quarta-feira, abril 08, 2009

Esta é para ti, Diana, parte I

A Diana é uma menina que nasceu com uma doença sem cura. Tem um nome complicado. Não o aprendi porque tenho estado mais atento à pessoa que é sua portadora. Mas é um nome complicado. Tão complicado como a doença. Vive mais dias no hospital que em casa. Já se passeia pelos corredores como sendo a sua sala de espera. Falamos muito, sobretudo quando ela precisa de alguém que lhe dê duas palavras para alimentar forças. Temos falado muito sobre o céu e o inferno. A vida para além da morte. O que Deus nos tem preparado e o que espera de nós. O que Ele nos dá e o que nós temos ou merecemos. A nossa história. A história de outros tantos que sofrem ou já partiram. O tempo. A vida. Há dias recebi esta mensagem da Diana: Aprendi que o tempo é muito precioso e não volta atrás. Por isso não vale a pena resgatar o passado. O que vale a pena é construir o futuro.
Escusado será dizer que me lembrou as vezes que complicamos a vida, sem necessidade e presos a um passado que nos faz resistir à própria vida. Ela sabe o que é necessário viver. Tenho-a recordado que o importante não é o tempo que vivemos, mas a intensidade com que se vive. Faz uma vida normal, naturalmente. O que a natureza permite. Quando me procura julga que eu a ensino muito. Mas é sobretudo ela que me ensina. Porque vive num limite em que é Deus que comanda e não os homens.

19 comentários:

Canela disse...

Oh Pe. C.;

Penso que são estas pessoas, que nos ensinam como devemos viver!

A Paz de Cristo.

Votos de Uma Santa Páscoa

concha disse...

Olá Confessionário!
Hoje, sem nenhuma razão especial, fez-me muito bem ler este post.
Uma Santa Páscoa para si e para todos aqueles que junto de si mais precisam destes votos.

jaime latino ferreira disse...

NOS LIMITES


É nos limites que se Vive com toda a intensidade!

Quando deles perdemos a noção é do próprio valor da Vida que nos distanciamos não A sabendo valorizar e a cada momento, a cada respiração.

Não há vida sem a morte mas, o contrário também é verdade e logo aqui, na nossa vida terrena.

Não há morte sem Vida e quando com a primeira somos confrontados, o valor da Vida cresce e cresce em cada momento em que A vivemos.

Em cada inspiração, em cada expiração!

Vida e morte interagem assim como se num sistema de vasos comunicantes onde no escamoteamento de um deles o outro se perde e transborda na ausência de sentido.

Diana
Deusa da Caça
Ganha a Vida
Que não massa


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 9 de Abril de 2009

Anónimo disse...

Bom dia,
Não o conheço, apenas virtualmente, mas é muito bom lê-lo. Uma Santa Páscoa na Alegria do Ressuscitado.
Abraço virtual.JJ

Anónimo disse...

A vida não é um teatro no qual se pode ensaiar as vezes que for necessario até sair bem, tem de sair bem há primeira para que valha a pena. Por isso deixemo-nos de ensaios.
Força Diana. Deus está contigo. Vive cada momento como se fosse o ultimo mas sempre com esperança de teres mais um a seguir...

Um abraço em CRISTO

Santa Páscoa para todos

Moçambicano disse...

"Por isso não vale a pena resgatar o passado. O que vale a pena é construir o futuro."

Caro Amigo P.e "Confessionário":

1. Sem dúvida, o que vale a pena é construir o futuro. Mas às vezes temos de fazer pequenos "resgates" no passado, nomeadamente quando surge a oportunidade de "consertar" algo que, por nossa falha ou devido às circunstâncias, ficou "menos bem"... E neste campo, as relações humanas assumem uma importância fundamental.

2. Continuo "atento" aos resultados da Sondagem "Ressurreição"...
Para ser franco, "cheira-me" que houve um "ataque" de um grupo - não certamente de centenas -, que desatou a "clicar" no "Não acredito"...

Que há "baptizados" que não acreditam na Ressurreição de Cristo, isso já sabíamos. E que devemos pensar nas razões dessa realidade, também é verdade.
"A Fé apega-se... ou apaga-se!" já dizia o Padre António Vieira.
Daí, a "extrapolarmos" que a maioria dos visitantes do Blogue / ou, sei lá, dos crentes Portugueses
não acredita na Ressurreição...

3. A Fé vive-se em Comunidade. Também se pode viver numa "Comunidade na Net" (acho que a expressão "Comunidade virtual" é ambígua...). Quero agradecer-te a ti, Amigo P.e "Confessionário", bem como a Tod@s @s Amig@s que visitam este Blogue, a "Caminhada" que temos feitos juntos ao longo destes meses.

Uma Santa Páscoa a Tod@s!

Moçambicano

Confessionário disse...

É, MOçambicano, quer-me parecer que não é nada normal aparecer ali aquele numero... hummm (nnca tão rapidamente cheou a esse número), mas isso tb pode significar algo: que alguém quer vincar veementemente a sua posição; ou que quer rir-se à custa de quem tenta fazer algo com uma ponta, mesmo peuqenina, de seriedade.
Não sei se não porei de novo a sondagem do zero... ou se irei descontar uns boas 750 votos!!!

Anónimo disse...

Esta frase faz-me pensar:

"vive num limite em que é Deus que comanda e não os homens"

é muito boa

Teodora disse...

Optarei pela versão em inglês técnico por ser mais elegante do que a portuguesa: everything is funny as long as it happens to somebody else.

Citando aquela senhora das nossas artes e letras, mulher intelectualmente brilhante, D. Lili Caneças, estar morto é o contrário de estar vivo.

Não há nada maios porreiro do que ter uma arma apontada à cabeça.

Brancamar disse...

Olá Padre,

Tâo lindo este texto e tão verdadeiro. Foi algo que fui aprendendo, que o importante é a intensidade com que se vive e o amor com que nos entregamos à vida e aos outros.
Sempre me ensinaram muito as pessoas com problemas, desde a juventude, desde muito nova que convivi em grupos sociais de apoio a pessoas diferentes ou hospitalizadas. Por vezes têm uma força que nos ultrapassa, uma força Divina. Aprendi também há uns 12 anos com um acidente de viação, que não foi mais grave para toda a família (Casal e mais dois filhos)por puro "milagre", que realmente o que importa é como vivemos cada dia. Finalmente também tive uma filha hospitalizada há dois anos, durante 6 semanas, por doença de Crohn, que quase senti retratada neste texto, pois tal como o Padre, havia e há um diácone que faz serviço religioso no hospital que ela frequenta e que foi da máxima importância nos dias menos bons, conversando com ela da mesma forma que o padre conversa com a Diana.
Realmente só com a experiência aprendemos que não somos sempre nós que comandamos a vida, há tantos momentos em que simplesmente nos entregamos e é nesses que se calhar percebemos o seu verdadeiro sentido.
Bem haja pelo seu sentido de serviço aos outros, pela forma como lhes leva Deus.
Desejo uma Santa Páscoa e um bom descanso posterior, bem o merece.
Um abraço amigo.
Branca

Dor profunda disse...

Padre, se sonhasse quão profunda é a minha dor... queria ser religioso mas tenho tudo e todos contra isso. Acho que será um sonho que nunca se realizará, que será um serviço a Deus que não irei prestar. Chamar-me-á fraco? Não me vejo como um fraco. Vejo é que para fazer os outros felizes, acabo por ter de abdicar da minha própria felicidade. Não será isto também uma forma de amor? Enfim, foi só um desabafo.

Confessionário disse...

Ó Dor Profunda,

aquilo que às vezes nos parece um muro, não é mais que uma escada...

Advirto que não gosto mt da palavra religioso, proque todos, afinal somos "religiosos". Gostava mais que dissesses que gostavas de abraçar uma vocação religiosa consagrada.
Mas volto ao que queria dizer.

Não deixes de ser feliz porque alguém nao quer que o sejas. Se esse alguém é teu amigo, deixar-te-á seguir o caminho que tu tens como o que te dá a felicidade. pensa nisso...

Anónimo disse...

eu so o coheço do seu blog. mas vejo que é uma boa pessoa. como é que se caminlha por um caminho ingrime e que ate parece que nao tem saida. É muito dificil. Eu propria sei o que é viver sem um rumo certo mas tambem sei que Deus escreve Direito por linhas tortas. O meu pai que esta no ceu, era uma pessoa doente. Embora com muito garra e energia. Visto que ele foi internado quado eu tinha dois anos e so saiu com a sua morte uns dias antes de fazer o crisma e de completar dezassete anos. diga me onde esta tudo o que se aprende a cerca Deus. Eu sou um jovem escuteira que por muito que caminhe, pepese e reflicta. Não cosigo perceber como e que se é feliz com uma vida assim. Mas o certo é que ele não me viu crescer porque estava hospitlazado mas a visita mensal que tiha com ele ensiou me imenso e mesmo assim disse que eu era adoravel e única por dar coragem tanto a ele como a minha mae que suportou a pedra de ter que optar entre ele ou os tres filhos que tinha a seu cargo. ele ensinou me que o camiho faz se com coragem e um surriso na cara o que eu nunca percebi e como e que se é feliz assim. mas o certo e que somos uma familia feliz unida, agil e corajosa. apesar de tudo e de todas as circunstancias acho que Deus é o rei no meio da vida e da desgraça pois ela ajuda a suportar e a viver. embora seje me dificil lidar com isto mas sei que ele agora e que passa bem a pascoa e tudo o que mereçe e que um dia sim depois dos camihos que meu pai me ensinou viveremos saudaveis e felizes pelas dificuldades que ultrapassamos. eu dou os meus parabens a todas as pessoas que consigam dar a estes doentes como o meu pai e os seus familiares coragem e amparo pela cruz que cada um leva. beijinhos da barbara mais tratada por babi em homenagem ao meu pai heroi.

Anónimo disse...

A todos os que por aqui passam uma Santa Páscoa!

Abraço

sónia disse...

Como diria o Pe António Vieira, todas as tristezas são escusadas pq caminhamos para Deus..

A morte não é o fim mas um novo princípio. A vida 'terrena' simplesmente o caminho..Quo vadis? (Para onde vou?)
'Do Pai vieste, para o Pai hás-de voltar'

É assim que Deus nos ensina a viver! Pois se Deus é vida e alegria..é com alegria que devemos vivê-la!

beijos a tds e um mto especial à Diana :)
uma boa semana

Anónimo disse...

Confessionário,
Sou agnóstico, depois de, em jovem, ter sido católico praticante de comunhão diária.
Admiro o seu trabalho e a sua dedicação. Aprecio esta forma de comunicar com os outros e consigo mesmo e, para quem acredita, com Deus.
É bom saber que há gente que ajuda as Dianas que estão hospitalizadas. Pode ser que não adiante muito depois da vida se apagar, mas, pelo menos, enquanto há vida acredita-se na bondade do ser humano. E dá-se-lhes força e coragem para conseguirem ultrapassar as agruras que a Vida lhes impôs; cruelmente lhes impôs.
Eu passo por aqui com alguma regularidade.
Um abraço para si e obrigado pelo que faz pelos outros.
LAF

manuel villaça disse...

CAMINHAR

Caminhar significa muito mais
Que o simples gesto de mexer os pés numa direcção.
Caminhar é seguir numa estrada,
Onde os obstáculos da vida vão surgindo:
A tristeza,
A solidão,
A dor,
A doença…
É preciso que os meus pés saudáveis de todas as maleitas,
Saibam caminhar ao encontro do irmão que precisa de mim.
O caminho tortuoso da vida
É um livro fechado,
Que se vai abrindo a pouco e pouco,
Tornando visível o caminho de cada um traçado pelo destino.
Tenho que me lembrar sempre,
Que posso a qualquer momento deixar de caminhar,
E talvez aí repare o quão importante é na minha vida,
Repartir os meus passos com o irmão que sofre.
Que o meu caminho seja sempre feito com a consciência de que,
Devo abrandar a minha marcha
Quando ao longo do percurso,
O AMOR,
A AMIZADE,
A CARIDADE
E A ENTREGA
ME PÕEM À PROVA…

Uma Santa Páscoa.

casos reais disse...

Obrigado sr. Padre.
Que tenha sido uma boa Páscoa para TODOS.
um abraço

Ps: relembro que Tem igualmente um comentario para moderar neste Post:

"Escolha certa e história errada"
agosto de 2008.

Confessionário disse...

Olá, Casos Reais, a tua insitência exige uma respota, não é?

Eu não costumo responder aos comentários a não ser em duas ou três ocasiões: que seja mesmo absolutamente necessário; que tenha disponibilidade para o fazer.

De resto costumo deixar para outros as respostas. Se acaso houver alguma resposta que esteja desconforme a minha ideia, então entro de novo para clarificar. Deve ser assim um pároco na sua paróquia... mas isso é outro assunto.
Se acaso se tratar de um post mais antigo, então mais difícil será responder.
Mas entendo o que dizes no post de 2008.
Um abraço