sábado, julho 27, 2013

O Papa nas Jornadas Mundiais da Juventude

Não tenho acompanhado muito as Jornadas Mundiais da Juventude. Em tempos garantia a minha presença in loco. Este ano foi diferente. E tenho acompanhado apenas o suficiente. Sinto que ainda nem bebi desse espírito que me levava a andar quilómetros e quilómetros para sentir de forma única a alegria de ser de Cristo juntamente com milhares de jovens e outros cristãos. Mas hoje fiquei preso com as fotografias e comentários que tenho visto estes dias na televisão e nas redes sociais. O Papa. Este Papa que se estreia nas presenças mundiais de fé. Um Papa que se senta como os outros. Que se ajeita nas circunstâncias como os outros. Os homens. O comum dos mortais. Que retira o pedestal que o podia afastar das pessoas, tal como Jesus fazia. Gosto deste guia que guia do mesmo patamar da escadaria onde se encontram os outros. Que guia como quem também está a caminho, a caminhar. Que olha a sorrir para todos sem excepção, do fundo e do cimo dos seus castiços óculos. Mas olha em especial os menos olhados. A preferência clara pelos pobres. Genuíno. Autêntico nos gestos e nas palavras. Não esconde quem é. Não estuda quem deve ser. É de Deus e ponto final. Está ali por Deus e com Deus e ponto final. Não há protocolos que lhe sirvam, mesmo correndo riscos. Ainda que eu ache que isso também arrasta consigo problemas e preocupações. Afinal ele também é o Papa. Mas nota-se que vive, desprendido, a felicidade dos simples cristãos, sem pesos de hierarquia, sem preocupações senão a de ser presença de Deus. O homem é um ser a caminho. O cristão é um ser a caminho de Deus. Este Papa Francisco é um cristão autêntico. Não veste senão a capa da fé. E a caminho aponta o caminho. Excelente exemplo de Deus.

9 comentários:

Anónimo disse...

Deus não liga a protocolos, a ensinamentos e ideias balofas contra o proximo...
Deus não liga aos rituais e palavras só por dizer...
Deus liga aos corações puros e sinceros, aos gestos simples e autenticos, às palavras sentidas e não apenas proferidas...
Porque no final de tudo o que conta é o que sentimos e fazemos e não o que dizemos!
Este homem Papa realmente e acima de tudo, parece ser um grande ser humano e não apenas mais um homem Papa visto como divino ou sobrenatural.
Deus não tem que ser estudado, Deus tem que ser acima de tudo, Sentido!

Moçambicano disse...

Olá, Caro Amigo P.e Confessionário.
Olá a Tod@s.

Tive a "honra" de participar no "embrião" das JMJ, que foi o Encontro de Taizé em Roma, no final de 1982. Uma Experiência que não esqueço.

Relativamente ao Papa Francisco, ele tem consciência dos riscos que corre, dentro e fora da Igreja. Como ao "Poverello" de Assis, ele sabe que Deus lhe pede "Reconstrói a minha Igreja em ruínas".
E por isso dispensa até a habitual segurança. Sabe que, se alguma fatalidade acontecer, a sua Sementeira está feita, e confia, como Jesus, que "outros colherão".

Fortíssimo o seu apelo à Igreja Católica Brasileira, que é como quem diz, à Igreja Católica do Mundo Inteiro:

"El papa Francisco pidió a la Iglesia brasileña reconquistar a los fieles que se fueron con los evangélicos o abandonaron toda religión, en un largo discurso este sábado (27) ante cardenales y obispos del país con más católicos del mundo.

Hay que recuperar a quienes "buscan respuestas en los nuevos y difusos grupos religiosos" y en "aquellos que parecen vivir ya sin Dios", dijo el primer papa latinoamericano, llamándolos a buscar la simpleza y la proximidad en el contacto con la gente.

"Hace falta una Iglesia que no tenga miedo a entrar en su noche (...) Necesitamos una Iglesia que sepa dialogar con aquellos discípulos que, huyendo de Jerusalén, vagan sin una meta, solos, con su propio desencanto, con la decepción de un cristianismo considerado ya estéril, infecundo, impotente para generar sentido", afirmó.

En una clara autocrítica, el papa dijo que "tal vez la Iglesia se ha mostrado demasiado débil, demasiado lejana de sus necesidades, demasiado pobre para responder a sus inquietudes, demasiado fría para con ellos, demasiado autorreferencial, prisionera de su propio lenguaje rígido".

"Tal vez el mundo parece haber convertido a la Iglesia en una reliquia del pasado, insuficiente para las nuevas cuestiones; quizás la Iglesia tenía respuestas para la infancia del hombre, pero no para su edad adulta", señaló."

Felizmente, estas críticas não se aplicam a este Espaço de Partilha, onde há muito tempo o nosso Amigo P.e Confessionário as põe em prática.

Longa Vida ao Papa Francisco!

Um forte Abraço para Tod@s.

Moçambicano

Moçambicano disse...

Alguns dados interessantes sobre os Jovens que estão na JMJ do Rio, segundo um Inquérito realizado pelo Instituto Datafolha (1.279 participantes da JMJ, com uma margem de erro de 3%):

"- El 65 % de los jóvenes consultados defiende el uso de preservativos en las relaciones sexuales y el 55 % considera que el papa debe asumir esa posición.

- Frente a la píldora anticonceptiva, el 53 % aprueba su uso y el 44 % cree que el papa debería tener la misma postura.

En temas como la legalización del matrimonio entre personas del mismo sexo, sólo el 25 % apoya ese asunto y el 21 % es favorable a que el pontífice asuma esa defensa.

- En cuanto a la píldora del "día siguiente", que la Iglesia considera como abortiva, el 32 % la respalda y el 28 % dice que el pontífice debería adoptar esa posición.

- El 54 % rechaza que las mujeres accedan al sacerdocio y el 56 % piensa que esa debe ser la actitud del papa.

- El 64 % está a favor del celibato entre los sacerdotes y el 63 % cree que eso es lo que el pontífice debe defender, mientras que un 75 %, tanto para los propios entrevistados como para lo que según ellos debe sostener el papa, rechaza el aborto en cualquier circunstancia."

Comentário:

- Premissa: Os Jovens que vão às JMJ não são, na minha opinião, uma "amostra representativa" da Juventude Cristã, pois possuem um "status económico" acima da média, o que às vezes também lhes pode dar uma visão um bocadinho "cor de rosa" da Vida.

- Parece-me que os "Jovens do Papa" são mais liberais naquilo que lhe diz respeito a "eles próprios" - preservativo, pílola, etc. -, do que nas questões que dizem respeito a "terceiros", como seja o Celibato dos Padres...

- Interessante o facto de pouco mais de 50% se opor ao acesso da Mulher ao Sacerdócio.

- A "não-aceitação do aborto" deverá, na minha opinião, ser confrontada com a posição favorável ao uso de contraceptivos, sobretudo em Países como o Brasil, em que a esmagadora maioria da População não saberá sequer o que é "Planeamento familiar"... e existe uma elevada taxa de mortalidade infantil (que é tão criminosa, nas suas causas, como o aborto).

Os participantes das JMJ serão os Cristãos do Futuro. Ou a Igreja está consciente de como "eles/as pensam", ou o "divórcio" está garantido, mas cedo ou mais tarde.

Um forte Abraço a Tod@s.

Moçambicano

Ruth Bassi disse...

Caro Padre,
Por razões várias, não segui muito as notícias sobre as JMJ.
Independentemente desse facto, o meu entusiasmo pelo Papa Francisco não é assim tão grande. Considero as suas atitudes demasiado populistas.Embora encante a multidão, o Papa tem muitas outras obrigações, as quais parece estar descurando um pouco, em prol da sua proximidade com todos.
Penso que se espera uma atitude um pouco diferente dum Papa.
Que Deus o proteja e ilumine.
Beijinho
Ruth

HD disse...

Aos bispos da América Latina e das Caraíbas, com quem se encontrou no último dia da visita ao Brasil, o pontífice pediu que sejam "pastores, juntos do povo, homens que amam os pobres e não pensam nem se comportam como príncipes".

"Os bispos devem liderar, o que não é a mesma coisa do que ser autoritário", avisou num discurso em que também advertiu contra o "clericalismo" no qual a igreja projeta uma imagem de poder e de privilégio, cabendo ao leigo orar e obedecer.

Vale a pena pensar nisto....

Anónimo disse...

Boa tarde
"Que se ajeita nas circunstâncias como os outros."
Magnifico este homem comum mas jamais vulgar.
Um olhar ternurento um sorriso encantador autêntico, igual apenas a si mesmo, reflexo do Deus que n'ele habita.
"Apaixonei-me" completamente por esta figura.
Achava eu que gostaria de ver alguém mais novo à frente dos destinos da igreja católica,(não pela idade em si) hoje penso que pouco importa o tempo que dure, importante mesmo é a lição de humildade que ele nos tem transmitido.
Francisco da igreja é o meu Francisco.
PR

Cisfranco disse...

Homem simples e grande comunicador o Papa Francisco! Consegue, e de que maneira, não se deixar abafar pela estrutura. Sente-se como que numa gaiola, mas consegue dizer isso com simplicidade, confessando que gostaria de andar à vontade pelas ruas de Roma, como era seu hábito em Boenos Aires. Os seus gestos e palavras surpreendem constantemente.
Uma joia simples e valiosa que dá o toque de classe ao estabelecimento...

HD disse...

•"Os Bispos devem ser Pastores, próximos das pessoas, pais e irmãos, com grande mansidão: pacientes e misericordiosos. Homens que amem a pobreza, quer a pobreza interior como liberdade diante do Senhor, quer a pobreza exterior como simplicidade e austeridade de vida. Homens que não tenham 'psicologia de príncipes'" Papa Francisco - final das JMJ

HDias

Anónimo disse...

Se o papa pede que deixemos que a nossa vida se identifique com a vida de Jesus, para termos os seus sentimentos e os seus pensamentos como não seria ele o primeiro a fazê-lo? Por vezes parece-me que quase nos distrai com o seu carisma, com o seu humor,mas sem perder de vista o que Deus tem reservado para este Papa(para ele). Cuidado com os (padres) que nos prendem no seu humor ... quando damos conta fomos apanhados! :)