sexta-feira, agosto 12, 2011

A vida está é para os padres

A calçada da minha rua tem muitas histórias. Por ela passam muitas vidas. Passam as pessoas com as suas vidas. Podem passar a correr porque têm muitas vidas. Podem passar a passear porque já tiveram muitas vidas. E eu percorria a calçada da minha rua com as minhas vidas. Ia apressado porque tenho muitas vidas para fazer. Perdoem a insistência, mas é costume ir apressado porque tenho muitas vidas. Já me vão conhecendo como apressado. Os padres, hoje em dia, são quase todos apressados. As pessoas são quase todas apressadas. Mas o Quim faz parte do grupo dos que se passeiam. Anda calçada abaixo calçada acima várias vezes ao dia. Tem tempo, ou porque o arranja ou porque já é assim, para passar, calçada acima calçada abaixo, várias vezes. É um castiço no pleno sentido da palavra. Mete-se sempre comigo como, imagino, se mete com todos os que passam. Ó, padre, a vida está é para os padres. Não deve ter reparado que eu ia apressado com as minhas vidas. Ou então foi o modo que encontrou para se meter comigo desta vez. Já não é a primeira que o faz assim. E repetia. A vida está é para os padres. Não o disse com maldade, porque não tem maldade. Como ia cheio de vidas, achei que devia responder. E fi-lo, sem maldade, mas com muita vontade. Ó Quim, por isso é que há tantos!

11 comentários:

Marina disse...

Que expressão engraçada e resposta melhor ainda. ahah :)

Bom fim de semana!
www.meditandosobredeus.blogspot.com

Anónimo disse...

O homem, sentado no eléctrico, vai a falar sozinho, mas. diz apenas:
— Porra! Porra!! Porra!!!
O condutor chama-lhe a atenção, pede-lhe para acabar com aduela linguagem, porque vão muitas senhoras no eléctrico, mas ele continua:
— Porra! Porra! Porra!!!
O condutor dirige-se a um padre que ia no eléctrico e pede-lhe para convencer o homem a parar com aquela linguagem. O padre vai ter com o homem! Você tem algum problema? Diga lá o que é que se passa, homem.
— Porra! Porra! Porra! Porra! Porra! O padre insiste:
— Homem, diga lá o que é que você tem. Desabafe, homem.
— Olhe, calcule o senhor padre. Eu sou casado. Já tenho quatro filhos. A minha mulher é branca; eu sou branco: e agora nasce-me um filho preto!
— Que grande Porra!?... —exclamou o padre.

Filha de Maria disse...

Amiguito Pe.;

Depende do Padre...
Depende das vidas que carrega... ou não?!

Confessionário disse...

Vou para Madrid... até breve
Rezem por nós

Anónimo disse...

olá

Força aí...

Leve-nos num cantinho do seu coração, dessa forma participaremos todos no grande encontro.

Tudo a correr pelo melhor, é o meu desejo.

Anónimo disse...

Olá conf!

Um beijinho grande para todos vocês que ai estão(Madrid).
Vou tentar absorver essa fé que vos move, mesmo á distancia.
Para ti conf. um grande abraço, vai dando noticias dessa magia.


Alexandra

joaquim disse...

Ó amigo, podias ter-lhe respondido também:

«Ó Quim tira a mão do pudim!!!»

Boa viagem, com um abraço

Rosa disse...

Neste momento, penso que um Padre, dá resposta a muitas situações,e dedicam Suas vidas a «pescar homens» a fazer dos jovens,os homens de amanhã ( futuros)com valores ,antigamente não era bem assim ,eram muito mais distantes do Seu povo

BlueShell disse...

De facto, os padres andam sempre apressados: muitas "vidas", pois eu não sei? Mas com Fé e querer vai-se longe, meu amigo!
BShell - a concha!

D. R. disse...

:) Bela resposta... Mas o Quim não tinha mesmo outra intenção... Apenas meter-se com o senhor padre... ;)

D. R. disse...

Então, padre, como correram as vidas por Madrid? :)

A juventude consegue ser muito comovedora, não é? Ao ver imagens (porque, infelizmente, a vida não me permitiu ir), emociona-se o meu coração. Como os jovens conseguem mostrar aos adulto que ainda há fé, que ainda há jovens na fé, que ainda vale a pena ter fé nos jovens...

Um abraço fraterno.