terça-feira, janeiro 27, 2015

Amizades especiais

Soube ontem que tenho quase dois mil amigos. Conto-os como conto as horas que passam. Mais uma e já foi. São os amigos que se contam em fotos de comida, de animais, de coisas que se vêem e guardam em fotos. São amigos que partilham o que os amigos partilham. E dizem que gostam sem apreciar-lhe o verdadeiro gosto. É só para dizer que vi ou que li. Tenho quase dois mil amigos no facebook. Gente que entra e sai pela internet, numa rede que socializa muitas banalidades do ser. Tem coisas boas, claro que tem. A magia da divulgação e da partilha. A força do encontro e do reencontro. A forma fácil de dizer ao outro qualquer coisa. Isso é muito bom e por isso tenho e uso esta rede social.
Mas ontem chegou-me um convite especial. São raros os convites que faço. Estou lá com as minhas fotos escarrapachadas porque um dia tive de entrar para ver algo que não poderia ver noutro lado. E lá me fiquei. E assim recebi o convite de uma jovem que não conhecia ou que não me lembrava de conhecer. Mas como na nossa vida de padres passam tantas pessoas que não conseguimos reconhecer facilmente, aceitei o convite. Poderia, inclusive, ser alguém com uma necessidade especial de me contactar ou de contactar um padre. Veio depois um Olá. E outro. Um dia após outro. E um “és super giro, parabéns”. A declaração inóspita levou-me a perguntar-lhe que desejava, e respondeu que me queria conhecer. Conhecer. Mas conhecer-me através do facebook?! Ainda por cima depois daquela declaração?! Questionei-a do acto de conhecer através do facebook, pedi desculpas mas tinha coisas mais importantes para fazer e desejei-lhe as maiores felicidades. O que mais me intrigou foi o nem se ter dado ao trabalho de perceber que eu era padre. Ou se calhar até deu. O que seria ainda mais intrigante. Ou então sou eu que no facebook sou pouco padre. Ou então eu não sei socializar no facebook .Ou então esta rede social tem possibilidades que eu desconhecia. Ou então não sei que diga. Onde irá parar este mundo social que é virtual?

15 comentários:

Anónimo disse...

Gosto.
Olá!
Olá!
Olá!
Podes pôr aqui um poster teu? (Intenção séria: é só para saber se mereceste os parabéns!)

Paula disse...

Não sei se ela sabia que era padre ou não. Apesar de não ser algo que se note ou que se veja. Eu própria já estive à conversa com um padre sem saber que era padre. Só quando terminei é que me disseram:
-"sabias que ele era o pároco, não sabias, Paula?

e eu fiquei admiradíssima porque nunca me tinha acontecido tal coisa. nem pensei que isso fosse possível. sublinhe-se que falei com ele ao vivo e junto a uma igreja. ainda hoje se riem desta situação. e o pároco nem se apercebeu afinal eu só agi como faço sempre muito próxima sorridente como se o conhecesse há muito tempo e agradecendo-lhe pela ajuda na vigília.

com isto não pretendo desculpar a menina que o abordou, de todo. acho até que hoje em dia é muito usual adicionar pessoas que achamos bonitas e por conversa com o objetivo de conhecer mais pessoas ou até arranjar namorado. e acho horrível. tenho colegas minhas que o fazem. compreendo a necessidade e a carência mas nada ultrapassa uma conversa, um café olhos nos olhos.

Confessionário disse...

28 janeiro, 2015 10:51

Essa dos "parabéns" foide facto a parte mais agradável do contacto. heheheheh

Eu Eu disse...

Confesso que esta situação ainda me fez rir um pouco de tão estúpida que é...
Isso que aconteceu consigo, só vem fortalecer ainda mais a realidade dos jovens de hoje. Digo jovens, mas não sei que idade você ou essa pessoa tem, e isso, não me é relevante para esta reflexão. Acontece que hoje em dia, e tal como disse, este episódio só vem confirmar,as pessoas não socializam sem ser pelas redes sociais. Não saem, não vão ao café (e quando vão estão agarradas ao telemóvel), não têm intuito de cultivar uma amizade, e quem sabe daí brotar amor. Infelizmente, cada vez mais se procura namorado, não pela pessoa que é, mas pelo físico. "És muito giro. Posso conhecer-te?" Mas que raça de sociedade é esta? “és super giro, parabéns”. Posso conhecer-te?! Ora vejamos... os psicopatas, pedófilos, por exemplo, também podem ser muito giros e no fundo, não têm quaisquer valores humanos. Será que é só o físico que interessa? Então e os gostos comuns? Então e a personalidade? Onde fica tudo isto? Onde há lugar para conhecer o "eu interior" do outro? Não há... é mais importante que seja giro e depois me maltrate física ou psicologicamente, por exemplo?? De que vale chegarmos a uma pastelaria e estar lá um lindo bolo com morangos e chantili, se depois ao partir-mos os morangos estão todos estragados?? Faço suas as minhas palavras: "Onde irá parar este mundo social que é virtual?"

Anónimo disse...

Eu como sou mesmo bota-de-elástico resisti até à última em aderir ao facebook. Fi-lo recentemente pelas mesmas razões que as tuas: necessidade. Fotos minhas, poucas. De amigos meus, só as que eles próprios já anteriormente tivessem publicado. Comecei por aceitar os pedidos de amizade dos que conhecia verdadeiramente. Depois alarguei aos que que conhecia de vista ou que não conhecia mas que acompanhavam o pedido de uma mensagem original ou invocavam um interesse comum ou uma qualquer relação de proximidade. Em muitos casos: erro. Tzzzzzzzzzzz… melga facebookiana! Mal abres a página e lá vem uma mensagem dos que estão permanentemente ligados, e depois outra e outra… é para ir tomar café às tantas horas, para ir ao cinema, e ir ali e acolá, e como estás, e como correu o dia, e a hora, e o minuto, hoje passaste por mim e nem um olá…. Onde? Como? Irra! Se não respondes és mal-educada, se chutas para o canto não estás bem-disposta, se eliminas és arrogante. Pelos vistos isto é um lugar-comum. Portanto, dá para ver, que o facebook, tal como o mundo virtual em geral, é um autêntico desinibidor de comportamentos, onde se encostam muitos dos nossos desempregados, reformados, solteiros, viúvos, divorciados e mal-casados. Jovens, velhos e de meia-idade. Há melhor lugar para dar aso à fantasia do que num mundo de fantasia? Por isso não me espanta nada o episódio que aqui contas. Até tem o seu quê de engraçado. Hoje tenho o triplo de “amigos” pendurados, relativamente aos “amigos” aceites. O facebook tem vantagens? Tem, imensas. É como tudo. Por isso é que ainda lá estou. Mas ainda o que mais me espanta, é o “viver” em função do facebook. Publicar sistematicamente o que se veste, o que se come, onde se vai, com quem se sai. Estou plenamente convencida que há muita gente que só veste aquilo, come aquilo, vai ali ou sai com aquele ou aquela para ter matéria para publicar. Para poder mostrar aos seus “amigos” do facebook. Actualmente, há quem viva para alimenta uma página virtual.

Eu Eu disse...

Esqueci um ponto!
Isto para nem sequer falar de que nem se importam, muitas vezes, se a pessoa é casada ou não, se é padre ou religioso, ou que papel exerce na sociedade... não!! o importante mesmo é que é giro..

Anónimo disse...

Razão têm a minha mãe(com 80 anos)que desconfia e diz que não quer nada com o "buca".

CarpeDiem disse...

A atitude dessa jovem é o reflexo da juventude dos dias de hoje. A forma de abordagem, para além de absurda, é incompreensível. Não faço ideia da idade da mesma, mas de qualquer modo, conforme o abordou a si, abordaria qualquer outro, não sabendo sequer a veracidade das fotos expostas, nem o intuito com que foram publicadas, e claro que, nem todos respondem do mesmo modo! Tentar estabelecer novas amizades através do facebook, não deveria substituir o contacto social saudável fora dele, mas é o que acontece. Imaginar os jovens a procurar nos amigos dos amigos, e nos amigos destes, caras bonitas para querer conhecer!!! Deplorável! Hoje em dia o contacto entre os jovens é feito maioritariamente através das redes sociais. Em muitos casos, na escola já nem são capazes de conversar entre si! Chegados a casa, através do chat, tornam-se outros! Seres capazes e comunicativos! Mas só ali! O facebook tem vantagens, conseguimos à distância de um click seguir os amigos mais próximos e rever os antigos, mas também tirou muitas outras coisas, mais autênticas e igualmente necessárias!!! Sou apologista que se deve aceitar como amigos, apenas os meus amigos ou conhecidos muito próximos! Nada mais!

Anónimo disse...

Pois é "numa rede que socializa muitas banalidades do ser. " encontramos ou somos encontrados pelos mais diversos devaneios.
Retirei definitivamente uma página pessoal da internet porque recebia comentários constantes de uma mulher brasileira, a avaliar pela forma de escrita, a dizer-se apaixonada por mim, que sofria porque eu era cobarde e não assumia que também gostava dela.
não publiquei os comentários dela nem quaisquer outros. Utilizou todos os esquemas possíveis para saber quem eu sou, ah! ainda cheguei a dizer-lhe que sou mulher, mas não adiantou de nada os comentários cada vez mais intensos continuaram.
Irritei-me e apaguei a página definitivamente.

Enfim é um mundo virtual que quando usado superficialmente pode deturpar a mais pura das intenções.

Escrevo muitas vezes neste espaço porque me encontro num meio algo hostil rodeada de muitas pessoas mas com as quais não tenho à vontade ou confiança para "desabafar" e neste sentido este teu espaço tem servido para eu me ouvir e te ouvir.


Anónimo disse...

Será que a febre dos contactos cegos atingiu apenas a “geração facebook”? Estes estão na net como peixes na água. São simples e directos nas suas abordagens: vão ao que vão. Quase inocentes, na sua imaturidade. Se não lhes estenderem a rede, somam e seguem. Mas os outros, os que já perderam a frescura da juventude, não os procurarão também? Se calhar com mais avidez e melhor enredo!

Ana Melo disse...

“ordenou-lhes que nada levassem para o caminho, senão apenas um bordão; nem pão, nem alforje, nem dinheiro no cinto; mas que fossem calçados de sandálias, e que não vestissem duas túnicas”. Acho que foi são Marcos que ouviu da boca de JESUS CRISTO.

Não deixe de percorrer também esse caminho.

Anónimo disse...

Eu cá também sou da opinião que há padres bem engraçados e isso não deveria ofender ninguém. Alguns até são bem interessantes e sedutores, mas isso não quer dizer que tenha outras intenções ou que ande para aí a "desencaminhar" párocos virtuosos! Sou mulher e gosto de homens. Gosto de olhar, de apreciar a forma como se comportam, como falam, como reagem, de saber do que gostam e o que pensam. Será que não posso olhar para um homem que seja padre? É que, a julgar por alguns comentários, parece que apreciar um homem que é padre é pecado mortal! Oh dó!!!



E será que os padres também não apreciam secretamente as mulheres?

Confessionário disse...

09 fevereiro, 2015 22:01

ainda bem que há padres "engraçados", pois para esta vocação não há requisitos de serem "feios".heheheh... e às vezes a palavra pode ser iluminada!
Podes olhar para os padres apreciando a sua beleza e postura. Não convém é fazê-lo em tom de desejo! E mesmo que se faça, que não seja invasivo!

Anónimo disse...

"Podes olhar para os padres apreciando a sua beleza e postura. Não convém é fazê-lo em tom de desejo! E mesmo que se faça, que não seja invasivo!"
Gostei muito desta afirmação.

Pessoalmente gosto de gente gira bem vestida, cuidada, claro que isto é subjectivo.

Quando falo desta forma refiro-me a uma imagem harmoniosa, que transmite sintonia entre o "interior" e o exterior.

E porque é que a figura do padre seria diferente, antes pelo contrário.

Gosto de ver o padre da paróquia onde moro, tem um aspecto asseado, não veste "Prada" mas transmite uma imagem agradável, isto apesar dos setenta e poucos anos que o homem terá.

Acho que devemos mostrar toda a dignidade que supostamente um cristão deve ter... Não convém é fazê-lo com vaidade.


Anónimo disse...

A minha experiencia de Face Book: apenas amigos do real, depois alguns conhecidos também do real, com moderação, porque se não me dizem olá na rua não é ali que me vão dirigir a palavra..
Uso muito para partilhar pedidos de adoção de animais, descobertas da ciência, critica politica e social, para dedicar atenção especial a algum Amigo (do real) que eu saiba está ali por solidão e também só direcionado aos Amigos de verdade (mesmo que lasque os conhecidos) algumas fotos das minhas viagens, que geram comentários engraçados .. também brinco com as perguntas parvas do FB, do género "estado civil".. já estive uns tempos como viúva e nem um dos meus amigos me deu os pêsames..
Ultimamente tenho recebido pedidos de amizade de homens quarentões ou cinquentões, de tronco semi-nu .. claro que devem-me achar com ar de galdéria .. paciencia, cada um vê os outros a partir dos seus olhos.. de provocadora julgo não ter rigorosamente nada..
Agnostica