quinta-feira, fevereiro 20, 2014

altar [poema 5]

Passo as mãos pela patena
Elevo-a, como a Ti
Carregando-te. Carregando-me.

Passo as mãos pelo cálice
Carrego-o contigo, para Ti
Elevando-me. Descendo-te.

Eu sou padre, Senhor
Mas não sou digno de Ti

7 comentários:

Paula disse...

as suas partilhas trazem-me sempre alegria ao coração. A verdadeira alegria aquela que vem de Deus.

Abraço.

Anónimo disse...

Cada vez gosto mais dos seus poemas, fazem-me rezar. Verdadeiramente.

Gostava de os partilhar, é possível?

Bem-haja

Anónimo disse...

Cada um melhor que o outro.
Mais um momento brilhante.
"Mas não sou digno de Ti"
E quem será digno d'Ele?
Quem ousará julgar-se digno?
É que:
O brilho deste mundo se apaga ante Ti
A glória desta terra nada é
Tudo cai em Tua presença.
Mui Formosa, inigualável é ela
Ó Deus.

Confessionário disse...

Anónimo de 20 Fevereiro, 2014 15:15

Podes sempre partilhar, desde que salvaguardados os direitos de autor isto é, indicação de onde foram tirados. Por isso é que há a possibildade de inclusive serem partilhados no face ou noutra rede social, como consta ao fim de cada post.

Anónimo disse...

indigna é como me sinto nos últimos dias.. a tal ponto de desistir porque nunca serei digna Dele.

Anónimo disse...

22 Fevereiro, 2014 00:22

Não sentes isso há mais tempo?

Anónimo disse...

Anonimo de 22 Fev. 0:22

Porque pergunta? Por acaso sente o mesmo?