sexta-feira, junho 12, 2009

sondagem_ “Acreditas na Ressurreição?”

Passados que vão mais de dois meses da última sondagem, e, estranhamente, mais de 2.000 votos, chegou a hora de avaliar a sondagem que estava no lado esquerdo, no sidebar e acrescentar uma nova. A proposta era muito directa:
“Acreditas na Ressureição?”

E os resultados são:
1. não acredito _ 46 %
2. a 100 % _45%
3. acredito, mas não entendo _7%
4. Tenho dúvidas sérias _ 2%
5. não quero pensar nisso _ 1%
_________________________________

pequenas considerações:

  1. Recordo que retirei 750 votos no dia 17 de Abril, na opção “não acredito” porque a votação aumentara consideravelmente num dia, sem explicação aparente. Não passou muito tempo para que algo semelhante acontecesse, e quase em simultâneo na opção “a 100%”. Deixei ficar como estava. Porém, esmoreceu-se a minha vontade para fazer uma análise a esta sondagem, e deixo a outros as grandes considerações. Saliento e depreendo desta situação estranha que alguém (uma pessoa ou várias) teve interesse particular em fazer ganhar a todo o custo uma das opções. Fica no ar a pergunta: que terá motivado este interesse?
  2. Em tempos, descobri que nem sempre os ditos católicos acreditam nas verdades fundamentais da sua fé, o que me surpreendeu. Foi por isso que coloquei esta sondagem online. Assim, num estudo de 1995, feito pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, que abordou o tema “Gerações e valores na Sociedade Portuguesa Contemporânea” verificava-se que na faixa etária dos 15-24 anos, por exemplo, 85,5% diziam acreditar na existência de Deus, mas apenas 84,1% diziam acreditar em Jesus, e quanto à vida para além da morte apenas 43,0%. Já no que toca à Ressurreição o número descia para 37,0%. Hoje essa gente deve ter entre 29 e 38 anos, constituindo a faixa etária que predomina na sociedade. Que pensar disto?
    Para mim pode haver diferentes formas de sentir, intuir ou viver a fé ou os dogmas de fé. Mas há coisas fundamentais, sem as quais tudo pode perder o sentido. Para mim a Ressurreição é uma dessas. Acredito a 100% na Ressurreição. Posso até não saber explicar. Mas é ela que dá sentido a tudo o que faço. E não digo mais.


    Hoje surge nova sondagem, resultado de alguma preocupação que me tem ocorrido, quer pelo que sinto, quer pelo que me contam que sentem alguns colegas. E a pergunta é:

    Na tua opinião, o que causa maiores problemas aos párocos de hoje?

23 comentários:

Anónimo disse...

Como católico, a questão para mim não faz sentido, pois a Ressurreição é o facto que sinaliza o verdadeiro católico.

Para fazer parte da comunidade católica é condição fundamental a afirmação positiva e de fé acreditar em Jesus Cristo, na sua palavra e na Ressureição.

Católicos que duvidam dum dogma de fé, é caso para comentar a fraca espiritualidade ou então estão desenquadrados.

Todos os verdadeiros católicos acreditam na Ressurreição de Jesus Cristo e na sua mensagem !

Cristo nosso Senhor esteja connosco !
Fernando Gonçalves

Isabel Mota disse...

Ola
Eu gostei do quanto a sondagem me fez pensar. So por isso valeu e dois mil votos... nada mal!
Quanto ao maior problema dos parocos, hoje, penso que e o tempo... ou melhor, a falta de tempo para estar e ser com os seus paroquianos... visitar as familias, nao so quando ha alguem doente... o problema e que ha sempre pouco tempo.
Depois penso que seria bom mostrarem as pessoas que nao vao a igreja que a propria instituição esta em constante mudança e que a maioria das criticas nao sao, sequer, actuais... mas o tempo, esse luxo para todos os que vivemos este tempo, e sim maior problema.
Depois, talvez... ser mais proximo.
Tenho a sorte de ter um prior que da colo aos bebes que choram durante a homilia e que convida os jovens a prepararem com ele a homilia... e um começo. Mas ha muito mais a fazer.
Isabel Mota (Milharado)

p.s. mas tambem, este tempo, nos permite, ter blogs como este, onde olhamos atraves dos seus olhos e temos tempo para rir e reflectir.

Desculpe a falta de pontuaçao. nao estou no meu pc... e nao sei trabalhar bem com o magalhaes.

Obrigada pelas reflecçoes.Não esmoreça... continue a fazer perguntas... eu e tantos outros gostamos de responder.
Um abraço em Cristo, Isabel

Alma peregrina disse...

Caro Confessionário:

O dia em que você retirou 750 votos não foi o único. Ainda ontem, a opção "a 100%" estava a ganhar com uma margem de aproximadamente 20 votos (aproximadamente 920 para 940). Hoje de manhã a contagem do "Não acredito" tinha subido para exactamente 1.000 votos.

O que significa que ontem, dia de Corpo de Deus, este blog teve uma enchente de aproximadamente 80 ateus. E, coincidência das coincidências, votaram ateus suficientes para chegar ao rotundíssimo 1.000.





Como é que uma pessoa tem a pachorra de entrar e sair de um blog 80 vezes apenas para sabotar uma sondagem é algo que eu nunca vou perceber.





Não sei o que esta(s) pessoa(s) espera(m) obter com isto mas é triste. Inutilizaram uma sondagem séria e fizeram-nos perder uma hipótese esplêndida de discutir séria e racionalmente este assunto.
E, o que é pior, os seus actos foram completamente contraproducente para eles próprios. Porque agora eu posso atribuir todos os votos "Não acredito" a apenas um indivíduo.
Eu posso, no extremo do cinismo, reduzir esses 1.000 votos a apenas 1 e ninguém me pode contradizer.




Se essa(s) pessoa(s) queria(m) fazer criar a ilusão de que são em grande número, falharam rotundamente.
Se essa(s) pessoa(s) queria(m) que a sua posição ganhasse a todo o custo, então também falharam (uma vitória viciada não é uma verdadeira vitória, sobretudo se todos o sabem).
Se essa(s) pessoa(s) queria(m) armar-se em esperta(s) e despejar aqui o seu espírito anti-religioso e anticlerical (como é costume com os "anónimos" que, de vez em quando, dão o ar da sua graça) então conseguiram-no... uau! Que grande feito! Rolleyes.






Já não me cansa tanto viver numa sociedade com tanto ateísmo (teórico ou prático). Mas cansa-me viver numa sociedade que não sabe pensar. Ou que pensa que consegue alguma coisa através de actos que roçam a infantilidade. Sinceramente!

Anónimo disse...

Dogmas são dogmas e não passam disso mesmo. Na realidade a existência do chamado Jesus histórico não está provada. Por algum motivo o Papa XII em 1955 fez a seguinte declaração:
"Para os cristãos, o problema da existência de Jesus Cristo concerne à fé, e não à história".. Também é verdade que os próprios textos sagrados são incongruentes relativamente à morte e ressurreição de Jesus.
Vejamos:
* Jesus foi crucificado...

... à hora terceira ...
(Mc 15:25) Era a hora terceira quando o crucificaram.
... ou após a hora sexta?
(Jo 19:14-15) Era o dia da preparação da páscoa, e quase à hora sexta. Disse Pilatos aos judeus: Eis o vosso Rei. Mas eles gritaram: Fora! Fora! Crucifica-o! Perguntou-lhes Pilatos: Hei de crucificar o vosso Rei? Responderam os principais sacerdotes: Não temos rei, senão César. Finalmente Pilatos o entregou para ser crucificado.
* Quem foi ao sepulcro?

Uma mulher...
(Jo 20:1) Na madrugada do primeiro dia da semana, sendo ainda escuro, Maria Madalena foi as sepulcro, e viu que a pedra fora revolvida da entrada. Correu ela e foi ter com Simão Pedro e com os outros discípulos.
... duas mulheres ...
(Mt 1:16) Depois do Sábado, ao raiar do primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro.
... três mulheres ...
(Mc 16:1-2) Passado o Sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé compraram aromas para irem ungir o corpo de Jesus. Muito cedo, no primeiro dia da semana, logo depois do nascer do Sol, foram ao sepulcro.
... ou várias mulheres?
(Lc 23:54-55; 24:1; 24:10) Era o dia da preparação e ia começar o Sábado. As mulheres que tinham vindo com ele da Galiléia, seguiram a José e viram o sepulcro, e como o corpo fora ali depositado (...) No primeiro dia da semana bem cedo, elas foram ao sepulcro, levando as especiarias que tinham preparado (...) Eram Maria Madalena, Joana, Maria, mãe de Tiago e as outras que com elas estavam...
* As mulheres viram no sepulcro...

... um anjo ...
(Mt 28:2) Houve um grande terremoto, pois um anjo do Senhor desceu do céu, chegou, removeu a pedra e assentou-se sobe ela.
... um jovem ...
(Mc 16:5) Entrando no sepulcro, viram um jovem assentado à direita, vestido com um manto branco, e ficaram espantadas.
... dois homens ...
(Lc 24:4) ... mas quando entraram, não encontraram o corpo do Senhor Jesus. Estando elas perplexas a esse respeito, de repente pararam junto delas dois homens, com vestes resplandecentes.
... ou dois anjos?
(Jo 20:12) Enquanto chorava abaixou-se para olhar para dentro do sepulcro, e viu dois anjos vestidos de branco, assentados onde estivera o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro nos pés.
* A pedra que lacrava o sepulcro...

... foi removida por um anjo na hora que Maria Madalena chegou...
(Mt 28:2) Houve um grande terremoto, pois um anjo do Senhor desceu do céu, chegou, removeu a pedra, e assentou-se sobre ela.
... ou já havia sido removida antes?
(Mc16:2-4) Muito cedo, no primeiro dia da semana, logo depois do nascer do Sol, foram ao sepulcro. Diziam umas às outras: Quem removerá a pedra da entrada do sepulcro? Mas, olhando, viram que a pedra, que era muito grande, já estava removida.

Anónimus

Anónimo disse...

* Como se tomou conhecimento da ressureição de Cristo?

Jesus estava lá quando as mulheres chegaram e saiu ao encontro delas...
(Mt 28:9) De repente Jesus lhes saiu ao encontro, dizendo: Eu vos saúdo. E elas, chegando, abraçaram os seus pés, e o adoraram.
... ou elas entraram no sepulcro e foram avisadas da ressurreição ...
(Mc 16:5-6) Entrando no sepulcro, viram um jovem assentado à direita, vestido com um manto branco, e ficaram espantadas. Ele lhes disse: Não vos assusteis. Buscais a Jesus, o Nazareno, que foi crucificado. Já ressurgiu! Não está aqui. Vede o lugar onde o puseram.
(Lc 24:2-6) Acharam a pedra removida do sepulcro, mas quando entraram, não encontraram o corpo do Senhor Jesus. Estando elas perplexas a esse repeito, de repente pararam junto delas dois homens, com vestes resplandecentes . Elas ficaram tão atemorizadas, que se curvaram com o rosto em terra, mas os homens lhes disseram: Por que buscais entre os mortos quem está vivo? Ele não está aqui, mas ressurgiu.
... ou apenas Maria Madalena foi ao sepulcro e não entrou?
(Jo 20:1-7) Na madrugada do primeiro dia da semana, sendo ainda escuro, Maria Madalena foi ao sepulcro, e viu que a pedra fora revolvida da entrada. Correu ela e foi ter com Simão Pedro e com o outro discípulo (...) Chegou Simão Pedro, (...) entrou no sepulcro e viu no chão os lençóis.
* Foram colocados guardas na entrada do sepulcro?

(Mt 28:4) Os guardas tremeram de medo dele, e ficaram como mortos.
Em Marcos, Lucas e João não existe referência aos guardas. Afinal eles foram colocados na entrada do sepulcro para evitar que o corpo fosse roubado ou não?
Para terminar:
Sendo que o filho está sentado à direita do Pai, e o Pai e o Filho “são a mesma pessoa”; como pode alguém sentar-se à direita de si mesmo?
Teremos que arranjar aqui um novo dogma?


Anónimous

Anónimo disse...

Caro confessionário, infelizmente há muito boa gente que até vai à missa ao domingo e que não acredita na ressurreição, o que me faz confusão. Pelo menos alguns procuram respostas, outros não vão lá por esses motivos.
Em relação à nova sondagem, é muito pertinente. Na minha opinião, e como padre que sou, penso que aquilo que nos atinge mais é a solidão provocada por outros pontos que também incluis na sondagem.
Abraço, Samuel

Fernando Vouga disse...

Caro amigo

Mais uma vez me sinto obrigado (mas com prazer) a elogiar a sua corajosa iniciativa. Algo que há poucos séculos poderia levar o Santo Ofício a, no mínimo, desconfiar...
Penso que o mal é haver dogmas. A partir daí, as pessoas não podem pensar com as suas cabeças. Frustrante.
A religião deveria ser intuitiva e não imposta. Veja-se o futebol (que não aprecuo por aí além). É fácil de entender, o que atrai as multidões.
Um abraço fraterno.

Antonio Valerio, sj disse...

Gostei muito destas reflexões, obrigado! O que faz parte da ressurreição é esta ter sido um mistério escondido na noite. Para além de fazer muito sentido para a fé, aquilo que mais me surpreende é que, 50 anos depois da morte de Jesus, alguns homens de pouca cultura, judeus, espalharam por todo o mundo romano, até Roma, a noticia que Ele estava vivo. E muitos morreram por isso. Não teriam por isso, nenhum conveniente em espalhar uma noticia com tanta urgência, se de facto, não lhes tivesse acontecido algo extraordiário. Para além dos testemunhos, este facto é o que me faz pensar mais na realidade histórica da ressurreição.
E depois, a nosso Vida é tão importante que seria tão pequeno acabar tudo aqui. Porque o Amor existe além do tempo e do espaço, a nossa própria Vida também existe. Acreditar nisto traz-me muita alegria.
Um abraço!

Taísa Vicente disse...

Olá

A paz de Jesus a todos!!

A um tempo atrás eu não entendia porque tantos católicos não acreditavam na ressurreição e na eucaristia (ve se pode!). Via amigos meus comungarem só por conveniencia, mas não acreditavam que estavam adquirindo o corpo do próprio Senhor.

Este feriado eu estava na internet e como o chat da canção Nova estava em construção, eu entrei no chat da uol , na sala de católicos. Vi dezenas de protestantes que entravam na sala só pra atacar os católicos! E muitos ateus preocupados em mostrar aquilo que eles julgam ser verdade, que é o contrário do que nós pregamos!

Também me pergunto todos os dias...
Qual é o interesse dessas pessoas em insistir que seguimos uma mentira?

Anónimo disse...

Admito que esteja enviesada pela minha experiência pessoal, mas penso que os resultados da sondagem anterior respondem, pelo menos em parte, à pergunta da sondagem actual. Por paradoxal que pareça, eu acredito na Ressureição a 100%, mas fiquei arrepiada com os votos nessa opção. Existindo a opção “acredito mas não entendo”, a minha resposta mais honesta tem de ser essa. Admitir que não entendemos não significa duvidar. Ninguém pode entender completamente algo tão transcendente e maravilhoso. Até o próprio Confessionário diz “Posso até não saber explicar”…

Acredito que para se ser um bom Cristão é preciso crescer todos os dias um bocadinho, tentar todos os dias ir mais além na nossa fé, o que levará (mesmo que pouco a pouco) a consequências no nosso comportamento. Para crescer na fé é preciso aprofundar o seu conhecimento. Para se ter motivação para investir tempo (sempre escasso) nesse conhecimento, é preciso admitir que há muitas coisas que ainda não sabemos ou não entendemos. Nunca poderemos saber ou entender tudo, mas podemos sempre avançar um bocadinho mais. Em resumo, tenho medo das pessoas “100%”. Receio que façam mal a elas próprias, porque deixam de aprofundar a sua fé. E, acima de tudo, tenho medo que façam mal aos outros, porque lhes transmitem a ideia que a religião é acreditar sem procurar conhecer melhor.

Daí eu achar que os votos no “acredito a 100%” podem ter a ver com um dos grandes problemas actuais: a falta de motivação das pessoas para aprofundarem a sua fé, o que as leva a limitarem-se a seguir um livro de receitas- em que só é necessário dizer sim às perguntas do Credo, ir à Missa aos Domingos, e confessar uma vez por ano quantas vezes se incumpriu cada mandamento…

A falta de motivação é por vezes provocada pelas pessoas mais ligadas à Igreja, que podem, consciente ou inconscientemente, seguir o princípio que quem coloca questões tem intenção de pôr em causa a fé ou ridicularizá-la. Claro que isso algumas vezes corresponde à realidade (exemplos neste blog não faltam), mas pode acontecer que quem coloca questões pode estar sinceramente a querer saber mais ou a tentar ultrapassar uma dificuldade.

Podia dar muitos exemplos, mas fico por um: Uma catequista falava sobre rezar o terço. Uma adolescente da minha família pergunta qual era a história do terço, quem é que tinha iniciado esse hábito. A senhora ficou muito agastada e disse que isso não interessava nada. Nossa Senhora tinha dito para o rezarmos e isso devia chegar-lhe. Sem comentários! Felizmente eu já tinha tido curiosidade sobre o assunto e contei-lhe o resultado das minhas pesquisas. Mas a garota esteve muito perto de "bater com a porta"...

Podemos levar muito a peito as nossas convicções, até ao 100%. Mas isso não deve impedir-nos de crescer e ajudar os outros a crescer.

Nota: Estou apenas a desabafar os meus receios. Não conheço as mais de 900 pessoas que votaram na opção que me assusta, logo é mais do que provável que tudo isto não lhes seja aplicável.

Anónimo disse...

Taisa Vicente:

Se todas as religiões se acusam mutuamente de falsas, e todas se afirmam como verdadeiras.
Diga-me você, qual é a verdadeira?

Alma peregrina disse...

Caro anónimo (15/6 2:38):

É má educação responder a uma pergunta com outra pergunta.

Canela disse...

Qual é o humano, que quer entender todo o mistério do Reino de DEUS?

Só um verdadeiro insensato!

Quem pode compreender, que um pai dê o seu primogenito em sacrificio de outros... e ainda por cima "verdadeiros ingratos"?

Todos nós somos uns ingratos!
Estivemos todos (toda a humanidade), no sacrificio Salvifico da Cruz!

Sim um VERDADEIRO MISTÉRIO DE AMOR, por nós!

GLÓRIA A DEUS!
GLÓRIA A DEUS!
GLÓRIA A DEUS!

A Paz de Cristo!

Anónimo disse...

Taisa, peço desculpa.

- A resposta é óbvia!

concha disse...

Olá Confessionário!
A solidão será um muito importante, mas não o único.Também penso que poderá haver uma certa desmotivação,por não verem muitos frutos do seu trabalho.Hoje a grande maioria das pessoas têm outros deuses....a realização profissional,tudo o que é sinal exterior de riqueza e a vida parece ter-se tornado mais curta, o que obriga a uma correria constante e à necessidade de milagres aqui e agora.Algumas "espírituali8dades" dão supostamente resposta e do que sobra, fica muito pouco.Os baptizados ainda serão alguns, tendo em conta alguma tradição,mas mesmo dos católicos supostamente praticantes(da missa de domingo)a maioria no seu agir do dia a dia, esquece esquece o que escutou no domingo anterior.
Um abraço

Anónimo disse...

Ao caro Anoninus que anda tão preocupado em descobrir "toda a verdade" sobre Jesus Cristo, sugiro que comece por procurar no seu coração...

Vai ver que O encontra!

CA

Taísa Vicente disse...

Em resposta a quem me perguntou...

Deus é um só e eu sigo a fé ao qual ele me chamou... se está certa ou não.... veremos depois no dia do meu juízo.

Só sei que eu sigo a sua palavra que diz: "... ele não desanimará nem desfalecerá até que tenha estabelecido a verdadeira religião sobre a terra..."
Quando se trata da verdadeira religião, a Palavra fala da justiça de Deus acima de tudo. Essa justiça que eu sigo. E não serei justa enquanto estiver criticando a fé das pessoas ao invés de orar por elas.

Alecrim disse...

Porque é que é má educação responder a uma pergunta com outra pergunta? Alma Peregrina, confesso que me faz muita confusão essa sua obsessão da razão e da lógica. Nem toda a gente sabe fazer uso de uma lógica irrefutável, e isso não torna essas pessoas menos inteligentes, nem mal educadas, e muito menos lhes retira o direito de se pronunciarem sobre o que sentem.

Alma peregrina disse...

Cara Alecrim:

Por que é má educação responder a uma pergunta com outra pergunta? Simples. Porque senão não há qualquer diálogo. As perguntas continuam a acumular-se e não chegamos a lado nenhum.

Se você vir muitos debates nas caixas de comentários de um blog, reparará que, quando um indivíduo (que muitas vezes não tem quaisquer argumentos para começar, mas apenas acusações biliosas) perde totalmente a razão, o que faz é desviar-se do assunto, fazendo uma pergunta que não vem ao caso. Mais lhe valia ter a humildade de dizer: "O meu adversário tem razão"... mas humildade é coisa que hoje não há.





Quanto a essa minha "obsessão pela razão e lógica" vem de algo que está muito fora de moda, para minha grande tristeza. Algo que você própria evidenciou. "O direito de as pessoas se pronunciarem"...

Eu acho que as opiniões se deviam basear numa busca honesta da verdade. Mas as pessoas acreditam que é a verdade que se deve basear nas suas opiniões. As pessoas têm o direito de se "pronunciarem sobre o que sentem", independentemente de terem uma opinião completamente irracional e mal-formada.
É por isso que há pessoas aqui que vêm "pronunciar-se"... dizendo que a Igreja apenas admitiu o Purgatório para ganhar dinheiro com as indulgências... e quando se lhe são apresentados os factos que desmentem essa opinião, dizem que se trata apenas de uma "questão de terminologia".

Ou seja, eu tenho o "direito de pronunciar-me sobre o que sinto"... independentemente de ser uma mentira pegada ou uma falácia completa! Se eu "sinto" que a Igreja é uma estrutura horrível e opressiva, eu posso "pronunciar-me" criando uma série de difamações e inverdades que estão automaticamente certas porque eu assim o "sinto". Difamações e inverdades que não podem ser refutadas, porque o que eu "sinto" está acima da razão e da lógica.





No caso deste post, toda esta situação era ainda mais evidente. A Taísa perguntou: "Por que estas pessoas sentem uma tão grande necessidade de nos provar que seguimos uma religião falsa?".
E o anónimo, em vez de pensar nisso, fez exactamente aquilo de que a Taísa se queixava. O anónimo fez uma pergunta (de retórica, porque ele não está interessado na resposta, mas apenas em mostrar que está certo) em que tentava provar à Taísa que ela seguia uma religião falsa.

Ou seja, o anónimo não ligou nenhuma ao que a Taísa disse. Não houve diálogo. O diálogo não se podia sobrepôr à necessidade do anónimo sentir que tem razão.





Não é possível evangelizar... nem sequer é possível ter um debate ameno... enquanto a nossa mentalidade não evoluir para além deste superficialismo!




Lamento profundamente que as pessoas não consigam compreender isto. Eu acho que é básico e elementar. Não é preciso ter um curso de Lógica. Basta pensar no que o adversário está a dizer, sem arranjar truques baixos. E ter uma mente aberta.

Pax Christi

Confessionário disse...

Alma peregrina, sabes que gosto mt de ti. Por isso escrevo com toda a isenção possível, sem pretensão nenhuma.

Mas recordo-te que, a maior parte das vezes Jesus respondia com uma pergunta. E fazia-o porque O seu objectivo era ajudar que a outra pessoas reflectisse por si, chegasse lá por si.

abraço

Alma peregrina disse...

OK, Confessionário.

Touché!

:P

Pax Christi

Alecrim disse...

ok, Alma Peregrina, confesso que me enganei. Vi aquela observação (sobre ser má educação responder a uma pergunta com outra pergunta)como dirigida à Taísa, quando afinal era dirigida a um anónimo.
Desculpe.

Percebo o que diz, e contudo eu ponho as coisas noutro plano. Numa qualquer discussão, para que se chegue a algum ponto (não necessariamente de concórdia) tem que haver honestidade e respeito pelo outro. Isso, infelizmente, vai faltando... e não só por aqui.

Um abraço e - prefiro dizê-lo em português - a Paz de Cristo.

Alma peregrina disse...

Tá-se bem, Alecrim!

:)

A Paz de Cristo!