terça-feira, novembro 16, 2010

As histórias que são anedota

O padre faz parte das notícias que correm, de boca em boca, nas nossas terras. É um assunto que vende. Vende palavras, escritas ou faladas. Vende histórias. Vende anedotas. E há histórias que são verdadeiras anedotas. Anedotas no sentido em que não podem existir. Como quando dizes a alguém Tu és uma anedota. E no sentido do riso mais rasgado. Como quando não consegues suster a respiração e de tanto rir ficas com dores de costas ou de cabeça. A última trouxe-me essas dores. Da cabeça às costas, e chegou-me aos rins. Foram necessários os rins para a ouvir. O colega que a contou também teve a sua dose de dores de rins.
Sabes, dizia, incomoda-me que as pessoas deixem bancos vazios á frente da igreja durante a missa. O povo tem tendência a ocupar os últimos lugares e ponto final. Por isso, no início da Eucaristia, insisto e torno a insistir para se chegarem à frente. Digo-te que já o fiz umas quatro vezes. E algumas pessoas lá aceitam o meu pedido. Sobretudo mulheres. Pois são elas que mais vão à missa. Pois são elas que aceitam com mais facilidade estas coisas. E o que me chegou aos ouvidos nem ao menino Jesus lembra. Vê lá do que se lembraram para justificar a minha insistência. Então não é que agora comentam que o padre chama para a frente as pessoas para ver melhor as mulheres.
Ele há cada uma. Ele há cada argumento. Ele há cada anedota.

24 comentários:

JS disse...

A propósito, um texto de um outro blog:


Eu chamo-me "o banco de trás".
em muitos lugares sou desprestigiado:
no estádio de futebol, ninguém me quer;
nas corridas de carros, muito menos;
nas arenas e teatros, fogem de mim.
Nas Igrejas, porém, todos me querem bem!
sou o banco mais procurado do templo,
o mais usado de todos!
Os jovens lutam por mim;
até os idosos me disputam!

Na aparência, não tenho nada que chame a atenção!
Qualquer outro banco é tão bom ou melhor que eu.
Nos outros, podem ouvir melhor o pregador;
ouvir a cantar melhor com o coro;
acompanhar melhor o projector multimédia,
sentir melhor o espírito do culto.
Nem assim perdi a minha popularidade!
Sou sempre o mais solicitado,
sou sempre o primeiro a encher.
Mesmo com poucos irmãos, nunca fico vazio.
Fico com pena dos outros bancos,
muitas vezes sozinhos e vazios.
O meu sonho é ficar na 1ª fila.
O banco da frente está sempre vazio e descansado.
Eu também tenho direito a descansar.
Até já pensei partir-me, para ninguém me ocupar.
Ser banco é duro. Ser o banco de trás, é muito pior.

Taísa Vicente disse...

Infelizmente estamos num mundo em que quanto mais atitudes nobres temos, mais as pessoas veem coisas ruins! Infelizmente.

Eu... disse...

...aprendi a ignorar anedotas desse genero....por mais que custe, aprender a viver com o que "o vizinho diz ou pensa" terá que ser algo tão vital quanto respirar!
Hoje em dia nem que fiquemos no nosso canto..metem se connosco!
O que se passa no mundo eu não sei...mas não mataram cristo tambem?Nao o odearam quando ele só fazia o bem?
E nisso que eu penso quando me maxucam sem eu entrar na guerra!

Parabens pelo site mais uma vez...e acima de tudo...pela pessoa que vocÊ mostra ser neste pequeno espaço!
E continue a chamar para a frente as pessoas, assim vão sentir se impotentes perante os contos e ditos!

=)

Sinais no Mundo... disse...

Passei por aqui o que faço habitualmente e deixo-vos a Paz e o Amor de Cristo...

Convido-vos a conhecer Chiara Luce e o seu Sim Incondicional a Deus!

JS disse...

"(É) para ver melhor as mulheres".

Boca típica dos homens da freguesia.

Se fossem as mulheres a falar, diriam que, se as pessoas vão para a frente, "é para verem melhor o padre".

teresa disse...

isto há com cada uma , eh eh eh ..
valha-nos deus ..
há pessoas que dizem muito quando estão caladas , eh eh eh eh ..

abraço amigo ..

Anónimo disse...

Padre, muitas vezes o julgamento que as pessoas fazem dos outros é o reflexo daquilo que, estando no lugar deles, seriam capazes de fazer.

Olho nesses que pensam sempre o pior dos outros!

Abraço
Zu

Anónimo disse...

Quase tive dor de rins ao ler esta "anedota"! :))
Parabens pela forma como colocas no texto ideias tão simples!

LPS

Bunny disse...

um grande «lol» para este post!!!!

Anónimo disse...

Infelizmente, não me deixo rir com essas anedotas, que nem merecem valor nenhum, mas o Povo ainda de meios pequenos Aldeias, vivem do Diz que Diz, e isso fa-los viver mais uma serie de conversas, infeliz do Padre ou do Sacristão ou do Acólito ou da Catequista, ou do Ministro Extraordinário da Comunhão, e até dos leitores. Meu Deus quem é a Igreja?!... somo todos nós que como comunidade estamos a rezar e a louvar o Senhor, e depois infelizmente têm estes comentário;enquanto a Igreja não viver em Comunidade de Irmãos Unidos e Aceitadores do Proximo, tal como o Mestre Jesus, não conseguimos ter Igrejas cheias e muito menos Jovens e adolescentes...Padres mudem os vossos paroquianos, ensinem, digam o que está mal, como Jesus Cristo fez, como Discipulos amados, não se calem, digam as verdades nem que isso vá provocar choque, ensinem o Povo, que cheio de Tradições ainda vê a Igreja como ALGO... Santa Ignorância, Sejamos mais Amados uns com os outros e levantem o vosso semelhante não atirem pedras. QUe Deus tenha compaixão de nós pobres pecadores.Obrigado Padre

Anónimo disse...

Mas ainda há quem se rale com este tipo de disparates. Essa é que é uma grande anedota!!!!

Anónimo disse...

Ri-me às gargalhadas. Ha com cada uma!

carla santos disse...

Pois é!A onde ha muita Mulher á sempre estrago.Principalmente vindo do lado das Biatorras são as piores.

Anónimo disse...

Olá Conf.!

Será que a verdadeira questão é a anedota, ou o motivo dela?
Desculpa mas, para mim este comentario não me tráz gargalhadas.
Tráz alguma indignação pelo meio em que vivemos.
Faltam princípios!
Falta humildade.
È normal vocês convidarem as pessoas para o banco da frente quando notam o espaço vazio.
Mas o que nos leva a nós escolher-mos os bancos de tráz?
Porque é que quando somos convidados para um jantar escolhemos ficar junto do dono da casa e quando vamos á missa escolhemos ficar o mais longe Dele?
Não compreendo Conf.
Não compreendo esta timidez perante Ele.
Ou será que é respeito?

Um abraço !
Alexandra

Anónimo disse...

Ola confessionario.E se por acaso houver alguma que aceite ir la para a frente para ver o Padre,tambem acho muito bem.Que ele ha padres que vale bem a pena olhar para eles! He He He...Mas nos sabemos que a acontecer,é so por acaso.(Deus nos livre dos maus pensamentos).Cada vez gosto mais de passar por aqui.Abençoado seja quem nos faz sorrir. Beijinhos para todos os que habitualmente deixam os seus comentarios.Maria.

Impressaodigital disse...

Naturalmente...infelizmente..e também terá sido impulsionado pela reportagem...não sei... Talvez pensar ao ocntrário do Bem seja mais fácil..

Anónimo disse...

Em Avignon na França uma igreja tem sido atacada ao longo dos últimos meses por um grupo de gente que atira excrementos contra a igreja e aí fazem grafitis insultuosos e obscenos. Na passada semana, pegaram fogo a um cipreste especialmente próximo da igreja, pondo-a em perigo de incêndio. Antes de terem queimado o cipreste, um indivíduo entrou na igreja a meio da missa, urinou no chão e disse: «Vamos queimar-vos, a vocês e à vossa igreja.»

Isto é o que dá terem deixado entrar o islão na Europa.

JS disse...

Para entender a "boca", é preciso lembrar os tempos de antanho (mas ainda muito vivos no inconsciente dos nossos cristãos, sobretudo em zonas rurais).
Antigamente, e em alguns casos até há bem pouco, a igreja dividia-se em duas zonas: a dos homens, à frente (e no coro), e a das mulheres, mais atrás, no corpo da igreja.
Ainda hoje há homens que vêem a parte da frente como a "sua" zona, sentindo-se algo incomodados se a vêem "invadida" pelas mulheres.

Também é necessário ter em conta os motivos que estavam por detrás dessa divisão. Para além da óbvia diferença de dignidade (lol), havia também a justificação de que as mulheres tinham de ficar atrás para que os homens não se distraíssem.
(Claro que não havia preocupação com a possibilidade das mulheres se distraírem, já que, como se sabe, as mulheres são distraídas por natureza).

Assim sendo (conclusão lógica), se o senhor padre anda a chamar as mulheres para a frente, é porque anda à procura de distracções...

Confessionário disse...

JS, o teu raciocínio tb me fez rir à brava!

Haja, pelo menos, alegria!

Canela disse...

Felizmente a boca só fala, do que o coração está cheio!

Digo felizmente, porque assim sabemos com o que contamos...

Porque os padres se calam tantas vezes? Porque são chamados á tolerância, á caridade, á paz, á concórdia, a resgatar e não a perder o outro!

Por isso é que só alguns são chamados á vocação Sacerdotal.

A Paz de Cristo e Coragem!

R.C. disse...

Olá Conf.

Apesar de ser um visitante atento e assíduo deste blogue, só hoje é que me vou "lançar" nos comentários.

Infelizmente, nos tempos que hoje vivemos estas "anedotas" tornam-se cada vez mais frequentes nas nossas comunidades. Infelizmente, a maioria das coisas que os párocos dizem são distorcidas e a "génese" da afirmação é adequada conforme der mais jeito para fazerem as "conversas de café". Esquecendo-se que os sacerdotes estão a lutar constantemente pela união da comunidade e para melhor uma melhor vivência da nossa fé.

Muitos parabéns por este site muito bem conseguido.

Saudações em Cristo.

R.C.

Sinais no Mundo... disse...

Passo por aqui frequentemente...hoje, para vos recordar que quando morri levei-vos no pensamento...

SÊ Feliz! o Teu Amigo de todas as Horas ....

Cristo

Anónimo disse...

Um motorista de autocarro e um padre morrem no mesmo dia. O motorista vai para o Céu e o padre para o Inferno.
— Porquê? — pergunta o padre a Deus.
— Porque os seus paroquianos adormeciam quando você pregava, ao passo que o motorista, sempre que conduzia, todo o mundo rezava.

Anónimo disse...

A Notícia-Número-Um começou o dia com um pequeno-almoço de papa-léguas. Naquele dia ia precisar de uma dose reforçada de energia! Participava na “Correr-Mundo”, prova rainha de velocidade das notícias, modalidade onde era especialista. Era a actual e incontestada number one olímpica e mundial. Apesar de tais títulos, ou precisamente por causa deles, a Notícia-Número-Um estava particularmente nervosa. Ao sentar-se no chão, para apertar os ténis, não conseguiu evitar mirar as próprias pernas. Sentiu o habitual desconforto. Apesar de todo o sucesso alcançado, notava-se nitidamente que era uma notícia com pernas curtas! Afastou de si tais pensamentos e retomou a série de alongamentos. Já esticada ao seu limite máximo, colocou a mão na testa para tirar a temperatura. Mesmo depois de tão intensa preparação física continuava a ser uma notícia que não aquecia nem arrefecia! Pufffffffff! Assim, nunca iria conseguir atingir a velocidade necessária para vence as suas ferozes Notícias-Concorrentes…! Atleta ambiciosa, mentalmente muito forte, a Notícia-Número-Um mais uma vez não se deixou abater. Precisava de uma reviravolta! Obrigou-se a melhorar a performance da sua corrida. A qualquer custo! Para ser mais rápida, só havia uma solução: tinha que se tornar numa Notícia-Muito-Quente-e-Ligeira! Sem qualquer preocupação com a verdade desportiva, muito menos jornalística, tanto mais que a prova realizava-se num Corre-Mundo em que os fins justificam sempre os meios, a Notícia-Número-Um decidiu aderir a uma terapêutica de choque. Assim, com o objectivo de se tornar uma Notícia-Muito-Quente, tragou um barril inteiro de extracto concentrado de malagueta puro. Agh! Agh! Fez ela. Já para se tornar uma Notícia-Muito-Ligeira, agitou uma dose máxima do composto bifásico “Escândalo-Sensacionalismo” e injectou-a via intravenosa. Toda speedada, já com ar de alcoviteirice e sem réstea de notícia, a Notícia-Número-Um Correu-Mundo de boca em boca e de ouvido em ouvido, a uma velocidade supersónica. Cruzou a meta do Fim-de-Mundo em primeiro lugar! Mas chegou com a sua enorme língua de fora e um pavoroso mau-hálito…(os speeds picantes…). Vencedora... mas sem honra, nem glória. Por isso, aqui no Fim-do-Mundo, quando pusemos os olhos na Notícia-Número-Um, após a sua chegada, viramos todos a cara para o lado! Bah! Bah! Ugh! Ugh! Por razões óbvias, ninguém quis que a Notícia-Número-Um andasse aqui de boca em boca e de ouvido em ouvido! Cala-te já, dissemos, sem papas na língua! Foi uma grande vergonha apara ela. Apesar da nossa atitude, por vivermos neste Fim-do-Mundo, local onde não se passa nada, gostamos muito de estar informados. Assim, decidimos, por unanimidade, esperar pela Notícia-de-Última-Hora, que apesar do nome, segundo notícia avançada, corre como uma seta e até é mais urgene que a Notícia-Número-Um. Bem, a Notícia-de-Última-Hora lá chegou. Logo a seguir. Vinha toda fresquinha, com o correio da manhã… Comecei a ler e fiquei boquiaberta… Parecia uma anedota…

(Talvez continue um dia destes)