. Têm vícios. Há quem os abomine. E há quem os desculpe.
Os padres de meia-idade nem são uma coisa nem são outra. Não costumam ouvir gracejos ou piropos, mas também ninguém lhes dá o benefício da dúvida. São aqueles que aparentam a maturidade que precisamos no nosso padre, mas que já não conseguem engraçar, façam o que fizerem. Já não têm ponta para admirar e começam a cansar. É melhor vir outro antes que este chegue a velho.
Mas o que é um bom padre? Como se avalia?
Avalia-se pela quantidade de coisas que consegue fazer? Pela quantidade de coisas que consegue que outros façam? Pela forma como reza? Pela forma como faz rezar? Pelas vezes que se vê na rua? Pelas vezes que está em casa? Pelas vezes que vai à igreja? Porque bebe connosco? Porque não bebe? Porque tem personalidade? Porque é simples e humilde? Porque é sábio? Porque é culto? Porque é organizado? Pelas palavras que diz? Pela sua voz? Pelos sorrisos que dá? Pela qualidade da missa? Porque demora muito? Porque demora pouco? Pela sua criatividade? Pelas festas que faz? Pelos pulos que dá? Porque veste bem? Porque é bonito? Porque diz palavras sábias? Porque fala bem? Porque escuta melhor? Porque é novo? Velho? De meia-idade? Ou porque já se foi?

90 comentários:

Kephas disse...

Um padre não se avalia. É Deus Quem o avalia. Não nós.

Um padre não se avalia, um padre escuta-se... é um dom de Deus nesta Terra. Alguns serão melhores do que outros. Alguns serão mais rigorosos e outros mais descontraídos. Alguns falarão bem, outros agirão melhor...

Mas é em nós que recai o ónus de procurarmos seguir a doutrina, a lei e o amor. O padre tem a missão de nos guiar. Mas nós é que temos de caminhar. Se o padre for um mau guia, será um mau padre. Mas se nós não caminharmos porque um padre é um mau guia, então a culpa é nossa.

Era bom que as pessoas deixassem de pensar no cisco do olho dos outros e reflectissem na trave nos seus próprios olhos. Em vez de criticar o padre, que tal pensar em: "como poderá este padre contribuir para a minha santificação pessoal?"

Um padre bom é aquele que nos traz a Salvação. E isso, só o saberemos no Juízo Final. Tudo o resto é fogo de artifício.

elsa nyny disse...

O "melhor" padre/a "melhor" pessoa é aquele/aquela que nos faz lembrar o Mestre...não tanto pelo que diz, mas muito mais pela sua vida...

bjtsssss e desculpa as ausências!

Anónimo disse...

Infelizmente Sr. padre, não se pode agradar a "Gregos e a Troianos." :)
Cumprimentos,
J

Vitor Carreira disse...

Eu creio que um "bom Padre" é aquele que leva os seus fieis a encontrarem Jesus, a encontrarem o caminho da Santidade na Verdade do amor a Deus. Vitor Carreira

joaquim disse...

Para além de tudo o que diz o Kephas e eu concordo, um "bom padre" é aquele que não procura agradar só para que as pessoas gostem dele, mas que é constante no seu compromisso e acolhe as pessoas, não deixando de ser fiel à Palavra, à Doutrina.

Abraço amigo em Cristo

Anónimo disse...

Quer queiramos, quer não, todos estamos sujeitos a avaliação.
Um padre não é excepção.
Por isso, no final da minha vida gostaria de ser avaliado pelo que amei.
Se amei... Cristo esteve presente...
LPS

Anónimo disse...

Sou padre há poucos dias e acho que o padre é aquele que se esforça por ser tudo para todos à imagem de Cristo!
Muito obrigado por esta apologia... É muito verdadeira.
Um abraço em Cristo Pastor.
P. Pedro

Confessionário disse...

Parabéns, então, P Pedro.

Um abraço e desejo de tudo cheio de Deus na tua vida!

Magnolia disse...

Descobri este blog, por acaso e venho cá frequentemente.Aqui já aprendi algumas coisas.bem hajam por isso e felicidades ao confessionário.
Concha

Anónimo disse...

Bom já deu para perceber, que isto está agreste......

Imagine um Pe. como um pai.

Sim... acha que um pai agrada em tudo aos seus filhos?

É simples; um pai procura fazer o melhor, dar o melhor, transmitir os melhores valores...

Nem sempre agrada aos filhos. Mas no fim, a sua consciência apenas lhe acusa que deu o seu melhor!

Com o Pe. é a mesma coisa, faça sempre aquilo que acha melhor. Mantenha-se constante nos seus principios, o resto... não vale a pena!


Kalos

Alecrim disse...

LOl.
Crie-se uma comissão de avaliação dentro do Ministério da Igreja Católica. Quê? Não existe esse ministério?

Anónimo disse...

Um bom padre, é aquele que ama como Deus nos ama e, nos consegue transmitir esse Amor.

LN.

Kephas disse...

Lol, alecrim...

O nosso querido B16 não é o Sócrates...

bunny disse...

hum...como avaliar um padre????boa questão..

mas a verdade e que qlq padre e peso por ter cã e preso por n ter.....
aki na oaroquia estava um padre novo, recem ordenado, esteve ca 3a nos....mt dinamico c joens crianças mas mt desleixado noutras coisa....enfim..qd saiu todos ou kase todos aplaudiram..pk era mulherengo, pk tava sempre no acfe, pk so dava ouvidos a alguns..etc..veio outro de meia idade, brasileiro...mt simpatico e tal....afinal o sr ate e formado em direito. tem uma maneira frontal d dizet as coisas, quem quiser ouve quem n kiser n ouve......acusam no de autoritarismo pk ta ca ha 3 meses e ja introduziu algumas reformas, mas n no essencial....mas no acessorio....acabou c algumas procissoes, trancou a porta da sacristia - agora so entra por la o mpadre - retirou as bandejas k os acolitos usavam na comunhao...etc.....agora tb este padre ja e criticado...

Paulo disse...

Quem avalia um padre ou outra "profissão" qualquer, a meu ver não somos nós, mas sim Deus. Há quem diga e é feito, na função publica avaliações dos funcionários, mas até essas são conforme as cores, os jeitos e as amizades, independentemente do trabalho feito. Um Padre, como se avalia? Para além de Deus como disse, talvez, repito, talvez, pelo calor que nos faz sentir cá dentro, quando nos fala, seja na missa ou fora dela. Penso que nesse calor está a verdadeira vocação, digo eu, um mero neofito de Deus e Sua Mãe Maria Santissima.

Maria João disse...

O Padre João da paróquia de Odivelas morreu há cerca de duas semanas.

Obviamente que, como ser humano, fez coisas boas e más. Mas, o que me fica na memória era a sua entrega, a dedicação pelos doentes (era capelão no Hospital de Santa Maria), as suas homilias que incidiam sobre esta mensagem: "Ter Fé, mas com Obras!".

No fundo, marcou-me e marcou-nos a todos por seguir esta máxima de Amor a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos e ser um apóstolo da alegria. Não é a questão de dar muitos ou poucos pulos, bater ou não muitas palmas... As suas missas eram alegres e não tinham nada disso. Quando falo de alegria, falo do sorriso nos olhos, da felicidade que transbordava para os outros, mesmo quando estava doente.

Acho que o bom padre é aquele que, apesar das falhas de qualquer ser humano, é humilde, trata as pessoas de igual para igual, fala da Palavra de Deus, mesmo que isso implique deixar alguns paroquianos chateados por não quererem ouvir a verdade... Enfim, é ser o Rosto de Cristo. Depois se pula ou não... Isso é menos importante.

Isto é o que eu sinto. Mas, esta questão é complicada. O padre é sempre alvo de ditos, sejam eles verdadeiros, mentira, úteis, inúteis...

AH! Como falaste da idade... O Padre João morreu com 59 anos.

beijos em Cristo e Maria

penelson disse...

Belo texto...
Ao lê-lo recordei uma frase (desconheço o Autor):
«O Bom Pastor faz um Bom Rebanho... o Bom Rebanho faz um Bom Pastor».

Eu experimentei na 'carne' esta verdade.
Tentei ser um «Bom Pastor» ao longo de sete anos... mas os últimos quase quatro anos fui 'arrasado' no meio de um 'rebanho' onde foram os 'cabritos' que mais se foram evidenciando, enquanto as 'ovelhas' foram, com o seu silêncio, permitindo que o seu Pastor fosse assim 'maltratado'.

Não me vitimizo pelo que aconteceu... deveria ter sabido resistir e vencer...
Faltou-me o ânimo... esgotaram-se as minhas forças humanas... vi-me psicologicamente 'arrasado'... o ser Padre tornou-se uma Cruz demasiado pesada... e como me disse o meu Bispo: «Nosso Senhor não te quer forçado a carregar uma Cruz tão pesada. Quer-te de livre vontade».

Suspendi o Ministério por vontade própria. Procuro agora re-encontrar o meu Caminho...

Quem ler o meu Blog encontrará lá as razões e verá como o que aqui neste texto é dito não é assim tão 'imaginário' quanto isso... ACONTECEU COMIGO.

Maria Zete disse...

Olá confessionário.
Um padre é um ser humano lidando com seres humanos. O problema é que algumas pessoas parecem esquecer que o padre é antes de qualquer coisa um ser humano, não um santo. Tem limitações, sofre, chora, se aborrece e até se apaixona. Via de regra as pessoas cobram perfeição aos padres,mas, se nem Jesus Cristo agradou a todos, imagine um mortal.
Desejo-lhe, caro Padre, muita força e acima de tudo muita fé.
abraços em Cristo

osátiro disse...

Creio que o dizer "bem" ou "mal" é inerente a todas as actividades.
Na minha por exemplo.
O melhor é não dar ouvidos a isso e confiar em Deus que sabe tudo de nós, mesmo de "um só cabelo que caia."

Olhando o Infinito disse...

É tão dificil avaliar, muito mais um padre uma vez que todos têm grandes expectativas sobre todos os padres.
Ao mais pequeno erro ou omissão já estão a criticar.
Como alguém dizia aqui: preso por ter cão, preso por não ter.
O padre deve ser imagem do nosso Bom Pastor, Jesus; mas assim como Jesus não agradou a todos, dificil um padre agradar a todos.

um abraço amigo

Anónimo disse...

Olá Padre
Tenha força o senhor, assim como todos os padres, pois Deus é que nos pode avaliar, mais ninguém.
Mas as pessoas são muito más, falsas, hipócritas e muito mais.Eu tenho uma revolta enorme dentro de mim, pois se virem o padre pela frente é o melhor, por trás é só dizer mal dele e daqueles que o rodeiam. Desculpe dizer isto mas todas as que andamos á volta somos consideradas Pu....
É triste o padre têm o mesmo direito que qualquer outro homem, pode ir ao café, divertir-se, vestir-se bem e divertir-se e continuar a ser bonita.
Não liguem quem nos julga é DEus.
E antes de apontarmos o dedo aos outros devemos olhar por nós acima e abaixo.
Quanto ao meu pároco eu estou cá para o ajudar e servir, e defender em tudo, pois muita o tenta deitar abaixo.
Força para todos os padres....
Beijinhos
Gina

xavier disse...

Na hora que todos nós reconhecemos seres históricos, de carne e ossos, cada um e cada uma com sua história, começamos a nos aceitar como gente e entrar na vida humana que Deus Pai nos deu e que Ele mesmo aceitou que seu próprio Filho assumisse. O Padre e qualquer cristão que se preza passará pelas agruras e as graças de uma vida feita de limitações históricas, pessoais e culturais.
Porque questionar se tal homem de Deus é mais cristão ou não? Cabe a nós todos membros do Corpo de Cristo de dar nossa contribuição fraterna e permitir que o padre seja fiel à sua missão com aliás também nós a nossa missão.
Senão ameaçamos entrar nos critérios de mercado: IBOPE, boniteza, oratória, eficiência, produtividade, e aí vai....!!!
Acredito que bom é a porção do rebanho de Deus (paróquia) se reunir na oração numa assembléia anual e aí à luz do Evangelho, todos os membros engajados do povo de Deus avaliar e serem avaliados num espírito fraterno como dizem os Atos. O pastor também faz parte do povo de Deus não? Portanto será também avaliado e avaliador. Trata-se em primeiríssimo lugar julgar e AVALIAR nossa vocação e missão de cada e cada uma à luz de Jesus e então com o Espírito de Deus avançar com a coragem da fé para melhor servir a comunidade e o mundo que nos espera.
O contrário seria o modo como uma empresa de mercado avalia o bom desempenho dos seus clientes....!!! a partir de critérios meramente mercadólogicos e lucrativos ( como aliás exige o sistema vigente) e aí estamos pisando a bola.O que manda na nossa comunidade: é Deus ou outra coisa.....??

um abraço grande

Xavier Recife

Anónimo disse...

Estimado Pe. C.;

Ao lêr o comentário do penelson... tomei consciência, que este tipo de "avaliações" podem ser mais gravosas, do que o Pe. C. nos faz passar através deste seu post.

Se me permite....

A humanidade é cruel. A humanidade é desumana (desde sempre).

Olhemos com atenção a comunidade, que se envolve nas actividades da igreja.

O Pe. celebra (casamentos, baptizados, Eucaristias, funerais etc....), o Pe. ouve e aconselha inumeras pessoas.
O Pe. é Pe. 24H00 por dia!

Quem se dedica a fazer os arranjos de flores na igreja?

- As senhoras, com sua delicadeza e boa vontade.

Quem se dedica a dar catequese?

- Regra geral são as senhoras, com o seu ar maternal e afectuoso.

Quem se dedica á tão preciosa lmpeza da igreja?

- Regra geral as Senhoras, com o seu brio e aptencia natural.

Quem no final disto tudo convive mais de perto com o Pe., que tanto precisa de ajuda, e, que regra geral "estica" um orçamento reduzido?

- Regra geral são as Senhoras.

Pois é.... vai daí... ou por inveja da amizade que se gera (normal, aceitável e recomendável), ou por apenas por pura maldade.... os Pe. são uns mulherengos.

Eu então questiono-me? E se em vez de mulheres a ajudar, fossem homens?
O Pe. certamente passaria de mulherengo, a homossexual... (perdoe-me a sinceridade... mas não há pachorra).

Se o Pe. baptiza todos com facilidade, está a banalizar o Sacramento.

Se o Pe. exige os preceitos normais, para baptizar os piquenos... aí del-rei que só quer afastar os fieis (que por acaso só aparecem, nos casamentos, baptizados, e funerais por respeito ao que os outros dirão - argh!!!!)

SIM!!!! É dificil o papel de Pe.

É dificil agradar a todos.
É dificil escapar ás linguas venenosas.
É dificil manter a postura, e, não "expulsar os vendilhões".
É dificil fazer vêr aos cristãos (alguns), que o Pe. não tem diferentes tipos de doutrina, conforme a medida e gosto de cada um........

Peço perdão pelos excessos!
Peço desculpa pela usurpação do seu espaço!

O Pe. é um UNGIDO de DEUS!
O Pe. é um ESCOLHIDO por DEUS!

Caramba.... será que esta gente não vê que ao apontar o dedo ao Pe., está a apontá-lo ao próprio DEUS?
Ao Deus que ao Domingo comungam, e, durante a semana o excumungam do seu dia-a-dia?

PERDÃO.

Kalos

osátiro disse...

Rezemos por Ferrer García, preso político católico cubano, em greve de fome por condições desumanas

Anónimo disse...

Os bispos de Portugal vão ter umas jornadas de estudo na próxima semana.
Sabem em que vão ocupar o tempo? A discutir gestão.
Será que os gestores discutem o Evangelho? Oxalá que sim, pois os bispos estão ocupados com a gestão!

Anónimo disse...

Mais importante que aprender gestão é reaprender o Evangelho, a justiça e a solidariedade.
Realmente, anunciar aumento das Missas numa altura de tão grande crise que sensibilidade mostra?
Os nossos bispos precisam de aprender muito!

MC disse...

Se as comunidades fossem outra coisa que não são, estas questões todas postas pelo padre, valiam nada.

Se as Eucaristias fossem participadas e sentidas como coisa de todos e para todos, estas mesmas questões valiam zero.

Se bispos e padres, fossem todos unidos pela mesma missão de servir e não de procura de satisfações pessoais e carreirismo, também estas questões eram o mesmo que nada.

Se fossemos todos anjinhos com asas a saltitar por aí, e não Homens que têm desejos e necessidades a satisfazer, também não haveria lugar a questões.

E depois acho graça a uma coisa. Pomo-nos sempre a avaliar os outros e a sentirmo-nos feridos pelas atitudes deles, pelas suas avaliações mas esquecemo-nos sempre de nos olharmos ao espelho.

É curioso que sendo este um blogue dum padre, bastas vezes me arrepio ao ler os comentários que se fazem para aqui. São tal e qual as mesmas argumentações, tricas, paternalismo e invejinhas manhosas, de qualquer das paróquias que conhecemos.

É que ninguém está acima de qualquer observação e crítica. Seja padre ou a mais santa das criaturas.

E andar a exaltar padres é um peditório para o qual não contribuo. Não é por ser padre que tem ou deixa de ter defeitos.


Volto a dizer...não fosse o papel do padre, tantas vezes exaltado de forma absurda, também não tinha de modo tão directo os olhos censores das pessoas sobre ele.

Quando se vem com o discurso para embalar passarinhos, de que o padre é o eleito, o escolhido...etc, põe-se o(s) mesmo(s) logo numa posição de destaque para levar com tudo em cima.

O(s) padre(s) até costuma fazer o discurso de que é o servidor...etc., mas sente-se realmente assim? Ou sente-se acima de qualquer crítica?

Não defendo de modo algum, que o padre seja o saco de porrada de toda a comunidade e mais do bispo se calhar, defendo é outras comunidades. Mais cristãs.

ana maria disse...

Creio que um Padre se avalia como qualquer Filho de Deus: pelas Obras, i.e., pelos frutos. Nenhuma árvore má dá bons frutos e vice-versa, dizia o Mestre...

Rui Pedro disse...

Como devia ser um padre? Como deve ser o padre ideal?

Tem piada como os espanhois não têm tanta dificuldade em poder definir que é um padre, para eles um padre é como um padre (pai) ;)

Mas afinal como deve ser um padre???
Se olhar o padre como a cabeça de um grupo de pessoas (comunidade), suficientemente heterogénea para conter em si: novos e velhos, homens e mulheres, solteiros(as) casados(as) e viuvos(as), patrões e empregados, conterrâneos e estrangeiros, ricos e pobres, gente que aparece todos os dias, gente que vai aparecendo, gente que raramente aparece, gente que nunca aparece...

... Se olhar o padre assim como pode este não ser falado? Com tanta gente diferente, com os seus gostos particulares, as suas dúvidas, os seus anseios, a sua forma de comunicar, a sua forma de procurar, a sua forma de entender, a sua forma de rezar, tantas vezes distintas de grupo para grupo... E quantas vezes não chocam todas estas diferenças, quantas vezes não se contrariam umas às outras??

E quantas vezes não caiem os proprios padres na tentação de procurar que todo o seu "rebanho" se dirija na mesma direcção,todos da mesma forma? (sem dúvida uma tarefa divina ;)

Na verdade tanto falatório tem um único significado ou melhor uma única questão por trás de cada um: responde o padre aos meus anseios pessoais?

Esta última questão têm associada a si outra a meu ver mais importante: deve o padre da minha comunidade responder às minhas necessidades pessoais? E eu?

E EU?

Que posso eu fazer???

Posso confessar-lhe algo, caro padre? Ando um pouco triste e desmotivado com a visão de padre que lhe descrevo aqui (o padre como cabeça de um grupo de pessoas), porque de facto ao longo da minha curta vida :), ainda não encontrei um padre que respondesse a todos as minhas dúvidas, a todos os meus anseios, a tudo aquilo que não entendo, ainda não encontrei o padre que me apagasse os meus medos... Ainda hoje não encontrei...

E ainda bem...

Se tivesse conhecido um padre assim, talvez não tivesse sido necessário caminhar, talvez não fosse necessário procurar respostas, talvez não fosse necessário rezar tantas vezes acompanhado é certo, mas também tantas vezes sozinho (eu e Ele claro). Tive alguns companheiros seus que me ajudaram a caminhar mas não me deram respostas, antes esperança, esperança para viver cada dia segundo a extraordinária mensagem de Jesus, segundo o seu extraodinário amor, companheiros seus que muitas vezes simplesmente me ouviram e isso soube-me bem...

Gosto do padre viajante... Aquele que andando, conversando com os outros me mostra Jesus... Aqui para nós parece-me que ele O vai descobrindo também ;)

Gosto mais do padre viajante, mais que do padre "rei" de um grupo de pessoas...

Será que falei de mais dos padres??? Ups... Se calhar... :)

;) Caro padre...
Foi mais uma meditação, mais um brainstorming, que me passou pela mente graças à sua viagem pelo mundo da internet.

Mais uma vez foi por aqui que passou o meu pensamento nos últimos minutos ;)

Um abraço

Blog de Cainan disse...

Muito legal seu blog!!!
É bom ver alguém se abrindo, ajuda-nos a sermos melhores

Se puder da uma olhada no meu, te adicionei como amigo:
santx.wordpress.com

Abração!!!

Luís disse...

Talvez antes de perguntar como se avalia, talvez fosse necessário dizer o que é um Padre...
Para mim é, sobretudo:
a) Sacerdote: (Receba o Senhor por tuas mãos este Sacrifício, para honra e...) representante da Comunidade perante Deus;
b) Está ao serviço da Comunhão: Entre os irmãos, forma comunidade, e entre esta e Deus;
c) Torna Deus presente: No altar e em cada irmão pela Palavra e pelo Testemunho.
(Penso que, nesta perspectiva, cada cristão tb tem muito de Sacerdote.)
Depois também é Presbítero: Ministério (serviço) Ordenado.
Penso q seja, sobretudo, como Sacerdote que o Padre deva ser avaliado.
Mas, como Cristo (Sumo Sacerdote), ser Sacerdote, mais do que aquele que oferece, é aquele que se oferece: Oferece e dá a sua Vida, pondo-a ao serviço dos irmãos.
(E, por aqui, tb todos seremos 'avaliados').

abelhinha disse...

rsrsrs...tal e qualmente...rsrsrs é mesmo isto tudo o que escreves, mas o pessoal esquece-se de que o padre nada mais é do que um ser humano igual a todos!
nem mais nem menos, é alguém que se propôs seguir um caminho que achou que seria aquele que desejava, se faz ou não esse caminho correcto, isso já é outra coisa, e só a ele diz respeito!
abraço

Pjsoueu disse...

Sou um Cristão Católico, mas não romano.

Quanto à forma e ao modo como se deve avaliar um Padre, considero que seja da mesma forma como se avalia outro ser humano: - Avaliando as suas fraquezas e virtudes, fazendo a média = Terá nota positiva ou negativa..lol..( aproveitem agora que estamos em período de exames))....

Sempre considerando, Pj

Teodora disse...

Por que não pedem um modelo de avalição aos doutores e "inginheiros" do nosso governo.

"Do Norte ao Sul... não há, não encontrei senão doutores! Doutores, com toda a sorte de insígnias, em toda a sorte de funções! Doutores, com uma espada, comandando soldados; doutores, com uma carteira, fundando bancos; doutores, com uma sonda, capitaneando navios; doutores com um apito, dirigindo a polícia; doutores com uma lira, soltando carmes; doutores, com um prumo, construindo edifícios; doutores, com balanças, misturando drogas; doutores sem coisa alguma, governando o Estado! Todos doutores. O Dr. Tenente-Coronel... O Dr. Vice-Almirante... O dr. Chefe de Polícia... O dr. Arquitecto... Homens inteligentes, instruídos, polidos, afáveis - mas todos doutores! E este título não é inofencivo: imprime carácter. Uma tão desproporcionada legião de doutores envolve todo (o País) numa atmosfera de doutrinice."

Eça de Queirós

Ni disse...

Não é pelo que nos ensina enquanto pessoa? Não é pela coragem da entrega? Não é pela dedicação? Não é por ser feliz?

Desculpe...

Quem sente assim... é bom!

Parabéns.

Teodora disse...

Perdão não é doutrinice mas sim doutorice.

osátiro disse...

Um grande abraço de apoio e solidariedade ao P. Pedro.
vai ter uma missão muito difícil, mas com a ajuda de Nª Sª e Cristo será bem sucedido com certeza.
E, se posso dar um conselho, prepare-se para "combater" as "ideias" de ateus e pró-islamistas, que é o que se encontra com mais frequência no mundo de hoje.
Saudações em Cristo e Maria.

osátiro disse...

E não esqueçamos:

Rezemos por Ferrer García, preso político católico cubano, em greve de fome por condições desumanas

Anónimo disse...

Olá!

Mas agora também se avaliam Padres??? Estamos na era de que tudo tem que ser avaliado????????????????

Abraço grande para o Kephas, para todos e em especial para si meu grande amigo Confessionário
MJG

Anónimo disse...

Parabéns ao autor do blog pelos temas sempre muito interessantes.
Muito obrigado ao sátiro pelos desejos formulados!
Um abraço.

P. Pedro

Kephas disse...

Olá MJG!

Há quanto tempo!

Já te sentes melhor? Espero bem que sim! Eu também me sinto melhor desde a última vez que falamos eheheh!

Retribuo o abraço e acrescento mais outro!

Ana Patrícia disse...

Um padre não se avalia...mede-se numa balança. De um lado tem o transcendente, do outro tem o humano.E tal como qualquer ser humano que um dia acorda melhor e outro pior, também o sacerdote tem dias que pende mais para um lado do que para o outro!Sejamos tolerantes, sim? E cautos,tudo o que dissermos ou fizermos neste nosso tribunal daqui, poderá ser usado contra nós.
Senhor padre, continue o caminho, tudo nos faz crescer, até mesmo as críticas mais egoístas.

Beijinho sereno

DairHilail disse...

...e é para avaliar?
Quem somos nós para avaliar?

deixo-te um beijo

osátiro disse...

MJG bom retorno!
Felizmente as coisas correram bem.
Creio que muitos de nós na blogosfera rezamos.
Nós, católicos, temos que nos manter em "rede".

Anónimo disse...

Olá!

O que vou escrever nada tem a ver com o post (ao post, já dei a minha opinião)...

Aquilo que vou escrever é dedicado a todos os que por aqui passam, a todos aqueles que estiveram comigo nos momentos mais difíceis da minha doença, a todos aqueles que rezaram e oraram por mim... OBRIGADA... hoje encontro-me bem melhor!
Peço desculpa, mas tenho que dar um outro e grande abraço ao Kephas e agradecer as palavras do Osátiro...

Deixo-vos então com aquilo que sinto... com o que este blog é para mim...

CONFESSIONÁRIO DUM PADRE

Andei todo o dia pela cidade, à procura de algo; à procura do meu EU que se perdeu há muito tempo… Procurava alguém com quem pudesse falar, desabafar… mas nada!
Àqueles que encontrei, disse: “Olá!” e quando ia para falar, a garganta ficou seca e senti que as lágrimas a qualquer momento iriam começar a cair, então despedi-me à pressa e fugi…
Mais uma vez, eu fugia de quem me podia ajudar… Há tantos anos que me tinha afastado dos meus amigos… de tudo e de todos!!! Sempre guardei para mim os meus medos, os meus fantasmas… nunca consegui falar de mim…
Fui para casa… talvez no aconchego do meu quarto, no meu cantinho, conseguisse encontrar um pouco de paz. No caminho, entrei numa Igreja, sentei-me… Silêncio!!! Tentei rezar, mas nem uma oração saiu… tentei escutá-LO, mas não consegui sequer ouvi-LO… Saí a correr… Só queria gritar, desaparecer, morrer…
Já no meu quarto, sentada no meu cantinho, peguei na minha flauta, tocar sempre me relaxou, mas as notas saíam tão desafinadas que atirei com ela pelo ar… e andei pela casa às voltas e voltas, sem conseguir encontrar nada que me acalmasse…
Era já noite… peguei em duas caixas de comprimidos e numa garrafa de vinho… já não aguentava mais… estava exausta… viver já não fazia sentido… Queria morrer, assim acabava-se tudo… já não sofria mais…
Na indecisão de tomar os comprimidos e beber o vinho, sentei-me à frente do computador; naveguei por vários sites, por vários blogs… por mero acaso e no meio do desespero completo, encontrei este blog “Confessionário dum Padre” e abri-o… comecei a ler… li… li… e reli…
As palavras entravam no meu coração atormentado e aos poucos e poucos fui relaxando… Fiquei horas só a ler e a meditar em cada palavra escrita e todas elas me diziam algo… de repente, senti necessidade de desabafar, de escrever… ninguém me conhecia, ninguém sabia quem eu era… podia falar, escrever, sem que ninguém visse as lágrimas a caírem…
Escrevi, escrevi tudo o que me ia na alma… a vontade de morrer, as poucas forças, tudo o que até àquele dia eu tinha vivido, as perdas, as dores, o sofrimento…
Não esperava resposta, mas ela veio… e como soube bem “ouvir” uma palavra quando tudo à minha volta era silêncio… De lado ficaram as caixas de comprimidos e a garrafa de vinho e sempre que o meu chão tremia, eu voltava, para desabafar, para meditar…
Mas houve momentos, dias em que as forças falharam e por várias vezes tentei acabar com a vida, mas o “eupadre” estava sempre lá a ouvir-me… a ler-me... a dar-me força… a rezar por e comigo…
Caí e levantei-me, tornei a cair e a levantar-me vezes sem conta… nesses espaços de tempo, por várias vezes toquei o limite da vida… umas vezes por motivos a mim alheios (operações, AVC’s), outras porque já não aguentava mais e só queria acabar com a vida…
Hoje, já em casa, ainda em recuperação, só posso dizer: “PADRE, ESTOU A CONSEGUIR…”
Aprendi que da luta nasce sempre a força, a perseverança, a esperança, a força de viver… no desespero temos sempre uma certeza… a morte! Perante esta única certeza e verdade só temos é que aprender a VIVER! E se o fizermos com um sorriso nos lábios, como aprendi com “eupadre”, ainda mais fácil se torna a caminhada!
Li, não me recordo onde, que “há SOL na palavra solidão” e isso é verdade… Afinal descobri que não estou assim tão sozinha, tenho Deus sempre ao meu lado, um blog por onde passam pessoas maravilhosas, dispostas a ouvirem-nos, a rezarem por nós, a sofrerem connosco, enfim, pessoas que não nos conhecem, mas que se preocupam e um “eupadre” com quem posso falar e desabafar. E que me dá muita força!
Muitas pessoas não compreendem como é possível sentirmos carinho por alguém que nem sequer conhecemos, no entanto, sei que isso é possível, e que apesar de ser uma amizade virtual, se pode tornar bem real. Sim, é verdade, eu não conheço essas pessoas, mas pelo que escrevem posso conhecer o mais importante, os seus sofrimentos, as suas angústias, as suas alegrias, o seu carinho. Acho que posso dizer, que os amigos virtuais não nos olham nos olhos, mas olham o nosso coração…
A todos os “Penitentes” agradeço e louvo a Deus por me ter cruzado com eles no meu caminho.
“Confessionário”, meu Amigo, agradeço-lhe do fundo do coração tudo aquilo que é e espero que seja sempre assim humano, sensível aos outros e puro, porque é tudo isso que faz de si aquilo que é e será!
Hoje, já não consigo passar um dia sequer sem visitar este “cantinho”, sem abrir o “Confessionário dum Padre”… por vezes só para ler e meditar, por outras, só na procura de saber como estão, de sorrir com eles ou lhes dar uma palavra de conforto se necessária.
A vida é como um rio que corre para o mar, violento por vezes, mas que também nos trás amigos, esperança, amor e Fé…
Neste “Confessionário dum Padre”, eu encontrei forças para lutar, eu aprendi a VIVER!!!
OBRIGADA!!!! Um dia vou dizer-lhe: “PADRE, CONSEGUI!!”

“Ficas responsável para todo o sempre por aquilo que cativaste.”

Um beijinho especial para todos...
MJG

Confessionário disse...

Beijinho, MJG

Anónimo disse...

MJG........

Este teu testemunho, é um tesouro!
Quanto mais partilhado, mais valioso será!
Não necessitas de contar a tua história na integra, quando o fizeres cara-a-cara.
Mas contar a outros, como conseguis-te superar o teu sofrimento...... será um excelente veiculo de salvação.

A minha história também passa pela tua (ao de leve), também foi um Pe. que me levantou....

É por isso que eu digo, o Padre deve agir como um Pai... nem sempre irá agradar aos "filhos"......

FORÇAAAAAAAA!!!!!!!!!

JESUS AMA-TE MUITO!!!!!!


Kalos

Alecrim disse...

Um beijo muito grande para a MJG. Fiquei com um nó na garganta, quase chorei. De compreensão e de amor por ti. Nunca estamos verdadeiramente sós, ainda que nos pareça.

Tati disse...

Concordo. Aqui na minha paróquia é assim: temos o pároco, 63 anos, carrancudo, fechado, conservador, mas que é bastante sábio e administra muito bem as pastorais e os paroquianos. E temos o vigário, 30 anos, alegre, sorridente, amigo de todos, e que cumpre poucas funções, pois a maioria delas cabe ao pároco. As pessoas amam o vigário (embora ele dê confiança demais para as mulheres, ele tem que tomar cuidado com isso ou vai pecar feio - é o que dizem), e detestam o pároco, porque é muito chato e sisudo, sempre reclamando de suas artrites e dores na coluna...
Gostei da sua colocação.
Aliás, fiquei curiosa sobre sua idade, não precisa responder, se não quiser.
Gostaria de pedir algo: poderia um dia escrever um artigo (ou me mandar uma resposta por e-mail, eu passaria meu e-mail pro senhor, ou até por aqui mesmo) sobre a melhor forma do padre lidar com o assédio feminino. Pois esse nosso vigário sofre muito assédio, e, concordo com os que dizem que ele dá confiança demais, mas o conheço muito bem para saber que na hora que elas tomam iniciativa, ele corta de vez. Já presenciei isso umas 3 vezes. Mas mesmo assim volta a conversar com a mesma nos dias seguintes, se ela demonstrar que vai parar seu comportamento impróprio. Acho errado, acho que ele deveria cortar relações para sempre com as que fazem isso, pois senão ele passa a impressão de gostar do assédio. O que me diz?

abelhinha disse...

No primeiro dia de verão,a abelhinha andou a voar pelos pomares dos seus amigos,para lhes enviar um bzummzumm e desejar um finm de semana colorido!

Anónimo disse...

Estiveram os bispos uma semana em Fátima a discutir gestão. E a maior conclusão foi promover uma central de compras e intensificar a economia de escala!
Nem uma palavra sobre o Evangelho, a caridade ou os pobres.
A Igreja em Portugal precisa de dar uma grande volta. Mas com pastores destes que há-de ser do rebanho?
Talvez a mudança tenha de começar pelo rebanho!

joaquim disse...

Testemunho tocante, emotivo, realista e tudo o mais que se queira dar como adjectivo, mas que vem do coração.

Muitos procuram sinais de Deus em muitos sitios onde eles não estão.

Neste testemunho da MJG estão com certeza.

Deus fala-nos de tantas maneiras, servindo-se de todos, servindo-se de tudo.

Nós é que muitas vezes não estamos atentos e não temos o coração aberto à Sua presença.

Ao ler este testemunho tornou-se mais forte a minha fé, renovou-se a minha vontade de crescer no amor, sobretudo no amor de Deus, para Deus e em Deus, para os outros.

Obrigado MJG!

Rezo por ti, rezo por todos nós.

Abraço amigo em Cristo

Confessionário disse...

Tati, podes entrar em contacto comigo por email. Mas tb existem posts e comentários neste espaço que podem ser resposta à tua questão.
Bj

Olhando o Infinito disse...

MJG

o seu testemunho...para além de me fazer correr lágrimas pelo rosto pela intensidade, fez-me acreditar ainda mais que o nosso Pai não nos abandona, e por vezes se faz ouvir de formas que não esperamos; assim como o "eupadre" falou consigo, penso que tembém a MJG tem sido o veiculo para o nosso Pai falar a quantos que por aqui passam (a mim por exemplo)

Muita Força para si,
muitos beijinhos
um aperto abraço amigo :)

Anónimo disse...

Heloo!! Hoje não podia deixar de vir aqui, amei a surpresa que me fizeste, ó tinha tantas saudades tuas, e amei o teu new look, fica-te bem! Desculpa não ter aparecido ultimamente, mas direito é fogo, como viste já quase não tenho pestanas de tanto estudar...

beijos
mariana

Anónimo disse...

MJG
Como aprendeste bem a lição, amiga! Agora, és tu também que nos ensinas a lutar e a viver. Beijo bem grande no teu coração.
Filó

Anónimo disse...

Olá!

Como se avalia um padre?

Como te avalio a ti confessionário?
Numa escala de 0 a 10 !

*Penso que és uma pessoa muito calma.
* És simples, embora as vezes tenhas uma linguaguem escrita um pouco complicada( Ás vezes tenho de ler a fraz duas vezes para compreender o verdadeiro sentido dela).
* Admiradores não te faltam (vê-se pelos comentários aqui discritos)
* Não explodes com facilidade(raramente fazes um comentário a algumas provocações)
* andas sempre muito atarefado ( á 16 dias que não escreves nenhuma mensaguem, deves ter muito que fazer. Ou de férias talves)

Até aqui já comquistas-te 4 pontos, mas ainda estás na negativa. È necessário saber como passas o teu dia a dia. Aqueles pequenos promenores do café,da igreja,aqueles varios pontos de ???? que tu escreves no final da mensaguem. Só assim é que te consigo avaliar. Mas deve dar positiva.
Quanto á idade, não interessa. É bom sonhar com um jovem de 80 anitos, assim não criamos demasiadas ilusões.

Um abraço!

Alexandra

Confessionário disse...

ahahaha, Alexandra. acho que me apanhaste.
Assim, pelas tuas deduções, deve andar pelas 6, digo eu.

Mas acertaste algumas coisas em cheio!!!

E já não escrevo há 16 dias porque ando mesmo hiper-ocupado. Aliás, sou um "hiper-ocupado", o que me retira concerteza uns bons pontos da tua classificação.

E gosto que cada frase que escrevo leve algo que obrigue a reflectir. Gosto dos sentidos das palavras menos óbvios.

Considero-me simples... natural... ms penso melhor do que ajo... ups, dá para perceber. Aquilo que escrevo é sempre mais interessante do que a minha vida diária, os tais ????

Fez-me bem pensar nisto!!

ahhh, para satisfazer essa tua curiosidade: sou mais novo do que aquilo que pensas. A maturidade ou nao da escrita faz-me mais velho. Acho que ainda faço parte do grupo de padres novos. Pelo menos faço por isso. ahahahah. ainda estaria em época casadoira. ahahah, e diria a Mariana, ainda estou no "ponto" aahahahahh

Sorriam, amigos.
A ver se consigo escrever qualquer coisa nos próximos dias. Ta difícil. e nos próximos2 meses deve continuar assim... seja o que Deus quiser...

Anónimo disse...

Olá!

Esqueci-me de um ponto muito importante.

* andas sempre a mandar beijinhos ás miudas cá do sitio, por isso vou acrescentar mais meio pontito aos meus 4 pontos.
Mas... para isso tambem tens me me dandar um beijito, mesmo que seja bem pequenito, senão tiro-te o meio ponto.

(desculpa! esqueci-me que eras padre acho que já estou a abusar, mas va lá...um bem pequenito, para a tua pontuação subir)

Um Abrajinho...

Alexandra

Migalhas disse...

A Alexandra deu-te 80 anitos? Eheheheh
É melhor nem falar de mais nada...!!!
Esses cabelos ainda não brancos... essa sabedoria adquirida com a experiência da vida... esse corre-corre sem tempo para um momento à janela que fica debaixo dum belo alpendre...
'Época casadoira'? 'No ponto'? Vamos lá a ver isso!!!!.... Eheheheh
Sabes uma coisa? Gosto mesmo da tua simplicidade: às vezes parece uma simplicidade de criança! (isto não é uma crítica, mas um elogio)

Anónimo disse...

ahahahah
mas muito mais que no "ponto", és bom como o milho! ahahah
tou a brincar, amigo, mas é sério ahahahahah

beijos
mariana

Confessionário disse...

toma lá então, alexandra.
ahahahah

hoje conseguis por-me bem-disposto. ahahahah
ó mariana, merci. eu sabia que tinhas olhos na cara. ahahahah

ó Migalhitas, tu-u!!! hehehe

Anónimo disse...

ups! "idade casadoira", imagina...ahaha um padre e uma juiza aahahah ela de preto a julgar os criminosos, ele de branco a absolver os pecadores... em casa nunca se falaria de trabalho, ela com o segredo de justiça, ele com o segredo do confessionário, interessante ahahahah tou a brincar, hoje tirei o dia para o recreio ahaha

mariana

Anónimo disse...

Olá!
Não gosto muito de milho, gosto mais do caramelo em ponto.
È mais... como heide dizer, doce. Nem muito queimado nem muito saloio. Eu disse saloio? Ná! Já estou outra vez a divagar...

Mas gostei do migalhas: janela debaixo do alpendre...isso não é facil de entrar alguem... ou será que tem grades. Deixaste-me coriosa e especulante. Podes-me dar mais dados. É que a minha pontuação tem de ser o mais rigirosa possivel. Gostei do promenor da janela... sem grades... aumentava umas decimas á pontuação, que continua nos quatro valores.

PESSOAL têem de me dar ,mais informações sobre o confeccionário para assim conseguir chegar á positiva. Mas não pode ser a Mariana, pelas palavras dela eu até dava um dez de olhos fechados.

Alexandra

Anónimo disse...

Alexandra, olha que o nosso amigo é mesmo bom ahahaha a mamã diz sempre - o confessionário era o genro que eu adorava ter, se não fosse padre, é lindo, é querido, é meiguinho, enfim...nem de encomenda ahahaha

beijo para ti Alexandra

Anónimo disse...

Alexandra, não assinei o coment anterior, mas sou a mariana; olha agora mais a sério (embora a td o que disse não retiro uma vírgula), conheço o confessionário, ou melhor ele é que me conhece desde que nasci, não há nada nele que eu não goste,ou gosto menos, ele é assim um irmão um bocadinho, pouquito mais velho que eu, o irmão que eu não tive, por causa dos estudos estou um pouco longe de casa, mas sempre que as coisas não correm bem, adoro ouvi-lo dizer - Tás viva! - e tudo é simples, ele tal como disse e muito bem o Migalhas, tem a simplicidade de uma criança, naquele coração maravilhoso, feito morada D'Ele...
Obrigado Confessionário, gosto muito mesmo muito de ti...

mariana

Migalhas disse...

Isto, hoje, está mesmo para a brincadeira. Também é preciso, no meio de tanto comentário tão sério!
Estou a ver que dei 'dicas' a mais! Aquela janela é preciosa. O problema é o que se vai acumulando debaixo dela! Mas há sempre uma vassoura por perto que vai ajudando a varrer as beatas. Eheheheheh. Portanto, não se candidatem, minhas meninas: a vassoura é forte e as beatas não resistem a ela.

osátiro disse...

Perseguição à Igreja Católica no Vietname:

http://www.zenit.org/article-18806?l=portuguese

Exemplo de Fé e Coragem.

Anónimo disse...

Bom dia pessoal.

Olá confessionário!

Espero que tenha dormido bem, porque eu passei a noite a pensar em numeros de uma determinada escala.
Isto está a subir.
Lindo, querido meiguinho, simplicidade de criança, coração maravilhoso...
Tem uns braços fortes,( segundo diz o Migalhas, para pegar na vassoura ). Não gosta de "lixo" na sua vida, por isso o promenor da vassoura...Agora só uma pergunta? Ele fuma? Ou tás a referirte aquelas outras beatas?

Bem... por isto, já alcançaste aquele patamar dos 5 valores.
Já podes respirar. "Livra tenho positiva!" Mas com estas tuas qualidades todas, tambem deves ser um pouquinho vaidoso, ambicioso. Por isso ainda faltam algumas dicas para teres uma melhor nota.

Pessoal tou á espera.Mariana deixa lá os livritos, e diz mais alguma coisita... Migalhas, conta mais promenores de vassouras, pás e essas coisas assim. Ele gosta de Futebol? Qual o Clube? Cuidado que a pontuação pode subir, como tambem pode descer drasticamente...

Um abraço!

Alexandra

Anónimo disse...

Olá confessionário, lindo, fofo ahahahah!
Alexandra...puxa, só 5...meu Deus, tens de rever a matéria, cinco é muito pouco, óo ficquei triste só com o 5...

O nosso menino, gosta de futebol, sim...pena que não é do meu clube...mas não importa, divertimo-nos imenso na mesma, nem que seja a chatear ahahahahha, depois acaba sempre tudo á gargalhada, ora aí está se queres rir...o sítio certo é mesmo perto do confessionário, ahahahahah.

Bom, e mais não posso dizer... podes subir a classificação que isso está muito por baixo, e eu vou a correr para os meus livrinhos que daqui a apouco já nem têm letras de tanto estudar.

beijos
mariana

Anónimo disse...

Olá!

Querido amigo, 80 anos?????????????
MJG

Migalhas disse...

Alexandra:
'vaidoso'? Não chego a tanto! Mas 'ufano' de certeza que é. 'Satisfeito' consigo mesmo, sem dúvida nenhuma. Os olhos brilham-lhe quando fala do que faz.
Quanto à beatas, entende o que quiseres.
Quer ter tempo para tudo: uma vezes tem, outras não. E quando não tem tempo, fica chateado.
Posso dizer que é o 'homem dos sete ofícios'.
Quanto aos defeitos, não os vou dizer aqui.
Não pwerguntes mais nada; tá bem, Alexandra?

Teodora disse...

Cuidado meninas nos comentário acerca do padre e doutros padres.

Por pouco mais do que isso já houve pessoas que, optando pelo anonimato, recomendaram-me passar pela farmácia e tomar uns calmantes. Parece que tal conselheiro-mor até se preocupou com o estado das flores do meu jardim. Enfim... gente elegante, muito crente em Deus, tanto tanto que até perdem a noção da delizadeza no trato.

Eu acho que devem continuar nas investidas para que virgens e falsas(os) virgens desistam de adoptar comportamentos saloios.

monge disse...

Um padre, como outra pessoa qualquer, é avaliado por aquilo que diz e pelo que faz ..., no entanto, parece-me que o padre além de ser um bom pastor deverá ser um exemplo de tudo aquilo que ele abraçou como missão. Tendo estudado num colégio interno, dirigido por padres, lido com padres há muito tempo na minha actividade lectiva e posso garantir que já vi de tudo um pouco. Tendo feito uma tese de mestrado sobre a Ordem Cisterciense, da qual me ficou muito agradado e idolatrado o seu maior arauto, S. Bernardo "... pobre como Cristo pobre ..." não tolero sinais que são um autêntico atentado a tudo aquilo que para mim a igreja representa. E esse atentado vem precisamente do pároco da minha aldeia que, se pavoneia no BMW X5 topo de gama, que mais não faz do que andar a viajar por tudo que é sítio (associado àqueles viagens de representações comerciais, onde se tenta impingir sempre alguma coisa e, as quais ele apregoa do altar abaixo e não dúvido sequer da choruda comissão que dai lhe advenha) ele só vê dinheiro à sua frente.
Quanto as questões de fé, eu cá tenho a minha e nada me agrada mais do que entrar numa vazia e fresca igreja qualquer e conversar com Cristo (o tal pobre!).
Talvez me tenha excedido na avaliação. Abraço.

Anónimo disse...

Peço desde já desculpa, se o comentário que de seguida farei é menos apropriado... Contudo terei de fazê-lo...
Custa-me a crer que todas essas perguntas d Alexandra sejam apenas por mera curiosidade, ou uma simples brincadeira. Quer-me parecer q quer saber mais informações sobre o "confessionário" para ver se a pessoa é alguém que poderá (ou não) conhecer... e, desta forma, tenta saber... A brincar, a brincar... lá se dizem as verdades... e desta forma fica a saber. Se o que escrevi está errado peço desculpa mais uma vez... pela frontalidade... No entanto, não consegui deixar de o fazer.

Até pode ser mesmo pura brincadeira... para, como alguém já o disse "animar" tds estes comentários um pouco mais sérios!

Bjinho sereno- eupadre

outro p ti alexandra

Anónimo disse...

Olá!Bom dia!

Passeio o fim de semana a tentar ler alguns postes mais antigos para assim defenir um pouco mais a personalidade do Confessionário. Mas como ele diz nem sempre o que escreve consegue traduzir para o seu dia a dia,por isso a pontuação, independentemente de ser 5,6,7,8,9 é de facto positiva. Gosto da maneira com que ele escreve, a sua maneira de escrever entre linhas, existe algo sempre a mais nas suas frazes.

"Há cumplicidades que de tão valiosas não conseguimos avaliar." Esta é uma delas.

O oculto do confessionário é uma maneira de nós que estamos deste lado, conseguirmos dar as nossas opiniões sem existir um certo medo.E penso que da parte dele tambem se sente mais á vontade assim .Se alguem tivesse a indiscrição de dizer a verdadeira identidade do Confessionário, todos estes momentos incriveis desapareciam, toda esta cumplicidade, e boa desposição acabava.

Continua a ser a pessoa que és, mesmo naquelas vezes que não tens coraguem para pores em pratica aquilo que escreves.

Um Abraço!

Alexandra

monge disse...

Qual será a penitência, padre?

Anónimo disse...

Então o melhor será não insistires

Anónimo disse...

Ola, a todos os que visitam este confissionario, ha muito que aqui venho mas é a primeira vez que vou comentar.Na minha opinião,um padre como qualquer outra pessoa, não somos nós a avaliar,mas sim Deus, ELE, e só ELE,têm esse poder.Mas não é por isso que deixamos de ter a nossa opinião,este ano na minha paroquia houve mudança de padre,quem veiu não tem nada a ver com quem estava,em nenhum aspecto,as homilias do padre anterior eram uma verdadeira catequese,agora se vamos"vazios"saimos ainda pior,nunca desejei tanto ouvir"creio em um....",isto a homilia,quanto ao resto,o outro padre era uma pessoa que se encontrava na rua falava com todos,era uma forma de envagelizar,cativar, chamar pessoas pra missa,até a praticar o seu desporto favorito,ele envagelizava.Hoje o nosso padre só o conhece quem vai a missa ou a algum funeral,não estou a exagerar,estou a dizer a verdade.Mas como eu disse no inicio só Deus,pode avaliar,e se esta foi a vontade D´ELE,só nos resta aceita-la,como me disse alguém, pior seria não ter nenhum.Mas nem por isso deixei de ir a missa,porque não vou por o padre mas sim por Jesus,nem deixei de fazer o que fazia,e ás minhas crianças incentivos a irem,e passo-lhe a mensagem que não é por o padre, mas sim por Jesus que lá vamos.Só quero dizer a nossa irmã,MJD,que também eu passei por uma experiência má, não por motivo de doença, mas porque perdi uma pessoa muito querida,na altura não acreditava em nada, em matéria de religião era uma ignorante,também andeei perdida, sem rumo,mas um dia ELE, veiu ao meu encontro, como o pastor á procura da ovelha perdida,e encontrou-me, e eu encontrei-me,Graças a Deus,que ELE veiu,a partir daí a minha vida tomou outro rumo.
BJO, grande amiga lembra-te que Ele está sempre connosco.A todos os que por aqui passam,um abraço grande em CRISTO, E SUA MÃE

Anónimo disse...

Olá!

Prometo que vou tentar não fazer comentários brincalhões sobre a tua pessoa. Senão um dia destes levo com mais uma serié de anonimos em cima(que nem nome têem...Ahahaha).

Um abraço para ti, um beijito para o anonimo sem nome, que talvez até seja um pseudónimo de alguem...

Alexandra

Anónimo disse...

Querida Alexandra,
Por acaso os tais anónimos, ou o tal anónimo até tem nome, eu falo por mim, qndo fiz o comentário a falar nos (possíveis) objectivos das tuas perguntas... apenas me esqueci de assinar, quanto ao outros comentários de anónimos ou "pseudónimos de alguém", como lhe queiras chamar, não sei, nem tão pouco estou interessad...

Não foi minha intenção ofender até pk pedi de imediato desculpa, antes de iniciar um comentário. Penso que este espaço, como qualquer outro blog está aberto a comentários/ opiniões, a não ser que o "eupadre" assim n queria...

SE te incomoda assim tanto esses anónimos, deves te dirigir a eles, uma vez q não sabes o nome tens a hora do comentário e como tal diriges-te a eles e não a falar para o confessionário, mandando bokinhas...

Ah, e um concelho... ter nome ou não é indiferente, neste aspecto, pois ninguém te garante que quem o ponha o diga na verdade... Mas será q esta gente não entende o mundo virtual? Oh my God...

Bem, como não kero seguir pelas indirectas...

É Cátia... Satisfeita?
E por mim faz os comentários k quiseres, quem sou eu para julgar? ai senhores... é preciso ter paciência... Rir faz bem a todos...

Enfim... quem não entende uma breve explicação... etc etc

E acabo por aqui... nem sequer respondo mais a esse tipo d cmtario...

foi só para provar q o não assinar não foi sinal de não querer revelar o nome!

Anónimo disse...

Olá!
Desculpa Catia se te ofendi, com a estória dos anonimos, mas eu gosto mais de tratar as pessoas pelo nome.
Um beijito grande, fica bem.
Quanto a si , confessionário espero que ainda tenha pachora para nos aturar. Um abraço.

Alexandra!

Anónimo disse...

eh eh tudo bem...

Bjinhoo

Anónimo disse...

ola boa tarde.
No comentario que fiz a 1 de julho,enganei-me quando disse MJD,era para dizer MJG. As minhas desculpas.
Boa tarde a todos que por aqui passam.
Um abraço em CRISTO

Moisés disse...

Esse texto me fez pensar muito. Como estamos sempre cobrando de nossos padres, tentando amoldá-los aos nossos gostos. É preciso amá-los mais e rezar para que Deus sempre os ampare.

Se puder, visite o Miles Ecclesiae:

www.milesecclesiae.blogspot.com

Paz e bem!

Anónimo disse...

Surpeende-me a maneira como os padres estão a ser "avaliados" neste blog. Só posso estar de acordo com o Monge. Na minha paróquia o nosso estimado Sr. Padre, não deve sequer colocar esta questão de "como está a ser avaliado". Ele sabe fazer muito bem o seu trabalho de Pastor. Pena que outros colegas (Srs. Padres) não façam o mesmo. Dêm prioridade ao modo de vestir, sorrir muito, carreirismo,etc.stc. etc. E a palavra de Deus? E os jovens cada vez menos nas igrejas? Não será também falha na maneira como estão a ser Padres?
Um abraço

Miser cordis disse...

O padre, não é a vela qe sopra em todos os ventos, mas acompanha-os impenetrável a eles, porque não procura agradar, mas Ser. O simpático não será melhor que o antipático, nem o disponível que o indisponível, nem o bom pregador que o pior... Um bom padre é aquele que consegue ser recto à sua consciência na relação com Deus, quer o amem, quer o odeiem ... Ninguém o avalia, ele avalia-se a si mesmo pelas directrizes íntimas de Deus e com Ele.

Crónicas disse...

Cá está um artigo muito pertinete. Não conhecia o seu blog, gostei muito. Relativamente ao artigo parece-me que de uma forma engraçada, consegue transmitir os sentimentos que se geram á volta dos padres, particularmente os das paróquias. em minha opinião um bom padre mede-se pela sua bondade,pela sua justiça, alegria, amor, caridade, cultivando a amizade, no fundo com aquilo que Jesus nos ensina e que sempre nos solicita.

guita disse...

Olá...
Não posso deixar de dar a minha opinião!
Confesso que já fui mais presente na eucarístia do que sou hoje.
Mas desde bebé que lido directamente com padres. A minha mãe enquanto solteira foi criada em casa de um e quando nasci eramos vizinhos da casa paroquial.
Na paróquia onde vivi durante muitos anos tivemos um padre agradava a Gregos e Troianos. Conseguiu levar muita gente á missa que antes nem se aproximava da Igreja e conseguiu dinamizar a o grupo de jovens de uma forma excelente. O padre Anibal na altura tería á volta das seus 40 anos.
Foi transferido para outra paróquia dentro do concelho de Torres Vedras e a nós membros do grupo de jovens disseram-nos que o futuro padre era 1 "puto" de 28 anos!!! Foi a loucura pensámos nós erradamente. Tinhamos 1 reunião mensal, q incluía jantar partilhado e depois discutiamos temas diversos. Mas a coisa corria tão bem q qdo se olhava p o relógio já eram 2 da manhã.
A 1ª reunião com o novo padre que confesso não me lembro o nome do Sr., foi o dissecar os panfletos que são dados no fim da misse e q mto pouca gente lía. Foi tão interessante que quase todos (incluindo eu) íamos adormeçendo!
O sr quis impor-se e pelo que vi durante o pouco tempo q ainda vivi na paróquia e não soube fazê-lo.
Foi demasiado rigoroso...
Acho q fui mesmo a 1ª p quem o sr olhou atravessado, pq fui frontal com ele ao dizer q iría faltar a 1 evento q iria ser feito. Outros não estiveram presentes por razões de saude (desculpa apresentada) mas curosamente encontrámo-nos todos no mesmo local...
Mas quanto mais batemos no peito e dizemos que somos muito católicos, mas erros cometemos!

Acabei por fazer 1 texto enorme... lol

Anónimo disse...

Nota prévia: Prepositadamente não li os comentários para não ser influenciado. Comento unicamento os argumentos do texto com um simples exemplo.
Quando nos meados dos anos sessenta tinha a disciplina de Religião e Moral (na altura 1º e 2º anos) tive no 1º ano como prof um padre que falava, falava de textos do evangelho e outros mas a turma propositadamente não lhe ligava nenhum. No 2º ano, outro prof e outro padre. Este de assumir um papel de catequista, lançava questões para turma que eram escritos no quadro e nas palavras e ideias dominantes da época e a turma era envolvida em participações muito activas.

Como é óbvio, este 2º padre, foi de facto um elemento galvanisador de miúdos e que os punha duma forma hábil a discutir questões tanto de moral, de religião, sociais, etc. Muito contribuiu para nos ensinar a pensar. Deixou-me muitas e boas recordações.

O 1º padre perante uma plateia de indiferença não teve a habilidade ou flexibilidade suficiente para transmitir o quer que fosse a alunos seus, quer de religião e de moral. Julgo que foi uma pura perda de tempo.

No contexto da questão muito simples, a resposta já não é.
Se a missão do padre é de ser prior numa terra, pretende-se que tenha capacidade de liderança no lançamento de projectos que envolvam os paroquianos, de oratória para passar a mensagem. Se o padre for um missionário, àquelas ainda são necessárias mais qualidades dirigidas ao desenvolvimento de simples projectos de desenvolvimento social. Mas se a função do padre é de escritório as qualidades requeridas serão necessáriamente outras.

Mas, retenho a minha experiência das disciplinas de Religião e Moral. Não digo que o 1º foi um mau padre, não tenho esse direito. Mas eu, no lugar dele, procuraria despertar a atenção dos miúdos e ouvi-los e depois com criatividade faria passar a menssagem. Esta não pode de maneira nenhuma ser transmitida rigidamente contra a maré, mas aproveitar essa força com inteligência e transmitir algo de novo, naturalmente adaptado à época. E então transmitir coisas novas e o que não foram e continuam ainda a ser os evangelhos ?
Fernando Gonçalves