quinta-feira, maio 03, 2007

Ontem foi assim

Levantei-me mais tarde porque me deitara tarde. Cerca das nove e trinta. Casa de Banho com ele. Sim. Também fazemos dessas coisas! Tomo um banho meio quente porque o gás está a ir-se e ainda não tive tempo para ir buscar novo. Precisava uma secretária só para estas coisas. Ou secretário. Se calhar era mais próprio. A casa está fria porque… só preciso ligar o aquecimento para mim. Entretanto bateram à porta. Moro sozinho. Por isso não atendo. Deve estar a dormir. Estou sempre a dormir quando não abro a porta. Dizem. Às vezes escolhem aqueles momentos mais fisiológicos para bater à porta. E continua o dia. Depois do pequeno-almoço, saio para tomar o meu café da manhã no café em frente. Tenho um café que mora em frente e que me permite usufruir de som ambiente até bem tarde. Pior é quando não tenho estacionamento à minha porta. Ouço falar da Jacinta. Uma paroquiana doente com cancro. Preocupa-me o estado dela. Vou ligar dizendo umas piadas para animar. Só o possível. Recebo outro telefonema. Precisam que lhe faça o baptizado sem que os padrinhos estejam crismados: Há outro padre lá do sítio que permite. Explico o Código Direito Canónico. Entendo que estar crismado não é igual a ter fé. Mas tem de ser. Penso. Tenho de ir ao Centro por causa dos dois velhinhos que precisam que se lhes resolva o problema. Vou e almoço. No meio ainda rabisco o calendário litúrgico da semana. Preparo os avisos para os jovens elaborarem a Folha Paroquial. Quase duas horas. Converso com as empregadas. Uma refila porque não concorda com o horário do Domingo. Bateu a porta do escritório. Mais uns desabafos da Directora Técnica do Centro. Ouço já com o pensamento noutros lados. Entro em casa e torno a sair. Um amigo convida para café. Outro. Conversa puxa conversa. Desabafa. Quer desistir do Conselho Económico. Está cansado do que tem de ouvir. Animo-o. Animo-me. Já preciso. Chego a casa para ver as leituras do funeral. Faço o funeral que é o que me custa mais como padre. No final, depois do constrangimento dos choros a que assisto, vem uma senhora. Quer perceber porque é que não pode fazer a festa da Santa tal. Tal porque já nem consigo ouvir o nome correcto. Insulta-me. E continuo a sorrir-lhe. Casa de novo. Outra paróquia para celebrar missa. Vou mais cedo para atender confissões ou outras necessidades. Atendo só uma. Celebro a pensar no dia que está a passar. Acabo. Tinha uma reunião marcada com as zeladoras dos altares. Até para estas inventam reuniões. De doze aparecem duas. Não tenho vontade de fazer jantar. Ainda tenho de trabalhar no computador. Vou ao centro. Já está fechado. Tenho chaves e como qualquer coisa. Programo mais umas coisas no computador. Penso numa actividade. Recebo mais uns telefonemas. Bons e maus. Trabalho. Afazeres. Experimentam até ao tutano. Ouço do outro lado um paroquiano com problemas sérios. A esposa. Sinto-me incapaz. Queria rezar e já não consigo. A cabeça à roda. Apetece-me ter uma reunião com Deus e discutir com Ele. Deito-me. Claro que não adormeço logo. Revejo o dia todo. E o de amanhã. Ainda há quem pense que não trabalhamos!
E vou marcar uma reunião com Ele.

33 comentários:

Confessionário disse...

Amigos, este é um texto de arquivo. Mas, como busquei algo que me estava a faltar dentro de mim, acabei por dar com este texto que é bem de hoje... Ufff. Vou berrar com Ele, ai vou!

Paula disse...

:-) também me apetece berrar com ELE porque nao sei o que Ele pretende com esta fase menos boa que estou a passar (amor é muito complexo)
Mas penso sempre naquele poema: (Pegadas na areia) que diz que nos momentos menos bons Ele nos leva ao colo....é isso que está acontecer...

mas ás vezes...Berro com ele, apesar de responsabilidade em parte ser minha do que está a acontecer :(

Um abraço confessionário

elsa nyny disse...

Calma! Tem calma!
È que há muitos dias assim!
E o tempo não estica mesmo!
E, sim! Os padres trabalham muito!!
E ...nós também!!
Não vale a pena berrar com Ele!!!
:)

Maria disse...

:) hahahaha! Berra com Ele berra!!
À vontade! Mas tudo, mesmo tudo :D!
Ainda não cheguei a "berrar", mas lá resmungar, resmungo (só muito de vez em quando!,nada de exageros!)
Paciência e Amor não Lhe faltam!

Maria

PS: Já agora, que tal um post sobre os efeitos :D...

ERute disse...

Há dias que parece que não têm fim...
Estou a passar por uma fase assim...
Rezemos juntos ou talvez berremos juntos - o Amor de Deus por nós tudo suporta é a nossa safa!!

Luis Carlos disse...

Olá confessionário,

Sugiro-te os livros "Conversas com Deus" do Neale Donald Walsch, isto porque ele também começou assim, a berrar com Deus.

Até já,
Luís Carlos

Anónimo disse...

As pessoas são normalmente muito exigentes com os Padres.
Exigem deles aquilo que elas próprias não cumprem.
Imagino que os Padres têm uma vida muito solitária, com muitas solicitações da parte dos paroquianos, que acham que eles têm que estar sempre disponiveis.
Deus lhe dê muita paciência, pois
para algumas pessoas é a pessoa que têm mais à mão para lhes dar algum amparo espiritual e humano.

Leonor

Anónimo disse...

Ola bom dia.
É evidente que os padre têm muitos afazeres, têm que estar disponiveis para todos, esquecendo-se por vezes deles próprios. Mas isso caro confessionário, acontece com todos nós. Todos nós temos afazeres (uns mais importantes que outros), e temos que estar disponiveis também para os outros. Quando não gostamos só temos 2 remédios: Ou mudamos ou calamos. A vida prega-nos de quando em vez umas partidas. Cabe-nos a nós saber contornar as contrariedades.
E como diz a elsa, é verdade que o tempo não estica. Mas ainda bem, porque senão mais coisas haveria a fazer e por fazer.

Hepta disse...

Cada vez mais a vida é uma azáfama. E agora, por tudo e por nada, se fazem reuniões e grupos de trabalho que, na maioria das vezes, só serve para perder tempo e empatar. Fala-se muito, discute-se todos os problemas, propõem-se soluções, mas no final, faz-se pouco e tudo vai ficando na mesma, como se vê.
E quando não pior, em que todos dão a sua opinião, "porque cada cabeça cada sentença", e por fim, ninguém quer ceder e só enredam e se zangam e batem o pé e saem porta fora.

É fruto da democracia que tem coisas boas e más, como em tudo
neste mundo, cheio de contingências, em que nada é perfeito.

Faça como o outro: todos têm direito a dar a sua opinião, a expor os seus pontos de vista, mas quem decide e dá a última palavra sou eu. Ponto final.

Imponha-se e ponha limites à confiança que dá, porque a confiança de mais, facilmente resvala para o abuso e deste para a falta de respeito.

Não é por acaso que frequentemente se vêm na TV notícias de zaragatas entre os paroquianos e os párocos, quase sempre em meios pequenos, onde todos se conhecem e com mais facilidade abusam e tomam o pulso, a mão e o pé, porque se deu confiança de mais.

E depois comenta-se que os pades já não se dão ao respeito.

NaSacris disse...

Caro colega, faço-te um desafio no meu blog. Aceitas?
Aqui:
http://nasacristia.blogspot.com/2007/05/se-eu-fosse.html

Abraço

Anónimo disse...

Abraço de solidariedade.

Palheirense

Hepta disse...

A propósito de berrar com Ele, veja lá, Sr. Padre, tenha alguma contensão, não vá acontecer-lhe como a mim.
Tenha ânimo e todos nós aqui lhe damos uma fórcinha para que o fardo se torne mais leve e continue a sorrir e a amar.
Com Ele ao lado, as injustiças e ingratidões até passam a ter algum sabor e humor.

E gostaria que me desse a sua opinião quanto ao meu caso:
Mesmo que tenhamos muitas culpas no cartório, sabe tão bem descarregar em cima de alguém! E se não tivermos ninguém, temo-lo a Ele (ah,ah,ah).

Em tempos, quando tive um período negro na minha vida, barafustei tanto com Ele, nem queira saber que deitava as mãos à cabeça.
Blasfemava e até O insultava; dizia-Lhe tudo e mais alguma coisa, o que me vinha à cabeça; fiz trinta por uma linha.
Mas, apesar disso, Ele não me fez as vontades nem me satisfez os caprichos e, contudo, nem porisso me afastei Dele, antes pelo contrário.
Os sofrimentos passaram, graças a Ele que, discreta e silenciosamente me foi amparando.

Passados já uns anos, e apesar de já me ter confessado várias vezes, continuo, no entanto, a sentir um certo peso interior de que nunca serei perdoada totalmente.
Isto, porque, sempre que detenho os olhos por aquela passagem do Evangelho, em que Jesus diz aos fariseus que todo o pecado será perdoado, excepto o pecado de "blasfémia" contra o Espírito Santo, fico confusa... sinto-me eternamente condenada.

Que me diz a isto?

De vez em quando, quando a absurdidade do mundo e as contrariedades da vida me assaltam, tendo logo a fazer reflexões que contradizem a Fé (há coisas que são mesmo estranhas neste mundo e fogem a toda a lógica e bom-senso), mas até já tenho medo de me exceder e recuo.

mafalda disse...

Entendo-o tão bem! Só de ler fiquei «esmagada».Faz bem desabafar.Fique ciente, no entanto, que esses telefonemas, essas palavras, esses sorrisos,esse tempo todo despendido, são grandes coisas.
Abraço

Confessionário disse...

Hepta, berrar com Ele não é blasfemar... heheh. É só soltar o que sentimos de uma forma mais alterada. Eu discuto muitas vezes com Ele sem nunca O deixar de amar. Afinal, não é assim com os amigos? valia mais dizermos as coisas pelas costas? hehehe...

Por isso se discutiste com Ele assim, fica em paz. Ele ouve-nos de qualquer maneira! O que é preciso é que Falemos com Ele!!!

Tiago Almeida disse...

amigo
tenho uma coisita no meu blog para ti
fica bem

Anónimo disse...

ó confessionário,
e tu sabes o que é ter de aguentar um chefe rezengão oito horas por dia e trezentos dias por ano durante uma vida inteira...para ganhar o pão seco de cada dia?...para si e para os filhos?...
e muito cuidado...porque há que manter o emprego...
É que os padres, em geral, têm a tendência para pensar que são uns super-homens...só eles se preocupam...têm uma vida muito...muito agitada...não têm horas ...é de noite..é de dia...
Perdoem-me. Vivem na estratoesfera!...E era escusado.

Catequista disse...

Infelizmente ainda existe muita gente que pensa que um padre não faz nada. Eu sei, conheço bem o da minha paróquia. Uma paróquia que vale por duas, um padre que já não é novo, mas ao qual exigem, de um lado, de outro. Não é fácil, não deve ser...
Às vezes faz-nos bem gritar, soltar o que nos vai no interior, soltar-nos. A sensação que fica no final é de alívio e na certa que Ele nos ouvirá calmamente e ao seu jeito nos falará!
Bom fim de semana

DairHilail disse...

Venho trazer-te carinho e uma rosa...

1 beijo...

al cardoso disse...

E se lhe disser que ja fui crismado com quarentas e o meu padrinho de crisma, foi o meu filho mais velho!

Saudacoes serranas d'Algodres.

Anónimo disse...

Paz!!!
Será possível você enviar-me esta música que toca em seu blog? É lindaaaaaaaaaaaaa demais!!!!!
Desculpe,mas fiquei encantada com a letra e a voz do cantor.

Meu e-mail é mmcarol@gmail.com
Maria Carolina

Paz e bem!

mi disse...

marcar uma reunião com ELE é muito boa ideia, afinal é com ELE que temos que fazer contas :-D

Paulo disse...

A vida de um sacerdote afinal não difere muito de quem tem outro trabalho:) Problemas, duvidas, anseios...e certezas de quando em vez.

Anónimo disse...

Então amigo já reuniste com Ele?Quem falou mais, tu ou Ele? A minha experiencia diz-me que quando escutamos encontramos mais respostas do que quando falamos,falamos, e por vezes não dizemos nada.Para mim costuma resultar-quando estou zangada- começo a cantar, em crises de fé canto aquela, meu Deus eu creio...outras vezes, quando o Espírito de Deus habita em mim...e sabes que resulta. Não queres experimentar?
Um abraço em Cristo.

Confessionário disse...

Anónimo de 5 de Maio,

Sei... imagino o que é ter de aturar um patrão e tudo o que a vida nos traz. No entanto, as formas de sentir de cada um são diferentes, sempre!

E como sou, de alguma forma, patrão e empregado, sei o que é dirigir e ser dirigido. Sei igualmente as dificuldades de dirigir pessoas. Não apenas uma família, mas várias.

De modo algum um padre pretenderá ser a vítima da "vida". Eu não. Eu gosto da minha vida. Mas há dias, e muitos, em que se vive assim.

De facto o padre tem uma vida como cada um tem uma vida. Aliás, é bom que assim seja e que todos saibam. Ninguém vive na estratosfera!

Abraços

Confessionário disse...

al cardoso, isso é mt bonito.

Confessionário disse...

Anónimo de hoje,

Já falei, já berrei, já ouvi, já dormi melhor... e já tenho mais forças...

Confessionário disse...

Tiago, agradeço e retribuo.

Para mim o "óscar goes to" Tiago...
Parabéns...

Não leves a mal eu não entregar a mais ninguém... pois teria de entregar a todos!!!

Berdades disse...

Não deve ser mesmo fácil ser padre.
Confesionario convido-o a visitar o meu trabalho no meu blogue, sobre a visita pascal na minha terra - http://berdades.blogspot.com/2007/05/o-espirito-santo-em-visita.html

Anónimo disse...

Paz!!!
Amado de Deus,coloquei meu endereço errado,permita-me corrigi-lo: mmcarolc@gmail.com
Se puder me mandar em MP3,a letra,e o nome do dono da voz maravilhosa,fico grata!(como peço hein!..rs..Desculpe!)
Um beijo de Jesus pelos lábios de Maria em seu coração!
Maria Carolina

ana maria disse...

Às vezes -quase sempre!-, os meus dias são assim...sem tempo nem espaço, sequer mental, para respirar... nem quando finalmente me consigo deitar com a intenção de dormir, com a minha filha de ano e meio que ainda mama de noite, que acorda e me acorda várias vezes...E levanto-me toda dorida, como se a noite me açoitasse, "pronta" para mais um dia de vestir filhos, dar pequeno almoço, correr para a escola deles, correr para a minha escola, tentar partilhar matemática com meninos e meninas dos 5º, 8º e 9º anos... voltar a buscar os meus filhos, compras, banhos, jantar, roupa a lavar, aulas ou testes para preparar... Não é fácil!

Confessionário disse...

M. Carolina. Posso tentar... Não sei se vou conseguir porque tem tamanho grande esta música.

Quanto ao nome do autor, está no blogue: Hèber Marques (é evangélico)e este tema está no Cd "Motivações" que eu ouço muitas vezes...

deprofundis disse...

Estava eu de férias no Brasil quando me vi contemplado com o prémio Thinking Blogger Award conferido pelo meu prestigiado amigo Luís Alves de Fraga, autor do Blog “Fio de Prumo”.
Porém, na altura em que tomei conhecimento dessa boa notícia, experimentava, lá em terras de Vera Cruz, enormes dificuldades em publicar fosse o que fosse nos meus blogues. Apenas consegui inserir alguns comentários.
Regressado a casa, já refeito dos incómodos do “jet lag” e depois de pôr em dia tudo o que ficou por fazer durante a minha ausência, apresso-me a referir neste espaço tão grato acontecimento.
E, no cumprimento da praxe a que o prémio obriga, passo a referir os blogues que entendo merecerem o meu apoio. Todos eles estão nos “links” ao lado e são os seguintes:

“A blogar é que a gente se entende”
Um blogue que prima não só pela qualidade do Português, mas também pelo seu conteúdo. Aparentemente feito à roda de “fait divers”, uma leitura mais cuidada e profunda revela ao mesmo tempo um espírito observador, crítico, realista, inquieto e insatisfeito. Sendo a autora também poeta, com poesias escritas em Português e Inglês, parece até estranho que, neste seu blogue, mostre bem que tem os pés assentes na terra…

“Caixinha de Música”
Inteiramente dedicado ao conto infantil. Os contos, muitíssimo bem construídos e primorosamente escritos, estão cheios de sensibilidade, imaginação e ternura. A sua autora revela grande talento e só peca pela excessiva humildade. Deveria fazer tudo para publicar a sua obra.

“Do Mirante”
Um blogue sério que aborda temas variados. São patentes as preocupações do autor nos campos da política, sociedade, ecologia, cultura e outros. Os artigos apresentados primam pela qualidade e oportunidade.

“Confessionário de um Padre”
Aqui é o padre que confessa aos leitores as dificuldades de um sacerdote católico perante o seu Deus e perante o Mundo que tenta melhorar. De espírito aberto e tolerante, mas a meu ver espartilhado por uma religião dogmática e cheia de mistérios, tenta conciliar a sua fé com a racionalidade.
Este é mesmo um blogue que faz pensar…

“Palavras ao Vento”
Este prémio destina-se a premiar os blogues que fazem pensar. Mas não será que o sonho não é uma forma de pensamento? Este “Palavras ao Vento”, vale pela beleza dos seus poemas e pela forma como é apresentado. Para lá do bom gosto e sentido estético das imagens que nos oferece, dá-nos a possibilidade de ouvir o que lá está escrito. Por vezes, quando ouço os poemas, fico a pensar. Mas quase sempre me quedo a sonhar.


publicado por Fernando Vouga às 23:58

Confessionário disse...

Obrigado, amigo Deprofundis. Não é tanto o prémio, mas as tuas palavras, que agradeço sobremaneira...
Já a Dad me tinha enviado esse mesmo gesto. O Tiagolas tb. Por esta insistência eu vou colocar o gesto no blogue, mas...
Não leves a mal não o conduzir a outros destinos. Teria de fazer escolhas que não quero, neste momento, fazer!!! Para ser justo (a justiça de amigos) teria de os enviar a muitos amigos. Para ser verdadeiro teria de estar mais atento aos blogues de cada um e ultimamente não tenho conseguido (e porventura, magoar alguém) ...Não levas a mal, pois não?

Um agradecido abraço