segunda-feira, junho 26, 2006

Levar com alegria o sofrimento?

Foi um dos meus Ministros Extraordinários que me abordou. Um doente amigo chegara do Hospital, mas não queria comungar sem antes eu passar por lá para lhe dar uma forcinha. Foi mais ou menos assim que falou.
Encontrei-o sentado. Olhos vidrados, no espaço, na dor, na vida. Amarelos, como o resto da face. Pijama vestido. Sofrimento vestido. A olhar para mim com uma alegria estranha, no mínimo, porque o sorriso era distante. No meio da conversa difícil pelos monossílabos constantes, a dor estava sempre presente. Não aguento. Bem peço a Deus, mas não aguento. Que hei-de fazer? Diga-me, padre. Eu respondi, primeiro em silêncio. Depois com coragem. Que hei-de eu dizer? Que se pode dizer? Não tenho muitas palavras. O que pudesse dizer não lhe retiraria as dores. Mas de uma coisa estou convencido, disse. Tudo na vida se leva melhor com alegria. Será mais fácil levar o sofrimento com alegria. Pesa menos. A alegria retira uns quilos de falta de força. Eu costumo dizer que devemos procurar a felicidade com o que temos. A felicidade que se procura com o que queremos ter é mais difícil alcançar. Se Jesus nos quer ver felizes e nos permite sofrer, é porque no meio do sofrimento também podemos ser felizes. Imagino que seja difícil. Mas penso que é possível. Vai tentar? Vou, respondeu, passado um tempinho de reflexão. Ficou melhor? Fiquei. Mais rápido respondeu.
No final, ficou a brincar com um coração de borracha que alguém lhe tinha oferecido.

24 comentários:

Anónimo disse...

Se a nossa cabeça não estivesse tão cheia das coisas mundanas...
se esta nossa fragilidade não nos tornasse tão piegas...
se o nosso despegamento da carne estivesse ao nosso alcance...
enfim, um sem número de "ses", e
poderiamos elevar constantemente o nosso espírito e pensar naquele Cristo que se ofereceu voluntáriamente para sofrer a morte na cruz para que nós tivessemos Vida. Assim, o nosso sofrimento não se tornaria tão mais pequeno? Mas, tenho muito respeito e amor por todos os que sofrem, incluindo a minha velha mãe, a minha "princesa" com 93 aninhos.
Abraço.Filó

cvj disse...

"Vive na alegria e o resto virá por ascrescimo. Cada vez mais me convenço que é verdade.
Um abraço.
Leonel

Anónimo disse...

Amigo Padre, que difícil ... Realmente o que dizer, o que falar diante de tal sofrimento... Como confortar um coração aflito e sofrido ???
Não tenho entrado no blog ultimamente por pura falta de tempo, mas senti saudades, senti falta de suas palavras ... Então, hoje li suas duas ultimas mensagens, que ainda não havia lido e elas me emocionaram muito, me fizeram parar para refletir sobre a vida e a missão importantíssima que cada um de nós temos, embora achamos que não, que não temos uma missão alguma, diante do que li, eu realmente me convenci que nada é por acaso, que às vezes sem querer damos uma palavra amiga, uma palavra de conforto a alguém que precisa, sem sentir, quantas vezes alguém que não conhecemos começa a falar conosco de sua vida, de assuntos que achamos sem nexo algum, isso aconteceu comigo hoje por duas vezes, duas pessoas, em lugares e horários diferentes, do nada começaram a falar de seus problemas e eu pacientemente escutei, nada podia fazer para ajudar, para melhorar suas aflições, mas eu fico agora feliz, porque dei o melhor de mim, dei meu ouvido, minha atenção, minha sincera ajuda silenciosa, ou seja, minha prece à Deus ... Acho que devemos ficar mais atentos com a necessidade do outro e também com nossas atitudes... Realmente, não estamos nesse planeta, nesse mundo à passeio ... Temos muito trabalho a fazer ... Pecisamos ajudar-nos uns aos outros para construirmos um mundo melhor...
Fátima - Brasil

Anónimo disse...

Ah! Aproveito aqui um pequeno espaço para parabenizar todos os Portugueses pela vitória contra a Holanda no domingo. Aqui no Brasil foi uma torcida e tanto, parecia até que era o próprio Brasil que estava jogando. Depois do sofrimento durante o jogo, foi uma festa de comemorações. Até o padre na missa das 18 hs de domingo parabenizou todos os Portugueses presentes à missa pela vitória ...
O Felipão, atual técnico de Portugal é muito querido aqui ! E a torcida continua ...

Fátima

Joana disse...

Não aguento. Bem peço a Deus, mas não aguento. Que hei-de fazer? Diga-me, padre?

Sorrir!
(É apenas uma sugestão de quem está de boa saúde, não é?)

...na verdade, Ele não sorriu: "Pai, porque me abandonaste?".

:)

Anónimo disse...

Alguns dizem: " A alegria é maior que a tristeza", e outros dizem: "Não, a tristeza é maior".
Porém, porque não dizer que elas são inseparáveis?! Vêm sempre juntas, e quando uma está sentada à nossa mesa, a outra dorme em nossa cama. Em verdade, estamos suspensos como os pratos de uma balança entre nossa tristeza e nossa alegria... Quanto mais profundamente a tristeza cravar a sua garra em nosso ser, tanto mais alegria poderemos conter ... (Kalil Gibran)

Fátima - Brasil

Paulo disse...

São palavras assim, ditas do fundo do coração, com amor e fé, que nos faz caminhar em direcção a um mundo melhor, em direcção a Deus. Quem não gosta de as ouvir quando a vida já não parece fazer sentido ou quando o sofrimento parece não acabar?

LM disse...

Gostei de ver este tema tratado: o sofrimento.
Mas uma sugestão: Jesus permite o sofrimento ou sofre connosco?
É aquela questão do sofrimento redentor...

Fá disse...

Padre
Pedir para aceitar, com resignação, o sofrimento (digo, algum sofrimento) percebo... Tenho um caso na família em que isso acontece com uma naturalidade que comove. Pedir para sofrer com alegria já é demasiado... Cristo sofreu mas sem alegria...
Demorei tempo, mas hoje não tenho dúvidas de que o sofrimento faz crescer. Já não consigo aceitar que, mesmo quando se manifesta de forma atroz, possa ser sinal de Amor... Aí ainda não cheguei! Para mim é um mistério... e estou longe de o decifrar!
Um abraço

jmexia disse...

O sofrimento é realmente algo com que por vezes é muito dificil lidar, mas que vivido em entrega é fonte de graças e de crescimento.
No Renovamento Carismático Católico e com certeza noutras espiritualidades da Igreja costumamos louvar a Deus pelos nossos próprios sofrimentos, o que nos conduz a uma paz e aceitação da provação, que muitas vezes se concretiza no alivio desse sofrimento, pela graça de Deus.
Já hoje escrevi esta passagem noutro lugar:
«Agora, alegro-me nos sofrimentos que suporto por vós e completo na minha carne o que falta às tribulações de Cristo, pelo seu Corpo, que é a Igreja». Cl 1,24
http://queeaverdade.blogspot.com

Paulo de Tarso disse...

O sofrimento... nem sempre o físico só é que dói. Encontrar aí luz, força, alegria é o único meio de usar essa pedra para continuar a caminhar, para caminhar mesmo.
Afinal a salvação que Ele nos trouxe não é esta possibilidade de se transformarem em sinais positivos todas as coisas do caminho. Nós não o faremos sós, mas, ainda hoje a Deus nada é impossível!

Paulo de Tarso disse...

Já agora uma sugestão, visitem o ad amorem em:
www.atreve-t.blogspot.com
Tem lá um post que vale a pena ler.

A Capela disse...

É bem dicífil falar-se de sofrimento, encontrar-lhe razões e aceitação. Quanto mais consolar quem sofre. Que difícil, padre sofre mesmo...
Para não ser longa aqui, deixei um postal dedicado ao confessionário, sobre uma experiencia minha e como agora vejo com outros olhos esses momentos difíceis.
Abraço, Malu

migalhas disse...

Com alegria e sem sofrimento, aqui vai um abraço de amizade, neste dia, passados dez anos.

O Micróbio II disse...

Só quem não sabe o que é a verdadeira alegria refere que esta está isenta de sofrimento...

Pdivulg disse...

Vou meditar nesta frase que para mim encerra muita informação: "Se Jesus nos quer ver felizes e nos permite sofrer, é porque no meio do sofrimento também podemos ser felizes."

mi disse...

ando há uns tempos a pensar no SOFRIMENTO EM PAZ, sem revolta, com aceitação.

agora, o Confessionário fala-nos de SOFRIMENTO COM ALEGRIA.
parece-me mesmo heróico!

acredito que seja possível, mas não é para todos!

BLUESMILE disse...

Um Livro que aconselho.


"A inutilidade do sofrimento" de MSARIA DE jESUS ÀLAVA rEYES.

A Capela disse...

Há vários tipos de sofrimento. Há portanto uns, que nos caem como verdadeiros 'favores' divinos, na altura certa e que praticamente são respostas esperadas, que então, aceitamos com alegria mesmo.

Carla Isabel disse...

ás vezes uma conversa ajunda mais que qualquer medicamento!

Bjs

Carla

Confessionário disse...

obrigado a todos... e desculpem não escrever muito nestes tempos. A disponibilidade é pouca! Vamos levar isto com alegria...

Fá disse...

Padre
O blogue "Jardim de Luz" traz até nós um texto que consegue colocar, de forma espantosamente clara, uma questão que me vem atormentanto acerca da natureza de Deus. Passo a transcrever:
"...Perceber o sentido da vida, perceber a vida é nitidamente, algo que nos transcende. César das Neves opõe aos "porquês" da vida, um "obrigado". Não sei como é que se pode dizer "obrigado" quando seis pessoas perdem a vida a tentar proteger do fogo mais um pedaço das nossas matas. Ou quando cento e quarenta pessoas morrem num acidente de avião. Ou quando em várias partes do globo, se eliminam vidas por ódio, vingança, fundamentalismo, desejo de dominar e subjugar. Ou quando neste preciso momento tantas mães olham para os filhos famintos e não têm que lhes dar de comer..."
Algumas destas realidades são-nos imputáveis, eu sei. Mas outras nem tanto... Porquê dizer "obrigado"? Como compreender que um Pai, na sua infinita misericórdia, as permita? São questões que me perturbam... Quer dar-me uma ajudinha?
Um abraço

Confessionário disse...

É difícil responder à tua pergunta, Fá. Mas podemos fazer a questão de outra forma: porque é que não havia de permitir, se Ele deixou o poder de lívre arbítreo ao homem? havia de ser tudo bom? Como é que o homem poderia optar pelo bem se não sabia o outro lado, o mau? Que liberdade seria essa? Ou não queremos o homem livre? E porque é que só os maus deviam usufruir das consequências do mal? Não seria delimitar as coisas de Deus a uma previsibilidade pouco divina? E como definir quem merece ou não o quê? E porque havíamos de prever as dificuldades e a morte? Se tudo fosse mais prevísível, não sei como as pessoas viveriam. Quer-me parecer que Deus, apesar de ser difícil aceitar algumas coisas, fez tudo muito bem feito. Não sabemos nunca o que nos pode acontecer...e isso faz-nos viver!

Penso assim... mas sei que é pano para mangas! Bj

Anónimo disse...

O sofrimento não é de Deus! ELE não quer que soframos.
Já bastou Cristo ter morrido na cruz!