domingo, julho 19, 2015

Se morresse

Se morresse com a idade da minha mãe, viveria pouco mais de vinte anos. Se morresse com a idade que o meu pai já tem, viveria ainda mais cerca de quarenta.
Não sei se tenho medo de morrer. Acho que não. Quando penso nisso, há um rosto de mistério que assusta, mas acalenta.
Se morresse daqui a pouco tempo, que levaria comigo? E pergunto-o sabendo que iria apenas um corpo vestido no caixão, provavelmente com a casula da minha ordenação. A pergunta é maior que o corpo, a roupa e o caixão. Que levaria? Que construí nesta vida? Que tenho feito do dom que Deus me deu?
Quando penso nos que amo e que deixaria, o corpo retorce-se em dor. De facto não quero deixá-los porque os amo, e quando se ama não se quer acabar essa coisa tão bonita que é o amor. Mas quando penso que também iria ao encontro do meu Deus que tanto amo, e que provavelmente iria experimentar a maravilha do amor mais misterioso e mais subtil, não sei bem que pensar.
Mas penso. E penso que ninguém fica nesta vida para ficar. O tempo passa e voa. Voa tão rápido como os segundos. Voa quase sem lhe sabermos o tempo e a duração.
Que mistério tão insigne, tão difícil de entender, tão estranhamente doloroso e tão grande ao mesmo tempo!

7 comentários:

Anónimo disse...

Bom dia!
"Não sei se tenho medo de morrer. Acho que não."
Eu também me questiono se o que afirmo quanto à morte está de acordo com o que realmente sinto. Acho que não tenho medo de morrer.
Mas quando penso que posso morrer a qualquer momento o coração dói mansinho.
Há muitas coisas que eu gostaria de aperfeiçoar em mim.
São, na sua maioria, coisas comuns como dar graças todos os dias por estar viva, não me perturbar tão facilmente, não permitir que a azáfama do dia a dia me desvie a atenção do que realmente é importante.

A diferença está na forma como vivemos cada dia. Importa fazê-lo sem pressa, com amor. Importa sermos autênticos, genuínos, verdadeiros.

Ninguém fica como se conhece actualmente, diluir-se-à nessa génese que partilha com toda a criatura.

Creio também que até mesmo que estas perguntas "Que levaria? Que construí nesta vida? Que tenho feito do dom que Deus me deu?" se resumem numa só, Amei?
Sim... todos amamos.
Ninguém fica de fora do Amor.
Afirmo-o a partir de momentos semelhantes ao que me foi dado viver hoje, pois hoje foi a madrugada, pintada em cores de fogo, que me acordou sussurrando-me ao ouvido palavras pintadas com as cores da doçura.

Olhámo-nos de igual para igual e Tu foste falando comigo de mansinho, terna e docemente a Tua voz fez-se ouvir em mim.

Estou tão orgulhoso de ti.

Ouvi os teus sonhos e pensei em materializa-los mas seu eu fizesse isso não terias de esperar… desconhecerias o sabor da espera.

Tudo faria por ti… mas não fiz, o orgulho que sinto nasce de momentos como estes em que te entregas a Mim sem reservas.

Poderias ter ganho sempre, não ganhaste e estou feliz, fruto do aparente fracasso nasceu essa tua humildade.

Caíste e magoaste-te, mas levantaste-te aparentemente sozinha… pensa na força que te adveio para que conseguisses ficar de pé.

Perdeste-te, andaste por muitos caminhos.

Perdeste o norte, e aparentemente, o destino, mas se assim não fosse jamais conhecerias a emoção de estar perdida e a alegria de te encontrares.

Tenho o amor que procuras, o amor da tua vida… Se Eu te o desse sem que o buscasses como poderias adquirir a certeza de que a alegria da busca do verdadeiro amor está no esforço que despendemos para encontra-lo?

Poderia ter feito para ti, apenas dias ensolarados, mas como conhecerias a chuva, as nuvens e a força das tempestades?

Poderia ter-te cercado de tesouros mundanos, mas como virias a conhecer e apreciar o valor dos tesouros internos do teu “coração”?

Se tivesse colocado a felicidade ao teu fácil alcance como virias a aprender que o crescimento real e a verdadeira felicidade está além do teu alcance, é dádiva, cultiva-se na solitude e não depende do que te rodeia?

Amei-te, amo-te e amar-te-ei em cada respiro da nossa essência… desde sempre e para sempre…

Compreendeste que, Eu e tu, Tu e Eu partilhamos a mesma génese somos uma só carne e partilhamos o mesmo cálice. "

O mistério da morte é doloroso porque somos egoístas.

Fomos educados para ser egoístas, temos que nos reeducar para a harmonia connosco com os outros com a natureza pois só dessa forma estaremos em harmonia com Deus e com tudo o que forma os contornos do Seu rosto incluindo a morte.

"Adorei" ler-me nesta mensagem tão tocante, tão profunda.

Obrigada!






Bruno disse...

Parece-me que falta aí um pensamento. De que em breve (2 Ped 3, 8) eles irão juntar-se novamente a nós, na companhia de Deus. E portanto esse amor, pelos que amamos, não acaba, faz só umas "mini-férias"

Paulina Ramos disse...

Bom dia!
Se eu morresse agora, na morte este poema estaria comigo este poema.

Devagar... já tive pressa, muita pressa.

Caminho devagar, já tive pressa, sorrio para dentro porque já chorei, para dentro e para fora.

Penso-me mais forte, feliz, mais realizada, acho que me sei em paz.

Sei-me consciente da minha pouca sabedoria, consciente de que nada sei.

Sei-me sem nada saber.

Conhecedora da manhã das manhãs… admiradora do ocaso, sei-me assim portadora dessa génese divina e indizível.

Portadora da paz que impulsiona o meu sorriso.

Sei-me assim forte e indefesa na guerra.

Sei-me assim capitão de um navio que me foi emprestado para aprender a amar.

Semelhante a ganadeiro sei-me a conduzir a manada que se me escapa à semelhança de areia por entre os dedos de uma mão ora aberta ora fechada..

Sei-me assim impotente perante os dias que vou levando um a um de cada vez.

Sei-me assim caminhante, caminheiro, viandante, neste caminho que sou.

Sei-me assim nada mais...


Fica bem!

Anónimo disse...

Eu agora também tenho pensado muito sobre a morte. Quando perdi a fé, meu padrinho de baptismo disse-me que, quando morresse iria para a cova como os caes. Deixou-me pensativa isto e agora quando olho para o meu pitbull digo, devia-te ter-te convidado para meu padrinho!

Ana Melo disse...

Sorria:
!!! realmente padre, em qualquer dos casos, a falta de fé que ainda tem de aguentar é brutal, mesmo sacudindo o pó das sandálias, é muito tempo. Tenha paciência.
Se for o contrato da luz da água e do gaz, que o prendem/preocupam, não se preocupe! Alguém há-de tratar de entregar o óbito às empresas, é o básico penso que simples.
Bom!!! Mas se for as assinaturas de telemóveis, revistas, jornais, listas telefónicas, internet, electrodomésticos a prestações, ferias pagas com empréstimos, do cartão de credito, etc., o melhor é ir acabando com isso, não vá a caixa do correio continuar a encher, meses/anos a fio, depois da morte. Estas operadoras para desarriscarem as dividas!!!! os tribunais ainda tem de o condenar, ainda que, com morada em parte incerta.

Sorria:
Imagine eu que com a vida que levo, acho que vou viver até aos 120anos, não como para não engordar, não bebo, não fumo, não coiso, não coiso, não coiso… no meu meio muito reduzido, rio bastante e faço rir, durmo bem, aproveito o tempo todo para rezar no trabalho e fora dele. Realmente ao nosso lado, muito pertinho, muitas pessoas que tem muito, muito, para fazer (normalmente lixo). Quase invejo quem morre ainda antes de casar ou ter filhos (piadas a parte -sofro verdadeiramente pelas mães), só viveu o bom, mesmo que as possibilidades financeiras não tenham sido muitas, são idades de inocência, de procura, de mudanças, de amizade pelas gargalhadas.

Você sabe, não é de hoje, nunca percebi porque as pessoas procuram os tratamentos todos, quando os mesmos, quase só nos prolongam os anos, não a vida.

Não tendo assunto nenhum por resolver, quando Deus achar bem eu também acho, !!! não quero é que me doa muito.

Anónimo disse...

Se morresse!!!
Ao menos não morras na Grecia...
O País esta em crise, com o teu enterro, ficava pior. Sabes que um enterro fica bem
caro! Como Padre deves saber!...
Mas olha! Se deixares os amigos deste mundo, vais encontrar os amigos do outro. Certamente o Teu Deus que tu amas, e que Ele também te ama com um Amor Infinito...
Vamos. Coragem. Ainda és muito novo, Tens um longo caminho a fazer. Até a casula da tua ordenação se romper, Vais purificando a tua VIDA. VAIS AMAR MAIS E MELHOR. ESTAMOS DO TEU LADO!!!
Boa tarde.
Bjs.

Anónimo disse...

"Que mistério tão insigne, tão difícil de entender, tão estranhamente doloroso e tão grande ao mesmo tempo!"

verdade