sábado, dezembro 07, 2019

Uma Maria qualquer [poema 238]

Eu vi uma mulher com vestido sem cor
Percorria os corredores da procissão
De mil véus para tapar rostos desfeitos
Rasgados, esquecidos, amortalhados

Vi uma mulher que era como um conto de fadas
Uma história de encantar, porque me encantava
Por entre os corredores das procissões vazias

Vi uma mulher calçada com mãos agarradas,
a adormecer no caminho do céu

4 comentários:

Anónimo disse...

Amei a poesia, simplicidade que eleva uma mulher. Uma história que encanta. As vezes sinto a presença desta mulher na minha essência de vida.

Anónimo disse...

Bem a propósito desta festa da Imaculada Conceição, padre.
Não sei se entendi tudo, mas fez-me lembrar uma "procissão" sem sentido!

Anónimo disse...

Hoje pra nós cristãos, é dia, de Nossa Senhora da Imaculada Conceição. Que ela nos guarde sempre e nos proteja e tenha compaixão do mundo inteiro.

Ailime disse...

Profundo e belo, como sempre, este poema.
Uma mulher, simples e bela, como Maria.
Desejo-lhe uma boa tarde, Sr. Padre.
Ailime