quinta-feira, outubro 10, 2013

Deus quer que a vida nunca pare

Não se entende como o tempo passa e nos acomodamos à vida que nos surge. Nada aqui neste mundo é eterno. Deus fê-lo tão bem feito que hoje aquilo que nos parece sem sentido, ou acaba por fazer sentido ou aceitamo-lo porque não admitimos não aceitar ou aceitamos que a vida é assim. É interessante esta forma de viver. Difícil de entender, mas maravilhosa ao mesmo tempo. Há doze anos caiu tudo por terra e parecia que nada mais havia naquele momento. A minha mãe partira para o Pai. Convencera-me que aquela marca iria tornar escuro o resto dos meus dias. Mas não. Acreditava já, com todas as forças, na Ressurreição. Sabia que a minha mãe terminara a sua missão aqui na terra. Porém, o mundo desabara em mim e pesava. Fui marcado com a graça de Deus nesse dia. No meio das lágrimas havia sorrisos. A minha mãe era a minha mãe. Não há ser mais unido a nós que a nossa mãe. Já lá vão doze anos. Não é como se fosse hoje. Às vezes parece, mas não é. Não fiquei parado no tempo e na vida com a vida dela. Por isso hoje estou tranquilo. Algo dentro de mim me traz melancolia. Não se explica. Sente-se. Mas não vou chorar. Não quero. Não sei se me apetece, ou não sei o que me apetece. Estou apenas tranquilo. Deus quer que a vida nunca pare. Nem quando morremos.
 
escrito no dia 7 de Outubro de 2013, no 12º aniversário da morte de minha mãe

17 comentários:

Anónimo disse...

"Algo dentro de mim me traz melancolia. Não se explica. Sente-se. Mas não vou chorar. Não quero. Não sei se me apetece, ou não sei o que me apetece. Estou apenas tranquilo."
Que bonito este seu testemunho.
Que natural e humano é descrever dessa forma o que sente.
Deste lado, fico a desejar colocar em mim essa atitude perante a dor da perda.
Desejo esse estado para mim, procuro essa serenidade essa tranquilidade de que fala.
"Nada aqui neste mundo é eterno."
"Deus quer que a vida nunca pare."
Padre amigo, hoje permita-me chamar-lhe assim, eu também acredito na Ressurreição no seu sentido mais total e abrangente.
Permita-me ainda deixar-lhe um forte abraço... aquele abraço de paz que eu tanto desejaria neste preciso momento.
PR

Anónimo disse...

São curiosas estas duas frases: "Nada neste mundo é eterno" e "Deus quer que a vida nunca pare".

Parece que dizem o contrário, mas completam-se e misturam-se, pois uma fala da não eternidade e outra da eternidade e no final acabam por dizer quase a mesma coisa... interessante de analisar filosoficamente

Anónimo disse...

Agora o blogue está com publicidade da Pantene? Por acaso torna-se bastante incomodo.

Confessionário disse...

A sério?!
Só se for alguma virus!
No meu computador esta tudo bem.
Alguem mais tem esse problema ou semelhante?!
Agradecia feed-back

Moçambicano disse...

Caro Amigo P.e "Confessionário":

Antes de mais, o meu pedido de desculpas por só hoje comentar.
Mas não me tenho esquecido, ao longo desta semana.

Um forte Abraço amigo.
E um "Obrigado!" pelo Testemunho de Fé e de Amor, que levam à Esperança.

Este fim de semana, está a decorrer em Valadares, no Seminário da Boa Nova, um Colóquio subordinado ao tema: "Deus tem futuro?".
Com grande pena minha, não posso estar presente.
Mas quem sabe a pergunta "Deus ainda tem futuro" tenha a resposta não tanto junto dos teólogos, sobretudo dos do "1.º mundo", mas sobretudo junto das Pessoas Simples (não confundir com "simplórias") e Generosas.
Pessoalmente, penso que enquanto houver Pessoas abertas ao Mistério, ao Amor e à Solidariedade - e felizmente ainda há muitas, mesmo "fora da Igreja" -, DEUS TEM FUTURO.

Já agora, não tenho nenhum anúncio da Pantene, quando abro o Blog.

Uma vez mais, Um forte Abraço, meu Amigo!

Moçambicano

Moçambicano disse...

Uma frase "lapidar" dum meu amigo Missionário -, por acaso da SMBN:

"Só os Pobres, porque não têm NADA, estão verdadeiramente disponíveis para encher-se de Deus".

Um Abraço para Tod@s.

Moçambicano

Filha de Maria disse...

Isso acontece, quando o leitor tem o pc infectado com software malicioso!

Ou então ao instalarem software gratuito, tipo adobe, etc... não deram conta e estava lá um quadradinho picado, para pop-ups (publicidade), isso incomoda... assim que se abre alguma coisa, lá estão as publicidades.

Anónimo disse...

Boa noite. Pois a mim já me deu outra vez o anuncio da Pantene,mas pelos visto não é sistemático. No outro dia começava de novo sempre que entrava no blogue agora só deu uma vez e passou para outro anuncio e parou. Mas eu não tenho o pc com qq virus, e também não instalei programas. Não se trata de pop-ups, é mesmo o som de fundo que aparece no site quando tenho as colunas ligadas. Não há qualquer indicação disso visual e não abre nenhum programa de som. É estranho pois só me acontece neste blogue nas três ultimas vezes que entrei aqui. Tenho de experimentar de outro pc para tirar as teimas. Bj

Teresa disse...

Acho que a melancolia se pode explicar sim e apenas numa palavra:

... Saudade ...

Mas esperamos sempre que com o passar do tempo, se suporte melhor.
bjs :)

Ruth Bassi disse...

Caro Padre,
A perda da mãe é algo que nos deixa
como que perdidos e com uma mágoa tremenrda. Jamais iremos encontrar alguém que nos ame duma forma tão incondicional. Também ela não gostaria de saber que o/a filho/a
se tinha como que amortalhado. Nós temos que após +/-tempo, consoante a nossa capacidade, reeencontramo-nos para nosso bem e dos que nos rodeiam.
Com o tempo, consegue-se encontrar paz e tranquilidade, embora com muita saudade.
Mas, se acreditamos na ressureição,
temos a esperança de um dia nos reencontrarmos.
Continua o teu caminho com paz e tranquilidade
Um abraço
Ruth

Anónimo disse...

Amor incondicional só o de mãe.

Anónimo disse...

Como gostaríamos que a nossa mãe fosse eterna já neste mundo. Mas como nós também não somos eternos, conforma-mo-nos. Talvez Deus te tenha dado essa graça porque sabia que era demasiado duro suportares essa dor sozinho. Se a tua vida não parou por esse acontecimento marcante foi porque Deus não quis. Ele preferiu que continuasses. Uma mãe para nós é sempre eterna, nunca morre. Há uma relação entre ter perdido alguém (luto) e o estado depressivo (melancolia). Já a nostalgia, um estado de profunda tristeza causado pela falta de algo também é um sentimento melancólico, há quem a tenha como saudade originada pela lembrança de um momento vivido no passado, e quem a tenha como um sentimento semelhante à saudade, mas tendendo sempre a aumentar, é contudo um estado de tristeza indefinida tal como a melancolia. A saudade representa quase sempre a memória de algo que aconteceu de importante na vida de alguém e que não volta. A verdade é que nós também não voltamos ao passado e a vida continua e um dia continuará sem nós. A Luz da Esperança é a Ressurreição onde se dissipam a dor e as sombras e onde no tempo eterno nada existe que não possa ser recuperado. Por isso é verdade, a tua Mãe É eterna não só para ti, mas no lugar onde não existe nem passado, nem futuro.

Anónimo disse...

É estranho como os cristãos lidam com tantas dificuldades com as questões sobre a morte.

Anónimo disse...

Só sofre quem ama independentemente de se ser ou não cristão. Tenho sentimentos, sofro com as perdas e sou cristão. Admira-me é o que vejo por aí. Lamentamos mais a quebra de um telemóvel do que a morte de um pai. Vi eu numa capela.

Anónimo disse...

15 Outubro, 2013 10:33 Não se trata de dificuldades, trata-se de Amor. Mas parece-me que os não cristãos também amam, ou será que os cristão realmente amam mais?

Anónimo disse...

"É estranho como os cristãos lidam com tantas dificuldades com as questões sobre a morte. "
Nem todos os cristãos lidam com a morte da mesma forma, também para lidar com esta questão é necessário um aprendizado.
"ou será que os cristão realmente amam mais?"
E não será por se ser cristão que se ama mais ou menos, o que define a nossa atitude perante a morte é, na minha opinião, a forma como fizemos o nosso aprendizado.
E cada pessoa tem a sua própria forma de lidar com ela.
Se é verdade que não é quem mais demonstra sofrimento aquele que mais sofre, também é verdade que o sofrimento não é mensurável, tal como o Amor e outros sentimentos não palpáveis.
Ser Cristão leva-nos a acreditar que na realidade a pessoa amada não morre espiritualmente, junta-se ao Todo do qual veio e para onde ansiava ir.
Dias há em que sentimos a sua presença junto de nós de uma forma delicada e suave, podemos sentir o carinho em cada gota de água, e cada lágrima nossa é uma saudade contida que escapa visivelmente. E cada gota que nos acaricia só desencadeia mais uma lágrima e outra.
Há outros dias em que estando menos sensíveis sente-se a saudade passada pelo crivo da razão garantindo-nos que não são os nossos sentimentos que definem se a pessoa amada está viva mas é a certeza maior na ressurreição de Jesus Cristo que nos reuniu a todos de novo ao "CRIADOR" e "PAI" de todos os viventes.
Não sei se me expliquei muito bem? É que hoje as ideias estão um pouco agitadas.

Anónimo disse...

O anónimo disse que É estranho como os cristãos lidam com tantas dificuldades com as questões sobre a morte, e tu como é que lidas?