sexta-feira, abril 28, 2006

O meu pecado...

Abordou-me no meio da rua. Ó Confessionário, que se passa? Rendeste-te aos novos pecados? Estás com medo do Vaticano? Estás com medo do Cardeal Stafford? Não tens aparecido!! Foi assim de chofre. Eu desatei às gargalhadas. Como agora, ao escrever, porque é a única reacção que me lembra. E de chofre perguntei quais eram os novos pecados. Pois, que os pecados não aparecem assim, de um dia para o outro. Fazem-se, mas não aparecem. Os pecados sempre foram pecados. Eu costumo explicar aos meus penitentes que os pecados são as ocasiões em que nos afastamos de Deus, que O negamos, ou que fazemos de conta que Ele não conta nas nossas vidas. São as ocasiões em que deixamos de amar como Jesus ensinou a amar: a Deus, aos outros, a nós mesmos.... São as ocasiões em que nos esquecemos… Ele interrompeu-me para lembrar o que o Cardeal tinha dito. Ripostei que ele já tinha desdito. Ele desatou também às gargalhadas. Imaginem. E acrescentou. Essa de dizer que ver televisão, usar a net e ler os jornais em vez de passar tempo com leitura da Sagrada Escritura não está muito bem explicada! A actualização da Sagrada Escritura faz-se no dia a dia, nestas coisas da comunicação, não achas? Pois. Este raciocínio já o tinha tido eu. Por isso desatámos os dois às gargalhadas. Valeu para um momento de alegria e amizade.
Porém, após dois ou três puxões e palmadas, ele ainda me olhou de lado. Agora a sério. Estiveste desaparecido porque estavas confuso com esta história dos pecados novos!! Diz a verdade!! Então sim, foi de morte. Ainda me está a doer a barriga de tanto rir. Ó homem, estive hiper-ocupado, digamos que à beira de uma "depre", e depois fui descansar dois dias. Só isso. Mesmo assim, ficou com ar desconfiado. Ahahahhh…

19 comentários:

Confessionário disse...

Foi isso, amigos. estiove este tempo longe do mundo virtual porque o trabalho a isso me obrigou. Foram as cerimónias pascais, e muitas outras tarefas. Foi a vida, as preocupações. Mas agora retemperei forças.
Esqueçam isso do pecado. Ele só fica triste quando O abandonamos... por fora ou por dentro de nós mesmos!

1gota disse...

Mas o que custa explicar isso aos que não querem entender! :)

NaSacris disse...

Ai! Ai! Ai! Eu até já ia perguntar se não é pecado passar muuuuito teeeemmmmpo a ler a biblia online, mas como o cardeal desdisse e tu agora desvalorizas a questão, então ficamos assim... Com muitas gargalhadas.
E, já agora, vamos matar um cordeiro cevado. Afinal voltaste!
Abraço

NUNO BRANCO, SJ disse...

Confessionário,
acho que o conceito de pecado anda mal entendido. Vivemos em dois extremos: ora banalizamos o pecado e vivemos descomprometidamente sem pensar sobre o mal que isso produz nas pessoas, ora absolutizamos o pecado, remoendo a consciencia até à exaustão. É sempre assim: a habilidade da vida está em encontrar o ponto de equilibrio.
Depois também acho uma outra coisa importante: qual é o centro da nossa vida? É fugir do pecado ou aderir à pessoa de Jesus?
Na fuga ao pecado o centro da minha vida é o mal: eu regulo-me e reajo em funçao do mal que quero evitar. Na adesão a Deus, o centeo é o bem. Eu faço o bem e como consequencia anulo o mal.
Sao duas atitudes distintas que fazem toda a diferença.

O que é q acham?
ps. A estratégia eficaz para combater um defeito é desenvolver a virtude oposta.
Um abraço

Avozinha disse...

Pois se calhar o cardeal até tem razão!

Confessionário disse...

Nuno, tenho de anuir contigo. Gostei imenso do que afirmaste, sobretudo essa do centro quando tentamos afastar-nos do mal e quando tentamos aproximar-nos de Jesus. Nem mais. E foi um dos erros da Igreja há uns anos atrás, quando o centro era fugir do mal e não viver Jesus!!! Boa...

Ver para crer disse...

Isto de pecado tem muito que se lhe diga. Ontem estive a ver o "Crime do Padre Amaro" da Sic e fiquei desolado.
O centro é posto no sexo e na violência.
Não dei por bem empregado o tempo que gastei a ver tal "porcaria".
Sei que teria feito melhor se gastase o tempo perdido a ler a Bíblia.
Ficava mais bem disposto e com outros olhos sobre o mundo.

PHYLOS disse...

Carissimos, desculpe, mas a Igreja Catolica precisa sair da Idade Media e vir para o século 21. Trata-se de um organismo atrasado, inepto, embolorado, que não tráz mais conforto, por isso está perdendo fiéis, por isso tem dificuldades para arrebanhar candidatos a padre. TODOS SABEM QUE A IGREJA CATOLICA CRIOU FALSIDADES, COISAS QUE NÃO EXISTEM NA BLIBIA (A ADORAÇÃO DE IMAGENS É UMA DELAS). Abraço a todos.

Sonhadora disse...

A comunicação social foi muito "eficiente" em divulgar a tal notícia dos "novos pecados". Foi até notícia de destaque no Telejornal.
O mesmo não aconteceu com a explicação posterior do cardeal, tanto que eu, pelo menos, só a soube através dos blogues que visito.
Talvez fosse por isso que houve alguma confusão nas cabeças das pessoas, tal como o seu amigo, Confessionário. A mim também me disseram, em brincadeira (ou talvez não) que já não podia usar a Internet nas minhas aulas...
Benvindo!

Anónimo disse...

Ainda bem que voltou sr Padre1 Já estávamos com saudades suas..Gostei muito da observação do Nuno, e estou plenamente de acordo, é um bom ponto de vista. Não devemos viver obsecados com o que é pecado ou não, mas sim viver jesus, e amá-lo como ele nos amou a todos!

Beijinhos e um bem haja a todos

mi disse...

olá!
ri-me imenso com esta post!

adorei as palavras do nuno branco, sj.

são positivas, alegres, inteligentes e actuais!
acho que é MESMO isso!
obrigada!

Confessionário disse...

Phylos, isso que dizes depende da forma como cada um vive a Igreja, o Evangelho. Eu vivo bem a Igreja e conforta-me. Quem não a vive bem, terá sempre dificuldades em encontrar nela conforto. Mas tb não é para confortar que existe a Igreja. Ela serve para nos levar a Deus. Cada vez qwue não o cumprir, concordo contigo: não está actualizada, porque o ERvangelho quer-se actualizado. Quando o cumprir, ela está ao serviço do Reino. Mais te digo, a Igreja somos cada um de nós. mais te digo, as imagens são apenas imagens, como as fotos que temos de pessoas amigas são apenas fotos. Lembram-nos as pessoas que representam. Nunca beijaste uma foto de uma pessoa que amas muito?
Um abraço amigo, Phylos...

Diogo Taveira+ disse...

Caro Senhor Padre e outros:
gostaria de ter respondido a este tópico mais cedo, mas não pude. em primeiro lugar, quero felicitar o Reverendo por tal blog, que é espectacularmente real e que inspira cada um para o que é realmente o confessionário. segundo, sobre este assunto: de facto, S.E. o Cardeal Satafford não foi entendido como deveria ter sido, e a comunicação social, aliada a uns rumores sobre Judas, tinha que dar o destaque. no meu blog tenho um artigo sobre o exagero dos media.
terceiro, o Reverendo Nuno Branco, que pertence à mais extraordinária ordem religiosa, a Companhia de Jesus, expôs perfeitamente o que era viver o Cristo hoje em dia.
quarto, ao senhor Phylos: a Igreja está embolorada? não me parece. se uma instituição segue uma doutrina, não a pode mudar simplesmente porque mais lhe convém. manterá a sua opinião formada à cerca dos assuntos globais. de facto a Igreja está com ficiculdades em arranjar candidatos ao sacerdócio, mas somente pelo facto de que a sociedade actual, mais tolerante e intolerante que nunca, modela cada um à sua maneira, pondo-o contra a Igreja de Cristo. é bom notar que os heréticos protestantes também têm falta de sacerdotes, e eles são "evoluídos"(????) ao ponto de terem mulheres no sacerdócio. penso que não será falta de "evolução". diz o Papa Bento XVI no seu livro «Introdução ao Cristianismo» que o cristianismo interpretativo, sendo intrepertado à moda de quem o convir, é um erro. e que, se para "arrebanhar" pessoas para a Santa Igreja o for necessário, então que se acabe com a Santa Igreja. é necessário reconhecer, meu caro senhor phylos, que o Cristianismo é a expressão maxima do que é a rebeldia e a revolução, pois acreditar em algo estranho ao que é defendido pelo ideais actuais.
espero ter sido esclarecedor.
um abraço em Cristo, semper

Sonhador Acordado disse...

Quando comecei a ouvir as notícias sobre os famosos "novos pecados" não fiquei muito preocupado porque já desconfiava que os nossos queridos media tinham voltado a fazer das suas. Já conheço a maneira como muitos jornalistas costumam distorcer as notícias sobre a Igreja.
Infelizmente não consegui obter o texto original, mas pelos vistos prestava-se a ser mal interpretado, tanto que o Cardeal acabou por ter que esclarecer melhor o seu sentido.
O que foi triste foi a reacção negativa que esta notícia teve em pessoas que já não têm uma imagem muito positiva da Igreja.
Uma notícia negativa sobre a Igreja é normalmente muito mais destacada que uma positiva. Assim temos que nos esforçar mesmo muito para ser testemunhas de uma Igreja que acredita num Deus de Amor.
Obrigado por este artigo, Confessionário.
Um abraço,

Anónimo disse...

Ao reler o post, lembrei-me que, nisto de pecado, há o pecar por excesso e o pecar por defeito. Talvez o cardeal também tivesse que lançar a interrogação sobre se andamos a desperdiçar as oportunidades de evangelização que a web oferece, ou se andamos desatentos aos sinais dos tempos que nos chegam pelos jornais...
Por outro lado, o que é demais é erro, sim senhor. Aqui, recordo o meu pároco, que costumava arreliar as suas beatas dizendo-lhes que terços e missinhas a mais eram um grande pecado... :)
Quanto ao teu pecado, até parece que o Papa adivinhava, tendo em conta a sua homilia da Missa Crismal... Caso para dizer, parafraseando o S. Paulo: onde abunde o trabalho, superabunde o descanso... :)
JS

disse...

O pecado é sem dúvida o afastarmonos de Deus!

Quando me sinto longe de Deus, quando me sinto que quebrei os laços com Deus, aí sim, me sinto pecador!

Abraço

luis disse...

Não sei como encontrei este blog....mas tem feito muito bem ler tantas coisas importantes... Estamos sempre a aprender!...
Tenho uma dúvida, a propósito de pecados.
Fiz uma excursão a Espanha no feriado 1º Maio, saimos a 29 e regressamos a 1 de Maio. No domingo, 30 Abril eu quis assistir à Eucaristia dominical ao meio dia, mas tive de sair ainda durante a homilia, porque estava marcado sairmos para o hotel ao meio dia e meio e eu não ia transtornar o embarque e hora de almoço dos restantes 5l excursionistas.
Embora tenha tido boa intenção de assistir até ao fim, será que fiquei com o meu dever cumprido???

Anónimo disse...

não podemos fuzir da besta... temos que enfrentar a besta! só assim é que podemos saber quem era Jesus, porque ele enfrentou o mal ate ao fim e acabou por vencer... olga

Anónimo disse...

se não fosse ter lido esta menssagem, que afinal o cardial fez uma confusão com os meios tecnologicos, eu iria pençar que seria altamente pacadora... :-) um beijo da Olga Teixeira