quinta-feira, junho 22, 2006

Chama-se Jesus

Eu, dum lado da estrada, à saída de casa. Eles, do outro lado. Mando um Boa tarde e um aceno. De lá respondem quase mecanicamente igual. O Diogo corria de um para o outro lado. Não da estrada, mas do espaço possível que a mãe lhe concedia a medo. Quatro anitos, se não me engano. Meto-me com ele. Insisto. Nada, que a correria era mais interessante. Já se sabe como são as mães, e esta pergunta. Sabes quem é que está além? Sabes quem te está a falar? Resposta pronta e certeira: Jesus. Depois continua a brincadeira como se fosse o mais natural fazer aquela afirmação. A mãe insiste. Não vês que é o senhor padre. Não. É o Jesus. Parecia aquela passagem de Jesus com Pedro, e sempre a mesma resposta. A mãe desistiu. E enquanto isto se dá, nuns segundos que me pareceram dias, a minha boca permaneceu bem aberta e a mão a tapá-la. Quase ia chorando emocionado quando entrei no carro. É claro que eu sei o que dizem os pais quando levam os filhos à missa: Vamos ao Jesus. E a pessoa que ele encontra sou eu. Mas não resisto a pensar alto o que pensei na altura. De facto, quando procuramos a todo o custo descobrir o modelo de padre para os nossos tempos, uma criança ensina que deve ser Jesus, e que deve descobrir-se na Eucaristia. Ela vê no padre, durante a Eucaristia, o próprio Jesus. Pode não ter sido o seu raciocínio. Nem sei se foi raciocínio. Mas foi o meu. E naquele dia dormi bem.

38 comentários:

1gota disse...

:)
Era assim que devia ser sempre, que conseguissemos ver, em cada (e qualquer) pessoa, Jesus.

ruipda disse...

:) Bom pensamento sem dúvida.

Pitux disse...

Gosto muito da maneira como escreves. E não sei porquê mas gostei deste post em particular. :)

pequena espiral disse...

Abençoados aqueles que enconram o rosto dos irmãos, o rosto de Jesus. Vindo de uma criança tem um sabor diferente, de veracidade, de inocência... Não devemos quebrar os sonhos delas :)

Nova Evangelização disse...

Creio que verdadeiramente a conversão das pessoas faz-se dessa forma.
Se virem nos cristãos, e em particular nos padres, boas imagens de Jesus acreditam no que lhe é anunciado, convertem-se e seguem a Jesus Cristo.
Se com os nossos pecados, o nosso mau exemplo (incluindo o dos leigos como eu) taparmos a Luz do Mundo que é Jesus, as pessoas afastam-se.

António Maria

Paulo de Tarso disse...

Lindo! Obrigado Confessionário! Acho que também vou dormir melhor hoje depois de ler isto. Não sou padre, não sou o tal Jesus, mas sigo a Cristo e de tal forma seduzido que me sinto capaz de abdicar de tudo na vida para me dedicar ao seu projecto... acontece que nos últimos tempos isto tem-me custado muito caro: o trabalho, a dignidade. Vai-me parecendo que sobram razões para desistir, mas não quero virar as costas, antes abraçar a cruz, o tal sinal de amor e de esperança. Reza por mim... este post deu-me esperança!

Abraço amigo

Confessionário disse...

Obrigado, Pitux...

Obrigado a todos.

Paulo, força. por Cristo valem a pena todos os tormentos. A alegria que acontece quando há uma pessoa (mesmo que seja apenas uma) que descobre Cristo em nós, vale mais que todo o sofrimento causado por inúmeras pessoas!

A Capela disse...

Que ternura Padre, adorei :)

Lai disse...

Olá,

Gosto de visitar este blog...

Bom fim de semana
DTA
Lai

migalhas disse...

Gostei.
E, sobretudo, gostei de ler o que escreveste no comentário: "a alegria que acontece quando há uma pessoa que descobre Cristo em nós, vale mais do que todo o sofrimento causado por inúmeras pessoas".
Continua. Força!

mi disse...

LIIINDO!!!
:-)

Avozinha disse...

Jesus, o irmão mais velho!

Pdivulg disse...

Bem isso assim é um elogio! Mas por outro lado bem mostra a responsabilidade que os sacerdotes e todos aqueles que frequntam o culto tem nos ombros.
Só pelo exemplo conseguiremos ser seguidores de Jesus!

NaSacris disse...

Espelhar Jesus dá nisto!
Parabéns!

Cris disse...

Temos tanto para aprender com as crianças...

Que bem que te compreendo, Paulo!

Foi a primeira vez que visitei este blog e gostei muito.
Parabens!...

Fá disse...

Post no mínimo ternurento:)
Não o conheço pessoalmente mas lendo as estórias que nos conta imagino-o assim, seguindo Jesus, pertinho de Jesus... Acolhendo, escutando, abrindo caminhos, suportando a cruz que é prova de Amor...
Já pensou, Padre, na hipótese de Deus ter entregue esse recado à criança de que nos fala? Consta que Ele gosta de as ter como intermediárias!
Um abraço graaaaande:)

Lord of Erewhon disse...

Ou você prova que é um guedelhudo desgrenhado de barba esquálida... ou o petiz sofre de alucinações graves!

Além do mais... este post é baixa teologia... roça a vaidade.

xana disse...

Um Alter Christhus..
É realmente muito bom encontrar no outro um Alter Christhus..
Um abraço (fra)terno para ti, confessionário.
Um abraço amigo para todos.

..

Paulo de Tarso,
Força. Coragem e fortaleza nesse teu coração. Deixa que ele te guie!

Confessionário disse...

Luís, agradecia que me enviasses ou indicasses um mail para te responder á questão que levantas e que não publico (peço desculpas por isso) por motivos óbvios! Poderás perceber melhor o porquê de algumas coisas e que podes estar a julgar errado.

Anónimo disse...

Deves ter sentido um arrepio, não?
È que, tb já ouvi outro alguém dizer que se arrepia quando lhe chamam "sacerdote", poque Sacerdote, explica, houve apenas um, Jesus!

Anónimo disse...

paulo de tarso, como invejo essa tua fé. Amo muito a Deus mas, infelizmente, ainda não consegui esse estado de alma...
Mas, tenho a certeza que Ele aceita o meu esforço diário para ser uma pessoa melhor.

Paulo de Tarso disse...

A quem quer que sejas, anônimo, digo-te não "invejes" a minha fé, porque ela não é minha mas dom de Deus que acolho todos os dias e pelo qual louvo o Pai que mo concede. Vejo como Ele tem feito em mim maravilhas que eu nunca ousaria sonhar, mas por vezes o chicote dos homens bate forte!
Agradeço a todos o ânimo, as orações, a amizade.
Rezo por todos, especialmente pelo confessionário que nos proporciona este lugar encantador de partilhas e de descoberta do pedacinho de Deus que há em nós!

Anónimo disse...

paulo de tarso, então, explica-me, por favor, porque não me concede Deus esse dom que tanto Lhe peço?

Cláu disse...

Muito bonito mesmo.
Cláu

Anónimo disse...

Ola

Encontrei este blog e gostei imenso. Obrigada!

A proposito do post anterior, confesso que sempre tive dificuldade em entender porque é que a Fé é um dom de Deus que nao é dado a todos? Porque é que apenas alguns sao os "escolhidos"?

Duvidas que vou tendo no meu caminho de altos e baixos ...

Anónimo disse...

Não importa quem sou, mas gostei. Todos os padres podem ser o Jesus, que as crianças esperam ver, basta que a bondade e o amor que alguns padres transmitem, nos façam sentir seres especiais. Conheço bastantes padres que em Africa serviram e servem o Pai com todo o amor, sem medos, sem esperarem nada, como os admiro, mas nao sei o seu nome sr. padre, fico feliz, porque se a criança viu em si o Jesus é porque o seu rosto transborda amor e humildade. Uma Santa noite e que Deus o ilumine nas suas homilias (penso que se escreve assim. Uma santa noite.
São

Anónimo disse...

Que pena não existirem muitos sacerdotes em que possamos reconhecer Jesus! A vida teria mais sentido, a deles e a nossa...
Rezo por todos.

Paulo disse...

Bonito artigo, sempre muito para nos dar e pensar. São nestas alturas que se vê o quanto é bom falar de Jesus, o problema é que depois, muitos pais se afastam da igreja e com eles, os filhos. É pena mas, também me sentiria como tu.:)

Anónimo disse...

E Jesus disse ... " Eu sou o caminho, a verdade e a vida ..." (João 14:6)

" Pois é pelo fruto que se conhece a árvore." (Mateus 12:33)

" Deixai vir a mim as criancinhas." (Lucas 18:16)

Amigo Padre, li e tornei a ler e li novamente essa sua mensagem que me fez reflitir muito sobre o que escreveu e o senhor sabe o motivo, já contei-lhe por e-mail.

Ainda não esqueci o tal "assunto", mas estou evitando encarar o "assunto" de frente. Acreditando no velho ditado: " O que os olhos não vêem o coração não sente!"
Acho que se é uma provação, Jesus irá ajudar-nos. Tenho a mais absoluta certeza disso.

Obrigada por suas palavras, cairam-me como uma luva!

Se uma criança, comparou-o a Jesus, associando Igreja x Jesus x Padre, com certeza, suas atitudes, seu comportamento, seus gestos, muito contribuíram para isso, caso contrário, mesmo uma criança não faria tal comparação! Daí, vemos nossas responsabilidades em nossas atitudes diante da vida e diante de determinadas situações...

Aproveito para dizer ao Paulo, que Deus está com ele e realmente por Cristo valem todos as aflições, tormentos, provações e decepções!
Admiro muito o tamanho de sua fé e não deixe que nada e nem ninguém tente contra ela!

E para quem achar que não tem fé, que ele para dentro de si e encontrará lá uma sementinha pronta para germinar ... brotar uma linda flor ... Basta semeá-la, regá-la, cuidar dela ... Ela está lá,dentro de cada um de nós !

Fatima - Brasil

Anónimo disse...

Então? Não há uma alminha que queira explicar porque é que a fé é um dom de Deus que não é dado a todos, mesmo aos que Lhe pedem muito? Vá lá!...

Confissões disse...

É por estas e por outras.. que tenho esperanças que nem tudo na vida é mau! :)

Anónimo disse...

Mas que belo! Que bonito! Ver Jesus!
Que mais pode ser dito?

Carla Isabel disse...

Que lindo!

Na inocência das crianças está a verdade!

Bjs

Carla

Vilma disse...

O olhar simples e puro das crianças...! :)

Platão disse...

Esta é a primeira vez que comento neste blog. Não posso deixar de elogiar este local de debate aberto! Parabéns a ti que manténs este BLog ;)

:) somos outro Cristo... Ao ler este relato não pude deixar de relacionar com João Baptista que é muitas vezes representado apontando para Cristo: que outra coisa podemos nós fazer senão apontar para Cristo?Que alegria maior do que ser identificado com Ele? "Cristo na boca de todos os qua falam de mim" diria S. Patrício.



rezemos sempre uns pelos outros

elsa sequeira disse...

Confessionário!!!

Está muito lindo!!
Viram-me as lágrimas aos olhos...pois essa criança de quatro anos fez-me lembrar eu própria...
Como costumam dizer..."a verdade está na boca das crianças..."
Lindo!!!

sorri sempre!!!

:))

D. R. disse...

Começo por dizer que sei que este já é um texto bastante antigo... Mas como ando por aqui há pouco tempo, resolvi dar por aqui uma voltinha. :)

Definitivamente, este texto está lindo pela sua simplicidade.
E, por mais que tentasse não dizer nada.. E me tentasse abstrair do que senti ao lê-lo, tive de voltar cá para deixar o meu comentário que, certamente, continuará a ser oportuno. Assim espero.

Se isto me acontecesse a mim, reagiria da mesma forma...
Quem dera a qualquer pessoa que uma criança (na sua forma pura de ver o mundo) visse no seu rosto o rosto de Jesus...
Uma vez que as crianças têm uma percepção especial, eu acredito que isto não derivou apenas do facto de os pais dizerem de forma repetida "vamos ao Jesus"...
Se fosse eu, também me emocionaria. Não há dúvida disso.

Anónimo disse...

Sentada no mesmo banco corrido, ao meu lado, a mãe ampara o seu menino nos braços, com um sorriso de deleite esquecido no rosto fino. Perdida, afaga o filho, apertando-o contra si e anelando-lhe o cabelo macio e perfumado, com maneios do dedo indicador. A pequena cabeça, aninhada, reluz como oiro no peito da protectora. As faces, muito mimosas, são acalentadas por duas rosáceas, dispostas lado a lado. A chucha presa na boca. Um rabiosque massudo de fraldas, num corpito curto e anafado. Embalado pela sonoridade de orações, prédicas e aleluias, o menino fica-se no limbo do dorme-não-dorme. Nos repiques dos agudos, alça o olhar azul, sobre o braço da mãe e esboça-me um sorriso breve e acanhado. A intervalos, suspira profundamente o conforto sentido e estica uma perna, que deixa cair pesada, em cima do meu colo. Com o alvoroço do movimento de passos destinado à formação da fila para a comunhão, desperta curioso. Já vivaz, ergue o tronco e assenta os pés no regaço da sua mais que tudo, enquanto segue muito atento o fluir de pessoas, no corredor central. Num ápice, com um brilhozinho novo nos olhos, tira a chucha, aproxima o seu rosto do da mãe, tapa a boca com a mãozinha, de modo a poder esconder de mim o seu segredo, e sussurra peremptório ao ouvido dela: Tenho que ir provar! Aponta com o queixo para a fila de pessoas e repete, com os seus olhos celestes muito abertos, agora em voz alta: Tenho que ir provar! Foca a mãe, à espera que esta, cúmplice, emita o sinal que lhe permita ir juntar-se à fila. Perante o seu silêncio, bate os braços revoltado e resmunga entre dentes, a choramingar: Quando?!Quando?! Obtém um terno beijo. Cala-se, ainda inconformado.
Foi assim, com um simples beijo, que foi silenciada a comunhão mais querida daquela Eucaristia. A que iria ser recebida no mais cristalino sacrário, o corpo de um Jesus Menino. E, embora tivesse ficado exactamente sem perceber se a motivação era religiosa ou exclusivamente gourmet, prefiro escolher a primeira. Um menino de tão tenra idade ensina, pelo menos, com que pureza e entusiasmo devemos sempre receber Jesus. Na Eucaristia e nas nossas vidas. Por isso, pelo menos esta noite, penso ter bons sonhos. Com anjos e querubins.