segunda-feira, março 09, 2009

Um erro não é a vida

O João cometeu um erro. Grave, pode dizer-se. A paróquia foi lesada. Eu fui lesado. Não interessa senão saber que podia ser um caso. No entanto decidi chamar a pessoa à consciência. Chamá-la à verdade de uma existência com verdade. No mínimo dar-lhe a oportunidade de perceber que existiu um erro. Mas que esse erro não é a vida. A vida é o que fazemos com que ela seja motivo para sermos felizes. Decidi escrever e ouvir. Perguntar. Indagar. Decidi esperar. O erro resolveu-se por ele, ou pelo João na procura de uma saída. Mas o António, que assistira a tudo, exigira uma outra atitude do padre.
Senhor António, as pessoas exigem que resolvamos os assuntos paroquiais à maneira humana. Um tribunal. Para um lado os bons e para o outro os maus. Vencer os maus. Derrotá-los. Mostrar quem manda. Mas eu sou padre e portanto deveria ser um homem de Deus, fazer como Deus. Jesus escrevia no chão enquanto à sua volta queriam apedrejar a pecadora. Jesus queria mudar o coração da pecadora e dos outros, tão pecadores como ela. Não pretendia julgar pura e simplesmente. Acho que posso afirmar que a Sua intenção nunca foi a de definir o mal e o bem, ou indicar o que é mal e o que é bem. A Sua intenção era transformar o mal, construir o homem novo a partir de dentro, a partir do coração do homem. Por isso foi chamada da maior revolução, porque não era exterior. E por isso fico baralhado quando me exigem que não faça como Ele. Quando esperam, ou melhor, anseiam, que faça sangue, que faça sofrer quem fez sofrer a paróquia ou o seu pároco. Por muito que às vezes tivesse vontade de o fazer, não consigo. Não tem a ver com aquilo que eu sinto de Deus.

16 comentários:

Carla Isabel disse...

Por isso és padre, para fazeres como Ele!!!!E nós deviamos fazer o memso, mas nem sempre conseguimos!

Bjs

Antonio Valerio, sj disse...

É esta atitude que no fim acaba por ser o maior testemunho, uma justiça que acaba por ser mais exigente que a do tribunal,porque descobre mais profundamente a verdade das pessoas e das relações. Obrigado por o recordar!

fatima disse...

Apoiado Sr. Padre. Procuremos a reparação, o arrependimento e a emenda. Tribunal e condenação não. Este é o caminho do mundo. O seu é o de Deus. Dá vida. O do mundo apenas um episódio que pode até vir a ser contraproducente.

Ana Patrícia disse...

Alguém um dia me manda esta mensagem: " O mal é para combater, o mau para perdoar."
Toda a gente se faz com o propósito de combater o mal, mas a dificuldade está em perdoar...
Beijinho sereno e muita coragem para resistir às "justiças" menos boas!!!

CrisR disse...

E acho que faz muito bem padre...um erro não faz de nós eternos errantes! E não é preciso escandâ-lo para que a pessoa se sinta julgada no seu erro.
Digam aos seus paroquianos e para si também se ainda não leu, que leiam "Os segredos do Pai Nosso" de Augusto Curry, e de lá poderão ver que Deus é acima de tudo um Pai, e não um carrasco.

Amantes da Contemplação disse...

Padre:

A história prima pela ambiguidade necessária que nos esvazia a opinião vinculativa a formular...

Contudo, pelo relato, forma e adjectivação afigura-se-nos não ser uma pena leve!

Ele atento responde-nos. Vejamos:

(...)Sede misericordiosos como o vosso Pai é misericordioso.»
«Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados.
Dai e ser-vos-á dado: uma boa medida, cheia, recalcada, transbordante será lançada no vosso regaço. A medida que usardes com os outros será usada convosco.

Eis a resposta daquele que tudu vê e a todos Ama...

concha disse...

Neste momento vivo a situação de uma família refugiada de Timor,na chamada pobreza envergonhada.Muitos frequentadores da igreja conhecem bem esta situação. Pois só ouço acusações contra os filhos que deviam trabalhar, que deviam isto, que deviam aquilo.Há pouco tempo do Centro Social até cortaram o almoço que levavam diáriamente, com o pretexto de que faltava entregar alguns documentos supostamente muito importantes, para que a senhora assistente social ficasse descansada que pela sua parte a burocracia estava toda em ordem.
Esta é mais uma prova que a maioria dos católicos procura cumprir com a lei no que respeita a idas á missa, etc.Mas depois acusa e permanece afastado de todas aquelas situações que fariam aproximar Jesus.E sempre que alguém tenta inverter esta situação é sempre olhado de lado.
Por isso Confessionário siga o caminho que Ele fez na Terra e os outros que vão comentando nos seus grandes egos.
Um abraço e força para os enfrentar no seu dia a dia.

Anónimo disse...

"Amar a pessoa e condenar o erro"

Peço com a maior facilidade perdão quando me apercebo dos meus erros. E faço-o com total sinceridade. No entanto, perdoar já é mais complicado. Quando me magoam fica a doer tempo de mais... É, talvez, uma das minhas grandes fragilidades:(

Bj

bunny disse...

Aquilo que mais magoa na Igreja de hoje é ver padres que se fastam cada vez mais do modelo de Cristo, quew seguem cada vez mais o lado humano, com todos aqueles maus sentimentos que sao inerentes à condiçao humana...vingança, odio, hipocrisia...

Cefas disse...

Concordo consigo senhor Padre.

Por vezes quando nos prejudicam de alguma forma, os nossos instintos são logo para condenar a pessoa, para fazer um escândalo... mas como disse e muito bem o senhor padre "Um erro não é a vida".

E por isso acho que a sua atitude (imitando a Jesus, que é o que todos devíamos fazer) foi a mais acertada.

Abraço a todos.

ainat1987 disse...

Quem é que nunca errou na vida? saber perdoar é um grande dom...

Anónimo disse...

Padre.

Nunca um post foi tão elucidativo. Ainda está a tempo. Arranje uma moçoila, faça dois filhos (pelo menos) e aproveite a vida, (segundo dizem são dois dias).

Abraço.

Zeca Portuga disse...

Anónimo:

Passei aqui por mero acaso, e talvez nem volte...

Mas, independentemente de eu ter algo a ver com isso ou não, acredite que me aborreceu a sua atitude. acheia um pouco cretina.

Percebo que não é católico, logo não percebo porque se esforça em dar mas vistas no blog de um padre católico.
Tudo tem o seu lugar, o seu tempo, a sua oportunidade.
Esquecer ou contriar
isto é uma forma de mostrar a debilidade e a avidez de atenção.

No fundo, parece-me um mendigo a bater à porta do padre. Mas, não creio que seja dessa forma que ela se abre.

Quando eu era miúdo, haviam muitos pobre pedintes na minha aldeia. Uns chamavam insistentemente à porta, tornavam-se chatos a ponto de os meus pais não lhes darem nada. Outros, nem chamavam: Ficavam à porta a rezar alto. Quantas vezes os meus pais os mandaram entrar e almoçaram conosco!!!

A maneira como nos recebem, depende da forma como batemos à porta.

Eu não bati à porta, estava só de pessagem.

Confessionário disse...

Zeca Portuga, és muito bem vindo!! A porta está aberta.

Ser, simplesmente disse...

Padre,
E quem nuca pecou? Quem não erra ao longo de todo o percurso?
"Quem nunca pecou que atire a primeira pedra..."

Já se ensina ao pequenitos na catequese... não é mesmo?

Sim... por muito que custe é com os erros que na maior parte das vezes aprendemos as mais importantes lições...

É preciso perdoar, e continuar seguindo o "nosso caminho"...

Pois, todos nós, ao longo do percurso podemos encontrar um pedrita ou outra (eheh)...

Há- que decidir se, por um lado, nos deixamos intimmidar ou se, superamos o obstáculo!

Podemos não fazer julgamentos, como acabei de dizer, nos também não somos perfeitos, mas se ajudar, uma conversa, ou um alerta as vezes penso que não fará mal...

Um abraço,
Flor

sónia disse...

Gostei mto da frase:

"A vida é o que fazemos com que ela seja motivo para sermos felizes".

Uma grande lição!